Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Glam Magazine

Glam Magazine

Da quê? Da Providers! Na Casa da Guia em Cascais

Quem ainda não ouviu falar desta produtora só pode andar muito distraído. Estes senhores – Nuno Faleiro, Bart Cruz, Filipe Sobral e João Coruche, já levam cinco anos de existência e mais de 50 festas no bucho. E tudo começou no México. Numa viagem de amigos, a curtir trance progressivo num festival, surgiu a ideia de trazerem a Portugal alguns dos nomes do cartaz que entretanto conheceram. Ainda em solo mexicano discutem as linhas do projecto e rapidamente concluem, como salienta Bart Cruz, “"que o objectivo devia ser proporcionar pura diversão, com a melhor música, em locais originais e nas melhores condições possíveis, sem cedências”".

flyier final[1]

Faltava um nome. Mas já o tinham quase sem o saber. Tinham passado as férias a personificar um dos muitos rabiscos duma cabana da praia de Tulum onde um desenho tosco de um gangster que empunhava uma pistola dizia: “If you wanna buy the shit… talk to the provider!”. Nem mais. Não podia ser melhor: Da Providers. Em Setembro de 2002 fechavam um hotel na arriba da Praia Grande, montavam uma tenda de circo e davam a primeira festa do meio-dia até às quatro da manhã com mais de quatrocentas pessoas. Desde esse dia, nunca mais pararam.

 

Quem acompanha as novidades e os eventos de música de dança nacionais já conhece este nome há muito tempo. Da Providers são um dos colectivos mais carismáticos em Portugal, com festas que se distinguem por um ecletismo musical e por chamarem um público diverso e interessado em acompanhar as últimas novidades."

 

A próxima festa está marcada para o dia 30 de Setembro no abandonado Anfiteatro da Casa da Guia em Cascais com um line up de luxo onde contamos com Hobta, Aavik, Victor Norman, Bart Cruz e Chico.

The Chris Slade Timeline em Portugal…

O baterista galês dos AC/DC, Chris Slade, tem um percurso incrível: após iniciar a sua carreira em 1963 ao lado do seu amigo Tom Jones com quem ele gravou vários álbuns, Chris Slade passou a colecionar discos de ouro acompanhando nomes como Manfred Mann’s Earth Band, Uriah Heep, Gary Numan, The Firm Com Jimmy Page, Gary Moore, etc, além de várias digressões ao lado de MSG ou David Gilmour.

lll

Em 1989 juntou-se aos AC/DC com quem grava o álbum “The Razor’s Edge“ editado em 1990 e que chegou ao 2º lugar do top de vendas nos USA. O seu estilo único, a sua força e o seu famoso kit com dois enormes bombos laterais, marcaram a história do Rock como pode ser visto no lendário concerto de AC/DC Live At Donnigton. A seguir junta-se a Carl Palmer no projecto ASIA.

 

Em 2015 regressa aos AC/DC para acompanhar a tour mundial do grupo que passou por Lisboa em 2016. Em paralelo, apresenta este projecto Chris Slade Timeline que chega à sala Lisboa Ao Vivo a 11 de Novembro, onde acompanhado por 5 músicos, celebra a sua carreira revisitando os temas que marcaram mais de 50 anos de Rock’N’Roll.

 

Após o concerto, a festa continua com o DJ Nuno Santos a passar os grandes êxitos do rock.

Nick Garrie edita “The Moon And The Village”… dia 24 de Novembro

Há um novo disco de Nick Garrie e isso é motivo de celebração!

No final dos anos 60, Nick Garrie fez um dos discos que deveria constar na lista dos clássicos dessa década, “The Nightmare of J. B. Stanislas”, um disco cheio de músicas pop românticas e melodiosas.

TR391_NICK_GARRIE_The_Moon_and_The_Village_2400px_cmyk

Após ter desaparecido durante décadas, este disco começou a aparecer em vendas online a preços exorbitantes. Em 2005, “Stanislas” foi reeditado e a mensagem do quão bom o disco era foi passando de boca em boca e uma nova geração de fãs de Nick Garrie nasceu. Músicos como Teenage Fanclub, Wilco, Camera Obscura, The Trembling Bells, Ladybug Transistor e BMX Bandits (claro) estavam entre os declarados fãs.

