Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Glam Magazine

Glam Magazine

Linda Martini + “Tatá é uma corneta” DJ Set no Teatro Aveirense

Os Linda Martini são, na sua geração, a banda mais relevante da música nacional, desde que a Antena 3 os apontou como banda revelação, em 2005, quando editaram o EP homónimo pela independente Naked Records.

GLAM - Linda Martini 2016.jpgphoto: Paulo Homem de Melo

 

Em 2006, editaram o primeiro álbum: “Olhos de Mongol”, pela independente Rastilho Records e voltaram a chamar a atenção da crítica, sendo eleitos pela Blitz como o melhor Álbum nacional nesse mesmo ano. Em 2008, o EP “Marsupial” (Rastilho Records) foi eleito pelos leitores da Blitz como um dos melhores discos do ano.

Regressam em 2009, com o EP “Intervalo” (Optimus Discos), que é gravado ao vivo a pedido do Henrique Amaro da Antena 3 e em 2010 o segundo álbum “Casa Ocupada” (Lisboa Agência), com o qual tiveram o primeiro TOP 5 na tabela de vendas nacional. O ano de 2016 é marcado pela edição de “Sirumba” cuja apresentação tem decorrido ao longo doano e chega agora ao palco do Teatro Aveirense

 

Teatro Aveirense

1 de Outubro 2016 | 21.30h

Encontros com a Música em palcos inusitados…

Pelo sexto ano consecutivo, o dia 1 de outubro será inteiramente dedicado à música em Santa Maria da Feira, numa iniciativa da Câmara Municipal. “Programámos seis concertos para públicos diversificados, que elevam valores da música local, nacional e internacional em seis palcos inusitados, todos eles associados à memória e à identidade coletiva feirense”, explica o vereador da Cultura, Bibliotecas e Museus, Gil Ferreira.

Káthia Teixeira_Castelo da Feira.jpgKatya Teixeira

Eirado da torre de menagem do Castelo da Feira [Santa Maria da Feira] | 07h15 (nascer do Sol)

Dona de uma voz rara e de uma personalidade musical inconfundível, Kátya Teixeira é cantora, compositora, instrumentista, pesquisadora da cultura popular e da tradição. Apresenta um lúdico cenário sonoro-poético brasileiro, onde todos os povos e culturas se encontram em harmonia e ritmo, resultando numa música universal que fala à alma.

Celina da Piedade_carrugem Vouguinha.jpgCelina Da Piedade

Carruagem do Vouguinha [S. Paio de Oleiros – Arrifana – S. Paio de Oleiros] | 09h30 [S. Paio de Oleiros]  10h15 [Arrifana]

Quem já a viu em concerto reconhece-lhe o imenso carisma. Celina da Piedade tem levado o seu acordeão e a sua voz até aos mais diferentes contextos, algures entre as formas e cores tradicionais, em viagens pelas memórias da música e da dança de raiz portuguesa e um sentir mais moderno e universalista. Desenha uma música cheia de alma e de personalidade, que, em palco, ganha com a sua formidável presença.

kaines.jpgKaines

Empreendimento de Habitação Social do Ferradal [Fiães] | 15h00

Kaines, ou Eduardo Rebelo, nasceu em Matosinhos e desde cedo que se interessou pela cultura hip-hop. Com apenas 22 anos, já conquistou variados prémios em competições de hip-hop. A primeira apresentação ao vivo, no Hard Club, demonstrou que o rapper está pronto para percorrer o país com concertos que vão surpreender.

 

Peixe

Monumento ao Espírito Feirense [S. João de Ver] | 17h00

Peixe, conhecido guitarrista dos Ornatos Violeta, apresenta-se a solo com um projeto instrumental, explorando as sonoridades das suas guitarras. Neste momento está a promover o seu segundo disco “Motor” que saiu em Março de 2015, depois de ter lançado no verão de 2012 o seu primeiro álbum "Apneia".

