Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Glam Magazine

Glam Magazine

SonicBlast'17… O Festival está a chegar a Moledo e anuncia dia de 'warm up'

O SonicBlast'17 chega a Moledo nos próximos dia 11 e 12 de agosto e consigo traz os melhores nomes do stoner rock, doom e heavy. Mas antes ainda do evento começar, os festivaleiros e os habitantes da vila podem assistir a alguns concertos de warm up no dia 10 de agosto no Paredão 476 e no Ruivo's Bar, ambos localizados na praia de Moledo.

b3ddc344-ed19-4b45-a8a0-1c63026a63cf

O  warm up na quinta-feira, dia que antecipa o início do Festival, conta com bandas como Jesus the Snake, Chaos Ritual, Desert Mammoth e Mr. Mojo. Todos os concertos são de entrada livre. As 17H00 começam os concertos no Paredão 476 com Jesus the Snake e Chaos Ritual e às 23H00 no Ruivo's Bar como Desert Mammoth e Mr. Mojo.

A organização anuncia também as SonicBlast'17 after parties, para "aqueles que não gostam de ir para a cama cedo". No madrugada de dia 12 de agosto, depois do primeiro dia de Festival, Isabel Maria apresenta-se ao vivo no Ruivo's Bar a partir das 03H00. Já na madrugada de dia 13, e para findar esta edição do Festival, o DJ Fitz toca no mesmo espaço. Estas after parties são também de entrada livre.

No primeiro dia do SonicBlast'17 podemos contar com nomes como ElderMonolord, The Cosmic DeadKikagaku Moyo, Black Bombaim, The Well, The Great MachineYuri Gagarin, Stone Dead, It Was The Elf, Holy Mushroom e Bar de Monjas.

Já o segundo dia conta também com Orange Goblin, Colour HazeAcid King, The Machine, Sasquatch, Death Alley, Dead Witches, Toxic Shock, Blaak Heat, Löbo, Vinnum Sabbathi e Ana Paris.

O SonicBlast'17 volta à localidade de Moledo, Caminha. Durante os dois dias, os festivaleiros poderão ver mais de 24 concertos e contar com um óptimo ambiente, não fosse o festival um encontro perfeito entre praia, piscina, surf, skate e muito rock.

Jamie Cullum regressa a Portugal para 2 concertos únicos…

No dia 28 de Julho, o belíssimo Jardim de Serralves no Porto, vai receber um dos maiores artistas de sempre, Jamie Cullum, para um concerto que promete ser muito especial. No dia 29 é a vez do cantor britânico fechar a edição de 2017 do EDPCOOLJAZZ.

11836899_1676964935870789_3328222606781274869_n

photo: Sara Silva

 

O multifacetado pianista, cantor e compositor Jamie Cullum é a maior estrela de Jazz do Reino Unido. O músico britânico, um astro maior do Jazz, deixou a sua marca no mundo da música através da sua originalidade e criatividade: sabe como ninguém polvilhar o Jazz com sons contemporâneos e Pop. Mas sem esquecer a multiplatina com “Twentysomething” e todo o seu conhecimento e amor pela música que o fizeram crescer nos palcos de todo o mundo. Vencedor de um Grammy, dois Brit Awards, dois Globos de Ouro, entre outros prémios conquistados. Uma discografia que o vem consagrando no artista que é hoje e que já vendeu mais de 10 milhões de cópias em todo o mundo.

 

O versátil músico inglês, nesta visita a Portugal, regressa ao EDPCOOLJAZZ depois de em 2013, mais uma vez, ter marcado presença no festival, numa edição muito especial que celebrou o 10º aniversário e o consolidar de uma marca e conceito único de festival que se afirma cada vez mais no panorama musical de Portugal.

Samuel Úria nos Festivais de Agosto

Depois de ainda em Junho, dias após o triunfo no Teatro Tivoli BBVA, ter sido um dos artistas nacionais a actuar na edição de 2017 do NOS Primavera Sound, Samuel Úria dedica Agosto à presença nos principais festivais alternativos que se realizam no próximo mês no nosso país. Com “regressos” anunciados ao O Sol da Caparica, aos Bons Sons e ao Festival F, Samuel Úria terá ainda oportunidade de se estrear nos Festins de Alcains e no Festival do Crato). Na bagagem, “Carga de Ombro”, o disco publicado em 2016 e que, passado um ano, continua a surpreender quem o descobre.