 

Em 2009, Nick Garrie editou um novo disco, “49 Arlington Gardens” e o mundo constatou que nenhum dos talentos de Nick Garrie tinha desaparecido após estes anos todos. Norman Blake, dos Teenage Fanclub, que participa no disco disse: “Nick’s the real deal. He can really do it. Brilliant songs and what a voice.” De volta a 2017, há um novo disco de Nick Garrie a ser editado, um disco de grande e rara beleza. É o mesmo Nick Garrie de “Stanislas” dos anos 60 e do “49 Arlington Gardens” de 2009 mas, desta vez, Nick Garrie mostra-se mais introspectivo e em reflexão. As canções estão mais fortes que nunca mas transmitem uma franqueza, fragilidade e ternura tremendas e os arranjos são da escola do quanto menos melhor.

Festival internacional de Blues em Braga… Nova Arcada Braga Blues 2017

Pela primeira vez na história, Braga tem um Festival internacional de Blues. Fruto da paixão de Budda Guedes e Micha Rudowski pelo Blues, o Nova Arcada Braga Blues conta com a programação da editora bracarense Mobydick Records. Feito em Braga para Braga, este festival pretende ser uma celebração do género, nas suas mais variadas facetas, com uma fortíssima componente de criação de públicos.

2lvp0t8mpc7e

De forma a envolver a cidade, o Festival acontecerá em múltiplos locais emblemáticos, e com o apoio indispensável do Nova Arcada Centro Comercial e da Câmara Municipal de Braga. O Festival que culmina com 3 espectáculos imperdíveis no Theatro Circo em 2 dias, estende-se por uma semana, tendo início a 27 de Outubro e terminando a 3 de Novembro. Além do centro Comercial Nova Arcada, o Blues marcará presença em alguns dos mais importantes clubes de música ao vivo da cidade de Braga, como o Station Blues, o Pelle e o Setra, e, nos principais cafés centrais : A Brasileira e o Ferreira Capa. Também nas escolas de Música Salão Mozart e Escola de Jazz de Braga.

 

Favorecendo a diversidade e a criação de públicos o festival disponibiliza workshops, entrevistas e concertos. Devido à natureza ecléctica dos eventos os preços de entrada variam, sendo a maior parte gratuita.

 

 

"30 Years" é o novo single de MONDAY…

"30 Years" é o nome do segundo tema de avanço do disco de estreia de MONDAY, novo projecto de Cat Falcão, metade do duo Golden Slumbers. 

O tema surge uns meses depois do lançamento de “Yo-yo”, incluído na colectânea Novos Talentos FNAC 2017, bem como em várias playlists de rádios nacionais. 

10509f01-88f0-4141-9669-5bcf9cca9b7d

As canções de MONDAY, cujas letras têm tanto de autobiográfico como de ficcional, foram escritas por Cat Falcão, muitas das quais durante um período, entre discos de Golden Slumbers, em que viveu em Londres. Neste conjunto de canções, partindo das bases e influências folk da Cat, são exploradas novas sonoridades, mais eléctricas e, a espaços, experimentais.

O disco, que será editado no início de 2018, conta com a produção de António Vasconcelos Dias (Benjamim, Julie and the Carjackers, TAPE JUNk) e a banda que acompanha a Cat é composta por António Vasconcelos Dias na guitarra, Nuno Simões (David Fonseca) no baixo, Sérgio Nascimento (Sérgio Godinho, Deolinda, David Fonseca) na bateria e Zé Guilherme Vasconcelos Dias (Golden Slumbers, Flak) nas teclas.

MONDAY actua no Festival Silêncio, no dia 29 de Setembro, às 23h15, no Sabotage Club, em Lisboa   

"Carnival" é o mais recente single de Moullinex…

O groove irresistível dado pela linha de baixo imparável une-se à excelente interpretação de Shermar, resultando na exaltação de energia positiva que só uma boa canção pode dar. Embora já tivesse sido responsável pela escrita de músicas de Jarreau Vandal (Soulection) e Satin Jackets (Eskimo), esta foi a primeira vez que Shermar Akili Davis interpretou uma canção em que participa. Tendo-se cruzado com Moullinex, o cantor e compositor da Carolina do Norte (EUA) sentiu que esta era a música pela qual esperava há tanto tempo para cantar.

