“Pés de Roque Enrole II” dá o mote para o regresso ao Musicbox

Samuel Úria não terá sido dos músicos a sentir mais directamente os efeitos da pandemia, do confinamento e respectivas regras. Aliás, em Setembro de 2020 publicou “Canções do Pós-Guerra”, o seu mais recente trabalho de originais, e ainda este ano, aproveitando o retiro forçado do início de 2021, registou “Canções do Pós-Guerra_Solo”, o EP digital também publicado em cassete áudio. Inclusive, tem mantido uma frequência assinalável das apresentações ao vivo, especialmente nos auditórios e teatros nacionais.

 

Mas, se há algo que efectivamente lhe faltou, seja enquanto performer ou como anónimo na audiência, foram as noites passadas “no escurinho” dos clubes, algo que desde Março de 2020 não ocorre. E qual a melhor forma de celebrar a reabertura? Com um concerto no Musicbox! Um regresso ao icónico espaço da noite lisboeta dois anos depois de ali ter apresentado “Pés de Roque Enrole”, desta feita com o tomo II desse espectáculo, que em 2019 era assim apresentado.

 

A origem do título escolhido para este concerto especial que Samuel Úria irá realizar – Pés de Roque Enrole – não está devidamente apurada: a sua biografia recorre à expressão frequentemente usada “…meio homem meio gospel, mãos de fado e pés de roque enrole…”; por outro lado, a canção gravada na década passada com o colectivo “As Velhas Glórias”, refere-la em “A Grande Eloquência do Roque Enrole”. Serão então pistas.

 

Mas será isso verdadeiramente importante? Ou será bem mais interessante perceber que Samuel Úria escolheu para esta noite de 29 de Outubro o que de mais ”rock n’ roll” existe no seu repertório, numa espécie de regresso ao básico? Ou existirão entre vós descrentes que duvidarão das intenções do mais talentoso cantautor da sua geração?

 

Não, não iremos ser hipócritas e dizer-vos que não irão escutar baladas ou as sonoridades bluesy a que nos habituou, também lá estarão… a espaços. Ou que não irão escutar um par de canções novas. Ou ainda que não existirá um ou outro momento de visita à música de outros. Mas o propósito maior deste regresso ao ambiente dos clubes é este mesmo: imbuir todos os presentes do espírito mais ingénuo e pueril do “roque enrole” ao longo de uma noite de pura energia.

 

Como mestre-de-cerimónias, Samuel Úria, com Pés de Roque Enrole.

Partilha