Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Glam Magazine

Glam Magazine

TOKiMONSTA & Dekmantel Soundsystem… Primeiras Confirmações Lisboa Dance Festival 2017

Nos próximos dias 10 e 11 de Março acontece a segunda edição do Lisboa Dance Festival, um evento focado nas novas tendências da música electrónica. A norte-americana Tokimonsta e o colectivo holandês Dekmantel Soundsystem são as primeiras confirmações do festival de inverno. O Lisboa Dance Festival celebra a cidade com uma programação virada para as tendências mundiais da música electrónica. Mais do que um evento de um só género musical, o Lisboa Dance Festival abre portas para uma visão 360 sobre toda a música electrónica.

Após uma estreia em 2016, com uma afluência a rondar as 9 mil pessoas, o LX Factory volta a receber o evento que já colhe reconhecimento além fronteiras como o caso do Resident Advisor, que designou o festival como “uma ideia progressiva em que a música electrónica” surge com “um novo conceito de festival de música”.

tokimonstaJennifer Lee (aka TOKiMONSTA) destacou-se cedo com a ligação à label de Flying Lotus (Brainfeeder). Desde então é dos nomes mais em crescendo na mistura de electrónica com momentos de hip-hop, como é o caso do trabalho com Anderson Paak. O espaço que os media lhe dedicam tornam-na numa das artistas mais faladas do momento.

dekmantel

São dos nomes mais respeitados da música electrónica, não só da área do techno ou house, mas sim de todos os quadrantes. A label Dekmantel conseguiu ganhar um espaço único no universo da electrónica tendo espalhado-se por todos os cantos do mundo. Thomas Martojo e Casper Tielroojj formam a dupla que carrega consigo todo o legado Dekmantel. Do Boiler Room a festivais de peso, o Dekmantel Soundsystem tem marcado presença com uma assiduidade crescente

 

O festival reflete o lado mais efervescente da música, do desafio da inovação e também de um olhar muito concreto para o que Portugal produz de mais único para oferecer ao mundo. No evento de 2 dias há também espaço para debates, seminários e market. Uma edição limitada de bilhetes encontra-se já disponível para os primeiros que queiram adquirir entrada para os 2 dias de festival.

 

Bon Jovi… "This House Is Not For Sale" o novo álbum editado hoje

Os Bon Jovi estão de volta com um novo álbum de estúdio, "This House Is Not For Sale", que revela a integridade, o legado duradouro e as relações mais fortes do que nunca entre os membros de uma das maiores bandas de rock do mundo. O álbum foi primeiramente apresentado pela canção que dá título ao disco e, subsequentemente, pelo single "Knockout".

Em "This House Is Not For Sale" o grupo reuniu-se uma vez mais com o produtor John Shanks (vencedor de prémios Grammy), com quem começaram a trabalhar em 2005, no platinado "Have a Nice Day", álbum que chegou ao 1.º lugar do top de vendas de 15 países. Este será o primeiro grande lançamento dos Bon Jovi desde o multiplatinado "What About Now" em 2013.

Artwork_for_Bon_Jovi's_album_This_House_Is_Not_for_Sale

Para a capa deste novo álbum a banda decidiu usar uma fotografia a preto e branco do artista Jerry Uelsmann, uma imagem impressionante de uma casa altiva e histórica ancorada por raízes profundas. Uma imagem que muito inspirou o líder Jon Bon Jovi enquanto gravava este disco.

"A imagem contava a nossa história… Agora é a nossa capa de álbum", diz o músico. Sobre o single homónimo, Jon acrescenta: "Esta canção é sobre integridade e sobre o que atravessámos nestes últimos três anos. Ficámos ainda mais próximos e, como a canção diz, "this heart, this soul, this house is not for sale."

Allen Halloween encerra cartaz do Cellos Rock…

A 18 & 19 de novembro, Barcelos receberá o melhor da nova música moderna portuguesa. A juntar aos já anunciados Tó Trips & João Doce (Wraygunn), HHY & The Macumbas, PISTA, Alek Rein e Fugly, acrescenta-se agora o nome de Allen Halloween.

