“Bochechas” é o novo álbum de Chinaskee…

Chinaskee apresentou na passada sexta feira, 19 de fevereiro, “Bochechas”, o esperado sucessor de “Malmequeres”, de 2017. Com a queda dos “Camponeses” e a adoção do vermelho, veio uma nova banda, a quem Miguel Gomes gosta de chamar o seu lar de rock, habitado por Bernardo Ramos, Inês Matos e Ricardo Oliveira.

 

Em “Bochechas”, sentimo-nos a ir de frente com Chinaskee, sem o floreado inerente à psicodelia e aos teclados que nos deu no primeiro longa-duração. O processo também mudou: neste disco, Chinaskee (alter ego musical de Miguel Gomes) compôs sozinho, sem pressas e sem opiniões. A única pressa é a de querer fazer rock. Uma pressa com pés e cabeça, uma pressa de quem sabe o que quer e qual o seu destino.

Este disco fala de amor, canta sobre crescer e sobre os traumas de infância numa juvenilidade ingénua quase irónica e despreocupada, numa homenagem às guitarras e ao rock.

 

O primeiro dos 10 temas, “Popular” com Vaiapraia, é um choque frontal com “Bochechas” e um prenúncio de todo o disco. Mais à frente, encontramos outros temas com diversas participações – “Mobília”, que já conhecíamos, ganha um novo arranjo e é acompanhado por Primeira Dama; “Edredom” tem Bia Maria; e “Dragões”, Filipe Sambado.

A meio do disco, com o tema “Bochechas”, Chinaskee esmorece, pára para pensar e repensar o amor, como que para repor energias para o resto do álbum.

Essa carga energética é restituída até ao final do disco, altura em que Chinaskee nos segreda que, em miúdo, “Fantasiava sobre ser maior / Ter companhia / E ser o melhor / Tocar bateria, cantar sobre mim / Enfim / Saber letras de cor”. Será que, com “Bochechas”, finalmente conseguiu o que então almejava?

Bochechas” foi produzido por Filipe Sambado, gravado nos Estúdios Namouche, misturado por Eduardo Vinhas e saiu com selo Revolve.

Partilha