Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Glam Magazine

Glam Magazine

The Sunflowers anunciam novas datas e lançam novo single

Os The Sunflowers lançam agora um novo single! "Post Breakup Stoner” é algo que todos já fomos, somos e vamos ser. É o partir de metade da alma e da forma como lidamos com isso. Quem nunca bebeu para esquecer e acabou a esquecer o que bebeu? A dor, a cura e a ressaca são fundamentais no comportamento do ser humano, por isso, porque não as retratar como uma piada numa música dos Sunflowers?

Uma música catchy, rock pop limpinho à moda do rock n' roll dos anos 50. A faixa mais pop do álbum de estreia dos Sunflowers leva agora um vídeo à moda da banda: DIY, sem orçamento e gravado em 2 horas com um telemóvel.

Tigre.JPGA tour de apresentação do álbum dos The Sunflowers continua com o fecho de 2016 e o início de 2017 - antes de vir o novo ano, passam pelo Barreiro Rocks onde, dizem os peritos, deram um dos concertos mais memoráveis da história do festival em 2015. A partir da viragem de ano vão voltar a fazer o que sabem fazer de melhor: andar por Portugal de guitarra em punho a espalhar caos e a boa nova do Fuzz. Os Sunflowers já nos habituaram a apresentar grandes novas bandas, como 800 Gondomar ou Fugly.  Desta vez, levam consigo os Moon Preachers, novos companheiros no garage psicadelico a guitarra e bateria, vindos directamente da Margem Sul, e a prova a dobrar que os duos fazem bem mais barulho do que seria de esperar.

 

3 Dezembro 2016 - Barreiro Rocks, Barreiro

20 Janeiro 2017 - CAEP, Portalegre

21 Janeiro 2017 - Carmo 81, Viseu

18 Fevereiro 2017 - Aniversário Pointlist, Damas, Lisboa

24 Fevereiro 2017 - TBC, Bragança

25 Fevereiro 2017 - Porta 11, Monção

3 Março 2017 - Sé La Vie, Braga

4 Março 2017 - Vale de Pandora, Vale de Cambra

 

"The Intergalactic Guide to Find the Red Cowboy" é o resultado do crescimento dos Sunflowers, sem nunca deixar de lado a sua identidade tão própria. É resultado de um ano preenchido de concertos, das tantas viagens que fizeram e da maturidade do seu som. É, segundo os próprios, a gravação que melhor traduz a energia dos seus concertos ao vivo. É uma colecção de 10 músicas sobre os já habituais encontros paranormais, pizza, erva, cowboys espaciais e experiências do dia-a-dia, repleta de guitarras altas, baterias loucas, feedbacks incontroláveis e gritos constantes. É, acima de tudo, um trabalho de que se orgulham de apresentar e que transmite a sensação que a banda cresceu dentro de si mesma.

 

“Comboio de Bambu” o novo single dos SENZA…

Depois do lançamento, em Fevereiro deste ano, do seu disco de estreia intitulado "Praia da Independência", os SENZA lançam agora o segundo single, com um arranjo inédito: "Comboio de Bambu".

2lj1wt8mpc7e

A versão que consta no disco foi gravada com os diminutos recursos disponíveis durante uma viagem de 3 meses da dupla de músicos Catarina Duarte e Nuno Caldeira ao sudeste asiático. De forma simbólica, foi assim mesmo incluída no disco: simples, esboçada, e de certa forma, autêntica.

Com um novo arranjo a que se juntaram os músicos Quiné Teles (bateria e percussão) e Pedro Almeida (piano), o tema "Comboio de Bambu" volta a ver a luz do dia... ou antes, é finalmente contemplado com a luz da minúcia dada aos restantes temas do disco.

Inspirada num comboio improvisado existente no norte do Cambodja, a canção conta uma experiência vivida com uma fusão de estéticas sonoras, atmosferas e paisagens musicais bem ao jeito do que é possível encontrar no disco. Mais um exemplo a relembrar-nos que a fusão-lusófona dos SENZA se encontra bem, de saúde, e que se recomenda.

As “Noite Johnny Guitar” chegam ao Algarve…

As “Noite Johnny Guitar” arrancaram dia 4 de Novembro, no RCA, em Lisboa, e descem até ao Algarve no último dia do mês. A ideia é que sejam uma celebração do rock, que nessas noites se promova e festeje a música rock.