GLAM - Samuel Uria.jpgphoto: Paulo Homem de Melo

 

Hoje mesmo e a par do anúncio de novas datas, é estreado no seu canal oficial de Youtube um vídeo-letra concebido e editado por Beatriz Rocha para o tema “Aeromoço”, uma das faixas que mais se destacou em “Carga de Ombro”. De salientar que esta peça audiovisual foi produzida por Beatriz no âmbito de um trabalho académico na ESAD – Escola Superior de Artes de Design. O “aproveitamento” é já da responsabilidade de Samuel Úria que a jovem criadora surpreendeu com a intenção de o publicar como “vídeo oficial” da canção.

Após Agosto, a agenda de Samuel Úria incluirá para além das apresentações em nome próprio, a participação no espectáculo de homenagem a Leonard Cohen a par de Jorge Palma, David Fonseca, Márcia, Mazgani e Miguel Guedes que terá lugar em Sintra, Porto, Figueira da Foz e Loulé.

 

12 Agosto 2017 - Festival “Sol Da Caparica”

13 Agosto 2017 - Festival “Bons Sons (Cem Soldos)

19 Agosto 2017 - Festins (Alcains)

22 Agosto 2017 - Festival do Crato

31 Agosto 2017 - Festival F (Faro)

16 Setembro 2017 - Teatro Nacional D. Maria II (Lisboa)

17 Setembro 2017 - Festival da Juventude (Sines)

21 Setembro 2017 - CC Olga Cadaval (Sintra) (Homenagem a Leonard Cohen)

22 Setembro 2017 - Festas (Sardoal)

23 Setembro 2017 - Banhos Velhos / Caldas das Taipas (Guimarães)

27 Setembro 2017 - Casa da Música (Porto) (Homenagem a Leonard Cohen) 29 Setembro 2017 - CAE Figueira da Foz (Homenagem a Leonard Cohen)

07 Outubro 2017 - CAE Portalegre

09 Outubro 2017 - Cine-Teatro Louletano (Homenagem a Leonard Cohen)

Festival F cresce na sua 4ª edição e anuncia programação completa

Após esgotar uma noite em 2016, o Festival F anuncia a sua 4ª edição para os dias 31 de agosto, 1 e 2 de setembro, afirmando-se no roteiro dos festivais de música como o último grande festival de Verão. Em 2017 passa a contemplar três noites de programação, em vez de duas, aumenta a sua lotação em 20% e sai pela primeira vez para fora da muralha, mantendo a Vila Adentro como o coração do festival.

foto

Rui Veloso, Carminho, Miguel Araújo, AGIR, Salvador Sobral, Dengaz, Mão Morta, Jorge Palma e Xutos & Pontapés são alguns dos destaques do alinhamento. A par da programação musical, dividida por sete palcos, o Festival F abrange outras áreas culturais como as artes plásticas, literatura, cinema, tertúlias, artesanato de autor, stand up comedy e ainda várias áreas de street food.

 

Ao longo de três edições o Festival F tem promovido Faro como local privilegiado para a realização de um festival de música, valorizando o património, através da escolha da zona histórica de Vila Adentro, e a cultura, com uma programação de referência, dinâmica e abrangente. Em 2017, na quarta edição, o festival afirma-se definitivamente no panorama dos grandes festivais de música em Portugal, sendo incluído no projeto Portuguese Music Festivals, promovido pelo Turismo de Portugal.

 

O Festival F, uma iniciativa do Município de Faro, do Teatro Municipal de Faro, S.M., da Ambifaro e da produtora Sons em Trânsito, é reconhecido pela Europe Festivals Association, que após um processo de avaliação distinguiu o Festival F com o selo EFFE - Europe for Festivals, Festivals for Europe, por dois anos consecutivos, em 2016 e 2017. Também nestes últimos dois anos foi eleito enquanto Escolha do Consumidor

 

AGIR, Alexander Search, BATIDA (dj set), Beatbombers, Carminho, Couple Coffee, Cuca Roseta, Dengaz, Diana Martinez, Dillaz, DJ Marfox, First Breath After Coma, Frankie Chavez, Galopim, HMB, Isaura, Jorge Palma, Júlio Resende e Júlio Machado Vaz, LST - Lisboa String Trio, Lula Pena, Manuel Fúria e os Náufragos, Mauro Amaral, Mão Morta, Miguel Araújo, Mimicat, Mishlawi, NBC, Noiserv, Orelha Negra, Orquestra Clássica do Sul, peixe : avião, Rui Veloso, Riding a Meteor, S. Pedro, Salvador Sobral, Samuel Úria, The Happy Mess, They're Heading West, Tó Trips e João Doce, Valas, Valete, Xutos & Pontapés e You Can't Win, Charlie Brown

 

DOURO ROCK... Música nacional e os melhores produtos da região na Régua

A 15 dias do arranque da 2ª edição do DOURO ROCK, a organização anuncia a presença de alguns dos melhores produtores da região - como Niepoort, Quinta de La Rosa, Lavradores de Feitoria, Quinta da Prelada, Real Companhia Velha e Quinta da Pacheca, e vinhos de referência no Douro - como o Poeira, Mafarrico, Esmero e Crochet.

