Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Glam Magazine

Glam Magazine

Mão Morta, Capitão Fausto, Pega Monstro, Evols, Chassol e Atlantic Coast Orchestra no 25º Curtas Vila do Conde

O Curtas Vila do Conde – Festival Internacional de Cinema volta a destacar a intersecção entre o cinema e a música na secção Stereo com concertos, sessões de cinema e uma competição de vídeos musicais. Em 2017, o festival recebe espetáculos de Mão Morta, Capitão Fausto, Pega Monstro, Evols, Chassol e Atlantic Coast Orchestra.

cartaz_CVC2017.jpg

A 8 de julho, os talentosos músicos da Atlantic Coast Orchestra, dirigidos pelo maestro Luis Clemente, vão interpretar, ao vivo no Curtas Vila do Conde, uma banda sonora escrita pelo compositor Andrew E. Simpson para o clássico mudo de Buster Keaton, The General (Pamplinas Maquinista, de 1926). A comédia acompanha Johnny Gray (Buster Keaton) durante a perseguição de um bando de espiões que roubaram o seu comboio, O General, com a sua noiva a Annabelle (Marion Mack) a bordo. Formada em 2015, a Atlantic Coast Orchestra é um projeto inovador que reúne alguns dos melhores jovens músicos profissionais, desenvolvendo uma atividade musical com elevados padrões artísticos.

 

A 12 de julho, o francês Chassol estreia-se em Portugal com um surpreendente espetáculo audiovisual onde vai apresentar um dos seus mais recentes projetos, Big Sun. Pianista, compositor, arranjador e produtor musical, Christophe Chassol tem captado a atenção da crítica e conquistado a admiração de músicos como Frank Ocean, Flying Lotus, Solange e Thundercat. Nos seus trabalhos, Chassol procura “harmonizar o real”, musicando a vida, o mundo e tudo aquilo que encontra e com o que se relaciona numa técnica a que chamou “ultrascore”. As suas composições articulam vozes, música, sons e imagens transformando-os em objetos audiovisuais singulares. Em palco, imagens e gravações são combinadas com música numa espécie de improviso onde nada é padronizado mas tudo flui naturalmente. O concerto no Curtas Vila do Conde será um espetáculo multissensorial e uma oportunidade única para testemunhar o génio musical do francês.

 

Os Capitão Fausto, uma das bandas mais aclamadas do ano, trazem ao Curtas Vila do Conde, a 14 de julho, o álbum “Os Capitão Fausto têm os dias contados”, num concerto único e original. Neste espetáculo, a banda de rock lisboeta apresenta-se num formato especial interpretando temas como “Corazón”, “Amanhã Tou Melhor” e “Morro na Praia” enquanto revisita os momentos que estiveram na génese dessas canções através de excertos do documentário Pontas Soltas. Realizado por Ricardo Oliveira, o filme, que será apresentado no Curtas Vila do Conde numa nova versão, acompanha o processo criativo e os bastidores da gravação do terceiro álbum do grupo

 

No ano em que também assinalam o 25º aniversário de “Mutantes S21”, os Mão Morta sobem ao palco do Teatro Municipal, no sábado 15 de julho, para uma apresentação integral do mítico álbum. A banda de Adolfo Luxúria Canibal regressa, assim, ao festival, onde atuou há nove anos, para um concerto de celebração do disco que colocou os Mão Morta no radar do rock português. Este concerto vai revisitar todos os temas de “Mutantes S21” e uma seleção de outros trabalhos banda. Tendo como premissa a edição especial do álbum, que em 1992 foi lançada com uma banda desenhada, os Mão Morta convidaram 15 ilustradores portugueses – Alex Gozblau, André Coelho, André Covas, Ângela Vieira, António Gonçalves, Esgar Acelerado, João Lemos, João Maio Pinto, José Carlos Costa, Marco Mendes, Marco Moura, Miguel Ogoshi, Raquel Costa, Sebastião Peixoto e Tiago Manuel – para desenvolverem um trabalho alusivo a cada um dos temas do disco. Sobre essas ilustrações, João Martinho Moura, artista de Arte Digital, desenvolverá um trabalho de visuais, atuando em tempo real com a banda.

 

O Auditório Municipal de Vila do Conde – o local que acolheu as primeiras 18 edições do Curtas Vila do Conde e onde o festival regressa em 2017 para assinalar o 25º aniversário – recebe as bandas Evols (9 de julho) e Pega Monstro (10 de julho) para concertos de apresentação dos seus novos álbuns “Evols III” e “A Casa de Cima”, respetivamente.

 

Ainda na secção Stereo, será apresentado, a 12 de julho, Minute Bodies: The Intimate World of F. Percy Smith, realizado por Stuart Staples, o vocalista dos Tindersticks, banda que esgotou dois espetáculos no Curtas Vila do Conde em 2015. Este filme é um tributo ao trabalho pioneiro de F. Percy Smith, inventor e cineasta do início do século XX, que desenvolveu técnicas cinematográficas de captação dos segredos da natureza em ação. Partindo de imagens de arquivo do próprio F. Percy Smith e tirando partido da experiência musical de Stuart, o filme constrói uma narrativa silenciosa que abre espaço a novas leituras sobre o trabalho original do documentarista britânico. A longa-metragem conta com banda sonora original dos Tindersticks, em colaboração com Thomas Belhom e Christine Ott.

