Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Glam Magazine

Glam Magazine

Danças Ocultas & Orquestra Filarmonia das Beiras… “Amplitude”

“Amplitude” é o espaço abrangido por uma vibração. Esta dimensão sonora foi partilhada por Danças Ocultas e Orquestra Filarmonia das Beiras, durante dois anos de progressões em palco, que confluíram, em Maio de 2015, a duas das mais importantes salas do país: a Sala Suggia da Casa da Música, no Porto e o Grande Auditório do CCB, em Lisboa.

GLAM - Danças Ocultas.jpgphoto: Paulo Homem de Melo

 

Nestes concertos juntaram-se os convidados Carminho, Dead Combo e Rodrigo Leão, que muito contribuíram para contagiar a magia musical às plateias repletas das duas salas. Amplia-se agora, ao grande público, essa magia com a edição do registo ao vivo destes concertos. Os arranjos orquestrais de clássicos de Danças Ocultas servem igualmente de cenário para os diálogos com os convidados. O facto de Dead Combo e Rodrigo Leão explorarem a música instrumental, facilitou a comunicação entre os universos artísticos. Já com Carminho, há um círculo que se completa: “O Diabo Tocador” era um tema do álbum Tarab inspirado numa canção de trabalho recolhida por Giacometti. O instrumental de Tarab volta assim a ser canção com a letra a tomar a voz de Carminho.

 

António Vassalo Lourenço, maestro da Orquestra Filarmonia das Beiras e profundo conhecedor da música de Danças Ocultas acarinhou esta iniciativa especial. Os arranjos para orquestra de cordas ampliam o que os originais já continham, dando novo corpo e dimensão às melodias, aos contrapontos e harmonias, que este grupo de concertinas explora no seu formato original. Esta música inundou os palcos da Casa da Música e do CCB, em duas noites muito particulares e especiais, com convidados que representam igualmente o melhor da música portuguesa e o lado mais nobre do espírito de aventura de Danças Ocultas. “Amplitude” é a vontade de partilhar esta música com um público maior.

 

Os concertos regulares estão agora disponíveis para todo o país onde todo este reportório está incluído numa execução inspirada e brilhante feita em colaboração com a Orquestra Filarmonia das Beiras.

 

Teatro José Lúcio da Silva (Leiria)

1 de Outubro 2016 | 21.30h

OUT.FEST 2016… Irmler + Liebezeit

Hans-Joachim Irmler & Jaki Liebezeit… Encontro-sonho entre duas das figuras mais imponentes no epicentro desse acontecimento iluminado e ímpar que teve lugar na Alemanha dos anos 70 e que usualmente apelidamos de krautrock.

untitled-1.jpgFundador dos Faust, Hans-Joachim Irmler passou a liderar uma das duas formações com esse mesmo nome aquando a cisão em 2004, acumulando também funções no Faust Studio e enquanto mentor da prolífica editora Klangbad, numa demonstração de superlativa actividade. Baterista único, Jaki Liebezeit foi o motor que propulsionou a nave dos Can até ao espaço sideral, num acerto mimético em expansão até aos dias de hoje. Juntos, são um combo em constante exploração da simbiose entre os teclados cósmicos e fracturantes de Irmler e as batidas circulares e hipnóticas de Liebezeit, ao encontro de mundos inexplorados, com a mesma verve e sentido de descoberta que desenhou alguns dos seus trabalhos mais valorosos.

 

Hans-Joachim Irmler & Jaki Liebezeit irão actuar no Sábado, 8 de Outubro, na Adao – Associação Desenvolvimento Artes Ofícios, perfazendo assim o elenco final da noite mais longa e diversa do festival

 

Concertos:

Irmler + Liebezeit (Alemanha)

Hieroglyphic Being (Eua)

Tropa Macaca (Pt)

Acid Mothers Temple (Japão)

Ondness (Pt)

Manuel Mota (Pt)

Foodman (Japão)

Van Ayres (Pt)

Gume (Pt)

Polido (Pt)

Les Graciés (Eua / frança)

Paulo Trancoso homenageado nos Açores…

O Curta Açores – VII Festival de Cinema Internacional de Curta Metragem (Ilha de S. Miguel, Açores), decorre até Sábado, dia 1 de Outubro no belíssimo Teatro Ribeiragrandense e na Universidade dos Açores, homenageando este ano o produtor Paulo Trancoso, Presidente da Academia Portuguesa de Cinema.

Sendo o mais antigo Festival de Cinema dos Açores em atividade, este ano o evento realiza-se em 2 núcleos da Ilha de S. Miguel: Ribeira Grande e Ponta Delgada, desejando abranger mais público e divulgando um amplo cinema de curta metragem.

600_PauloTrancoso.jpgNa noite do próximo sábado, no palco do centenário Teatro Ribeiragrandense serão anunciados os prémios da competição internacional e regional e atribuídos os Prémios Carreira a Paulo Trancoso e a Nicolau Breyner a título póstumo.

