Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Glam Magazine

Glam Magazine

Shabazz Palaces com dois novos álbuns e data dupla em Portugal

Shabazz Palaces regressam a Portugal com duas datas, em Lisboa e Braga. Trazem consigo dois novos álbuns: “Quazarz: Born on a Gangster Star” e, directamente do outro lado do espelho, “Quazarz vs. The Jealous Machines”.

47b079c0-6637-4a79-9669-afbb670392d9

São dois novos álbuns envoltos num conceito unificador, a visita de Quazarz ao nosso planeta, a sua ligação a um dealer de drogas - "que não estava nem aqui nem ali" - e a sua posterior deambulação solitária por esta dimensão - "em que falamos com armas que nos mantêm seguros, em que não imaginamos para lá da imagem, onde matámos o amor, onde matámos Prince, onde matámos a vergonha...". É, claro, uma observação alegórica da América - "Amurderca" - pela lente de um afro-futurismo militante, tão devedor de Sun Ra quanto do Stevie Wonder mais psicadélico ou dos mais lisérgicos delírios de Kool Keith.

 

Os Shabazz Palaces souberam sempre andar do lado de lá desta realidade. Entre instrumentais e temas com obtusas imagens - "vem em ouro e chega para a noite...". -, Lazaro e Maraire reclamam um urgente espaço no futuro através de uma original observação do pretérito presente. Tudo gravado em Seattle com novo equipamento, novos cúmplices, novos instrumentos, para pulverizar fórmulas de conforto. Os Shabazz Palaces explicam-nos que “Born on a Gangster Star” "chegou ao mundo com uma pressa desgraçada, como a noite quando desce sobre uma ilha". E com ajudas, "em corpo ou espírito", de Thundercat, Gamble & Huff, Thadillac, Ahmir e Blood, entre outros, a dupla palaciana construiu um díptico que se posiciona já no topo da pirâmide qualitativa de 2017.

 

O grupo de Seattle actuará no dia 31 de Outubro, no Lux Frágil pelas 22:30h, concerto a realizar-se no âmbito da comemoração do 23º aniversário da ZDB. Em Braga, é na Quinta-feira, dia 2 de Novembro às 22h que os Shabazz Palaces actuarão no gnration com a primeira parte assegurada por Ângela Polícia.

Ao vivo vai ser outra coisa. Porque é sempre. O agora nunca é igual. O igual nunca é agora. O nunca agora é igual. Quazarz.

TAPE FACE… o fenómeno do America’s Got Talent chega a Portugal em Setembro

Distinguido nos mais relevantes festivais de artes e cultura, acumula audiências em televisão e no YouTube com a mesma facilidade com que coleciona reviews de cinco estrelas pela crítica.

Eis Tape Face: silêncio com barulho. Stand up sem conversa. Teatro sem palavras. É ver para crer.

Tape Face_Cartaz Lisboa

Vindo de uma temporada esgotada em Las Vegas, uma digressão pelos Estados Unidos e representações no West End de Londres, Tape Face está agora de olhos postos em Lisboa, para duas noites surpreendentes no Teatro Tivoli BBVA, com data marcada para os dias 25 e 26 de setembro.

 

Autor do silêncio que move plateias e das travessuras que surpreenderam o America’s Got Talent, Sam Wills é um fenómeno consensual da comédia silenciosa. Reconhecido pelos pares e premiado em diversas competições e festivais de artes e de comédia, este mimo neozelandês é também o homem cujo espetáculo é partilhado na internet vezes sem conta em todo o mundo, tendo sido o artista mais viral do YouTube no ano de 2016.

Com um show inspirado no cinema mudo, na mímica, na magia, no teatro de fantoches, na Motown e nos filmes de Patrick Swayze, Tape Face é uma alma melancólica e curiosa que encara cada objeto e membro da plateia como um potencial amigo ou alvo de brincadeira. Desde sapatos que cantam, vestidos vazios que dançam, a fita adesiva que se transforma em rosas, Wills cria todo um mundo de possibilidades onde a única certeza do público é o riso.