74f42dfd-e6a6-491c-b243-6e2a4d04f044

Uma parceria com a chancela do Instituto dos Vinhos do Douro e Porto que "apoia todas as manifestações que promovam nacional e internacionalmente a Região Demarcada do Douro e os seus vinhos". O presidente do IVDP, Manuel Cabral, acrescenta que "o DOURO ROCK é um veículo especial para fazer chegar a mensagem de qualidade e de excelência dos nossos vinhos às novas gerações".

Nos dias 11 e 12 de Agosto, o festival que se realiza no Peso da Régua vai contar ainda com os produtos regionais e a cultura dos municípios do Peso da Régua, de Armamar, de Santa Marta de Penaguião, de S. João da Pesqueira, de Freixo de Espada à Cinta, de Tabuaço e de Lamego. A animação, essa, fica a cargo de GNR, Linda Martini, Marta Ren & The Groovelvets e Bed Legs, no dia 11, e de Blind Zero, Capitão Fausto, You Can't Win, Charlie Brown e Piruka, no dia 12. Pop, rock, indie, funk, soul e hip-hop são os géneros musicais representados no DOURO ROCK, um festival 100 por cento português onde as novas gerações da música se cruzam com nomes mais consagrados.  
 
Tendo uma das paisagens mais bonitas do mundo como cenário, o DOURO ROCK instala-se junto às piscinas da Régua proporcionando uma experiência plena. Mais do que um festival de música, o DOURO ROCK promove o que de melhor esta região demarcada tem para oferecer. 

Grandfather's House antecipam novo disco com video "You got nothing to lose"

Grandfather’s House é uma banda de Braga que surge em 2012. Com Tiago Sampaio na guitarra, Rita Sampaio nos sintetizadores e voz e João Costeira na bateria, contam até hoje com mais de 250 concertos dados por todo o país e internacionalmente. Com o seu primeiro EP "Skeleton", editado em 2014, percorrem Portugal na sua promoção. Em 2016, editam o longa-duração, "Slow Move", sendo aclamados pelo público e pela crítica tendo, com este, lançado dois singles “Sweet Love Making” e “My Love”.

IMG_0585_Tiago da Cunha

photo: Tiago da Cunha

 

Actualmente, preparam o lançamento do seu terceiro disco “Diving-, resultado de uma residência artística no espaço gnration (Braga), contando com as participações de Adolfo Luxúria Canibal, Nuno Gonçalves e Mário Afonso, na voz, teclados e saxofone, respectivamente. Com um método de composição mais complexo, que contou com a participação de mais um elemento em todos os temas, o músico convidado, Nuno Gonçalves (teclas), explora assim, uma sonoridade mais densa.

Diving” será editado dia 15 de Setembro de 2017. É agora lançado o single de avanço “You Got Nothing to Lose” com videoclip produzido e realizado por CASOTA Colective (Leiria).

Steve Hauschildt, Visible Cloaks, Karen Gwyer e Blessed Initiative completam cartaz do Semibreve 2017

O programa de concertos fica completo com os concertos de Steve Hauschildt, Visible Cloaks, Karen Gwyer e Blessed Initiative.

unspecified

Steve Hauschildt é um músico e artista americano de Cleveland, Ohio. Foi membro da banda seminal Emeralds de 2006 a 2013. Um veterano na comunidade da música experimental, as suas composições usam sintetizadores, computadores e processamento digital para simultaneamente homenagear e subverter as normas estabelecidas da música eletrónica. Para além de uma atividade prolífera com os Emeralds, lançou quatro álbuns pela Kranky, uma antologia do seu trabalho pela Editions Mego e fez a curadoria de uma compilação para a Air Texture. “Strands”, o seu mais recente trabalho, recebeu enormes elogios aquando do seu lançamento em 2016.