1.jpgFlak

Coreto da Capela do Viso [Guisande] | 19h00

Flak, músico com longa carreira ligada a grupos como Rádio Macau e Micro Audio Waves, lançou em 2015 “Nada Escrito”, seu 1º disco a solo desde o álbum homónimo de 1998 (de "Sei onde me vou perder") que será relançado digitalmente na primavera. Flak apresenta um espetáculo com reportório abrangendo as diversas fases da sua carreira, incluindo trabalhos a solo e dos Rádio Macau. Em palco, Flak é acompanhado por uma banda de luxo que inclui Ricardo Frutuoso (Toranja), Nuno Espírito Santo (Carlão), Zé Guilherme V. Dias e João Pinheiro (Diabo na Cruz).

 

Coro Da Academia De Música De Santa Maria Da Feira / Coro Dos Amigos Da Música De Espinho / Orquestra De Jovens De Santa Maria Da Feira

Grande Auditório do Europarque [Santa Maria da Feira] | 21h30

No dia mundial da música, o Coro da Academia de Música de Santa Maria da Feira, o Coro dos Amigos da Música de Espinho e a Orquestra de Jovens de Santa Maria da Feira encontram-se para assinalar o encerramento das comemorações do 60º aniversário da Academia de Música de Santa Maria da Feira, marcando o fecho do programa da sexta edição dos Encontros com a Música.

Mykki Blanco, 65daysofstatic e Sensible Soccers no Jameson Urban Routes 2016

Começa assim a ganhar forma o Jameson Urban Routes que, este ano se apresenta com novo formato: uma semana composta por 16 sessões de programação (concertos e clubbing) que voltam a trazer ao Musicbox as principais tendências da música urbana.

Entre 24 e 31 de Outubro, o evento contará com a apresentação dos novos trabalhos do colectivo irlandês 65daysofstatic e do rapper Mykki Blanco. As actuações encabeçam a programação das duas primeiras sessões de dia 27 de Outubro, sendo completadas pela estreia dos Thought Forms e do produtor Teebs.

65daysofstatic

photo: Danny Payne

 

Está também fechado o alinhamento para sexta, dia 28 de Outubro, com as actuações dos nacionais Sensible Soccers e de The Comet is Coming (Sessão 21h00 às 23h00). A segunda sessão desse dia, a ter lugar entre as 00h30 e as 03h00, contará com Nightmares On Wax e DJ Kon. A fechar a noite, Rui Murka tomará conta da cabine de deejay.

Novidade também é a vinda da holandesa Xosar que, juntamente com Mvria, compõe a sessão 4 do festival, marcada para as 00h30 de quarta dia 26 de Outubro. Para esse dia haviam já sido confirmadas as performances de Egbo e Gold Panda (21h00). O último bloco de clubbing será assumido pelos Wise Guys From Lisbon.

Confirmados estão também os nomes de Wild Beasts (24 Outubro, 21h00), Live Low e Bloom (25 Outubro, 21h00) e Liima (30 Outubro, 15h00)

 

 

Crystal Fighters em Portugal com data extra….

A celebração é o mote constante para cada concerto dos Crystal Fighters.

Com a primeira data anunciada para o concerto no Paradise Garage em Lisboa, quase esgotada, anuncia-se segunda data para receber o coletivo que melhor sabe fazer vibrar com os corpos: dia 2 de dezembro.

GLAM - Crystal Fighters.jpgphoto: Paulo Homem de Melo / Arquivo Glam Magazine

 

Quem os viu surgir no ano de 2010 com “Star of Love”, cedo percebeu que estaríamos na presença de um caso de verdadeiro sucesso. Temas como “Plage”, “At Home” ou “Follow” ficam de imediato no ouvido. Em 2013, novo sucesso retumbante com “Cave Rave”. Quem não se lembra de verdadeiros hinos festivos como “You & I” ou “LA Calling”?

2016 traz os Crystal Fighters de volta às edições discográficas. O single “All Night” é o primeiro avanço de um disco que promete e que, com toda a certeza, irá aquecer dezembro nestes concertos em Portugal.

