Tens Nites Sun? com Them Flying Monkeys, Paradoxo e Grand Sun – Glam Magazine

Tens Nites Sun? com Them Flying Monkeys, Paradoxo e Grand Sun

Um noite de Amor de Sun & Amigos, dia 18 de Maio no Sabotage Club com Them Flying Monkeys, Grand Sun e Paradoxo

Os Them Flying Monkeys são uma banda de rock alternativo, nascida em Sintra pelas mãos de Diogo Sá, Francisco Pereira, Hugo Luzio, João Tomázio e Luís Judícibus, cinco amigos de longa data. As suas canções espelham o contraste entre a atmosfera tensa e negra da cinzenta florestação sintrense e as melodias mais brilhantes e luminosas da maresia costeira que circunda a sua antiga sala de ensaios, onde todas as suas músicas foram escritas: a eterna Penca.

Grand Sun, os quatro sóis são Simon, Ribeiro, António e Miguel. Depois de uma temporada dividida entre a constante viagem e as atuações na Galeria Zé dos Bois, Music Box, Sabotage e Lx Factory, manifesta-se vontade de gravar algumas das canções que foram compondo. No interlúdio dos concertos e ensaios aparecem no programa E2 da RTP2, em processo de composição. Grand Sun é Pop Solarengo cheio de açúcar que nem um gelado servido na mitra papal. Lançam o seu primeiro single, “Apolo” no “Um Ep Xita Records” no ínicio de 2016.

Partilham então palco e boémia com uma serie de bandas de novos e velhos amigos.Pelo meio desse ano tocam no Indieota e é nesse período que decidem começar a compor o seu primeiro registo. Já em 2017, no interlúdio dos concertos e ensaios aparecem no programa E2 da RTP2, em processo de composição para um disco onde a farra, as personagens peculiares, as suas cores e contemplação retratadas. Dois anos volvidos e depois de uma temporada dividida entre a constante viagem e as atuações na Galeria Zé dos Bois, Music Box, Sabotage e Lx Factory, preparam-se para lançar esse disco reexo de tudo que o que se passou entretanto. O que mudou? Quase tudo, mas nada mais interessa neste momento que a boémia continue e “Realise, realise, realise“.

Paradoxo nasceu e cresceu nos arredores de Sintra ao colo de quatro jovens de 21 anos, Afonso Matos (bateria), Eduardo Silva (guitarrista, vocalista), Hugo Cubo (guitarrista, teclista) e Nuno d’Eça (baixo). Desde cedo que estes quatro elementos estão ligados ao universo da música como também uns aos outros, sendo que esta amizade despertou o interesse e a necessidade de criar música. As influências partem desde diversos géneros musicais (Rock, Jazz, Psicadélico, Prog,…) como também a experiência coletiva e toda a misticidade de Sintra que envolve e é envolvida por este projeto.

Além de dar concertos um pouco pelo país, os elementos da banda organizam desde 2015 um festival em Sintra, intitulado Passarão, onde se apresentam ao lado de bandas, como Them Flying Monkeys, GANSO, Reis da República, Zarco, etc. com as quais partilham interesses e influências. No ano de 2018 é apresentado ao público dois singles, Lado do Lago e Dílias do Lago e o primeiro disco de Paradoxo, homónimo do primeiro single Lado do Lago, um conjunto de 8 músicas gravadas em Novembro/Dezembro de 2016.

Partilha