Cada noite terá duas sessões: uma em Lisboa e outra noutra cidade do país. Sempre com duas bandas e um DJ. De rock, como não poderia deixar de ser!

untitled

A primeira edição é com Frankie Chavez, Sam Alone & The Gravediggers e Zé Pedro nos pratos. Dia 30 de Novembro, é a vez do Bafo de Baco, em Loulé, receber a “Noite Johnny Guitar”.

 

“Desert” é o novo tema de RAFMAN

RAFMAN é um dos novos artistas portugueses com maior destaque nos últimos tempos. O novo single mostra uma nova faceta “onde explora um novo estilo musical”, mais próximo do hip-hop e enriquecido por contornos pop. Numa realidade quotidiana onde escasseiam novidades, “Desert” revela-se um oásis de novas ideias não só pela abordagem musical mas também pelo conceito que carrega. A ideia é ‘tocar pessoas’ que atravessem um deserto de pensamentos mas que consigam alcançar o que pretendem. ‘Afinal, a vida é uma aprendizagem’.

NE5B7303 copy

Este é o quarto tema produzido por RAFMAN, que conquistou o público em 2015, recebendo várias distinções entre as quais a de DJ revelaçao pela Trend Music Awards, depois de ter lançado o tema “My Life” com Mastiksoul. O vídeo do tema, produzido por Rui Caridade, acentua ritmos de movimento e dança em contraste com um cenário deserto mas fértil em animação.

RAFMAN, outrora desde 2008 com o pseudónimo DJ Rafael Pinho, é um jovem DJ/Produtor que depois de 7 anos de carreira a percorrer o país de norte a sul, com várias músicas editadas, residências importantes em discotecas de renome nacional como o Pacha (Ofir) e Seven (Vilamoura), atuações com artistas reconhecidos mundialmente, entre eles Mastiksoul , Axwell, Steve Aoki, Alesso, Dimitri Vegas and Like Mike, Gregori klosman, Roger Sanchez, Steve Angello, entre muitos outros, eleva ambiciosamente a vontade de dar mais a este mercado.

 

 

“As Lusíadas” no Teatro do Bairro

Ao escrever Os Lusíadas, Luís de Camões esqueceu-se (ou não terá achado conveniente assinalar) que muitas mulheres contribuíram para a expansão portuguesa fazendo o mesmo percurso e passando pelas mesmas dificuldades que relata, sofrendo, muitas vezes, castigos severos pela ousadia. Ao longo dos séculos,

t_02

As Lusíadas foram ignoradas pelos historiadores, como se a sua motivação para a viagem fosse menos nobre do que a dos homens, ou como se a sua vontade e coragem fossem indignas de constar na História de Portugal. Iria Pereira, Inês, Maria, Cecília, Catarina, Isabel, Antónia Rodrigues, Brianda de Solis, Catarina Pires, Beatriz Anes e tantas, tantas outras, foram mulheres corajosas que “Em perigos e guerras esforçados / Mais do que permitia a força humana, / E entre gente remota edificaram / Novo Reino, que tanto sublimaram;”.

“Luís, estás a ouvir? Nós também fomos à Índia!”

 

Texto e Encenação: Maria João Rocha;

Interpretação: Alexandra Ferreira, Anouschka Freitas, Daniela Serra, Rebeca Sacasi, Rita Barbosa;

Participação Especial: António Figueiredo Marques;

Figurinos: UN T;

Desenho de Luz: Filipe Pacheco;

Design Gráfico: Diana Gomes;

Produção: Companhia de Outra;

 

Teatro do Bairro (Lisboa)

25 e 26 de Novembro 2016 | 21.30h

 

Cinema Sensorial, Eryk Rocha, The Stooges e Álvaro Siza em destaque no 3º Porto/Post/Doc Festival de Cinema Internacional