 

Paradise Garage (Lisboa)

1 e 2 de Dezembro 2016  

Novo single dos The Gift… "Love Without Violins" feat Brian Eno estreia video

O dia 26 de setembro marca a estreia do novo vídeo dos The GiftLove Without Violins” feat. Brian Eno no The Independent, reconhecida publicação do Reino Unido. O vídeo realizado por um parceiro de longa data dos The Gift – Paulo Costa Pinto teve a direção de fotografia de Valentin Alvarez e styling de Carol Gamarra uma das principais colaboradoras da oscarizada Sandy Powel.

“Queríamos sobretudo que visualmente o vídeo retratasse esse amor duro, de que fala a letra e que o Brian sempre realça. A narrativa vive de imagens arrojadas e conta uma ambígua história de amor, com um final a ser interpretado consoante a imaginação mais ou menos poética de cada um“ Sónia Tavares (The Gift)

the gift.jpgO tema, lançado no passado dia 16 de setembro, tem produção de Brian Eno, reconhecido produtor inglês e habitual colaborador de David Bowie, Talking Heads, U2, Coldplay, que trabalhou durante dois anos com os Gift naquele que será o novo álbum de originais da banda, a lançar em 2017. O single “Love Without Violins” encontra-se em pré-venda no iTunes e tem lançamento oficial marcado para 30 de setembro, data a partir da qual passa a estar disponível em todas as lojas digitais e serviços de streaming.

Tal como o álbum, que saírá em 2017, “Love Without Violins” foi composto por Nuno Gonçalves e Brian Eno e misturado por Flood – reconhecido produtor de bandas como Depeche Mode, Pj Harvey, The Killers, Nick Cave, Sigur Ros, entre outros. Nas palavras de Flood, “Ouvi no inicio duas canções. E logo percebi que era óbvio que eu deveria trabalhar naquelas músicas. Senti instintivamente que deveria trabalhar”.

A letra de “Love Without Violins” é da autoria de Sónia Tavares e de Brian Eno e trata-se de um single que abre um caminho novo no som da banda. Uma busca pelo desconhecido e pelo improvável, algo sempre presente nas sessões do disco novo.

 

Neste disco senti que podia experimentar coisas para as quais nunca tinha encontrado a oportunidade certa para o fazer. Nunca tinha encontrado uma situação em que essas ideias pudessem ser exploradas. E aqui fiz isso. Foi muito compensador para mim, também.” Brian Eno.

smartini editam "Liquid Peace" dia 18 de Novembro

Os smartini regressaram! De certa forma, a banda oriunda de Caldas das Taipas nunca se ausentou completamente do panorama alternativo português. Após o lançamento de “Sugar Train” em 2007, o quarteto que há muito se conhece, não mais descolou do circuito independente. Foram mais de 50 as paragens que esta “Locomotiva sónica” fez por vários concertos.

É certo que a crítica “indie”, bem como os palcos, não mais tiveram notícias após 2009, mas o “palpitar e o coração da banda” esteve sempre vivo. Talvez a vida profissional, outros hobbies, outras vidas e novos valores familiares, de cada um, pudesse justificar o ritmo de trabalho parcimonioso do grupo, mas o mesmo encontra a justificação na busca constante pelo “som perfeito”. Talvez por isso e como alguém escreveu “...sejam injustamente uma das bandas menos reconhecidas de Portugal...”

foto5.jpgA rápida evolução que tem acontecido na música alternativa terá tornado a banda “fora de data”? Não será certamente o caso. Não é na busca de um som sobreponível ao de 2007 que se tem centrado, mas sim na diferenciação, no pormenor e, por isso, provavelmente voltem sem preocupações de tendências e modas. Com as válvulas dos amplificadores quentes, revisitando o passado e coisas novas a surgir, voltaram a sentir o palco em 2015 com um punhado de datas que marcaram o regresso aos palcos, levando-os para estúdio.

O lançamento deste novo trabalho discográfico tem como avanço o single "Liquid Peace". Trabalho gravado nos estúdios Sá da Bandeira, no Porto, o tema é a primeira amostra do disco homónimo. Os 4 temas que compõem este EP, segundo trabalho dos smartini, surgiram a partir do momento em que uma forte necessidade interior, voltava a fazer entrar a música nas suas vidas, que com outros “riffs” e “batidas” completam o alinhamento que irão levar aos palcos em 2017.

