Myriam Bleau estreia-se em Portugal com autopsy.glass – Glam Magazine

Myriam Bleau estreia-se em Portugal com autopsy.glass

A canadiana Myriam Bleau utiliza copos de vinho para explorar a tensão antecipada à sua destruição. Bleau atua este sábado no Binário (Gnration), ciclo que apresenta as mais entusiasmantes performances audiovisuais a que é possível assistir atualmente.

A agora cidade criativa da UNESCO para as Media Arts, receberá Myriam Bleau, compositora, performer e artista digital oriunda de Montreal, conhecida por criar instrumentos musicais pouco ortodoxos com materiais familiares.

Bleau cria sistemas audiovisuais que vão para além da tela, como instalações sonoras e performances especificas recorrendo a interfaces musicais. A sua prática eletrónica híbrida apura a performance musical como uma manifestação cultural codificada e contextualiza elementos da cultural pop e da história da música. Dona de uma estética muito própria, a artista canadiana apresenta regularmente peças audiovisuais com um carácter físico e várias vezes conduzidas por performances manuais. Com trabalho reconhecido internacionalmente, Myriam Bleau apresenta trabalhos nos melhores festivais internacionais, tendo passagens marcantes por eventos internacionais e festivais como o Prix Ars Electronica, Sónar, Mutek ou Transmediale.

 


Na performance autopsy.glass, Bleau explora o potencial sónico, visual e simbólico dos copos de vinho. Catalisar a tensão única associada a uma destruição antecipada dos copos do vinho é para Myriam uma fonte de interesse e de descoberta sonora. Através da manipulação ao vivo dos copos, progressivamente mais violenta e com os copos a serem amplificados, Myriam compõe uma cena musical e luminosa a partir de ressonâncias extraídas do vidro. Esta hibridez na sua composição artística resulta em batidas firmes e melodias atmosféricas.

No final da performance, a que Myriam designa como “uma autopsia sonora aos copos de vidro”, um rastro de destruição e de restos de copos permanece perante a audiência esta perante, culminando numa performance audiovisual de carácter único.

Partilha