Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Glam Magazine

Glam Magazine

Bruce Springsteen anuncia antologia “Chapter And Verse”

“Chapter And Verse” é o nome da nova antologia musical que Bruce Springsteen vai lançar já no próximo dia 23 de Setembro.

O músico norte-americano, que passou por Portugal em Maio com um concerto memorável na edição de 2016 do Rock in Rio, apresenta mais uma reunião de temas que fazem parte do seu legado musical. A curiosidade nesta nova antologia musical são 5 temas inéditos.

GLAM - Bruce Springsteen.jpgChapter And Verse” é claramente assumido como um disco auto biográfico, bebendo inspiração no clássico “Born to Run”, um dos álbuns mais marcantes da carreira do The Boss. “Chapter And Verse” estará disponível em CD, vinyl e nas plataformas digitais em pré-encomenda a partir de hoje, 29 de Julho.

 

Throes + The Shine ao vivo na Ficavouga 2016

Os Throes + The Shine englobam aventura e vitalidade. Usam cada grama da sua criatividade para originarem algo singular e que se concentra numa energia completamente efusiva em palco. Oriundos do Porto e de Luanda, a sua génese prendeu-se com a fusão do kuduro com o rock, mas que entretanto alargou os seus horizontes de forma a albergar uma multitude de culturas que podem ir de África à Europa ou da América do Sul aos Estados Unidos.

tt.jpgDepois de lançarem dois álbuns e de criarem uma presença regular por essa Europa fora, lançaram em Maio de 2016 “Wanga”, o seu novo registo de originais, que contou com a produção de Moullinex e com edição da Discotexas.

Para ouvir e dançar por mais em Sever do Vouga, e com entrada gratuita, a partir das 00.30 desta sexta-feira, 29 de Julho.

Kamelot trazem a Haven European Tour 2016 a Portugal

Lançar um 11º álbum face a uma legião de adoradores fanáticos é um daqueles feitos a que todas as bandas deveriam aspirar e foi exatamente isso que os Kamelot fizeram em Maio do ano passado com a edição do seu mais recente disco de originais. Historicamente famoso por registos assentes em conceitos específicos – as adaptações do clássico “Fausto” de Goethe que, na viragem para o Séc. XXI, deram origem a álbuns como “Epica” e “The Black Halo”, valeram-lhes rasgados elogios –, com “Haven” o coletivo liderado pelo exímio multi-instrumentista Thomas Youngblood deu um passo mais além na sua evolução natural. O resultado, um reflexo da enorme vontade de progredir por parte de músicos que se recusam a baixar os braços, revelou-se uma irrepreensível coleção de canções que, apesar de manterem como fio condutor a ideia de um hipotético futuro distópico e de segurarem todas as características definidoras do talentoso projeto intercontinental, alargam ainda um pouco mais o seu raio de ação, revelando-o mais criativo e versátil que nunca.

Kamleot.jpgSerá certamente essa inabalável vontade de fazer ainda mais e melhor que irá pautar o retorno dos Kamelot a Portugal no dia 23 de Outubro, para um concerto único na Lisboa Ao Vivo, a nova sala de espetáculos situada na zona ribeirinha da capital. Depois de, em 2010, ter encantado o público luso com uma emocionante atuação no Vagos Open Air, o sexteto formado por Youngblood na guitarra, Casey Grillo na bateria,Tommy Karevik na voz, Oliver Palotai nos teclados e Sean Tibbetts no baixo, regressa ao país com o novo “Haven” na bagagem e prepara-se para provar, uma vez mais e como se dúvidas restassem, que não são uma banda qualquer. Depois do início de carreira modesto durante a segunda metade dos anos 90, foi na viragem do milénio que o quinteto iniciou um processo de transformação que, hoje, o vê ser descrito com frequência como “um dos projetos mais entusiasmantes” no espectro em que se move. É sabido que, devido à sua natureza dramática e teatral, pode ser difícil fazer power metal sem cair em abusos, mas os Kamelot mostraram saber como fazer passar a mensagem de forma elegante e sóbria, sem nunca cederem a dramatismos exagerados. Melhor ainda, desafiando as convenções do estilo a cada vez que se atiram à composição de um novo registo, parecem ter uma capacidade imutável para traçar a linha do bom gosto num género dominado por espadas e dragões, o que acaba por destacá-los de toda competição.

 

Junte-se a esta enorme vontade de inovar uma força interior notável e temos o segredo para um caso raro de sucesso, que mais de duas décadas depois de ter dado os primeiros passos continua a soar tão relevante como nos seus maiores picos a nível criativo. Só isso pode, de resto, justificar que, depois da inesperada perda do inimitável Roy Khan, que decidiu abandonar em 2010, se tenham reerguido de uma forma tão exemplar, usando uma situação passível de quebrar qualquer coletivo menos obstinado para se tornarem ainda mais fortes. É sabido que Youngblood tem sido, desde sempre, a força motriz dos Kamelot, mas ao longo de uma década, a voz do norueguês transformou-se numa das suas imagens de marca e, até “Silverthorn” sair em 2012, ninguém sabia o que esperar. À partida, a escolha do pouco experiente Tommy Karevik deixou muita gente de sobrolho levantado, mas o registo vocal mais espartano e simples, mas não menos convincente, do ex-Seventh Wonder acabou por revelar-se uma enorme bênção, permitindo à banda conservar a sua identidade intacta sem se estar a repetir. “Haven”, do ano passado e já o 2º longa-duração com Karevik atrás do microfone, é a prova de que, por esta altura, já nada os pode quebrar.