O novo single já conquistou alguns ouvintes mais atentos, surpreendendo os seguidores da banda bem como aqueles que até então desconheciam este seu verdadeiro som, cativando novos públicos, com airplay frequente em algumas estações de rádio do país como a Antena 3, Rádio Universitária do Minho, Rádio Universitária de Coimbra ou Radar.

O som dos smartini continua a surgir com referências apoiadas em estruturas musicais que procuram descrever paisagens, momentos e sentimentos. Esta narrativa torna-se intuitiva e espontânea e reproduz-se através de rastos melódicos que, por vezes, se tornam incontornavelmente frenéticos. Este novo EP, “Liquid Peace”, demonstra uma continuidade de um som autêntico, conjugando-se de diferentes estilos musicais, inerentes a cada elemento da banda, capazes de criar uma envolvência sonora de contrastes desencadeando numa melodia muito própria.  

O mês de Novembro trará à luz o EP dos smartini e o final do Outono de 2016 as primeiras datas onde poderão ser vistos e ouvidos ao vivo. Afinal de contas é onde se sentem melhor: nos palcos! A primeira data ao vivo é no dia 19 de Novembro nas Caldas da Taipas!

 

 

Cristina Planas Leitão… FM [featuring mortuum]

FM [featuring mortuum] apresenta um regresso ao Conceptualismo Romântico, explorando o sentido da representação, da Vida e da Morte, como um simulacro no Teatro – lugar de todas as possibilidades. Todas as camadas - som, luz, intérpretes, deslizam para sítios inesperados e nem sempre em sincronia.

-® M+írio Antunes 7.jpgphoto: Mário Antunes

 

Qual é o lugar do erro no teatro? Qual o lugar da Morte? Quais as consequências desses eventos?

Sem uma estrutura narrativa, a peça constrói e literalmente destrói os paradigmas de uma peça e por vezes, tal como um reflexo da vida em si, não chega a lado nenhum.

-® M+írio Antunes 6.JPGphoto: Mário Antunes

 

E quando chega? O que acontece depois disso?

Nesta pesquisa sobre o fazer acreditar coexistem duas peças em paralelo, dois objetos, um vivo e um morto que se torna no elemento central da criação.

-® Paulo Pimenta 6.jpgphoto: Paulo Pimenta

 

A peça é integralmente controlada a partir do palco, expondo todo o dispositivo teatral ao seu público, sendo um objeto radical e absoluto, tal como a Morte. FM é uma exploração do real em palco; de como acreditar no falso e que artifícios podem ser usados para induzir determinados sentimentos no público, mesmo que saibamos que não acreditam totalmente na veracidade de uma cena teatralizada. Trata-se de enfatizar a pureza da realidade, sem adornos nem complementos, dissecando sem alienações. Desconstruir o mito, desmontando a ideia de repetição da performance. A morte é uma constante na peça. A peça insiste na morte. Morte e performance. Morte e repetição. Morrer várias vezes, morrer diariamente, morrer eternamente, morrer efemeramente e irrepetivelmente como no espetáculo de ontem.

 

Centro Cultural de Belém / Sala de Ensaio (Lisboa)

7 e 8 de Outubro 2016

 

Mário Laginha com Carta Branca no CCB

Carta com África dentro… Diante dos olhos tem um horizonte aberto, sempre teve. Costumam aliá-lo ao jazz, e o jazz é sangue que lhe corre nas veias, mas ele sempre se moveu e move para lá dele, ouviu rock na adolescência, aventurou-se na clássica, experimentou múltiplos caminhos da música popular.