A Sessão de Abertura da 3ª edição do Porto/Post/Doc Festival Internacional de Cinema realiza-se no próximo dia 26 de Novembro, Sábado, no Grande Auditório Manoel de Oliveira do Teatro Rivoli, às 22h00, com o filme "Cinema Novo" do realizador brasileiro Eryk Rocha. Mais do que um filme sobre o movimento estético e cinéfilo que ficou conhecido como “cinema novo brasileiro”, Eryk Rocha estrutura a narrativa em torno de uma ideia (a programática “ideia na cabeça”) de afinidade, cumplicidade e de comunhão de ideias e práticas em torno de um grupo de jovens cineastas de origens diversas que se uniram em torno de um projeto cinematográfico e cultural, revolucionário para uma sociedade brasileira em ebulição.

ppd16 poster

“Cinema Novo” não é apenas um filme sobre o “cinema novo brasileiro”, mas um filme feito à maneira do “cinema novo brasileiro”, um documento que se estrutura nessa orientação e ambição programática de mudar o mundo a partir de uma câmara e uma moviola. Eryk Rocha é filho de Glauber Rocha, a alma do Cinema Novo Brasileiro, e de Paula Gaitán, artista plástica, fotógrafa, poeta e cineasta, e será um dos Focos do 3º Porto/Post/Doc a par do Sensory Ethnography Lab, da Universidade de Harvard, um dos laboratórios de documentários mais entusiasmantes da última década. A acompanhar este foco, serão exibidos os filmes poéticos da cineasta checa Jana Ševcíková, que tem investigado certas comunidades esquecidas do Leste Europeu. Será a primeira vez que é feita uma retrospetiva de Jana Ševcíková em Portugal e será, certamente, uma descoberta cativante.

 

Um dos pontos mais importantes da programação do Porto/Post/Doc é a sua Competição, composta por treze filmes produzidos no último ano que contam “histórias reais”, a partir de diversas temáticas (há cinema sem imagens em movimento, cinema realizado à distância e pela mão de desconhecidos, cinema de histórias criadas pelos protagonistas, cinema sobre o tempo antes da ação) e geografias (desde o Japão. Argentina, passando pela Coreia do Norte ou Marrocos), e que representam o melhor do cinema contemporâneo, em que o documentário e a ficção se assumem como formas híbridas. Destaque para os dois filmes portugueses que integram o programa de competição: "Eldorado XXI" (2016) de Salomé Lamas, um filme rodado na remota aldeia peruana de La Rinconada y Cerro Lunar e "Tarrafal" (2016) de Pedro Neves que propõe uma viagem intensa pelo passado e pelo futuro do Bairro S. João de Deus, num documento vivo da história recente da cidade do Porto.

 

O Fórum do Real estará de regresso para um seminário de um dia, com três diferentes painéis, que discutirão a experiência e o cinema sensorial, a partir do foco no Sensory Ethnography Lab. Estarão presentes académicos, críticos, sociólogos e cineastas, debatendo o tema a partir das suas áreas do saber. Esta edição terá a participação de: Isabel Capeloa Gil, Nuno Faria, Bruno Monteiro, Catarina Alves Costa, Rodrigo Lacerda, Cornelia Lund, Thomas Weber, Iván Villarmea Álvarez, Sérgio Dias Branco, Justine Duay, Joana Pimenta, Salomé Lamas, Gastón Solnicki, Christophe Bisson e Nuno Lisboa.

 

Este ano, a programação musical da secção Transmission – dedicada a filmes documentais sobre música, complementada com concertos – é feita em parceria com a editora e promotora Lovers & Lollypops. Nesta secção vão ser apresentados, entre outros, os documentários sobre Filho do Mãe (um filme que documenta a produção do álbum Mosteiro de Santo André de Rendufe, em Amares) e de Capitão Fausto. No caso de Filho da Mãe, a exibição do filme será complementada com um concerto. No primeiro dia do festival, e em parceria com o Rivoli, haverá um concerto da artista suíça Aïsha Devi, no Understage, que cruza linguagens eletrónicas intimamente com a languidez do psicadélico. Está também definido outro filme “Raving Iran” sobre o movimento da música techno na noite iraniana. Destaque para a apresentação de "Gimme Danger" (2016) de Jim Jarmusch que, mais do que um documentário sobre os Stooges, nasce como um filme gerado por um autor que conhece extremamente bem a história do cinema e do rock: Jim Jarmush, que regressa ao documentário depois de "Year of the Horse", de 1997, sobre Neil Young e os Crazy Horse. Na Sessão de Encerramento do Festival (3 de Dezembro, Sábado, 22h00, Teatro Rivoli), será apresentado do documentário "Bowie, O Homem dos Cem Rostos ou o Fantasma de Hérouville" de Gaetan Chataigner e Christophe Conte.