Paulo Trancoso estará também na Universidade dos Açores na manhã de hoje, sexta-feira onde proferirá um Master Classe. Neste espaço irão intervir igualmente os professores universitários Leonor Sampaio da Universidade dos Açores e António Costa Valente da Universidade de Aveiro. Nascido em Lisboa em 1945 e tendo frequentado cursos de Medicina e Arquitetura em Paris e Lisboa, Paulo Trancoso passou pelo jornalismo e a crítica de cinema antes de iniciar uma carreira internacional como produtor de cinema e televisão.

 

Em 1982 fundou a Costa do Castelo Filmes, uma das mais dinâmicas produtoras do cinema nacional. Com significativa passagem pela publicidade, foi um dos fundadores  da “Casa das Máquinas” e da “Stress” que nos anos 90 trouxeram forte agitação a esta área. Na televisão esteve ligado a êxitos de audiência como “A Viúva do Enforcado” e “A Banqueira do Povo”, entre outros.

 

Paulo Trancoso investiu na internacionalização do cinema português através de co-produções, como “A Casa dos Espíritos” ou “Comboio Noturno Para Lisboa” de Billie August, ou “A Rainha Margot” de Patrice Chereau. Este último filme foi nomeado para um OSCAR e recebeu 2 prémios em CANNES.

No cinema português produziu documentários como “Pare, Escute e Olhe” de Jorge Pelicano e “A Vossa Terra” de João Mário Grilo e longas metragens de ficção como “A Selva” de Leonel Vieira, “Manô” de Jorge Felner da Costa  ou “Duas Mulheres” de João Mário Grilo.

Na distribuição de cinema e vídeo, foi o responsável pela edição de grandes clássicos do cinema mundial e por um número significativo e marcante de obras do nosso cinema. Paulo Trancoso foi Presidente da Associação de Produtores de Cinema, da Associação dos Produtores e Realizadores de Filmes Publicitários e foi administrador em Portugal dos programas Eve e EuroAim.

Com a fundação da Academia Portuguesa de Cinema e a instituição dos Prémios SOPHIA, Paulo Trancoso marcou fortemente um novo rumo e espaço para o cinema português.

 

O Curta Açores homenageia igualmente e a título póstumo o ator, autor e igualmente produtor Nicolau Breyner.

 

Sendo uma organização do “CCRG – Clube de Cinema da Ribeira Grande”, este evento conta com a parceria da Câmara Municipal da Ribeira Grande, Cine-Clube de Avanca, Direção Regional da Juventude, RTP AÇORES e RDP AÇORES.

Um fim de semana de encontro com a Arte e os seus criadores pelas ruas de Lisboa

Desde 2010 que há um fim de semana por ano no qual vários ateliês de Lisboa estão de portas abertas. Nos dias 14, 15 e 16 de Outubro de 2016 volta a acontecer a “Abertura de Ateliês de Artistas” que permite o contacto de criadores e visitantes, conhecedores e colecionadores, críticos e curiosos, vizinhos e entidades oficiais. A Associação Cultural Castelo d’If anuncia a 7.ª edição da “Abertura de Ateliês de Artistas” (AAA) a decorrer em Lisboa, de 14 a 16 de outubro, entre as 15h e as 20h, em vários locais da cidade, todos com entrada livre.

7aaa%20total

No total são 60 ateliês, e mais de 150 artistas participantes, portugueses e estrangeiros. Desde aprendizes a artistas jovens, que testam uma intuição, passando por menos jovens, que se desafiam, até a artistas consagrados, vão todos partilhar os seus espaços e criações. Alguns vêm de propósito a Lisboa mostrar o que fazem nos seus locais de origem, num intercâmbio que tem marcado o panorama artístico da cidade nos últimos anos.

 

Na 7.ª edição da “Abertura de Ateliês de Artistas” o público vai ter incursões nas mais variadas atividades artísticas: da fotografia à escultura, do vídeo à performance, da ilustração à cerâmica. O objetivo é um encontro informal com a Arte, e num só fim de semana conhecer os espaços de criação, ver métodos de trabalho, contactar os próprios artistas e participar em eventos propositadamente preparados para esta iniciativa.

A expectativa da organização é grande porque cada vez há mais interesse e a participação tem vindo a aumentar todos os anos (mais artistas, mais ateliês, mais convidados, mais eventos paralelos), o que obrigou a um reforço no mapeamento da cidade através de mais meios (como uma app JiTT, onde é possível descarregar gratuitamente o guia da "7.ª edição da Abertura de Ateliês de Artistas"; indicar o tempo disponível e saber como efetuar o melhor percurso entre ateliês, com acesso a informações sobre os artistas participantes) e do fornecimento de mais informação sobre cada um dos artistas e ateliês