Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Glam Magazine

Glam Magazine

NEOPOP presents Solomun… no HardClub

Dia 7 de Outubro o Neopop Festival ruma ao Hardclub, no Porto, para mais uma sessão Neopop Presents... Desta feita o convidado de honra é Solomun, acompanhado na cabine por Serginho e Tiago Fragateiro.

“People have emotions. So why not on a dancefloor?" Pergunta Solomun ao mesmo tempo em que nos dá a resposta.

Neopop Presents Solomun

Eleito em 2012 "DJ of the Year" pela Mixmag, o seu percurso tem vindo desde então a surpreender os mais cépticos, contando com actuações um pouco por todo o mundo, onde se incluem os mais prestigiados clubes e festivais de que guardamos memória. O set em Tulum, gravado em 2015, continua a bater todos os recordes de assistências de um Boiler Room, com mais de 28 milhões de visualizações. Mas não só dos afamados DJ sets vive a lenda. As residências no Pacha e Ushuaia de Ibiza por si programadas, são passagem obrigatória para todos os que visitam a Ilha Balear ao longo da temporada de verão, e o seu Diynamic Radio Show é seguido com devoção em cerca de 30 países. Por incrível que pareça, sobra-lhe ainda tempo para dirigir 2 projectos editoriais - Diynamic Records e 2DIY4 - com inegável sucesso.

O segredo? Música com emoção, claro, para sentir no regresso aos encontros NEOPOP presents...

Lisboa melhor que Berlim... o tecnho underground chega a Lisboa pelos discos da Point

A Point é um projecto que quer voltar às raízes do underground, numa altura em que as pessoas estavam mais preocupadas em dançar e não ligavam a coisas como fotos, redes sociais, status, etc“, avançam os responsáveis da novíssima Point. que se apresenta a Lisboa já no dia 7 de Outubro num prólogo que promete ter continuidade e surpreender os amantes do verdadeiro techno underground. 

ESPAC'O3

 

"Ser tu próprio, respeitar o próximo e dançar como se ninguém estivesse a ver. Picar o ponto, a partir de 7 de Outubro, vai ser outra coisa.”

O prólogo escreve-se na Avenida 24 de Julho 108 (acesso ao armazém junto às janelas verdes)

Time For T lançam novo vídeo… "Mary" e apresentam disco no Musicbox

Mary" é uma canção sobre uma rapariga que sofre de depressão. Mary está sempre a fazer planos para ser feliz mas acaba por nunca conseguir escapar - trabalha para guardar dinheiro para viajar e acaba por sempre ficar no mesmo sítio "All the money you said you saved, Working those hours on the minimum wage, You saved your coins like nuts in the winter but, You never turned from a squirrel to a sparrow when Spring came." A música versa também sobre um pequeno paradoxo no que diz respeito ao nome fonético da Mary pois na língua inglesa, Mary pode ser lido como "Merry" que significa alegre: "merry" e "sad" na mesma frase cria este paradoxo.

Hopingsomethinganything_finalcover

O vídeo foi realizado pela Bony Ska, uma amiga francesa talentosa que, nos últimos anos, tem viajado pelo mundo a captar a energia dos locais e das pessoas que lá residem. Neste caso, "Mary" foi filmado no Algarve com a amiga Marie Brines (o nome dela é mais uma bela coincidência). O processo de rodagem foi bastante natural pois as duas conhecem-se muito bem e existe cumplicidade entre as duas. A história começa a perceber-se a meio do tema com o aparecimento do frango. Penso que a essência letárgica da música foi conseguida com a Marie a interpretar Mary.

O novo “Hoping Something Anything” foi gravado ao longo do ano de 2016 nos Spitfire Audio Studios em Londres, produzido pela própria banda e masterizado por JJ Golden (Rodrigo Amarante, Devendra Banhart, Vetiver) em Ventura, California. Editado dia 15 de Setembro pela Last Train Records, editora que Time For T tem em parceria com a banda amiga de Brighton, Common Tongues. A banda apresenta o disco no próximo dia 7 Outubro no Musicbox em Lisboa

The Legendary Tigerman revela “Fix Of Rock N’roll”…

“Fix of Rock N' Roll” é o primeiro single de “Misfit”, o sexto álbum de originais com assinatura de Paulo Furtado a.k.a. The Legendary Tigerman e estará disponível em todas as plataformas de streaming a partir de dia 13 de Outubro.