Carnival

Moullinex começou por apresentar "Hypersex" com "Open House", "Love Love Love" e "Work it Out", sendo agora revelado "Carnival". Esta música fala do estado do mundo atual e da mercantilização de cada aspeto das nossas vidas. Nestes dias em que a escuridão domina o mundo, às vezes tudo o que precisamos para sobrevivermos a mais um dia é somente uma grande canção.

"Hypersex", o seu terceiro álbum, disponível a partir de 6 de outubro

 

Anastacia... e o clube de fãs oficial em Portugal

Em janeiro de 2006, Marta Outeiro teve a ideia de fundar o Clube de Fãs. Desde 2001 que Marta aprecia a cantora, ouve a sua música de som inigualável, respeita e admira o seu percurso artístico. Para ela, Anastacia é uma pessoa diferente e muito corajosa, um verdadeiro exemplo para todas as pessoas, sobretudo para aquelas que já passaram por períodos difíceis em suas vidas.

Nova imagem

Ao estabelecer contato na altura, via Messenger, com fãs e amigos, Marta, rapidamente concluiu que, muitos deles, nutriam a mesma admiração pela Anastacia e que, futuramente, a apoiariam nesta sua ideia. Assim, por forma a criar um nome original e diferente, facilitando a identificação desta organização, nasceu o COFAPT, Clube Oficial de Fãs da Anastacia em PorTugal, a 22 de janeiro de 2006. Sedeado em Portugal, o Clube de Fãs conta atualmente com o apoio e reconhecimento da própria Anastacia e respetivas entidades, e ainda com mais de 300 fãs portugueses inscritos e mais de 200 de outras nacionalidades, tornando-se assim numa organização oficial sem fins lucrativos a nível internacional.

 

Para Marta, o COFAPT, representa a oportunidade de conhecer pessoas fantásticas, que têm através da sua colaboração, transformado progressivamente este Clube de Fãs num projeto em que dá prazer trabalhar. O Clube, mesmo que a Anastacia siga outros rumos no futuro, que não apenas os musicais, continuará a dar-lhe o seu apoio e a realizar a sua divulgação. Para além disso, pretende unir os seus membros através da participação dos mesmos nas redes sociais, em projetos/passatempos, concertos, encontros e reuniões.

 

O COFAPT tem ainda ‘merchandising’ oficial que todos os membros podem adquirir, com o respetivo logotipo da organização reconhecível em qualquer parte do Mundo.
Mais informações aqui

Dona Elvira apresenta “Confissões de um Moleiro”

Depois da longa digressão em 2016 de apresentação do seu primeiro álbum, “Histórias e Segredos”, que começou em Abril e apenas terminou em Outubro, os Dona Elvira regressam ao palco do Centro Cultural Olga Cadaval para apresentar o seu novo espectáculo Confissões de um Moleiro, dia 30 de Setembro às 21h30.

untitled-1

Criando um paralelo com a Mondadeira e a Elvira, personagens centrais de Histórias e Segredos e dois dos temas do álbum que mais encores provocaram ao longo dos sete meses de estrada, também o humilde Moleiro esconde uma vida surpreendente, repleta de aventuras e emoções inesperadas e nunca divulgadas... até agora. Vários temas novos do segundo disco serão apresentados no Centro Cultural Olga Cadaval ainda antes da sua edição. Mais rock, mais volume e muitas emoções a relembrar o orgulho na língua portuguesa e nas nossas tradições musicais. Tudo no mais puro espírito Dona Elvira.

 

A decisão de apresentar novos temas antes da sua edição prende-se com a atitude com que os Dona Elvira encaram a produção da sua música. Paulo Lawson, vocalista e principal compositor da banda de Sintra explica: “Uma coisa é o que nós gostamos, outra é como o nosso público recebe aquilo que nós criamos. Temos um público muito fiel, muito amigável e acima de tudo muito comunicativo. Falam connosco directamente pelas redes sociais e através do nosso grupo de fãs (no Facebook encontram o grupo em Dona Elvira – Grupo de Fãs). Mostrar o nosso novo trabalho no ambiente intimista do Olga Cadaval é uma oportunidade de sentir como os fãs recebem as novas músicas e ainda temos tempo de fazer ligeiras alterações aqui e ali. Fazemos música para as pessoas, é esse o nosso espírito”.