 

Spencer Doran e Ryan Carlile, dupla de Portland, Oregon, formam a entidade musical open-source Visible Cloaks, cujo álbum de estreia “Reassemblage” foi lançado via RVNG em Fevereiro de 2017. Em “Reassamblage”, Doran e Carlile incorporam uma série internacional de instrumentos virtuais para criar uma ideia de pan-globalismo através da simulação digital, com tons e cores que, juntos, formam um organismo vivo de experiência sensorial. Ao vivo, tudo isto se transforma num convidativo e imersivo festim multi-sensorial, com a estética visual perfeita da artista digital Brenna Murphy, estendendo a exploração do espaço global presente no álbum para uma virtual, visceral realidade.

 

Karen Gwyer é uma artista norte-americana sediada em Londres. As suas expansivas e predominantemente analógicas performances ao vivo variam entre vibrações hipnóticas, densamente melódicas, carregadas de baixos techno e uma psicadelia ácida diversionária. Com uma mão cheia de gravações lançadas até à data pela Kaleidoscope, No Pain In Pop e Opal Tapes, já fez duas digressões e continua a aparecer regularmente nos acontecimentos das editoras. Produziu remixes para a Nous, Software, Public Information, Domino, Kaleidoscope e Different Fountains Editions, e criou uma série de peças comissionadas para o Open Music Archive.

 

Blessed Initiative é um projeto de Yair Elazar Glotman, que sugere um estado dissonante e coexistente de extremos altos e baixos. O álbum, lançado via Subtext, procura articular um estado mental de simultaneidade, onde o equilíbrio é fugaz, frágil e a sua escassez é abraçada. Enquanto projeto singular, Blessed Initiative pára para comentar as condições que formam a composição de Glotman antes e depois desta, e reconhece-a como um processo não-linear e contínuo. Yair Elazar Glotman é um músico e artista sonoro com formação clássica sediado em Berlim, cujos trabalhos anteriores editados pela Subtext incluem o Lp “Études” e uma faixa colaborativa com James Ginzburg para o filme experimental “Nimbes”. Glotman também lançou trabalhos sob vários pseudônimos, sobretudo como Ketev (Opal Tapes, Portals editions).

 

As candidaturas ao Edigma Semibreve Award, prémio internacional para trabalhos no domínio da arte digital, decorrem até ao dia 31 de julho. O vencedor garantirá um prémio monetário de 2500 euros e apresentará o seu trabalho no festival.

 

O Festival Semibreve, organizado pela AUAUFEIOMAU com o apoio da Câmara Municipal de Braga, afirmou-se como um evento incontornável no panorama da música eletrónica nacional e internacional, proporcionando espetáculos de alguns dos artistas mais relevantes da atualidade no domínio da música eletrónica e contribuindo para a divulgação de produção científica no campo das artes digitais produzida por instituições de referência, tais como a Universidade do Minho, Universidade do Porto, Universidade Católica, Fundação Bienal de Cerveira e Digitópia/Casa da Música

Festival A SALTO - Tomada Artística da Cidade de Elvas

Depois da edição zero, em 2016, a Associação Cultural UMCOLETIVO, organiza a primeira edição efetiva do festival. A tomada de assalto pelas artes vai acontecer em Elvas de 28 a 30 de julho.

O Festival “A SALTO - Tomada Artística da Cidade de Elvas é um evento cultural que privilegia a apresentação pública de projetos artísticos transdisciplinares, em diálogo com a topografia social e arquitectónica do município de Elvas.”

primage_20173

Durante o último fim-de-semana de julho a organização prevê receber cerca de dois mil espetadores ao longo dos três dias para presenciar os projetos das mais diversas áreas das artes do espetáculo. No total são 22 projetos e mais de meia centena de artistas envolvidos que apresentarão as suas intervenções de teatro, ilustração, fotografia, arte pública, entre outras. Dos 22 projetos incluídos na programação do festival, quatro resultaram da escolha da comunidade anfitriã do A SALTO. As escolhas dos elvenses são: Museu Imaginário, de Rita Sales; Elvas Al Andar, do mexicano Fernando Aranda; Deslocamentos – Vista Sua Existência, da brasileira Simone Donatelli; e CartografandOsol, de Filipa Pontes.

 

Os projetos que vão ser apresentados no centro histórico da cidade de Elvas, no interior das suas muralhas, levantam “questões contemporâneas relacionadas com a definição estável da arte, promovendo a consciência da realidade capturada pelos sentidos”. Depois do balanço muito positivo da edição experimental, em 2016, a iniciativa da UMCOLETIVO pretende este ano consolidar a realização em Elvas deste evento que reúne projetos nas áreas do teatro, pintura, ilustração, fotografia e arte pública, entre outras.  A “emersão como uma cidade transformada e reimaginada” é a promessa da UMCOLETIVO, com a tomada de assalto da cidade património Mundial da UNESCO durante os três dias do festival.