1498757402

O sucessor de “True” foi gravado no fim de 2016, no mítico estúdio Rancho de La Luna, no deserto californiano de Joshua Tree e é o primeiro a quebrar o formato one man band. Com a participação de Paulo Segadães na bateria e João Cabrita no saxofone, “Misfit” foi produzido por Paulo Furtado e co-produzido e misturado por Johnny Hostile, que trabalha regularmente com as Savages, enquanto a masterização ficou por conta de John Davis (Nick Cave, Royal Blood, Led Zeppelin).

Com lançamento previsto para o início de 2018, “Misfit” tem sido revelado gradualmente, primeiro em pequenos trechos de cada tema na plataforma Spotify, depois, integralmente, ao vivo, no festival Super Bock Super Rock.

 

Em poucos segundos, “Fix of Rock N' Roll” deixa entreouvir aquela que é a marca de “Misfit”: a morte do rock n’roll foi decretada cedo demais. The Legendary Tigerman, louder than ever.

Ana Moura e Rui Veloso juntam-se a convidados de Miguel Araújo nos Coliseus de Lisboa e Porto

Os concertos do Porto e de Lisboa de Miguel Araújo vão ter festa e nela participarão mais de uma dezena de convidados especiais, que tornarão estes espetáculos únicos. Ana Moura e Rui Veloso são os nomes mais recentes confirmados para dois destes concertos, juntando-se assim a um elenco de luxo que conta com Os Azeitonas, grupo do qual Miguel Araújo foi membro fundador, Ana Bacalhau, João Só, os Kappas, Catarina Salinas, André Tentugal, entre outros.

ma-coliseus

Rui Veloso, um das maiores referências para Miguel Araújo, e que teve um papel preponderante no lançamento de Os Azeitonas, participará nos dois concertos no Coliseu do Porto enquanto Ana Moura será um dos nomes a atuar no espetáculo de Lisboa. Os concertos dos Coliseus serão o momento alto da maior digressão de sempre do músico do Porto. Aos êxitos que fazem parte já do grande espólio de canções portuguesas da última década - alguma das quais escritas para outros músicos portugueses - Miguel Araújo irá igualmente levar para o palco as canções do seu último trabalho a solo, “Giesta”, lançado em abril, de onde saíram até à data os singles "1987" e "Axl Rose".

 

Miguel Araújo é considerado unanimemente pela critica como um dos mais importante e completo artistas da nova geração e um dos grandes nomes da música em Portugal. Compositor, letrista, músico e cantor, reúne um talento genuíno, incomparável entre os artistas da sua geração. Em menos de uma década conseguiu escrever mais de uma dezena de grandes êxitos que fazem já parte das grandes canções populares portuguesas deste século: "Anda Comigo Ver os Aviões", "Os Maridos das Outras", "Reader's Digest", "Recantiga", "Balada Astral", "Será Amor", entre tantas outras.

 

Os espetáculos dos coliseus serão pois uma boa oportunidade para ver e ouvir algumas dessas canções cantadas pelo seu autor mas também por artistas para quem escreveu, ou que o inspiraram. A genialidade e o talento de Miguel Araújo e dos músicos que o acompanham nestes espetáculos serão motivo de sobra para celebrar a curta mas bem sucedida carreira.

 

Participações especiais:

 

Coliseu do Porto / 3 de novembro

Rui Veloso, Kappas, André Tentugal, Catarina Salinas

 

Coliseu do Porto / 4 de novembro

Rui Veloso, Kappas, Os Azeitonas, Ana Bacalhau

 

Coliseu dos Recreios / 11 de Novembro

João Só, Kappas, Ana Moura, Ana Bacalhau

 

Vodafone Mexefest com novas confirmações… Oddisee, Hinds e Ermo

A contagem decrescente continua!

Faltam menos de dois meses para a edição de 2017 do Vodafone Mexefest e não param de chegar boas razões para não faltar nos dias 24 e 25 de novembro na Avenida da Liberdade, em Lisboa. Há mais talento a caminho da edição deste ano do festival: o melhor hip hop do mundo trazido pelo norte-americano Oddisee, a pop eletrónica dos portugueses Ermo e ainda o contagiante surf rock das madrilenas Hinds.