11694023_891551380918700_6321774499670407959_n

Rapper e produtor de Odivelas, também conhecido como Bruxa ou Maradox Primeiro (nome de produtor), Allen Halloween foi membro e fundador do bando Y.K (Youth Kriminals). Depois de “Projecto Mary Witch” (2006), que nos abre as portas ao lado mais hostil do quotidiano nos subúrbios, e de “Árvore Kriminal” (2011), onde é introduzida a melancolia e autocomiseração, dotando o trabalho do rapper de uma dimensão poética assinalável, Allen Halloween regressou em 2015 com “Híbrido”, disco que o colocou nos lugares cimeiros entre os melhores discos portugueses do ano. Estreia-se em Barcelos a 19 de novembro.

 

Com Allen Halloween, o festival Cellos Rock encerra o cartaz para a edição de 2016. A 18 de novembro, sexta-feira, HHY & The Macumbas, Alek Rein e Fugly sobem ao palco do auditório do CCOB. No dia seguinte, 19 de novembro, sábado, Allen Halloween encabeça a noite que contará com PISTA e Tó Trips & João Doce. Ambas as noites arrancam, pontualmente, pelas 22:30.

VALAS atua no Vodafone Mexefest e faz sucesso com single “As Coisas”

VALAS, um dos novos valores do hip hop português, vai atuar na edição deste ano do festival Vodafone Mexefest, tendo concerto marcado para o dia 25 de novembro, numa das novas salas que passam a integrar o festival, o Cine-Teatro Capitólio, em Lisboa, no palco Bastidores.

14639717_1367364716637770_3398640664262602581_n

O rapper lançou recentemente o single “As Coisas”, com letra do próprio e produzido por Lhast (produtor do grande hit de Richie Campbell “Do You No Wrong” e com quem já tinha trabalhado no projeto Nébula), estando já a fazer grande sucesso nas plataformas digitais de música. Além do single se encontrar em 2.º lugar do top Viral no Spotify e na 22.ª posição do Shazam, o vídeo de “As Coisas”, realizado por Ricardo Reis, já conta com mais de 170 mil visualizações em menos de duas semanas.

Quanto a esta canção, VALAS refere: “Esta música, a letra, representa uma mudança na minha vida. Deixar para trás coisas menos positivas, alguns maus hábitos, e concentrar-me naquilo que realmente importa. E essa mudança está a acontecer tanto a nível profissional como pessoal.” O rapper foi sempre, desde muito novo, um ávido consumidor de todo o tipo de música mas era no hip hop que se encontrava, que se identificava. Rappers portugueses ou norte-americanos, como Sam The Kid, Boss AC, Halloween, Fuse e VRZ, foram sempre as suas maiores influências.

 

VALAS já deu mais de 100 concertos em Portugal sendo a grande maioria com o seu grupo Matilha 401 e quase todos eles no Alentejo. O que é natural, uma vez que nasceu, cresceu e reside actualmente em Évora. Agora vai mostrar o que tem para dar no Vodafone Mexefest, sendo que o Cine-Teatro Capitólio, onde VALAS vai atuar, acolherá artistas como Large Professor & Diamond D, Talib Kweli, Nerve e Celeste/Mariposa.

O lançamento do álbum de VALAS está previsto para 2017.

Pedro e os Lobos regressa com ''Este chão que pisamos''

''Este chão que pisamos'' é o titulo deste novo disco de Pedro e os Lobos, que sublinha um caminho musical esteticamente marcado pela interligação de várias culturas e linhas musicais na busca de uma sonoridade própria.

Tendo as guitarras como figura central das suas composições, Pedro Galhoz continua a mostrar neste disco a sua paixão pela mistura de diferentes culturas, pelas bandas sonoras, pelo deserto e pelos clássicos da música americana que convivem aqui em harmonia com a lusofonia na palavra e no sentimento.

artworks-000189824934-g1ua1z-t500x500

''Este chão que pisamos'' é composto por sete temas originais em que os convidados Adolfo Luxuria Canibal (Mão Morta), Jorge Benvinda (Virgem Suta), Viviane, Joana Machado, Marisa Anunciação e Sónia Oliveira dão voz às palavras de Pedro Galhoz.