A Competição de Vídeos Musicais voltará a apresentar uma seleção dos melhores vídeos musicais portugueses, inovadores na arte de combinar música e cinema. Procurando sempre acompanhar a evolução dos géneros e a forma de fazer cinema, esta competição, dedicada nos últimos anos exclusivamente à produção nacional, tem exibido os trabalhos de alguns dos artistas que mais se destacam na área, entre eles André Tentugal, Vasco Mendes, Paulo Furtado, Rodrigo Areias, entre outros.

 

O 25º Curtas Vila do Conde, que decorre entre 8 e 16 de julho, tem o apoio do programa MEDIA/Europa Criativa, da Câmara Municipal de Vila do Conde, do Ministério da Cultura, do Instituto do Cinema e Audiovisual e de vários parceiros imprescindíveis à realização do festival.

 

A mistura rock, blues e folk ainda pode soar original? The Kings in Ely Street dizem que sim…

Pode ser um belo dia de sol, de frente para o mar ou numa noite bebendo vinho, o primeiro disco dos The Kings in Ely Street pode ser uma boa sugestão… O projeto Brasileiro é encabeçado pelo músico Edgar Artur. O álbum homônimo é composto por 12 músicas, que por uma coincidência foram gravadas no Estúdio 12 Dólares, em São Paulo e contou com a produção de Mauro Motoki (sócio do 12 Dólares).

a3320849532_10

Passeando pelo folk, rock, blues, reggae e indie, Edgar Artur, começou a compor as suas musicas após conseguir ganhar um ukelele. A partir daí o instrumento de quatro cordas, virou o seu parceiro perfeito para a música.

“Aprendi os acordes e algumas musicas pela internet e logo comecei a fazer minhas próprias canções. Apesar de tocar violão e guitarra desde os 14 anos, o ukulele abriu as portas para mim de uma maneira que eu fiquei muito surpreso! Consigo escrever e criar as melodias com rapidez sempre procurando a minha identidade”, conta Edgar.

A facilidade em compor resultou num primeiro EP, lançado em 2016 na página da banda no Soundcloud. Este foi o segundo passo para a gravação do disco que foi lançado em março deste ano e está disponível nas principais plataformas digitais

 

Influenciado por nomes como o norte-americano Son House, pelo cantor e compositor Randy Newman e pelos mais jovens Max Jury e Bon Iver, o álbum gira em torno do ukulele de Edgar em canções sobre amor, perda, desafios, conquistas, sempre cantadas em inglês. “São sentimentos que todos passamos em algum momento, mas realmente não escolho sobre o que vou falar, deixo que as letras venham de forma natural quando sento para compor. Muitas vezes quem mostra o caminho são as próprias melodias, tento acompanhar para escrever algo que sinto através delas. Quero que as musicas proporcionem emoções nas pessoas da mesma forma que sinto quando as escrevo”, acrescenta Edgar.

 

“Waiting on a Song”… o regresso a solo de Dan Auerbach

Dan Auerbach editou na passada sexta feira, 2 de Junho, o seu segundo álbum a solo “Waiting on a Song”, via Easy Eye Sound, a sua nova editora. O álbum marca um regresso bastante aguardado desde “Keep It Hid” disco de 2009, e surge como uma carta de amor para Nashville. E foi em Nashville que Dan Auerbach encontrou os músicos para escrever e gravar este disco, tais como John Prine, Duane Eddy, Jerry Douglas, Pat McLaughlin e Bobby Wood e ainda Gene Chrisman, dos Memphis Boys. Dan Auerbach referiu o que foi trabalhar com alguns dos seus heróis musicais de Nashville… "Living in Nashville has definitely changed the way I think about music and the way that I record it. I didn't have all of these resources before. I am working with some of the greatest musicians that ever lived."

woas-CD cover-extralarge_1490883172479

Dan Auerbach mudou-se de Akron no Ohio para Nashville em 2010 e com este lançamento, o seu primeiro disco a solo em 8 anos, surge claramente na ideia que adoptou a ‘music city’ como o seu lar. O disco, gravado em 2016 durante uma pausa nas digressões dos The Black Keys e dos Arcs permitiu a Dan mostrar através da música a sua paixão pela cidade que o acolhe desde 2010. Sobre a gravação do disco ficam algumas notas referidas pelos próprio Dan… “They'd come over, and we'd be in a little room in my house with the door closed, and we'd just write. Monday through Wednesday we'd write, and then Thursday through Sunday we'd record, every week.". Dan compôes 7 temas juntamente com John Prine, uma das quais é a faixa-título do álbum, "Shine on Me".

