A Maternidade e Jasmim apresentam… “Culto da Brisa”

Quem se lembra de Martim a dar trabalho às mãos ao serviço de April Marmara, Hércules e Mighty Sands, no coração da família Spring Toast Records, certamente não será indiferente às incursões folk sob o alter-ego de Jasmim.

Jasmim tornou-se num caso sério do nosso espectro musical contemporâneo após ter surpreendido com a demo “Primavera” (2016) e com o EP “Oitavo Mar” (2017), vinculando-se à lírica bucólica. Alcança agora o “Culto da Brisa”, disco de plena contemplação e invariáveis arranjos ancestrais.

 

Os raios de Sol que teimam em esventrar copas de árvores, o sopro da brisa que teima em acelerar a dança das folhas, são sobretudo velocidades díspares que suportadas na delicadeza da flauta ou no dedilhar da guitarra seguram as evocações de Jasmim. “Culto da Brisa” é uma fuga veloz aos ritmos urbanos, ao frenesim das rotinas, aos tempos acelerados, tornando um conjunto de instrumentos num rio que corre sereno para sul. Nesta serenidade solarenga assenta a voz de Jasmim que cai como seda para os nossos ouvidos, condutora que leva até planícies quentes ou prados verdejantes, onde há rio e campos de trigo, mas sobretudo há paz, como aliás evoca: “Acabou-se a guerra, quero paz”.

É com plenitude que Jasmim se debruça num cruzamento de influências que tocam no psicadelismo, na folk americana ou na música popular portuguesa, trata-se de um cardápio enriquecedor e multi-instrumentalista.

Jasmim apresenta “Culto da Brisa” ao vivo no dia 8 de Fevereiro na Galeria Zé Dos Bois em Lisboa.

Partilha