 

O projeto Memoirs, desenvolvido pelo Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra, procura mapear as práticas artísticas sobre o período colonial feitas pela novíssima geração, que não viveu essa época. O programa vai contar com a apresentação de quatro documentários e com o lançamento do livro e website “Memoirs” de Margarida Calafate Ribeiro e António Sousa Ribeiro, que integrará um debate com Jorge Andrade, Ana Delgado Martins, moderado por António Pinto Ribeiro.

 

Nos últimos anos, o cinema português tem assistido à sua própria valorização, com uma presença cada vez mais considerável em festivais e mostras internacionais, mas também com prémios e galardões. O Porto/Post/Doc tem como uma das suas grandes missões trazer obras portuguesas para próximo do seu público, e a secção Cinema Falado é isso mesmo e mais ainda. Sendo assim, o espectro programático desta secção abrange uma seleção original e ambiciosa de filmes portugueses, mas não só, contando também com filmes estrangeiros falados em português ou sobre realidades portuguesas, como é o caso dos filmes "Having a Cigarette with Álvaro Siza" de Iain Dilthey, que retrata uma conversa com um dos mais conceituados arquitetos portugueses, e "Silêncio", de Christophe Bisson, sobre os sem-abrigo da cidade do Porto. Para completar a trilogia de filmes a exibir nesta secção, mostramos um novo autor português, Pedro Ferreira, que vai para fora, numa espécie de diário de bordo de uma viagem por vários lugares do mundo.

 

Nesta edição, o Porto/Post/Doc convida para a secção Cinefiesta três sessões em parceria os festivais Play-Doc de Tui, Mecal de Barcelona e CurtoCircuito de Santiago de Compostela. Este ano, são apresentados quatro autores fundamentais para entender o documentário espanhol contemporâneo: Andrés Duque, Eloy Domínguez Serén e Mauro Herce. Todos eles exploram questões relacionadas com a identidade cultural e com as novas paisagens que os seus filmes tentam retratar (a Suécia em Serén ou o Atlântico em Herce, por exemplo).

 

Este ano, pela primeira vez, o Porto/Post/Doc apresenta um programa dedicado a crianças e jovens: o Mini. O projeto educativo do festival, o School Trip, já deu mostras de ter um papel fundamental na articulação do Porto/Post/Doc com as escolas, mostrando filmes e promovendo masterclasses e workshops. Desta vez, o School Trip abre uma nova frente de batalha, o Mini, onde será dedicada uma programação pensada ao pormenor para os mais pequenos, com sessões de cinema e oficinas.

 

O Mini pretende ser uma porta de entrada para o festival, promovendo iniciativas pedagógicas, orientadas por uma equipa de profissionais. Em 2016, o Mini é composto por sessões de cinema e oficinas. A cineasta convidada desta edição do Mini é Leonor Teles, vencedora do Urso de Ouro para a Melhor Curta-Metragem no último Festival de Berlim, com Balada de um Batráquio, que será exibido conjuntamente com Rhoma Acans, o seu primeiro documentário. Leonor Teles conversará com o público depois da exibição dos seus filmes. Estão também previstas três oficinas sobre cinema e documentário. O projeto educativo School trip, para além da habitual sessão com filmes da Escola Artística de Soares do Reis, terá também, pela primeira vez, uma competição de filmes de escola, representantes de universidades e politécnicos portugueses, mas também escolas estrangeiras. Serão cerca de uma dezena de filmes a concurso.

 

O projeto educativo School trip é também a casa da programação Teenage, uma nova secção criada no ano passado, e por onde passarão filmes que se concentram nesse momento mágico do crescimento, em que a identidade instável permite dar novas asas à imaginação. Assim, serão exibidos documentários protagonizados por adolescentes e jovens, num género que assume a cultura pop como uma identidade central, mas permitindo outros grupos sociais desviantes. Estas sessões são um radar do futuro da humanidade. Como complemento a esta ideia, o Porto/Post/Doc assume como central a sua preocupação com os públicos mais jovens. Por isso mesmo, haverá também um júri Teenage composto por diversos alunos de escolas do Porto.