 

 

28 de Julho 2017

Sessão de Abertura Lançamento da Revista Flan A Salto | 19.00h

Ilustração Literatura / João Pedro Azul (Porto)

Sociedade Instrução e Recreio

 

Poesia Clandestina - Poesia Música Ilustração | 22.00h

ATRITO (Lisboa)

Pedras do Castelo

 

T0 – Teatro | 00.00h

José Lobo (Lisboa)

“O Elvas” CAD

 

29 de Julho 2017

Como a vida, o Tempo - Instalação Fotografia Artes Plásticas | 7.00h às 14.00h

Ricardo Guerreiro Campos (Setúbal)

Mercado Casa das Barcas

 

O Museu Imaginário (Visita A) - Arte Contemporânea Visita Guiada | 10.00h

Rita Sales (Setúbal)

Mercado Casa das Barcas (ponto de encontro)

 

Raízes Húmidas da Fumaça – Dança | 15.00h / 16.00h / 17.00h

Rebeca Marcolini (Rio de Janeiro, Brasil)

Cisterna

 

CartografandOSol (conversa com a artista) - Desenho Performance | 15.00h

Filipa Pontes (Caldas da Raínha)

Jardim das Laranjeiras

 

Constrói e Anima - Cinema de Animação Escultura | 16.00h

Joana Nogueira e Patrícia Rodrigues (Porto) / (Em parceria com o centro de acolhimento temporário “Os Cucos”)

Cafetaria do MACE

 

Um Quarto de Penélope - Teatro Vídeo Instalação | 18.00h às 21.00h

Ricardo Santanna (Salvador, Brasil) e Joana Leal

Atelier Casa da Joana

 

À Luz do Contrabando - Teatro Vídeomapping | 22.00h

Artelier? (Loures)

Praça da República

 

O Museu Imaginário (Visita B) - Arte Contemporânea Visita Guiada | 23.00h

Rita Sales (Setúbal)

Sede do A Salto (ponto de encontro)

 

Quarto Escuro - Performance Dança | 20.00h às 01.00h

Mónica Calle (Lisboa)

3 Casas de Banho na Cidade: Torre Fernandina / Espaço ALMA / Cafetaria Bar “O Castelo”

 

Sound Surfaces - Música Instalação | 00.00h

Francisca Rocha Gonçalves (Porto)

Cisterna

 

30 de Julho 2017

O Museu Imaginário (Visita C) - Arte Contemporânea Visita Guiada | 10.00h

Rita Sales (Setúbal)

Posto de Turismo (ponto de encontro)

 

As Palavras de Jó – Teatro | 11.00h

Grupo de Teatro do Centro Cultural Português do Mindelo

(Mindelo, Cabo Verde)

Espaço a Definir

 

Elvas Al Andar (conversa com o artista) - Desenho Pintura | 16.00h

Fernando Aranda (México)

Espaço ALMA

 

Deslocamentos | Vista Sua Existência (conversa com a artista) - Fotografia Figurino Performance | 18.00h

Simone Donatelli (Cotia, Brasil)

Academia de Música de Elvas

 

O Diabo Também Não É Mau - Urban Art Ilustração | 19.00h

Joanna Latka (Polónia) (Com a participação de Patrícia Rondão)

Rua de Francisco da Silva

 

Sessão de Encerramento Da Terra ao Palco – Música | 22.00h

César Prata (Guarda)

Banda 14 de Janeiro

 

A organização do festival conta com o apoio da Câmara Municipal de Elvas.

 

Faltam 3 dias para o MEO SUDOESTE

É já este sábado que arranca a edição que assinala os 20 anos do maior Festival do verão. Dia 29 de julho, o campismo do MEO Sudoeste abre as portas a todos os portadores de passe para todos os dias de Festival, com todas as estruturas em funcionamento, tais como WiFi grátis e carregamento de baterias oferecidos pelo MEO, a cozinha comunitária Teka, a lavandaria LG Cool Spot, o Continente Online ou os chuveiros AXE.