Mario Laginha FlavioPereira.jpgphoto: Flavio Pereira

 

E agora, que lhe deram Carta Branca, pensou em África, numa certa ideia de África. Que não é aquela em que talvez estejam a pensar, de batuques e marimbas, mas algo mais transcendente. (…) Com uma certa ideia de África. E uma coisa que o preocupa sobremaneira: a autenticidade. “Eu tenho uma posição em relação às fusões e misturas que pode parecer paradoxal ou contraditória. Acho que a contaminação cultural alimenta a diversidade, e isso atrai-me imenso, a arte tem evoluído assim. (…)

 

“Uma das coisas que quero, vamos a ver se consigo, é não ter medo de algumas das canções serem harmonicamente mais simples. E de fazer isso com o peso suficiente para que me dê luta. Podem ser apenas quatro acordes, mas têm mesmo de ser aqueles os acordes certos.” Nuno Pacheco

 

 

Centro Cultural de Belém (Lisboa)

6 de Outubro 2016 | 21.00h

 

 

Hang Massive esgotam 2 datas no Teatro do Bairro…

A noite começa com o concerto acústico ao vivo dos Hang Massive, sendo a segunda parte dedicada a um DJ set exclusivo, com estreias de temas originais e misturas de hang electrónica por artistas convidados.

Tendo vários eventos de sucesso no seu percurso e uma digressão planeada pela Europa, Rússia, Índia, Austrália e Nova Zelândia, os Hang Massive estão a fortaceler a sua reputação como produtores e a ganhar reconhecimento mundial com um live act incrível.

hang-massive-01.jpgphoto: Promo /DR

 

Tudo começou em Dezembro de 2011, quando os Hang Massive publicaram online o seu primeiro vídeo “Once Again”. Este tema, que apresentou o “hang” (instrumento musical produzido na Suíça desde 2001) a todo o mundo, espalhou-se de forma viral, tendo alcançado mais de 40 milhões de vizualizações e uma audiência global. Esse sucesso originou um clube de fãs global dedicado e ansioso por ouvir mais temas deste duo musical único.

Dia 30 de Setembro há oportunidade de os ouvir, ao vivo, no Teatro do Bairro.

 

Teatro do Bairro (Lisboa)

28 e 30 de Setembro 2016 | 21.30h (28/09) /  23.30h (30/09)

Ana Moura… Barbican Centre esgotado marca regresso aos palcos europeus

Cinco meses após esgotar o Cadogan Hall, em Londres, Ana Moura volta hoje à capital internacional da música para actuar no Barbican Centre, que se encontra igualmente lotado. Este concerto, que marca o regresso de Ana Moura aos palcos europeus, é mais um dos momentos altos da tour de “Moura" - o 6º álbum de originais, editado no final de Novembro do ano passado, e que em apenas duas semanas alcançou a marca de platina, tendo atingido, em Agosto, a dupla platina. Uma digressão que já soma mais de meia centena de concertos desde o seu início, em Fevereiro, no Olympia, em Paris.

GLAM - Ana Moura 2016.jpgphoto: Paulo Homem de Melo

 

Desde então, Ana Moura e os seus músicos de excepção já percorreram as principais salas de espectáculos de Portugal - entre as quais a estreia no maior recinto fechado do país, a Meo Arena - e regressaram a consagrados palcos internacionais, como o Carnegie Hall em Nova Iorque.

Finda a temporada de festivais e festas ao ar livre que marcaram o Verão em território nacional, o regresso de Ana Moura à Europa faz-se numa sala com perto de 2 mil lugares, o Barbican Centre que, com a sua programação transversal, representa um dos mais notáveis pólos culturais do Reino Unido.

Em paralelo à intensa agenda de espectáculos, a maior artista portuguesa da actualidade acaba de atingir um feito assinalável: a permanência por 200 semanas consecutivas de “Desfado”, o anterior álbum de originais, no top de vendas nacional. Desde a edição de “Moura”, os dois álbuns têm coabitado nos lugares cimeiros da tabela.

Depois do sucesso de “Dia de Folga”, Ana Moura lançou "Tens Os Olhos de Deus", o segundo single de "Moura, com letra e música de Pedro Abrunhosa, que contabiliza já 1 milhão de visualizações.