 

O Porto/Post/Doc procura também selecionar filmes com temáticas específicas que são exibidos em Sessões Especiais. Em 2016, regressamos com duas secções. Working Class Heroes, continuaremos, onde continuaremos a retrospetiva em curso do cineasta americano Lionel Rogosin. Doc is the New Black, onde voltamos ao mundo da moda para falar da incrível história de John Casablancas que mudou o paradigma das agências de modelos, lançando Crawford, Campbell, Evangelista — e assim nasceu a top model. Neste filme biográfico (que cose habilmente várias entrevistas, outros materiais de arquivo e até animação para recriar certos episódios) é o próprio que nos conta a forma acidental como entrou no universo da moda, e de como o seu berço de ouro e a sua posição privilegiada na alta sociedade foram essenciais.

 

O Porto/Post/Doc conta com Direcção de Dario Oliveira, Daniel Ribas e Sérgio Gomes. A programação de 2016 do Festival integra cerca de 100 filmes de 31 países e quatro continentes, sendo que destes 41 são longas-metragens e 44 são curtas-metragens, três serão apresentados em estreia mundial, três em estreia europeia e o Festival terá um total de 39 estreias nacionais. O Festival vai contar com a presença de cerca de 200 convidados nacionais e internacionais: realizadores, produtores, directores de outros festivais, jornalistas, entidades parceiras. O Porto/Post/Doc conta, desde a primeira edição, com o apoio da Câmara Municipal do Porto e, desde o ano passado, com o apoio dos Vinhos Verdes que, agora, se assumem como patrocinadores do Grande Prémio Porto/Post/Doc by Vinhos Verdes, entre outras entidades parceiras.

 

Quintas de Cinema assinalam o dia internacional pela eliminação da violência sobre as mulheres…

No dia 24, véspera do Dia Internacional Pela Eliminação Da Violência Sobre As Mulheres, pelas 21h00, nas “Quintas de Cinema”, no Cine-Teatro de Estarreja será exibida a longa-metragem “Miss Violence” de Alexandros Avranas que em 2013, ganhou o Leão de Prata como Melhor Realizador, no 70º Festival de Cinema de Veneza. Após o filme o espaço de debate estará aberto. Na conversa participará a Dra. Patrícia Pinho do Núcleo de Atendimento a Vitimas de Violência Doméstica do Distrito de Aveiro – Cáritas Diocesana, uma representante do Movimento Democrático das Mulheres de Aveiro e do NIAVE da GNR de Aveiro. Testemunhos importantes para uma conversa que promete nos colocar perante "evidências invisíveis" de um problema grave.

miss-violence-1

Miss Violence” é uma poderosa denúncia à violência doméstica e ao abuso infantil. No dia do seu 11º aniversário Angeliki salta para a morte atirando- se do terraço. Enquanto a polícia e os Serviços Sociais tentam perceber a razão deste aparente suicídio, a família de Angeliki continua a insistir de que se tratou de um acidente. Qual foi o segredo que a jovem Angeliki levou com ela? Porque a sua família persiste em tentar “esquecer” a sua morte e prosseguir com a sua vida? Estas são as respostas que os funcionários dos Serviços Sociais procuram quando visitam a casa impecavelmente limpa e ordenada da família. O pai certifica-se que não falte nada e que tudo está onde pertence.

 

Como habitual nestas sessões também será exibida uma curta-metragem. O filme “Deus Providenciará” de Luís Porto foi a escolha. O filme vencedor do Prémio Estreia Mundial de Curta-Metragem no festival de Avanca na edição de 2015 fala de uma mulher de fortes convicções morais e religiosas que depois de sofrer uma violação se vê num dilema. Um filme forte que não deixará ninguém indiferente. Nesta sessão especial contamos com a presença do realizador Luís Porto e da produtora Laura Milheiro que irão participar na conversa que se seguirá ao filme.

 

Esta sessão é a segunda de uma série de conversas que vão decorrer na programação de cinema realizada pelo Cine-Clube de Avanca nas Quintas de Cinema, agora com novo horário de inverno, pelas 21h para enquadrar este novo formato. As “Quintas de Cinema” são uma organização do Cine-Clube de Avanca com o apoio do ICA/Ministério da Cultura, Cine-Teatro e Município de Estarreja.