MSW17_Newsletter_600x270px_novo

Mas a grande novidade desta edição é a aposta na programação dos palcos no campismo, com o Palco Super Bock a receber a Noite de Receção ao Campista by Mega Hits e a grande novidade, a Vila Santa Casa que anuncia hoje as últimas confirmações da sua programação. A Vila Santa Casa é o novo espaço de programação do MEO Sudoeste, com aposta nas artes performativas e na ligação com o espaço natural através da expressão criativa, envolvendo a comunidade local e os festivaleiros, numa programação que passará por Performances, Oficinas e Instalações. As duas curadorias da Restart anunciadas hoje completam a programação deste novo palco do Festival:

 

Paisagem Modelar

Através da colaboração entre artistas e o público e da reutilização de materiais recicláveis e outros, é possível erguer uma estrutura que será adornada a partir da adição de vários trabalhos têxteis feitos em tear. Cada pessoa, com a ajuda de jovens artistas na área, poderá construir o seu próprio tear e fazer a sua peça (módulo) no mesmo, para mais tarde desenvolverem uma paisagem, módulo a módulo, de certa forma interminável e efémera, construindo uma instalação personalizada com peças de cada um. Inês Domingues, Rúben Falcão, Catarina Monteiro e Ricardo Canelas são os artistas que irão colaborar neste workshop.

 

Purga

Purga é uma experiência sonora imersiva. É o duo de música experimental de Afonso Ferreira (FARWARMTH) e João Rochinha (UNITEDSTATESOF) que com guitarras, percussão, digeridoo, e a infinidade do mundo da electrónica, procuram transpor em som a experiência do que é ser Humano no século 21. Através de sound design intensivo, criam paisagens e planos de som que embalam o ouvinte numa viagem que nem os músicos sabem por onde passará, sendo que toda a sua performance, parte da improvisação. Vêm acompanhados de Pedro Menezes ([un]stable), que trará consigo a sua sonoridade dissonante e dinâmica. Será um momento memorável para que participar neste encontro de Experiencias Sonoras.

 

Todos os horários já disponíveis...

horarios_msw_sb

 horarios_msw_0

horarios_msw_1

 

Captain Boy nos Festivais de Verão

Apelidado de "vagabundo de voz rouca" ou de "puto dos pés grandes", o músico vimaranense Captain Boy está de volta aos palcos dos Festivais de Verão. No próximo sábado Captain Boy estará na sétima edição do Festival Meda +. A tour de apresentação do seu álbum de estreia segue depois para os Concertos de Verão em Vila Franca de Xira, a 12 de Agosto. No dia seguinte, Captain Boy estará no Festival Bons Sons em Cem Soldos, onde vai tocar no Palco Giacometti.

60005c77-4ba0-4b46-b68c-c929f2b614cf

O barco segue depois para norte, para Vila Real onde vai estar nos Concertos ao Pôr-do-Sol, a 16 de Agosto, e no dia seguinte será a vez de pisar o palco do Festival Vodafone Paredes de Coura.

 

Captain Boy editou o seu primeiro álbum "1" em Janeiro deste ano pela Moon Records e já apresentou o seu trabalho em cidades como Guimarães, Sever do Vouga, Santa Maria da Feira, Amarante, Braga, e passou também por Espanha para uma mini tour de 3 datas.

Nos próximos meses, o Puto Capitão continua a sua viagem de apresentação do novo disco enquanto prepara um novo single para estrear em breve.

 

29 Julho 2017 - Festival Mêda +

12 Agosto 2017 - Concertos de Verão (Vila Franca de Xira)

13 Agosto 2017 - Festival Bons Sons (Cem Soldos)

16 Agosto 2017 - Concertos ao Pôr-do-Sol (Vila Real)

17 Agosto 2017 - Festival Vodafone Paredes de Coura

26 Agosto 2017 - Palco Super Bock - Casa da Música (Porto)

8 Setembro 2017 - Liceo de Ourense (Ourense / Espanha)

15 Setembro 2017 - Paços da Cultura (S. João da Madeira)

“Olhar por dentro” dos palheiros e Los Luchos no “Cais à Noite”

A terceira é quase por conta da casa: quem parte do Cais, não precisa de ir muito longe para encontrar Paulo Barreto, cabeça dos Los Luchos, tão aveirense quanto os Wahwah Soundsystem, a dupla de guias musicais que encerra mais uma sessão de Cais à Noite no Cais Criativo da Costa Nova, em Ílhavo.

luchos

É já no próximo sábado, uma semana depois dos Sensible Soccers terem subido a fasquia, em termos de público, do cada vez mais promissor Cais à Noite, o ciclo de concertos de música eletrónica que estende a praia até ao Cais Criativo, troca os guarda-sóis pelos sintetizadores e os protetores solares por amplos e redondos copos de gin e une o 23 Milhas, projeto cultural do Município de Ílhavo, e a Tomorrow Comes Today, conferência internacional que decorre em outubro deste ano no Porto, na organização do projeto.