Para lá das canções com voz, este disco conta ainda com um tema instrumental “ Andaluzia” que pertence à banda sonora da curta metragem “ Luto branco”. ''Este chão que pisamos'' é mais um capitulo numa caminhada musical marcada pela vontade de fazer música entre amigos e consequentemente mostrar o resultado desse trabalho em disco e no palco

“Estar Presente”… o tema de Natal de Prismatic

Depois de terem o rapper Vilão como convidado em estúdio para “A Minha História”, os Prismatic regressam com um single dedicado à época festiva que em breve se iniciará.

Print

"Estar Presente" Com distribuição mundial a partir de dia 14 de novembro, o single antecede o álbum de estreia de Primastic, em produção. Através de um prisma, uma luz branca pode ser decomposta em todas as cores. São 7 as cores que o prisma produz. São também 7, as notas musicais através das quais queremos decompor o nosso som, sem preconceitos e com uma roupagem e fusão entre vários estilos, que faz com que Prismatic seja o nosso e o vosso prisma musical.

 

Prismatic, um trio que actualmente se apresenta com duas das várias vertentes de um prisma cheio de surpresas musicais. Apresentada a banda Portuguesa, em 2013, com o single “XXI”, numa versão pop/electrónico. Em 2014, viaja até aos EUA para nas mãos do conceituado e vencedor de Grammy Awards, Mr. Bob Katz, para que seja finalizado o EP de 3 temas intitulado “Prismático” que é exposto ao público através de 3 videoclipes. Um dos temas, "Prismático”, conta com Miguel Moura dos Santos como convidado

Stevie Wonder e Ariana Grande juntam-se na canção “Faith”, do filme “Sing”

O lendário Stevie Wonder vai-se juntar à jovem estrela pop Ariana Grande no single “Faith”, que fará parte da banda sonora do filme “Sing” (“Cantar!”, título português), que estreia nos cinemas a 8 de dezembro. O single será revelado já esta sexta-feira, dia 4 de novembro, juntamente com o respetivo lyric vídeo. Produzido por dois dos compositores e produtores mais reputados e requisitados da atualidade, Ryan Tedder (que já trabalhou com Beyoncé e U2) e Benny Blanco (que tem no currículo colaborações com Rihanna e Katy Perry), “Faith” é também a primeira canção de Stevie Wonder a entrar num filme em mais de 25 anos.

1_1

Stevie Wonder mantém-se ainda hoje um dos artistas mais lendários e influentes na história da música popular. Além de já ter vendido mais de 100 milhões de álbuns em todo o mundo, também conquistou 25 prémios Grammy, sendo o artista masculino mais premiado desde sempre. Stevie Wonder também já foi distinguido com um Óscar da Academia.

 

Agora dá voz, juntamente com Ariana Grande, à principal canção da banda sonora de “Sing”, filme de animação que conta com as vozes de Matthew McConaughey e Reese Witherspoon e que conta a história do coala Buster Moon que organiza uma concurso de talentos para dar uma nova vida ao seu teatro. Ariana Grande é uma das maiores estrelas pop da atualidade, tendo lançado este ano o seu terceiro álbum, “Dangerous Woman”, cujo primeiro single, homónimo, entrou para o 1.º lugar dos tops iTunes Overall Songs e Top Pop Songs, além de se ter estreado no top 10 da tabela de vendas norte-americana Billboard Hot 100.

 

A cantora vai estrear-se em Portugal no dia 11 de junho do próximo ano, na MEO Arena, em Lisboa, a bordo da “Dangerous Woman Tour”.

Mário Laginha, Pedro Burmester e Miguel Araújo representam Portugal no MIMO

Mário Laginha e Pedro Burmester vão abrir o Festival MIMO no Rio de Janeiro, dia 11, na Igreja da Candelária. Depois de terem participado na primeira edição do MIMO em Portugal, em Amarante, no passado mês de Julho, os pianistas atravessam o oceano Atlântico para interpretar, a quatro mãos, obras clássicas e de autores como João Paulo Esteves da Silva, Pixinguinha e Aaron Copland. Na comitiva nacional vai Miguel Araújo que se estreará ao vivo no Brasil a convite do MIMO. O músico e compositor do Porto - que foi um dos convidados de Hamilton de Holanda na edição de estreia do MIMO Amarante - apresenta-se no Rio de Janeiro para um concerto exclusivo com Chico César. Dia 13, no Palco Se Ligaê, na Praça Paris, o guitarrista dos Azeitonas junta-se, assim, ao autor dos hits “Mama África”, “À primeira vista” e “Mulher eu sei” para um espectáculo imperdível.