 

Confissões de um Moleiro vai trazer de volta ao palco do Olga Cadaval temas do primeiro álbum e os primeiros temas do novo EP dos Dona Elvira que será lançado por altura do Natal pela mão da Farol Música com um encadeamento surpreendente de personagens e uma sonoridade acentuadamente mais Rock. A promessa fica feita: muita diversão em 105 minutos de espírito Dona Elvira.

VERÃO AZUL - Festival de Artes Performativas chega em Outubro

Em Outubro, Lagos e Faro recebem uma extensa programação no que é a 8ª edição do evento de arte contemporânea mais relevante do eixo Barlavento–Sotavento algarvio. O Verão Azul - Festival de Artes Performativas traz de novo ao Algarve uma extensa programação nas áreas das artes performativas, artes visuais, cinema e música.

Screen_Shot_2017-09-19_at_17_42_47.png

O que é um dos mais relevantes eventos a promover a descentralização da difusão da arte contemporânea chega à 8ª edição e, seguindo a sua lógica de interligação entre os municípios do eixo Barlavento–Sotavento, escolhe as cidades de Lagos e Faro para dois momentos de aproximação e sensibilização da comunidade à criação nacional e internacional.

De 17 a 28 de Outubro, vários locais das duas cidades recebem um conjunto de propostas transdisciplinares que pretende continuar a cristalizar a razão pela qual o evento foi inaugurado em 2010, ou seja, fortalecer o posicionamento do Algarve enquanto pólo de criação artística contemporânea, afirmando a região como lugar de forte expressão artística e singularidade estética.

 

O programa deste ano contempla obras de carácter mais experimental, de artistas consagrados e emergentes, com destaque para os espectáculos de nomes da nova dança portuguesa como Vera Mantero, Francisco Camacho ou João Fiadeiro.

Tiago Rodrigues é um dos grandes destaque ao apresentar, pela primeira vez no Algarve, a sua muito internacional versão do amor impossível de "António e Cléopatra".

No que a música diz respeito, confirmação do trio de Alex Zhang Hungtai, Gabriel Ferrandini e David Maranha, que actuará em Lagos, e de Murcof & Vanessa Wagner que irão apresentar "Statea", no Teatro das Figuras, em Faro.

 

O festival investe também na criação de espaços de interacção entre os artistas, comunidade e público, desafiando os primeiros a realizar projectos que convoquem a participação da população e de grupos associativos locais.
Nesse sentido, o compositor, produtor e criador cénico Jonathan Uliel Saldanha desenvolve o seu concerto-performance "Plethora" - uma construção sonora e cénica para um conjunto de vozes e espaço acústico - e integra a participação de 70 pessoas da comunidade local. De 20 a 27 de Outubro, convocam-se homens e mulheres com idades compreendidas entre os 12 e os 60 anos, com ou sem experiência no trabalho de voz, de origem amadora ou profissional a participar no processo de pesquisa vocal e cénica*. O resultado poderá ser visto no Parque de Estacionamento do Mercado Municipal de Faro .

Já o duo de rock experimental dos dos multi-instrumentistas Eduard Pou e Pau Rodríguez, os conceituados ZA!, realiza um workshop dirigido a 15 músicos (profissionais ou amadores) e estudantes de música a partir dos 13 anos cujo resultado será mostrado no palco do Clube Artístico Lacobrigense.

O workshop terá lugar de 17 a 19 de Outubro no mesmo local, das 18h às 21h.

 

Verão Azul - Festival de Artes Performativas conta com direcção artística de Ana Borralho & João Galante e realiza-se de 17 a 28 de Outubro, em vários locais das cidades de Lagos e Faro. É uma produção da casaBranca e conta com a Câmara Municipal de Lagos e o LAC – Laboratório de Actividades Criativas como parceiros estratégicos, e com o Teatro das Figuras, como co-produtor da programação de Faro. Integra o Programa 365 Algarve promovido pelas Secretarias de Estado da Cultura e do Turismo.