Festival Caixa Alfama’17… Programação do Palco Santa Casa completa cartaz

A edição 2017 do Festival Caixa Alfama já tem data marcada, dias 15 e 16 de Setembro. As melhores vozes do Fado da atualidade juntam-se em Alfama para celebrar a música da alma portuguesa. Com dez palcos e mais de 40 fadistas, o cartaz deste ano fica completo com o Palco Santa Casa no CC Dr. Magalhães Lima. Neste palco há tradição e inovação, diferentes Fados dentro de um mesmo Fado. Alexandra, Hélder Moutinho, Pedro Moutinho, Rodrigo Costa Félix e a aposta Bárbara Santos são os nomes que vão encantar o público no Palco Santa Casa.

mosaico_ca_magalhaeslima_1

Na primeira noite, dia 15 de setembro, os Fados ficam a cargo de dois irmãos que são também duas das melhores vozes do presente do Fado: Hélder Moutinho e Pedro Moutinho. Hoje o público está habituado a ver Hélder Moutinho a pisar os grandes palcos, mas houve um tempo em que só cantava para amigos. Quando finalmente decidiu enfrentar o público de uma casa de Fados, teve uma reação elogiosa que não esqueceu até hoje: “Afinal o menino também canta…”. As palavras são de Beatriz da Conceição. Canta, e canta ao nível dos clássicos, como prova o último disco: “Manual do Coração”, com letras de João Monge, que integrou várias listas dos melhores discos do ano de 2016. O concerto no Caixa Alfama deste ano vai, obrigatoriamente, passar por aí.

 

Depois de Hélder Moutinho, também Pedro Moutinho leva até ao Palco Santa Casa esses genes abençoados pelo Fado. Canta desde os 11 anos, mas foi em 2003 que editou “Primeiro Fado”. A partir daí, cada novo lançamento levou-o mais alto e mais longe que o anterior. “Fado em Nós”, editado em 2016, é o último disco do Pedro Moutinho. Gravado no coração das memórias fadistas – o Museu do Fado – e fora dos estúdios, tem esse sabor especial do Fado ao vivo. O que só pode querer dizer que alguns dos seus temas vão soar perfeitos no Caixa Alfama.

 

A segunda noite, no dia 16 de setembro, o Palco Santa Casa fica entregue a uma das vozes mais acarinhadas pelo público: a cantora e fadista Alexandra. Com várias participações no Festival da Canção, desde a década de 70 que a voz da Alexandra é familiar ao público português. O património dos seus discos e a participação no Musical Amália de Filipe La Féria, garantem-lhe lugar num grupo restrito de fadistas capaz de emocionar qualquer plateia. Fado tradicional e a homenagem a Amália Rodrigues são duas vertentes do espetáculo que Alexandra vai apresentar no Caixa Alfama.

 

No mesmo dia, o Palco Santa Casa também recebe um dos fadistas mais reconhecidos da sua geração: Rodrigo Costa Félix. O fadista prepara um novo disco, com data prevista de lançamento para o final de 2017. Será o sucessor de “Fados de Amor”, registo editado em 2012, um disco que ganhou o Prémio Amália Rodrigues, e que inclui o single “Amigo Aprendiz” com Tiago Bettencourt, um tema que foi considerado pela revista “The Atlantic” como uma das grandes baladas de 2012. Depois disto, a expectativa do público só pode ser grande para conhecer alguns dos Fados novos do Rodrigo Costa Félix já a 16 de setembro no Caixa Alfama.