834f71c1-c6c6-4d65-a7b6-85523c379501

Além destes artistas portugueses, o MIMO Rio de Janeiro conta com a presença de Ney Matogrosso (Brasil) - que fará o concerto de encerramento do festival recordando os seus 40 anos de carreira -, Mário Lúcio (Cabo Verde), Pat Thomas & Kwashibu Area Band (Gana), Bixiga 70 (Brasil), João Bosco & Hamilton de Holanda (Brasil), entre muitos outros. 

 

Depois de agitar as cidades históricas de Tiradentes, Ouro Preto e Paraty, o MIMO chega ao Rio de Janeiro dia 11 de Novembro e até dia 13 oferece uma programação extensa e plural ocupando, com excelência, espaços do património histórico como igrejas, museus e parques.

Em 13 anos de existência do festival, esta será a segunda vez que o Rio de Janeiro receberá o MIMO. O palco principal situa-se na Praça Paris, na Glória, entre o Centro e o início da zona sul carioca. Igrejas históricas da cidade, como a Candelária e o Outeiro da Glória, patrimónios culturais que são cartões-postais da cidade, São Francisco da Penitência e Irmandade de Santa Cruz dos Militares também serão palcos de concertos.

“O MIMO é um festival intrinsecamente associado ao património, à cultura, a bens culturais e à educação. A partir de Olinda traçou o seu caminho por importantes cidades históricas brasileiras: Recife, João Pessoa, Ouro Preto, Paraty e Tiradentes. O Rio de Janeiro, faz parte de todos os capítulos da História do Brasil. É Património Cultural da Humanidade pela Unesco. Considerando os valores do MIMO, achamos natural realizá-lo aqui desde 2015", afirma Lu Araújo, diretora-geral do MIMO.

 

Do Rio de Janeiro, o MIMO parte para a sua cidade-mãe, Olinda, onde se realiza de 18 a 20 de Novembro, encerrando a 13.ª edição do MIMO no Brasil. Zeca Baleiro (Brasil), Mário Laginha e Pedro Burmester (Portugal), Sons of Kemet (Reino Unido) e Mário Lúcio (Cabo Verde) são alguns dos artistas confirmados.

Em 2017 o MIMO regressa a Portugal para a 2ª edição em Amarante, de 21 a 23 de Julho.

Mercado de música independente… 3ª edição

A Junta de Freguesia de Santo António apresenta pela terceira vez o Mercado de Música Independente. Desta vez, a iniciativa que procura reunir algumas das mais activas marcas da música nacional tem lugar na Garagem da Epal, situada numa transversal que une a Rua das Portas de Santo Antão e a Avenida da Liberdade. O mercado funcionará no fim de semana de 19 e 20 de Novembro. No sábado, dia 19, as portas estarão abertas ao público entre as 12h00 e as 21h00. No domingo, o horário de abertura será o mesmo, mas o evento encerrará mais cedo, pelas 18 horas.

capa-mmi

Já está confirmada a presença de vários selos e artistas, incluindo editoras como a Mano a Mano, Discotexas, Pontiaq, Monster Jinx, Tradisom, Kimahera, Lux Recs, Meifumado, Omnichord ou Thisco. Artistas como Maria e Sensei D., a AMAEI, associação que reúne artistas auto-editados, e a editora de banda desenhada Chili Con Carne também já garantiram a sua presença. A Soul Jazz, importante selo londrino, também se fará representar através da sua distribuidora nacional.

Como sempre, as entradas serão gratuitas e a Junta de Freguesia de Santo António apoia a edição independente montando todo o evento sem quaisquer custos para os editores e artistas. Além das bancas de artistas e editores, haverá ainda um palco onde ao longo dos dois dias se apresentarão concertos e dj sets. Garantidas estão já presenças em palco de artistas e djs associados à Monster Jinx, Mano a Mano, Kimahera e Lux Records, sendo certo o concerto dos conimbricenses Ghost Hunt que aí apresentarão o seu novo álbum.

