Deaf Kids abrem novo trimestre do triciclo no sábado…

Os Deaf Kids tiveram uma grande transformação quando a banda se mudou para São Paulo, compondo e criando como uma unidade completa, começaram a misturar o gosto estético e musical de cada membro com um interesse comum em grooves hipnotizantes e ritmos psicadélicos. Todo este processo transformou culminou no último trabalho “Metaprogramação”, em que o trio leva a mistura a extremos completamente inovadores. Numa narrativa onde as músicas se dissolvem umas nas outras, os pulsos eletrónicos misturam-se no poder dos tecidos rítmicos e percussivos freneticamente tecidos para imprimir esse “cenário psíquico do futuro-primitivo” nas canções.

Difícil de descrever ou classificar – ainda, todos os elementos que caracterizam a estética punk e agressiva da banda estão presentes (mesmo que de formas imprevisíveis e surpreendentes) – barragens de atraso e ruído, guitarras a lamentar, ritmos frenéticos a dançar- tudo a desembocar num selvagem mundo psicadélico.

 

São uma banda de canções diretas, esmagadoras e sensoriais, que carregam a herança brasileira (e latino-americana), são os legítimos filhos bastardos do caos colonial – aprisionado aqui e ali – entre visões de mundo complementares e opostas, tentando equilibrar a intensidade e a natureza conflituosa da condição humana.

 

O trio brasileiro vai apresentar o mais recente disco na blackbox do Theatro Gil Vicente, em Barcelos. O concerto realiza-se a 5 de Outubro.

A programação do triciclo continua até ao final do ano. O próximo espetáculo junta o baterista barcelense Krake e o mítico vocalista dos Mão Morta – Adolfo Luxúria Canibal -, a 30 de outubro, no Theatro Gil Vicente

Partilha