IbériumCafés Walk & Dance’18 – Glam Magazine

IbériumCafés Walk & Dance’18

O IbériumCafés Walk & Dance’18 caminha para a 4ª Edição. De 28 a 31 de março, Freamunde recebe-o para mais um ano de muita música. O festival conta com 5 palcos e 13 concertos. Nomes como Pista, Killimanjaro, Moullinex, Luís Severo, The Poppers são algumas das confirmações avançadas.

Os “aquecimentos” estão marcados a 17 de fevereiro, com uma noite de festa e animação. O Palco Espaço A é o local escolhido para receber o Warm-Up.

Os concertos estão a cargo dos Panado, Elephant Maze e Heavy Cross Of Flower.

Formados pelo Diogo na guitarra e na voz, Lourenço no baixo e na voz, e Bernardo na bateria, os Panado utilizaram o seu 2016 da melhor forma, fazendo o máximo de barulho possível por metro quadrado e a feliz consequência está prestes a sair cá para fora. Sem antecedência de aviso ou um EP para quebrar o gelo, os Panado dizem agora olá ao (sub)mundo, com “Juventude Coxa”.  Sediados na Amexoeira, mas com as asas viradas para o mundo, é lá que chateiam os vizinhos e todos os mecânicos das redondezas. Depois de assegurarem que os mais diversos palcos deste país tinham apoio lombar, a jovem banda acampou por breves momentos nos Estúdios King (Hey Pachuco!) durante o passado Inverno, e com a ajuda do seu fiel companheiro Cláudio Fernandes, (PISTA, Nada-Nada, Cangarra entre outros), regurcitou o seu primeiro longa-duração.
Juventude Coxa” são 3 putos, 8 músicas e tudo o que ficou pelo meio. Mais do que músicas são canções. E mais do que canções, são malhas. São 35 minutos de feedback, distorção e esquizófrenia latina. Com mais ouvidos que barriga, os Panado presenteiam-nos com uma viagem alucinante ao rock sónico dos anos 90, misturada numa nuvem de delay e melodias hipnóticas, onde o ritmo, a cor e a atmosfera das suas canções tornam “Juventude Coxa” num teatro sonoro especial.

Elephant Maze são uma banda formada em Lisboa, em meados de 2017. A banda é composta por dois jovens músicos que, juntando as construções sonoras e os timbres que retiram dos seus instrumentos, criam moléculas compostas por átomos de garage rock alternativo enfeitado em tons de psicadelia. Este composto químico é já responsável por um par de músicas. cujas gravações culminaram no lançamento, em Setembro de 2017, do primeiro single “Deaffuzz“. O single inclui a faixa que lhe dá o nome, bem como uma faixa extra (o b-side “To Conflate”) e estas músicas não só contrastam nas texturas que se dedicam a explorar, como também se intersetam naquilo que as torna particulares. “Deaffuzz” é o lançamento que abre as portas ao que aí vem e serve como cartão de visita para concertos que já provaram ser destrutivos q.b e para os lançamentos que se avizinham.

Heavy Cross of Flowers, banda que teve a sua origem formalmente em Junho de 2016, mas que se tinha vindo a desenhar previamente por parte dos irmãos Cruz, Telmo e Bea Cruz.
Paulo Ferreira junta-se à formação em Junho de 2016 e a banda ganha um novo ímpeto e agressividade. Parte para concertos, algo que com a dupla não tinha acontecido até então.
Com apenas 10 meses de banda, os HCF abrem para Mars Red Sky, no Cave 45, Porto. Em Junho de 2017 Mário Fonseca junta-se à banda como guitarrista solo, acrescentado o psicadelismo necessário para contrapor o som “directo ao assunto e simplista” detido até então. A banda encerra assim a sua formação.
Entre outros gig’s, participam na edição do Indie Music Fest 2017.

 

Partilha