Este é assim o primeiro lançamento da Easy Eye Sound, uma nova editora de Dan Auerbach, que em breve vai lançar algumas novidades de outros artistas. A distribuição estará nas mãos da Nonesuch Records, editora bem conhecida de Dan. Esta nova editora surge assim em torno do Easy Eye Studio de Auerbach em Nashville, onde os The Black Keys gravaram os seus 2 últimos álbuns.

 

"Sometimes I feel I created my own Field of Dreams. I built the studio because I knew something was going to happen. I built it to accommodate live musicians playing, and then all of a sudden the best musicians in Nashville show up, and it's happening", finaliza Auerbach sobre este novo trabalho

Verão na Casa… Annette Peacock

Há mais de quarenta anos com os olhos postos no futuro, a vocalista, multi-instrumentista e compositora Annette Peacock continua, ainda hoje, a sua busca por territórios inexplorados. Reconhecida também pelo uso pioneiro de sintetizadores, é uma figura lendária da música experimental, da electrónica, do avant-garde e das franjas mais exploratórias do jazz, tendo durante a sua carreira juntado forças com nomes como Paul Bley, Mick Ronson, Chris Spedding, Bill Bruford e até com o surrealista Salvador Dalí.

ImageGen

Esta será uma das muito raras apresentações ao vivo de Annette Peacock.

 

Casa da Música (Porto)

7 de Junho 2017 | 21.00h

Underscore… O novo festival que celebra a relação entre o som a imagem em movimento

De 13 a 17 de Junho, Lisboa vê nascer o Underscore - Festival de Música, Som, Imagem em Movimento e Arquivo. Com o intuito de explorar a interdisciplinaridade na música e fazer do cinema uma experiência mais rica, este novo festival pretende dinamizar a relação do público com a música e a imagem em movimento.

Durante cinco dias, o Centro Cultural de Belém, Cinema S. Jorge e Cinemateca Portuguesa recebem um programa do qual fazem parte variados eventos e actividades como um workshop de Cinema Expandido, laboratórios e uma oficina para famílias.

capa_fb

Mas é com a sua programação e abordagem inovadora aos concertos-cinema que o Underscore procura promover a multiplicação e diversificação de perspectivas às obras contemporâneas e arquivadas de imagem, trazendo o som e a música de fundo para primeiro plano. Pretende-se assim que a dinâmica inesperada entre músicos, artistas em performances ao vivo e filmes contemporâneos e de arquivo, de vários países europeus, criem interacções únicas que têm como objectivo construir múltiplas leituras dos objectos em questão.

 

Criado tanto para os espectadores mais melómanos e cinéfilos, como para o público infantil que deseja ter as suas primeiras oportunidades para pensar as relações entre a música e o cinema, o Underscore foi pensado por Érica Faleiro Rodrigues, programadora durante vários anos do Barbican Arts Center, em Londres, e Diogo Alvim, compositor de música instrumental e electroacústica.

 

13 de Junho 2017

Gala de Abertura | Centro Cultural de Belém | 21.00h

O Homem Forte (Mocny Czlowiek), Dir. Henryk Szaro - 1929, Polónia, 77 min  

Composição original e acompanhamento musical por Pink Freud.

Em parceria com a Embaixada da República da Polónia.

 

14 de Junho 2017

Cinema São Jorge | 21.30h

A Sonata de Kreutzer, Dir. Gustav Machatý - 1927, Checoslováquia, 95 min

Composição original e acompanhamento musical por Pavel Fajt com Maria do Mar e Maria Radich.

Em parceria com a Embaixada da República Checa.

 

15 de Junho 2017

Cinema São Jorge | 21.30h

Performance | Cinema Expandido com Adriana Vila e Luis Macías (Crater Lab)

Even Silence is Cause of Storm, Adriana Vila e Luis Macías - 2016, Espanha

50 min + Sessão de perguntas e respostas com Adriana Vila e Luis Macías.

Em parceria com o Instituto Cervantes.

 

16 de Junho 2017

Cinemateca Portuguesa, Museu do Cinema | 21.30h

Mulheres da Beira, Dir. Rino Lupo - 1923, Portugal, 74 min.

Composição original e acompanhamento musical ao piano por Nicholas McNair.

Em parceria com Cinemateca Portuguesa, Museu do Cinema.

 

17 de Junho 2017

Cinema São Jorge | 11.00h

Oficina para famílias | Os Contos de Fadas de Lotte Reiniger

Composição original e acompanhamento musical ao piano por Neil Brand.

Tradução e interpretação em simultâneo pela performer Sónia Baptista.

Duração aproximada evento: 80 min / Em parceria com o Goethe Institut.

 

Cinema São Jorge | 21.30h

Gala de Encerramento | Vanguardas do Cinema Português

Recriação da sessão de documentários apresentada em Lisboa no V Congresso Internacional da Crítica Cinematográfica, em 1931 e A Dança dos Paroxismos. Composição original e interpretação ao piano por Neil Brand.

Duração aproximada do evento: 120m / Em parceria com Cinemateca Portuguesa, Museu do Cinema.

 

 

O Underscore está inserido na programação oficial das Festas de Lisboa '17.