DSC_0205 (Cópia).jpgphoto: Paulo Homem de Melo

 

De Espanha, nem bom vento, nem bom casamento” é o género de provérbio que está mais do que ultrapassado. Depois de ouvir Hinds estamos certos de que de Espanha vem, pelo menos, bom rock. Começou por ser um duo formado por Ana Perrote e Carlotta Cosials (vocalistas e guitarristas), mas depressa passou a quarteto com a entrada de Aden Martin (baixista) e Amber Grimbergen (baterista) para a banda. A proposta das Hinds é simples: rock de garagem, lo-fi, direto ao assunto, com carisma e descontração em doses elevadas. Depois do lançamento de algumas faixas soltas (elogiados pelo jornal The Guardian) e do EP “Very Best of Hinds so Far”, em 2016 chegou o primeiro álbum. “Leave Me Alone” mantém a fórmula, com uma energia punk irresistível. Na senda de bandas como os Best Coast ou os Wavves, as Hinds sabem como servir um bom surf rock. E basta ouvir uma canção como "Garden" para perceber que o outono lisboeta vai aquecer com a vinda destas quatro madrilenas.

 

Concentrado na sua própria arte, sem se distrair com as luzes do rap, Oddisee é um dos músicos mais produtivos dos últimos dez anos: mixtapes, discos, colaborações e muitos outros trabalhos enquanto produtor atestam a sua prodigiosa ética de trabalho. Filho de pai sudanês e mãe afro-americana, cresceu sob a influência do rap e da soul, contando com vários músicos em ambos os lados da família. Interventivo como poucos, Oddisee aborda temas como as desigualdades sociais e de género, ou a islamofobia. Mas o talento do rapper de Washington DC não se fica pelas letras e também se faz notar nas batidas, como prova “Odd Tape”, uma mixtape exclusivamente instrumental editada em 2016. Mais recentemente, já em 2017, Oddisee lançou “The Iceberg”. Como sempre, o próprio músico é também o produtor do disco. O jazz é a base de todo o trabalho, mas também há soul, funk, disco e, o mais importante, palavras que têm o dom de nos tornar mais conscientes. Ingredientes mais do que suficientes para mexer com o público do Vodafone Mexefest.

 

António Costa e Bernardo Barbosa são os Ermo, um dos projetos mais arrojados da nova música portuguesa. A dupla de Braga deu os primeiros passos em 2012, com o lançamento de um EP homónimo. No ano seguinte, editaram o seu primeiro longa duração. “Vem Por Aqui”, foi elogiado pela crítica e garantiu a presença da banda em vários palcos europeus e brasileiros. Difícil de catalogar, a música dos Ermo é influenciada por diferentes géneros, desde o hip hop até ao pós-punk. E essa aventura musical tem um novo capítulo: “Lo-Fi Moda”, editado este ano, marca a assinatura com a editora NorteSul. Apostado em criticar a vaidade e o narcisismo destes tempos de domínio digital, o disco já conquistou o público e a crítica – cinco estrelas foi a cotação atribuída pela Blitz e pelo Expresso. Feito da vontade de experimentar, mas sem perder um irresistível apelo pop, “Lo-Fi Moda” é já um dos discos portugueses do ano. O single “crtl + C ctrl + V” é um bom exemplo do talento desta dupla bracarense.

 

 

Rodrigo Serrão desvenda novo single “Filha da Lua”…

Rodrigo Serrão, músico, compositor e poeta português. Lançou no início de 2017 o seu album de estreia "Stick to the Music" revelando-se então ao grande público, em particular com o poema "Hei-de Amar-te a Vida Inteira", um stickista virtuoso, dotado de particular sensibilidade e de musicalidade refinada.

2lw1nx8mpc7e

Natural contador de Histórias, é a imagem do trovador moderno: através das canções, histórias e peças instrumentais com as quais rendilha os seus espectáculos, navega constante e de forma imperceptível entre a tradição e a modernidade. Apresenta-se regularmente ao vivo em Portugal e festivais internacionais e, sendo o único músico a representar a Cultura Portuguesa em concerto com o Chapman Stick®, é por isso mesmo reconhecido como um dos seus grandes embaixadores a nível internacional.

 

Com edição prevista para a Primavera 2018, "Do Amor e outras Histórias" é um disco em que tudo se estrutura e unifica em torno de relatos concretos, onde Rodrigo Serrão acompanhado pelo seu Chapman Stick® mergulha definitivamente na música das palavras e se revela por completo como Contador de Histórias, trovador no Séc. XXI, assumindo influências tão marcantes como José Afonso, Chico Buarque ou Tom Waits.

 

5 Outubro 2017 | 22H00 - Zona Livre AC (Vila Real)

7 Outubro 2017 | 21H30 - Teatro Ribeiro Conceição (Lamego)