Pela Costa Nova já passaram os Mirror People e os Sensible Soccers, mas esta é a vez dos Los Luchos mostrarem ao público porque é que nem sequer estão a ser presunçosos quando chamam ao seu primeiro disco “Ep of the year”.

 

Paulo Barreto, o tal aveirense, já teve as ideias há muito tempo, mas só em 2015 começou a materializá-las contando, para isso, com a ajuda de amigos músicos e produtores. Depois de um primeiro laivo musical, “Heart on Fire”, original de Albert One”, em que contou com a participação da voz de Marina Jovanovic, no final de 2016 surge o EP com quatro músicas originais: Baker Girl, L’Amour et La Maison, Panama Paper, Sweet Jam of Mine. As portas do Cais à Noite abrem às 19:00, o concerto começa às 21:30 e a noite segue com a dupla Wahwah Soundsystem que promete funk, soul, disco e outros motivos para dançar. Até setembro, passam ainda pelo Cais à Noite os First Breath After Coma, os Holy Nothing e os White Haus.

 

O “Olhar por dentro” continua e regressa à Costa Nova. Os “palheiros” da Costa Nova, outrora armazéns para os homens dos mares e mulheres da terra, foram construídos sob a luz promissora do farol da Barra. Hoje, as cores ocres e pretas escasseiam e a “ida a banhos” bronzeou os corpos e coloriu as casas com as cores dos moliceiros. As “risquinhas” horizontais dos antigos Palheiros ficavam bem com os fatos de banho da época. É disso que se fala na primeira visita do “Olhar por Dentro” do trimestre mais veraneante do ano.

O Olhar por Dentro é uma parceria entre o 23 Milhas e a Talkie Walkie, uma empresa de divulgação de arte e arquitetura, norteada por Matilde Seabra e Ana Neto, duas arquitetas convictas de que a arquitetura é o ponto de partida para conhecer o património, a cultura urbana e as artes. O ponto de encontro do “Olhar por Dentro” é sempre na Casa da Cultura de Ílhavo.

Em Setembro Oeiras vai levantar novamente POEIRAS

A 2ª Edição do Festival POEIRAS da língua portuguesa, vai acontecer nos dias 8, 9 e 10 de Setembro de 2017. Trata-se de um evento pensado para toda a família com objetivo de atrair público para ocupar o Parque dos Poetas e deixar gravado na memória de cada um, uma experiência única. Poesia, música, literatura, teatro, performance e outras formas artísticas serviram como catalisadores entre a tradição e o contemporâneo.

No ano passado a 1ª edição do evento ultrapassou todas as expectativas, quer em termos de programação quer em termos de visitação.

2ltrk2kmpc7e

Em 2016, mais de 30 mil pessoas passaram pelo Parque dos Poetas e puderam experienciar um Festival ímpar, que alia cultura à diversão, sem programação sobreposta e pensado para pessoas dos 8 aos 88 anos. Este ano na estreia destaque para o concerto “Deixem o Pimba em Paz”, com Bruno Nogueira e Manuela Azevedo. No segundo dia Aline Frazão apresenta a sua nova digressão, “Insular” num concerto que se adivinha excepcional. E para o fecho os organizadores reservaram para este ano uma surpresa: O Eletropoeiras, pensado especificamente para a geração milénio, onde se apresentará em estreia absoluta o DJ Internacional Ricardo Imperatore.

 

E isto é apenas o fecho dos 3 dias. Pelo meio, espetáculos de marionetas, com o ator Pedro Giestas, a presença de várias personalidades relevantes da palavra escrita e oral, muitos jogos tradicionais para os mais pequenos conhecerem as brincadeiras de seus pais e avós, uma alameda com sabores provenientes de vários países da Lusofonia, artesanato, aulas de dança seguidos de espetáculos com Marrabenta, Funaná e Roda de Samba, animação por todo o parque com o Cortejo Cavalinho “O menino é lindo”, oficinas de olaria e de percussão e muito, muito mais…

A "Juventude Coxa" dos PANADO…

Formados pelo Diogo na guitarra e na voz, Bernardo na bateria e Lourenço no baixo. Os PANADO utilizaram o seu 2016 da melhor forma, fazendo o máximo de barulho possível por metro quadrado e a feliz consequência está prestes a sair cá para fora. Os PANADO dizem agora olá ao (sub)mundo, com "Juventude Coxa".

untitled

Sediados na Ameixoeira, mas com as asas viradas para o mundo, é lá que chateiam os vizinhos e todos os mecânicos das redondezas. Depois de assegurarem que os mais diversos palcos deste país tinham apoio lombar, a banda acampou por breves momentos nos Estúdios King no Barreiro, onde se juntaram a Cláudio Fernandes (PISTA, Nada-Nada, Cangarra entre outros), que gravou e produziu o seu primeiro longa-duração.