 

Toda a programação a anunciar brevemente

 

A China tradicional em destaque no Museu do Oriente

A cultura chinesa está em destaque na programação do Museu do Oriente, no final de Setembro - dias 27, 28 e 29 -, com a realização de um espectáculo de ópera de Pequim, a conferência “Re-discover China” e visitas orientadas à exposição “A Ópera Chinesa”.

Tian Yunxiang e Li em Encruzilhada-min

Com interpretação da Tianjin Youth Beijing Opera Troupe, o espectáculo de Ópera de Pequim tem lugar quarta-feira,27 de Setembro, às 21.00, com entrada gratuita. Excertos de três peças do repertório clássico (Encruzilhada, Adeus Minha Concubina e Montanha Qingshi), com números de música, dança, mímica, artes marciais e humor, dão a conhecer esta arte milenar reconhecida pela UNESCO como Património Cultural Intangível da Humanidade.

 

No dia 28, Ge Jianxiong, professor catedrático na Universidade de Fudan (Xangai) – onde dirige a Faculdade de História e Geografia – e membro do Instituto Central de Investigação em Cultura e História, protagoniza a conferência “Re-discover China: The people, land, agriculture and traditional wisdom”, de entrada livre, para abordar a longa história e diversidade cultural de uma das mais antigas civilizações do mundo.

 

Com o objetivo de dar a conhecer um dos tesouros culturais da China, o Museu do Oriente realiza, em quatro sessões com temáticas distintas, visitas orientadas à exposição “A Ópera Chinesa”. A primeira é dedicada à importância da cor em cena - “Dicionário de Cores na Ópera Chinesa” - e decorre no dia 29 de Setembro. As sessões seguintes acontecem a 27 de Outubro, 24 de Novembro e 15 de Dezembro abordando, respectivamente, os temas: “A música na Ópera Chinesa”, “A gestualidade e a expressão corporal” e “Caraterização na Ópera Chinesa: maquilhagem, adereços e figurinos”.

 

 

Obra pública do mestre Júlio Resende em exposição em Matosinhos

Dos azulejos que decoram a estação de metropolitano de Sete Rios, em Lisboa, ao icónico painel “Ribeira Negra”, no Porto, Júlio Resende produziu uma extensa obra pública que dá vida a edifícios e a ruas de todo o país. Este labor destinado ao enriquecimento do espaço público, permitindo a fruição da arte pelos cidadãos, é o centro da exposição “Obra Pública”, que este sábado, pelas 17 horas, será inaugurada na Galeria Municipal de Matosinhos.

Resende

Organizada no âmbito das comemorações do centenário de nascimento do artista, que se assinala no próximo dia 23 de outubro, a exposição resulta da colaboração entre a Câmara Municipal de Matosinhos e o Lugar do Desenho – Fundação Júlio Resende, apresentando um conjunto de estudos para painéis cerâmicos, tapeçarias e vitrais, os quais deram origem a algumas das mais importantes obras de Resende. “Conhecer esta faceta do pintor é conhecer um discurso artístico que procurou uma função para a arte e uma responsabilidade cívica para o artista”, considera a crítica de arte Laura Castro no texto que produziu para o catálogo da exposição.

 

Com efeito, foi o próprio Júlio Resende que considerou que “um mural num espaço urbano é o mais justo fim de uma pintura. Aí atinge plenamente a sua função social, e é essa a razão de ser da sua existência”.

Uma das salas da exposição “Obra Pública” é dedicada ao espólio da Câmara Municipal de Matosinhos, cuja principal parede da sala de sessões públicas do edifício dos paços do concelho conta com uma das mais notáveis obras de Resende, o painel cerâmico “Lenda de Cayo Carpo”. Deste acervo faz ainda parte a tapeçaria “Neptuno”, presente na exposição. “Obra Pública” conta ainda com diversos estudos realizados para todo o país, do já referido “Ribeira Negra” aos notáveis vitrais da igreja do Foco, no Porto, passando pelo painel do edifício Pinto de Magalhães.

 

Júlio Resende, recorde-se, nasceu no Porto e faleceu há precisamente seis anos, no dia 21 de setembro de 2011. Foi um dos mais notáveis artistas portugueses do século XX, tendo conquistado prémios como o Amadeo Sousa Cardoso (1949) ou o Prémio Especial da Bienal de S. Paulo (1951).