7º Aniversário da Rádio Amália

Dia 16 de outubro a Rádio Amália festeja o seu sétimo aniversário com um espectáculo único. Um cartaz de luxo subirá, a partir das 17h00, ao palco do Fórum Luísa Todi em Setúbal, para assinalar o aniversário de uma das rádios que já conquistou o coração de todos os apreciadores de Fado, e que se tornou numa frequência obrigatória.

marco-oliveira

photo: Promo

 

Por aqui vão passar oito fadistas para duas horas de puro e bom Fado. Os primeiros nomes anunciados são Diogo Rocha, Joana Luz, Marco Oliveira (na fotografia), Pedro Galveias e Rita Santos.

Haverá ainda surpresas a anunciar brevemente, sem esquecer um fadista mistério que encerrará esta celebração em jeito de matinée musical

 

Fórum Luísa Todi (Setúbal)

16 de Outubro 2016 | 17.00h

Rayos apresentam EP de estreia ao vivo…

Os Rayos, projecto nascido em Arraiolos, que recolhe influências da música celta, medieval e tradicional portuguesa, sobe ao palco do Lusitano Clube, em Lisboa, no próximo dia 1 de Outubro pelas 22h. O concerto servirá para apresentar ao público as canções de “Terras de Rayos”, o primeiro EP do grupo, já disponível em formato digital e para escuta nas habituais plataformas de streaming.

O projeto Rayos resulta de uma fusão entre música Celta, Medieval e Tradicional Portuguesa! Com esta união, o grupo tenta criar um ambiente único ao vivo, levando o espetador por uma viagem sem fronteiras, onde se pode mergulhar em mágicos momentos instrumentais, suaves melodias de flauta e momentos únicos de profunda reflexão.

Rayos_Clube Lusitano- Flyer.pngAndreia Carmo é a voz dos Rayos. Iniciou o seu percurso musical aos 15 anos, a estudar canto na Escola de Música do Munícipio do Arraiolos. Já integrou projetos de música tradicional, pop/rock e bossa nova. O fado fez parte da sua vida desde pequena e continua a estar presente em projetos como “Notas ao Vento” e “Zanguizarra”. Na vertente medieval e celta integra “Trovadores de Arraiolo” e “Rayos”.

António Luís Valente iniciou os estudos musicais aos 8 anos de idade com o acordeão. Entre os 9 e os 11 dedicou-se também ao piano e aos 11 anos descobriu a sua paixão pela bateria. Em 1998, dedicou-se ao ensino musical, carreira que desenvolve até aos dias de hoje. Nos Rayos é o dono do piano, dos sintetizadores e da percussão.

David Espingardeiro é o guitarrista de serviço nos Rayos. Desde os 12 anos que estuda guitarra clássica e guitarra elétrica. Juntou ao seu percurso estudos em guitarra portuguesa e guitarra jazz, o que lhe permite participar em vários projetos dos mais variados estilos musicais.

Ângela Fortes começou o seu caminho musical aos 7 anos de idade, quando entrou na “Academia de Música de Évora” para estudos musicais. Toca em vários grupos de música com as mais diferentes sonoridades desde a música clássica, passando pela música celta e medieval. Terminou a Licenciatura em Estudos Teatrais na Universidade de Évora e atualmente é professora na Escola Secundária Eça de Queirós e encenadora no grupo de teatro amador de Arraiolos - “Dupla Identidade”.

Paulo Travelas é um músico autodidata, que descobriu a sua vocação aos 4 anos quando lhe oferecem uma pianola e, mais tarde, um acordeão. Na adolescência a guitarra assume um papel principal na sua carreira musical. Atualmente, participa em alguns projetos musicais no Alentejo nas minhas diferentes sonoridades: música tradicional, medieval, celta, anglo-saxónica e latino americana.

Augusto Graça é o instrumentista deste grupo, que traz consigo uma influência jazz em fusão com música tradicional. Tó Zé Caeiro é o baterista e percussionista, que iniciou o seu trajeto musical aos 13 anos à semelhança de vários elementos deste grupo alentejano

 

Lusitano Clube (Lisboa)

1 de Outubro 2016 | 22.00h