 

"Juventude Coxa" são 3 putos, 8 músicas e tudo o que ficou pelo meio. Mais do que músicas são canções. E mais do que canções são malhas. São 35 minutos de feedback, distorção e esquizofrenia latina. Com mais ouvidos que barriga, os PANADO presenteiam-nos com uma viagem alucinante ao rock sónico dos anos 90, misturada numa nuvem de delay e melodias hipnóticas, onde o ritmo, a cor e a atmosfera das suas canções tornam "Juventude Coxa" num teatro sonoro especial.

Depois de estremecerem vários palcos nacionais como Musicbox, Sabotage, Barreiro Rocks e de norte a sul (Café Au Lait, SHE, Cartaxo Sessions) a banda perdeu a "Preguiça" e lançou assim o 1º single, que seguida de “Cerca” serviram para deixar água na boca até ao mais hidratado melómano.

É já no próximo dia 3 de Agosto que podemos encontrá-los a apresentar o seu disco de estreia. No Damas, com entrada gratuita e com Cimento encarregue da primeira parte, os PANADO irão levar nos de uma ponta à outra da sua "Juventude Coxa", prometendo além de muito suor, um punhado de amor e boa-disposição.

Juventude Coxa” sai em edição de autor, à antiga, e está disponível aqui no bandcamp da banda hoje, dia 27

Beatbombers assinam banda sonora para campanha do Festival Eurovisão da Canção 2018

Beatbombers são os responsáveis pela banda sonora da campanha do Festival da Eurovisão da Canção 2018, que se realizará em Lisboa, após o triunfo alcançado por Salvador Sobral, em Kiev. O remix de “Verdes Anos”, original de Carlos Paredes, foi a música escolhida pela organização por aliar a sonoridade tradicional com a vertente contemporânea da dupla de Djs.

eu

O vídeo, que mostra Lisboa como cidade de convergência, apresenta os vários dados da organização contando já com mais de 450.000 visualizações.

 

 

Depois de serem campeões mundiais de scratch no final de 2016, e do lançamento do álbum homónimo, que foi apresentado ao vivo no Super Bock Super Rock, os Beatbombers são agora a banda sonora do maior programa de entretenimento musical, em que estão envolvidos 40 países.

Há Música no Trindade… Espectáculos ímpares em casa cheia

Dead Combo fecha o primeiro ciclo de programação Há Música no Trindade! com os concertos dos próximos dias 27 e 28. Salvador Sobral, Vitorino e Frankie Chavez retomam os concertos em outubro.

Trindade_600x600px-06

No futuro imediato dos Dead Combo já se vislumbra um novo álbum que merecerá antecipação nos concertos do Trindade, já nos próximos dias 27 e 28. Pedro Gonçalves sublinha: “Já não tocamos em Lisboa há muito tempo. Aliás, neste momento nem me consigo recordar do nosso último concerto na capital. Sei que já foi há algum tempo e por isso mesmo este regresso será especial”. Para já os Dead Combo ainda fazem segredo do essencial dos concertos que vão assinar em Lisboa. “Posso dizer que teremos convidados em palco”, adianta Pedro Gonçalves, “mas não quero para já estragar a surpresa”.

 

O concerto, assegura ainda o guitarrista e baixista, “será uma viagem pela nossa carreira” e tocará por isso mesmo no mais recente trabalho de originais, A Bunch of Meninos, mas noutros pontos chave da sua discografia, como Lisboa Mulata ou Lusitânia Playboys. “Também vamos apresentar alguns temas novos, que ainda não têm título, material que contamos incluir no nosso próximo álbum e que continua a dar voltas ao nosso som, ao nosso imaginário”, esclarece Pedro Gonçalves.

 

Entretanto, pode adiantar-se que o programa Há Música no Trindade! regressa em outubro com uma mão cheia de grandes concertos, Salvador Sobral a 6 e 7 de outubro, Vitorino e Dois Pianos nos dias 13 e 14 e Frankie Chavez nos dias 27 e 28 de outubro.

A fechar esta primeira edição, Mário Laginha e Tcheka levam dois dias de espectáculo ao Teatro da Trindade a 15 e 16 de dezembro