“Filho da Treta”… O Regresso de José Pedro Gomes aos palcos

Antigamente, a vida era uma selva. Agora, a vida é uma selfie. Toda a treta se dispersou e cresceu nas redes sociais, e os especialistas têm tido alguma dificuldade em encontrar a genuína conversa da treta. Mas quem é vivo sempre falece, e também sempre aparece. Nada se perde, tudo se transforma – o código genético da Treta renasce em 2016 com a assustadora e nada aguardada peça de teatro “Filho da Treta”

Img_Newsletter_Filho_Treta.jpgZezé (José Pedro Gomes) prossegue a sua luta contra o bom-senso, a solidariedade, o trabalho e outros conceitos primeiro-mundistas, desta vez na companhia de Júnior (António Machado), o filho de Toni que Zezé nunca quis ter. Em pequeno, o brinquedo favorito de Toni era correr. Em adulto, era o seu Tonimobile. Hoje, o seu herdeiro hipster anda de bicicleta desmontável. Zezé, ao nível da deslocação, continua a polir a ponta do sapatinho de verniz com cuspe. Mas é um cuspe mais sábio, próprio de quem esteve um mês e meio a dormir e foi dado como morto, com muito orgulho.

 

Numa comovente irritação entre duas gerações perdidas, discutem-se as tascas gourmet, os refugiados, os paus de selfie, o número de horas que o presidente Marcelo consegue ler debaixo de água sem respirar; e outras pragas que assolam o mundo moderno deste saudoso bairro em vias de extinção.

 

Com: José Pedro Gomes e António Machado

Texto: Filipe Homem Fonseca e Rui Cardoso Martins

Encenação: Sónia Aragão

Música: Nuno Rafael

Desenho de Luz: Luís Duarte

Figurinos: Fernanda Ramos

Produção: Força de Produção

 

Auditório dos Oceanos, Casino Lisboa

Estreia 14 Setembro

Quinta a Sábado às 21h30 I Domingo às 17h

 

Naked Girls and Aeroplanes apresenta novo EP… "Going Down"

Naked Girls and Aeroplanes é um projeto de Folk Rock dos músicos Rodrigo Lemos (Lemoskine, ex-A Banda mais bonita da cidade), Artur Roman e Wonder Bettin (ambos da banda Esperanza). Lançado pelo selo DaFne Music, o novo EP “Going Down”, apresenta três canções.

333.jpgA faixa título "Going Down", aponta uma faceta mais soul e groove do grupo e foi trilha sonora de uma campanha publicitária de uma marca de calçados que pôde ser ouvida em televisões de todo o Brasil. Já "Beautiful Day" e "When it Rains" seguem a linha que alçou ao reconhecimento nacional da banda.

 

Recentemente, o trio lançou o vídeo de uma nova versão da canção "Speechless By These Days", composta pelo trio, com vocais do Oil Man, personagem do folclore curitibano que dá o que falar quando sai às ruas com o corpo besuntado em óleo e vestindo apenas sunga. O Naked Girls and Aeroplanes surgiu em 2011, com esporádicas gravações dentro de casa, seja em São Paulo, onde residem Artur e Wonder, seja em Curitiba, onde mora Rodrigo. Essas gravações, com acabamento simples, mas de grande força, deram origem ao primeiro EP do grupo, homônimo, lançado em 2012.

A banda participou, em 2013, do Festival de Folk do SESC SP e, em 2015, do Festival de Inverno de Antonina – Paraná. Sua canção “Aileen” está na banda sonora do documentário “Luto em Luta”, do diretor Pedro Serrano (“Dá Licença de Contar”).

 

Em 2016, o Naked Girls and Aeroplanes entrou para o casting do selo DaFne Music com o lançamento do EP “Going Down”, a banda segue na estrada, provando que canções sinceras, de amigos compondo música pela música, têm força para vestir as pessoas com boas sensações e sentimentos.

Shawn Mendes lança vídeo de “Ruin” e revela alguns segredos…

À medida que se aproxima a data de lançamento do novo álbum de Shawn Mendes, o mais maduro “Illuminate”, que será editado a 23 de setembro, o cantor também vai revelando, a pouco e pouco, alguns dos segredos que farão parte deste tão aguardado disco, que está em pré-venda no iTunes.

shawn_mendes_album_is_titled_illuminate.jpgDepois do primeiro single “Treat You Better”, que acaba de entrar para o top 5 da tabela Global Spotify com 2,7 milhões de streams diários e que chegou ao top 10 da tabela de airplay pop dos EUA, agora Shawn Mendes revela um novo vídeo retirado deste “Illuminate”, para a canção “Ruin”, que já lhe valeu várias comparações a John Mayer. No vídeo podemos ver o cantor canadiano sozinho no centro do Madison Square Garden, em Nova Iorque, munido apenas da sua guitarra. “Mendes afirmou-se firmemente no mundo pop/rock”, escreveu recentemente a revista  Fader, que refere ainda: “Nas suas novas canções existem muitos temas sobre desilusões amorosas e promessas de que [ele] ficará ao teu lado”.

