Em abril… o Centro de Arte de Ovar volta a estar online

O Centro de Arte de Ovar vai continuar online durante o mês de abril, transmitindo mais três concertos em direto e programando novas iniciativas.

As sextas-feiras à noite vão continuar a ser preenchidas com concertos transmitidos em direto, às 22 horas, em “live streaming”, a partir do palco do Centro de Arte de Ovar, nas páginas das redes sociais OVAR/CULTURA

O desafio lançado a diversos agentes culturais e criativos do concelho de Ovar traduziu-se em momentos de programação de qualidade e uma mostra, durante o mês de março, muito positiva, de novos talentos ou trabalhos artísticos.

A 9 de abril, o palco será de SOPHYA (na foto), o universo musical de Sofia Lamelas, artista vareira, nascida em Válega, que mistura géneros do passado com variações que unem ao presente. Tendo lançado um EP com nome artístico diferente, recriou-se, à sua marca e à sua música, lançando recentemente um novo single denominado “Devil’s House”. A única característica que define SOPHYA é mudança. Enquanto reinventar a sua vida, continuará a reinventar a sua música, sendo que vê tudo como um “trabalho em progresso”.

 

O trio de Jazz Gomes, Campos, Martins estarão online, em direto, a 16 de abril. A paixão pela música em geral e pelo Jazz em particular, uniu o músico vareiro João Martins, na bateria, Nuno Campos, no contrabaixo e Paulo Gomes, no piano. Apesar de se conhecerem há muitos anos, esta será a primeira vez que partilham um palco juntos. Com um repertório variado que reúne originais e standards do Jazz, prometem um momento musical diversificado e prazeroso. “Será um ótimo concerto para assistir do sofá ou da cadeira de baloiço com um belo copo de vinho, ou um chazinho” dizem eles.

 

Para finalizar, a 23 de abril, Canto da Liberdade, um grupo de quatro amigos oriundos no norte do Concelho de Ovar, que partilha o gosto pela música e que, em 2014, partiu numa aventura para um tributo a Zeca Afonso e a outros intérpretes de Abril. Este promete ser um espetáculo de sonoridade e arranjos muito próprios, misturando ritmos pulsantes medievais e celtas. É o convite para a celebração de uma viagem no tempo de modo recordar os momentos da conquista da “liberdade”.

photo: Paulo Homem de Melo / arquivo Glam Magazine

Partilha