 

Garagem EPAL - Av. da Liberdade (Lisboa)

19 e 20 de Novembro de 2016

Novidades Talkfest'17… confirmação dos primeiros nomes em diferentes secções

São 10 as primeiras novidades em termos de programação que preencherão o evento. Nas conferências, são confirmados os oradores: Susana Sequeira (Owner MTSF Partners e investidora); Carlos Carmo (coordenador Festival Med); Diogo Marques (partner Dot Global / Prod. Vilar de Mouros); Pedro Carvalho (responsável Transform-Arte / Zna Gathering); Mariana Couto (booker We Are Music) e Pedro Cluny (técnico som em diferentes festivais).

14720592_1093996050669251_5869103784715873037_n

A primeira confrmação para os concertos, corresponde aos Ditch Days e o seu rock alternativo combinado com dream pop que já foi entoado por diversos festivais e tem agora o seu álbum "Liquid Springs" recentemente editado. Os primeiros documentários confirmados são: Benjamim: auto-rádio (2016), um report de estrada e O Dia em que a Música Morreu (2016) de Bruno Ferreira e que dá continuidade a uma das músicas de Linda Martini

 

Nas apresentações científicas serão apresentadas as conclusões do estudo do corrente ano do "Perfil do festivaleiro português e ambiente social nos festivais em Portugal". Estão abertas as propostas para apresentações científicas (estudos individuais ou coletivos na área dos festivais) e apresentações profissionais (projetos e ideias para implementação nos festivais)

 

A 6ª edição do Talkfest - International Music Festivals Forum realiza-se em Lisboa, no Museu das Comunicações (dias 9 e 10 de março de 2017), com as atividades profissionais do evento: conferências (secção principal); apresentações (científicas e profissionais); seminários; feira emprego e documentários, ao longo de todo o dia. Evento que encerra, com os concertos no Musicbox. Espera-se, nesta edição, criar-se mais ferramentas técnicas para os profissionais da área e potenciar o seu networking assim como criar mais comodidade aos visitantes. Este evento está considerado como de interesse cultural pelo Governo de Portugal - Ministério da Cultura.

“Queen On Air”… as gravações dos Queen para a BBC disponíveis a partir de hoje

Entre fevereiro de 1973 e outubro de 1977 os Queen gravaram seis sessões em exclusivo nos estúdios de rádio da BBC. As 24 gravações que estas sessões produziram incluem versões alternativas do single de estreia da banda, versões inéditas de alguns dos clássicos que se encontram nos álbuns do grupo e até uma versão radicalmente reimaginada de um dos mais conhecidos hinos dos Queen e que até hoje nunca foi editada, nomeadamente de “We Will Rock You”, entretanto já revelada.

Queen-On-Air-3LP-3D-Product-Shot_1024x1024

Agora pela primeira vez as seis sessões que os Queen gravaram na BBC são editadas em conjunto, sendo que todas as gravações foram meticulosamente restauradas por Kris Fredriksson, engenheiro de som dos Queen, e masterizadas por Adam Avan, já premiado nos Grammys. “Queen On Air” é o título da coletânea que estará disponível nas lojas a partir de hoje num duplo CD, em triplo LP e numa caixa limitada de 6CD que inclui um CD com gravações ao vivo e três CD com entrevistas feitas na rádio. “Queen On Air” é uma obra essencial para conhecer profundamente esta fase tão rica do percurso da banda.

Desta coletânea faz parte uma nova versão de “My Fairy King”, a primeira canção dos Queen a ser transmitida na rádio, na altura pelo célebre divulgador e radialista John Peel. “My Fairy King” foi transmitida na BBC cinco meses antes do lançamento do álbum e single de estreia dos Queen, sendo que a versão que o grupo gravou na rádio é menos polida que a versão do disco, estando a voz de Freddie Mercury e os coros mais definidos. O guitarrista Brian May descreve “My Fairy King”, uma das canções de Freddie Mercury que é frequentemente ignorada, como predecessora do estilo barroco que se afirmou em canções icónicas como “Bohemian Rhapsody” e “The March of the Black Queen”.

Queen On Air” é muito mais que um conjunto de gravações raras, é um autêntico retrato do momento em que os Queen se tornaram numa lenda musical.