 

Será no Madison Square Garden que Shawn Mendes vai revelar as novas facetas de “Illuminate”, a 10 de setembro, num espetáculo que proporcionará uma experiência muito mais íntima com os seus fãs. Este espetáculo já se encontra esgotado.

Antes de chegar a estes grandes palcos sozinho, o cantor já tinha acompanhado a cantora Taylor Swift, na sua digressão de verão de promoção a “1989”, uma experiência que o cantor definiu recentemente ao Huffington Post como “fenomenal”. “A coisa mais importante que aprendi com ela, além do trabalho de produção, da performance e do canto, foi perceber como fora dos palcos ela é tão doce e trabalha tão arduamente”, afirmou.

 

Illuminate” é editado a 23 de setembro , mas para quem o adquirir no regime pré-venda do iTunes recebe gratuitamente esta sexta-feira o tema “Three Empty Words”, a 19 de agosto a canção “Mercy” e a 16 de setembro o tema “Don’t Be A Fool”.

Nobat apresenta “LSD”

Nobat é uma das faces da nova colheita de música alternativa praticada no Brasil e apresenta-se agora ao público português com “LSD”, sublime criação indie pop capaz de transportar o ouvinte para recantos longínquos da mente, em parceria com a cantora Julia Branco. O single é o cartão de visita de “O Novato”, o segundo álbum do músico de Belo Horizonte, que será apresentado ao vivo entre nós no próximo mês de Outubro em Lisboa, Porto, Coimbra e Braga, com as datas e os espaços a serem confirmados brevemente

Nobat_promo.jpg

photo: Promo

 

Nobat, cantor e compositor de Belo Horizonte, inaugurou o seu projeto musical a solo no ano de 2012, com a edição do álbum “Disco Arranhado”. Depois de se apresentar ao vivo em diversas cidades do Brasil (Porto Alegre, São Paulo e Rio de Janeiro), o músico avançou para uma nova etapa da sua carreira com a edição de “O Novato”, lançado em Novembro último e considerado pela crítica especializada como um dos melhores trabalhos daquele ano.

O Novato” representa não só o “ser um novo para o todo”, aquele a ser revelado e descoberto dentro de um contexto já existente, mas também denuncia uma nova percepção acerca de si mesmo e da sua própria órbita artística e estética. O trabalho tem por proposta principal a mescla entre elementos do indie electrónico experimental cruzados com as possibilidades da música brasileira contemporânea, sendo composto por tópicos minimalistas que contribuem pontualmente para uma música que preenche o silêncio, conceito que desfila pelo imaginário do artista.

8 ½ Festa do Cinema Italiano em Setúbal em Agosto….

A 8 ½ Festa do Cinema Italiano estará em Setúbal de 11 a 13 de Agosto no Cinema Charlot, apresentando algumas das melhores produções do cinema italiano. Entre os títulos que serão exibidos, destacamos o novo filme de culto italiano “Lo Chiamavano Jeeg Robot” de Gabriele Mainetti (vencedor da Festa do Cinema Italiano 2016 em Lisboa e de inúmeros prémios em Itália), uma mistura surpreendente entre o cinema de super-heróis e o típico policial italiano.

Além da exibição de algumas das mais interessantes obras da recente cinematografia italiana, apresentamos a cópia restaurada da obra prima de Federico Fellini “8 ½”, vencedor do Óscar de melhor filme estrangeiro em 1964. Este evento conta com o apoio da Câmara Municipal de Setúbal.

Setubal_cartaz FCI_A4.jpgO mais importante evento em Portugal dedicado ao cinema e à cultura de Itália teve início em Lisboa, de 30 de março a 7 de Abril, no Cinema São Jorge, no Cinema UCI – El Corte Inglés e na Cinemateca Portuguesa - Museu do Cinema. Para além de Setúbal e de Lisboa, a Festa do Cinema Italiano marcou presença nas seguintes cidades: Porto, Cascais, Coimbra, Aveiro, Elvas, Caldas da Rainha, Guimarães, Évora, Almada,Tomar, Loulé e Beja. Internacionalmente, acontece em Luanda (Angola), Maputo (Moçambique) e sete cidades do Brasil: Rio de Janeiro, São Paulo, Florianópolis, Brasília, Curitiba, Belo Horizonte e Porto Alegre.

 

Segundo Stefano Savio, “um dos objetivos para este ano está, para já, cumprido: o aumento significativo do número de cidades em Portugal e em países lusófonos, onde estaremos presentes graças à colaboração dos nossos patrocinadores e aos apoios locais e municipais.  Estamos muito satisfeitos com a programação da Festa do Cinema Italiano deste ano e esperamos ir ao encontro das expetativas do público de Setúbal que, com certeza, nos irá receber muito bem”.