Concerto pela paz com Orquestra de Músicos Afegãos abre 6ª edição do Festival de Música de Mafra

É sob do signo da primavera, do pacifismo e da esperança que, em junho de 2022, o Concelho de Mafra acolhe a sexta edição do festival de música clássica onde se celebra o talento passado, presente e futuro e se propõe que a música nos convoque para a Paz em todas as geografias. A programação do Festival de Música de Mafra espraia-se pelos quatro fins de semana do mês de junho. Esta edição conta com nomes internacionais e nacionais de referência e talentos emergentes que se têm vindo a destacar no domínio da interpretação musical, com enfoque para o piano, instrumento basilar deste Festival. O repertório centra-se em peças dos séculos XIX e XX e contém obras de altíssima exigência técnica, que se abrem a interpretações muito subjetivas por parte de quem as toca.

 

O diretor artístico, Adriano Jordão, destaca “A grande compositora portuguesa Anne Victorino de Almeida dedicou-me uma pequena obra para piano baseada no poema de Alberto Caeiro “Quando vier a Primavera”, um título expressivo e que com toda a propriedade se adequa ao espírito de esperança que todos desejamos seja para sempre. Iremos assim abrir o Festival com um “Concerto pela Paz”, uma paz que ultrapassa os problemas europeus e onde contaremos com uma presença musical afegã. No “Concerto para a Paz” terei ao meu lado o grande violoncelista Pavel Gomziakov, uma figura de absoluta referência cultural.”

 

O concerto de abertura, no dia 4 de junho, às 21h30, decorrerá no Torreão Sul do Real Edifício de Mafra. O público será recebido pela Orquestra de Músicos Afegãos refugiados em Portugal, e contará ainda com a presença de um poeta. A biblioteca deste icónico monumento nacional também irá ser o palco do concerto de encerramento, no dia 25 de junho. Os restantes eventos decorrerão no Auditório Municipal Beatriz Costa (Mafra) e na Casa de Cultura Jaime Lobo e Silva – nos dias 10 e 11 de junho, altura em que o festival viaja até à Ericeira.

 

O lirismo do concerto inaugural irá concatenar com o recital de dia 5 de junho em que o multipremiado pianista sul-coreano Youngho Park irá dar vida à audácia de obras de Beethoven, Debussy, terminando com a grande sonata de Liszt. O concerto de dia 10 e o recital de dia 11, na Ericeira, às 21:30, são inteiramente dedicados à “nova geração”. Dia 10 sobem ao palco o pianista Bernardo Santos e o violoncelista turco Burak Ozkhan, para dar vida a sonatas de Beethoven e Brahms. No dia 11, a Ericeira recebe a pianista Marta Menezes, que irá presentear a plateia com a interpretação de várias obras do repertório ibérico, pondo em diálogo compositores portugueses e espanhóis, destacando-se Carlos Seixas, Vianna da Motta e Albéniz.

 

No terceiro fim de semana (de novo em Mafra), será a vez de Zoran Imsirovic, no dia 18, às 21:30, evidenciar o esplendor do romantismo com os compositores Schumann, Schubert e Scriabin. No dia 19, o pianista João Elias e as cantoras Patrycja Gabriel (soprano) e Carolina Figueiredo (mezzo-soprano) invocarão célebres árias de ópera, num concerto perfeito para toda a família e que se intitula “ Música no Coração”.

Finalmente, no dia 25 de junho, o pianista Artur Pizarro irá encerrar o Festival de Música de Mafra, num recital dedicado ao centenário do nascimento de José Saramago, onde irá interpretar na íntegra a suíte Ibéria, de Albéniz, obra que, pela sua exigência técnica, raramente é tocada na sua totalidade.

 

Partilha