“A liberdade é Cara” reúne Flak e Cachupa Psicadélica

Aos 40 anos de carreira, o percurso de Flak é de imensa relevância na história da música portuguesa. Co-fundador dos Rádio Macau, com os quais editou oito discos e compôs canções como “Amanhã é Sempre Longe Demais”, “Anzol” ou “Elevador da Glória”, a sua carreira a solo teve início em 1998 e desde então tem vindo a coleccionar parcerias de inegável pertinência artística.

 

Desta vez, fruto da solidão que o confinamento promoveu, Flak decidiu regressar ao registo electrónico e, durante o processo, convidou um autor amigo que fosse capaz de gerar desordem e imprevisibilidade à sua obra. Assim nasceu “A Liberdade é Cara”, resultado do encontro com o cabo-verdiano Cachupa Psicadélica, perito em colaborações bem sucedidas, entre os quais com Acácia Maior, Branko (Buraka Som Sistema), Cristina Branco e Mayra Andrade.

Nas palavras de Flak: “Há algum tempo que tinha vontade de trabalhar com o Lula’s (Cachupa Psicadélica). Gosto da sua música e energia. Se, por um lado, temos muito em comum, também é muito aquilo que nos diferencia. “A Liberdade é Cara”. Escolher entre o que podemos consumir é a liberdade que temos. Uma liberdade ilusória”.

Partilha