Danças Ocultas apresenta um novo espectáculo no Misty Fest

Artur Fernandes, Filipe Cal, Filipe Ricardo e Francisco Miguel, quarteto que possui uma longa carreira assinada como Danças Ocultas, preparam-se para apresentar um novo espectáculo no âmbito do Misty Fest de 2018. Depois do EP gravado com Dom La Nena em 2014 e do álbum Amplitude que resultou da colaboração estreita com a Orquestra Filarmonia das Beiras, os Danças Ocultas rumaram ao Brasil para trabalharem com Jaques Morelenbaum num novo registo que deverá ser lançado em setembro.

 

O concerto”, explica Artur Fernandes, “será baseado essencialmente no novo reportório embora não nos escusemos a revistar alguns momentos anteriores da nossa obra”.

Pela primeira vez irão ter uma nova formação em palco: com os Danças Ocultas estará o próprio Jaques Morelenbaum no violoncelo e a sua filha Dora, na voz. “Teremos ainda um sétimo elemento em palco, mas para já é surpresa”, adianta também Artur Fernandes.

Os Danças Ocultas praticam uma espécie de música de câmara a partir da original exploração das concertinas, um instrumento tradicional para o qual criaram um reportório único com que têm corrido mundo recolhendo aplausos nalgumas das mais prestigiadas salas e festivais internacionais.

 

Para o novo disco que contém composições em que temos vindo a trabalhar desde 2012”, revela Artur Fernandes, “pretendíamos uma abordagem mais contemporânea e urbana e daí a colaboração com o Jaques que deu uma lufada de ar fresco ao nosso som com arranjos com muitas percussões e cordas em que participaram algumas lendas da música brasileira”.

O novo concerto, promete enfim o grupo, mostrará por isso um novo som, uma série de novas obras e uma nova atitude, sempre ancorada na larga experiência recolhida ao longo de mais de duas décadas de carreira e na reconhecida genialidade técnica e artística de cada um dos membros do quarteto.

Partilha