 

Bárbara Santos é a aposta deste ano do festival Caixa Alfama. Apesar da sua juventude, já passou por várias casas de Fado como o Coração da Sé, São Miguel de Alfama e Coração de Alfama. Atualmente integra o elenco da Adega Machado. É com este selo de qualidade que a jovem Bárbara Santos chega agora ao Palco Santa Casa

 

15 de Setembro 2017

Palco Caixa – António Zambujo, Marina Mota, José Gonçalez & Sangre Ibérico

Museu do Fado / Auditório – Teresinha Landeiro, Matilde Cid

Museu do Fado / Largo do Chafariz de Dentro – Luís Guerreiro, Pedro de Castro

Palco Amália / Auditório Abreu Advogados – Filipa Cardoso, Carolina

Palco Ermelinda Freitas / Largo das Alcaçarias – Diogo Clemente, Miguel Ramos

Palco Santa Maria Maior/ Grupo Sportivo Adicence – Jaime Dias e Ana Marta, Diogo Rocha e Sandra Correia

Igreja de São Miguel – António Pinto Basto, Teresa Tapadas

Igreja de Santo Estêvão – Rosita, Nádia Bastos, Kiko, Pedro Ferreira

Fado à Janela / Largo de São Miguel – Jorge Silva, Miguel Monteiro, José Manuel Rodrigues

Palco Tofa / Sociedade Boa União – Conceição Ribeiro, Augusto Ramos

Palco Santa Casa/ Centro Cultural Dr. Magalhães Lima – Hélder Moutinho, Pedro Moutinho

 

16 de Setembro 2017

Palco Caixa – Gisela João; Marco Rodrigues; “Os Mestres”: António Rocha, Artur Batalha, Cidália Moreira, Filipe Duarte, Maria Amélia Proença, Maria Armanda, Maria da Nazaré  e Nuno Aguiar

Museu do Fado / Auditório – Nathalie, Tânia Oleiro

Museu do Fado / Largo do Chafariz de Dentro – José Manuel Neto, Paulo Soares

Palco Amália / Auditório Abreu Advogados – Ana Sofia Varela, Buba Espinho

Palco Casa Ermelinda de Freitas / Largo das Alcaçarias – Paulo Bragança, Edu Miranda Trio, Júlio Resende “Fado Ensemble”

Palco Santa Maria Maior/ Grupo Sportivo Adicence – Vítor Miranda e Henriqueta Batista, Pedro Galveias e Vera Monteiro

Igreja de São Miguel – Gonçalo Salgueiro, Maria Ana Bobone

Igreja de Santo Estêvão – Luís Caeiro, Rui Vaz

Fado à Janela – Jorge Silva, Miguel Monteiro, José Manuel Rodrigues 

Palco Tofa / Sociedade Boa União – Miguel Xavier, Joana Almeida

Palco Santa Casa/ Centro Cultural Dr. Magalhães Lima – Alexandra, Rodrigo Costa Félix, Bárbara Santos

 

“Yeah!” é a estreia de Luiz Bruno

Luiz Bruno, musico, compositor e multi-instrumentalista de carreira prolífica, iniciou a sua trajetória musical em Porto Alegre no Brasil, tocando baixo e guitarra em bandas do chamado “underground” da cidade. Em 2013, muda-se para Londres onde colaborou com o músico Vincent Sala e com a banda de rock psicodélico Brother Low Elephant Grass. Passou por palcos na Inglaterra e França, em lugares lendários como o The Hope and Anchor, onde Ramones, Joy Division, Sex Pistols e The Clash iniciaram carreira.

01.jpg

Em 2015 iniciou carreira solo através do pseudônimo I Know I'm An Alien. Apresentou-se no festival Fat Out Fest, em Manchester, e em diversos clubs de Londres. Despindo-se do pseudônimo, Luiz Bruno voltou-se ao hip hop e ao pop dos anos 90, aderindo às timbragens e estéticas da época, e acrescentando elementos mais psicadélicos. Ao vivo, a performance é solo com o amparo de drum machines, sintetizadores, loops de baixo e de uma misteriosa guitarra atonal.

A música de Luiz Bruno é de vanguarda, porém dançante e acessível a todos os ouvidos. As letras, escritas em inglês, são simples e concisas. Ele traz o humor nas suas composições, nas apresentações e na postura de artista. Segundo ele, seu estilo pode ser chamado de “Hippie Hop”, ou ainda “Trip Hope Psicomequié”.

 

“Yeah!” é o single de estreia de Luiz Bruno lançado a 28 de julho pela Take One Records. A produção é assinada pela Dog Brain Vídeo, produtora inglesa especializada em vídeos de música.