NOS Primavera Sound marca um ponto de viragem… – Glam Magazine

NOS Primavera Sound marca um ponto de viragem…

Há edições que marcam um antes e um depois num festival… e a sétima do NOS Primavera Sound no Porto será lembrada como uma delas. Entre o recinto do Parque da Cidade e o concerto de Fatboy Slim no centro do Porto, o festival ultrapassou pela primeira vez a barreira dos 100.000 visitantes com uma programação artística esmagadora liderada por Nick Cave and The Seeds, Lorde, A$AP Rocky, Tyler, The Creator, The War on Drugs, Fever Ray e Jamie XX, entre outros, não há dúvida de que o festival português consolidou as fundações que o tornam um dos eventos de referência a nível europeu.

Com uma média de 30.000 pessoas em cada um dos 3 dias no Parque da Cidade, além das cerca de 30.000 que se reuniram em frente à Câmara Municipal do Porto no concerto de Fatboy Slim (ver reportagem aqui), o NOS Primavera Sound recebeu público de mais de 60 países que celebraram o escopo estilístico do festival. O show catártico de Lorde, a explosão das estrelas do hip-hop como A$AP Rocky, Vince Staples e Tyler, The Creator e a viagem às profundezas da electrónica de Jamie XX marcaram os 2 primeiros dias, bem como a consagração da última noite com Nick Cave and The Bad Seeds e a sua actuação avassaladora (ver reportagem), e a viagem ao infinito com The War on Drugs.

 

Outra das novidades mais notórias desta sétima edição foi o novo palco Primavera Bits, localizado num pavilhão à imagem de um armazém industrial. Decorado com plantas e equipado com um sistema de som Bowers & Wilkins serviu como um local de encontro para os devotos da electrónica, que receberam com entusiasmo os sets de Gerd Janson, Motor City Drum Ensemble, Levon Vincent e Marcel Dettmann, Talaboman (John Talabot e Axel Boman) e Denis Sulta

.

Além dos cabeças de cartaz, do hip-hop e da música electrónica, o NOS Primavera Sound 2018 consagrou mais uma vez uma edição de ecleticismo, risco e singularidade musical inigualável. O Parque da Cidade foi o cenário ideal para do gigante do folk Father John Misty, a viciante e intrigante Fever Ray, os ritmos evocativos de Rhye, os hipnóticos Four Tet e Floating Points, a mistura irresistível de Ibeyi, o misturador de estilos Thundercat e a delicadeza de Grizzly Bear.

Como sempre, o festival olha para o futuro com os olhos postos em Mavi Phoenix, Yellow Days, Starcrawler, Superorganism, Mattiel, Ezra Furman, Zeal & Ardor ou Idles e na representação da música nacional que recebeu artistas como Moullinex, Black Bombaim, Fogo Fogo e Luís Severo.

 

Nuno Lemos, da Porto Lazer, acredita que “o NOS Primavera Sound é um festival que já faz parte da cultura do Porto e que está hoje perfeitamente integrado no espírito e na dinâmica da cidade. É um evento que vai muito além da música e que mesmo ao fim da sete edições ainda consegue surpreender o público. As alterações feitas este ano no recinto parecem-nos ter resultado em pleno, ajudando a melhorar a experiência de todos os que se deslocaram ao Parque da Cidade ao longo destes últimos três dias. O esforço valeu a pena e agora é tempo de começar a preparar o regresso em 2019.”

José Barreiro, director do NOS Primavera Sound, mostra-se visivelmente satisfeito com o sucesso desta edição, onde foi possível elevar ainda mais o padrão de conforto e comodidade de todos os que visitam o festival com o bom funcionamento das novas áreas criadas que permitiram a todos uma óptima fuição do espaço.

 

O NOS Primavera Sound tem regresso marcado ao Parque da Cidade de 6 a 8 de Junho de 2019. Até para o ano!

 

photo: Paulo Homem de Melo

Partilha