O Hat Weekend 2018 chega já este fim de semana… – Glam Magazine

O Hat Weekend 2018 chega já este fim de semana…

Da arte urbana à música tradicional, os chapéus ganham muitas formas no Hat Weekend 2018. O festival urbano que ocupará S. João da Madeira entre 20 e 22 de julho contará com mais de 45 atividades destinadas ao público de várias idades. Ao longo de três dias, bandas dixie, grupos populares, artistas de novo circo e grafitters vão propor diferentes olhares para o papel de S. João da Madeira enquanto “capital” do chapéu.

Um dos destaques será o arranque do circuito de arte urbana que a cidade criará ao longo do próximo ano, convidando artistas nacionais e internacionais para intervencionar o espaço público sob o tema “S. João da Madeira, Cidade de Chapéus”. O projeto comissariado pelo Canal 180, selecionou, para esta primeira intervenção, Mariana, a Miserável.

No plano musical são vários os momentos que pautarão com dança as ruas da cidade, com o convite ao desfile de grupos de música com chapéus, o encontro de bandas dixie e as atuações de grupos populares de vários pontos do país. Em S. João da Madeira juntar-se-ão também 14 confrarias, numa mostra que pretende dar relevo ao papel destas coletividades na preservação das tradições gastronómicas e culturais do país. A performance, o novo circo e o teatro de rua ocuparão os muitos momentos que, entre as 10h30 e as 23h00, traçarão uma rota entre o Museu da Chapelaria e as principais praças da cidade. Atenção especial para o espetáculo de abertura, Tangran e o Chapeleiro – Episódio: Em busca do Chapeleiro, uma construção multidisciplinar da Companhia Art’lier para o Festival Hat Weekend, que combina video mapping, teatro, circo e multimédia, para fazer um elogio ao património da chapelaria.

A programação para esta segunda edição do Hat Weekend completa-se com uma feira gastronómica, uma mostra de doçaria regional, um mercado que reunirá alguns dos mais originais artesãos que trabalham o feltro e dois projetos de comunidade, um que propõe uma experiência imersiva e sensorial em torno da memória coletiva do chapéu e outro que propõe um olhar novo sobre os processos de construção e desconstrução do espaço urbano.

 

photo: Paulo Homem de Melo / Glam Magazine

Partilha