Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Glam Magazine

Glam Magazine

Ryan Adams está de volta com novo álbum... “Prisoner” em Fevereiro

Numa entrevista exclusiva ao mais felino apresentador de talk shows do mundo, Lil BUB, o músico Ryan Adams, múltiplas vezes nomeado para prémios Grammy e um entusiasta por pinball, banda desenhada, black metal e hardcore, confirmou que a 17 de fevereiro será editado o seu primeiro álbum de originais desde o disco homónimo de 2014. “Prisoner” é o título do novo álbum.

dddd

Durante esta entrevista íntima e reveladora, Adams não só divulgou o lançamento deste disco, como apresentou em primeira mão alguns trechos das novas canções, incluindo o primeiro single “Do You Still Love Me?”, que está disponível a partir de hoje para compra e como instant grat em todos os regimes de pré-venda do álbum.

“Andei a refletir sobre os diferentes estados de desejo e o que significa ser um prisioneiro do teu próprio desejo”, disse Adams a BUB a propósito do título do novo disco, tendo ainda acrescentado: “Sinto como se tivesse tido roubado da coisa mais valiosa para a vida de uma pessoa… Tempo.”

As 12 canções que integram “Prisoner” começaram a surgir durante um período prolífico que vai até à semana em que o álbum homónimo de 2014 entrou para o 4.º lugar do top de vendas nos Estados Unidos. Nesta fase, Adams andou em digressão um pouco por todo o mundo, gravou e lançou o disco ao vivo “Live At Carnegie Hall” e o disco de versões de “1989” de Taylor Swift, além de ter sido nomeado por duas vezes para os Grammys – nas categorias de Melhor Canção Rock, com “Gimme Something Good”, e de Melhor Álbum Rock, com “Ryan Adams” – enquanto “Gimme Something Good” tornou-se o primeiro single em vinil a chegar ao 1.º lugar de vendas da loja de música da Amazon.

E de alguma forma durante toda esta actividade, Adams conseguiu que “Prisoner” se escrevesse sozinho. Como disse a Lil BUB, “o quer que estivesse a acontecer comigo era demasiado intenso e, por isso, só tive de me sentar e tudo isto surgiu por si mesmo.” “Prisoner” chega às lojas a 17 de fevereiro de 2017 em vários formatos: standard digital, HD digital, vinil de 180 gramas e CD. “Do You Still Love Me?” já está disponível para streaming e venda.

 

SMSF Beja 2017… Exodus juntam-se a Orphaned Land e Mão Morta

Como se Orphaned Land, Mão Morta, Wolfbrigade e todos os artistas já confirmados para a edição de 2017 do SMSF não bastassem, e para entrar no espírito da actual quadra, acresce mais um nome para as contas do festival, desta feita um com quase 40 anos de história.

untitled

Os Exodus, sem mais rodeios, são conhecidos por terem três vidas e por, na primeira, terem tido Kirk Hammett como membro fundador. Que não fique de fora a noção de que, ao longo de 37 anos de intermitente existência, na sua quase totalidade sem o guitarrista de Metallica na formação, a banda de São Francisco conta na sua discografia com algumas das pérolas essenciais do thrash, desde “Bonded by Blood” a “Pleasures of the Flesh”, para nomear apenas alguns.

 

Os norte-americanos juntam-se aos já confirmados Urfaust, Malthusian, Hypothermia, Fuse, Process of Guilt e Tales for the Unspoken, além dos artista supramencionados.

O SMSF Beja 2017 decorre no Parque de Merendas da cidade alentejana de 8 a 10 de Junho

Rua da Lua… disco de estreia a 9 de Dezembro

Uma viagem pelo que já sabemos, sem sabermos que se podia dizê-lo assim. A Lua como pano de fundo é a luz de um cenário onde as peças originais se desenrolam e se ligam. “Sabe bem” ouvir que “Há vida no bairro”, onde por “Três paus” se fazia a festa, onde se canta o ”Fado Bisnaga”, enquanto “Maria lua Mulher” assume ser amante do Mar. Onde a paixão é “Feita de Lua” e o “Tempo, dono de ninguém”, passa a correr e nos mostra “O fim”, que se veste de início de uma banda que já tem o seu lugar. Músicos exímios e cúmplices, através da voz de Tatiana Pinto, criam um novo mundo, onde todos, por uma ou outra razão se reveem. Acordeão, Guitarra Clássica, Contrabaixo e Percussão são os ingredientes que cozinham um som universal, que atravessa gerações e as une, numa viagem que se quer repetir. (Eugénia Ávila Ramos)

19e562_83e280500fa24d9f9786a62f0dc4fe90

Nascidos em 2008, pela mão da experiência marcante de dançar o fado, Carlos Lopes, Tiago Oliveira, Manú Teixeira, Rui Silva, e mais tarde Tatiana Pinto, aperceberam-se da química que os une e que flui nas composições originais que então têm início.

 

Assim nasce um nome de rua, de lua, onde cabe toda a inspiração, o que já era e volta a ser, as versões únicas revisitadas e os pequenos passos para a banda, grandes para a música Portuguesa.

Na rua da luas as histórias são terrenas, quotidianas, evocam memórias e futura, fazem a leitura de modos de estar e sentir, que se materializam quando cantados e aplaudidos por quem ouve.

Rua da Lua, com raízes na zona oeste de Portugal, tem vindo a cantar e encantar pelo mundo com as suas músicas e mensagens implicitas nas letras, que nos fazem voar e ir mais longe no pensamento. É com esta harmonia de instrumentos que o público é embalado e transposto para uma realidade paralela onde sonhar é apenas o começo.

Peixe : avião levam Tour Fénix à ZDB

O tempo deixou perfeitamente claro que um dos conceitos basilares de “Peso Morto”, disco editado no início do corrente ano no qual os peixe : avião aprofundaram a subversão do formato canção, é o de aproximação.

GLAM - peixe avião.jpgphoto: Paulo Homem de Melo / Arquivo Glam Magazine

 

Esta aproximação extravasou do domínio musical, no qual mais do que nunca o quinteto solidificou a sua identidade, para o âmbito processual e cénico, patente na forma como a banda compõe, grava e se apresenta em concerto.

 

Foi também a partir da enfatização do conceito de aproximação que os peixe : avião delinearam um conjunto de concertos, batizados de Tour Fénix, nos quais essa premissa será transportada para o domínio físico. A ZDB será palco de um concerto especial e de entrada limitada, no qual a banda bracarense atuará no meio das salas, circundada pelo público, projetando a interpretação dos temas de “Peso Morto” para um novo patamar de intensidade.

 

Galeria ZDB (Lisboa)

8 de Dezembro 2016 | 22.00h

"Pé de Vento" entre os melhores álbuns europeus 2016

A Presença das Formigas foi o único grupo português a ser distinguido no ranking anual dos melhores álbuns de 2016 dos World Music Charts Europe (www.wmce.de). De entre um total de 854 discos nomeados, "Pé de Vento" ficou posicionado em 145º lugar, sob o selo da editora alemã CPL.

image_manager__cover_a_presenca_sleeve_druckdatei_kopiergb

Esta selecção musical é feita exclusivamente por produtores e apresentadores de programas de rádios, de 24 países europeus, dedicados à divulgação de músicas do mundo.

As outras referências portuguesas vão para o 5º lugar de "Konono Nº1 meets Batida", o álbum gravado na garagem do luso-angolano Pedro Coquenão (Batida) e editado pela casa belga Crammed Discs; e a fadista Cláudia Aurora, residente no Reino Unido, com o seu disco "Mulher do Norte" em 74º lugar, editado pela inglesa Red Orange Recordings.