Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Glam Magazine

Glam Magazine

Moonspell confirmados para o Vagos Metal Fest 2016…

A 13 e 14 de Agosto a capital nacional do Metal é na Quinta do Ega em Vagos, com um cartaz cuidado, num festival onde o Folk Metal se cruza com o Death. Onde o Thrash encontra o Black Metal, onde o Industrial pára para ouvir o Heavy Metal. Os Moonspell são a nova confirmação para o Vagos Metal Fest

GLAM - Moomn.jpgphoto: Sergio Magalhães / Glam Magazine

 

O Vagos Metal Fest marca o início de um novo festival de Heavy Metal, que disputará atenções com os melhores festivais Ibéricos. Não existem no Vagos Metal Fest barreiras de género – é um Festival com todos para todos

Charles Bradley & His Extraordinaires, Baio e Mallu Magalhães no Vodafone Mexefest

Novembro traz de volta a música à Avenida da Liberdade com o Vodafone Mexefest. Os próximos dias 25 e 26 do mês de novembro farão mexer a cidade e uma das suas principais artérias. A correnteza de sons e de gente inundará a longa Avenida, enchendo muitos dos seus espaços com os melhores artistas, de múltiplos géneros, da música independente. As primeiras confirmações do cartaz da edição de 2016 do Vodafone Mexefest são de luxo: Charles Bradley & His Extraordinaires, Baio e Mallu Magalhães.

GLAM - Charles Bradley.jpgphoto: Paulo Homem de Melo / Arquivo Glam Magazine

 

Charles Bradley, com “apenas” 67 anos de idade, é hoje um dos nomes mais falados da música. As aspas servem na exata medida do que, sabemos com certeza, o artista norte-americano ainda tem para dar. Depois de uma vida à sombra da pobreza, precária e solitária, foi a cantar James Brown que Bradley se deu a conhecer. Nunca é tarde, facto-cliché que o músico nova-iorquino faz questão de confirmar. Editou o disco de estreia em 2011, “No Time For Dreaming”, dois anos depois chegou “Victim Of Love” e, já este ano, o estrondoso “Changes”. Canta – interpreta – de forma visceral os temas funk e soul mais extraordinários da atualidade. A Portugal chegará com os His Extraordinaires, banda de apoio que tornará a sua presença no Vodafone Mexefest ainda mais inesquecível.

 

Baio é apelido e o título que a música em nome próprio do baixista dos Vampire Weekend leva. Depois de dois EP, “Mira” e “Sunburn”, Baio estreou-se o ano passado em formato longa duração com “The Names”. Publicações como Pitchfork, Pretty Much Amazing, Spin, Paste, entre outras, renderam-se a uma pop incrivelmente fresca, pontuada de eletrónica em doses precisas e dançáveis.

GLAM - Mallu.jpgphoto: Paulo Homem de Melo / Arquivo Glam Magazine

 

Originária de São Paulo e hoje a residir em Portugal, Mallu Magalhães vem ao Vodafone Mexefest com a sua voz inconfundível. Depois de ter encantado com a Banda do Mar, a jovem mulher de talento e génio raros vem ao Festival apresentar muitos dos sucessos dos seus três discos. A música da brasileira é maravilhosamente cativante com marcas folk-pop a aventurarem-se igualmente pelo tropicalismo, samba e reggae. Imperdível.

 

O bilhete único válido para os dois dias do Festival encontra-se já à venda nos locais habituais pelo valor de 40€ até 30 de setembro, passando para 45€ a partir do dia 1 de outubro. Nos dias do Festival o valor do bilhete é 50€.

Manta regressa aos jardins do CCVF nos dias 2 e 3 de Setembro…

10 anos a estender a Manta. Um hábito que virou ritual e sem o qual já não passa. Por se ter convertido no ponto de reencontro obrigatório no regresso à cidade, no regresso à temporada artística e ao nosso lugar em comunidade. O Manta é um dos pontos cardeais da programação do CCVF, porque abre um novo ciclo e porque o faz de modo celebratório num contacto altamente estimulante com as manifestações artísticas de Portugal e do mundo no âmbito da música, linguagem universal por excelência.

GLAM - TM.jpgphoto: Paulo Homem de Melo / Arquivo Glam Magazine

 

Para esta 10ª edição foi decidido evocar a memória internacional da Capital Europeia da Cultura, ao promover o regresso em concerto único de Thurston Moore. E também dos Capitão Fausto, que passaram pelo CCVF em formato indoor no ano seguinte. Ainda como fator novidade a abrir para cada um deles: Valter Lobo e Alek Rein, respetivamente.

 

À 10ª edição, o Manta continua tão irreverente, único e essencial como da primeira vez que se revelou ao público. A arte é assim, geradora de novas dinâmicas e instigadora de valores inclusivos tão fundamentais ao mundo que hoje construímos

 

CCVF (Centro Cultural Vila Flor) (Guimarães

2 e 3 de Setembro 2016

Festival F… o último grande festival de verão revela cartaz completo e novidades

Nos dias 2 e 3 de Setembro, a Vila Adentro, em Faro, recebe o Festival F. A terceira edição do último grande festival de Verão apresentou em conferência de imprensa o cartaz fechado que conta com actuações de Ana Moura, Pedro Abrunhosa, GNR, Richie Campbell, Criolo, Gisela João, Jimmy P, Mundo Segundo & Sam the Kid, entre muitos outros. Para além dos concertos, há ainda actividades ligadas às artes plásticas, street food, literatura, cinema e artesanato de autor, assim como tertúlias.

O Festival F tem uma estreita ligação com o local onde se realiza, a Vila Adentro, zona histórica de Faro, um cenário único para as inúmeras manifestações culturais que acontecerão naqueles dois dias.

foto4.jpgA qualidade deste evento foi reconhecida pela Europe Festivals Association, que o distinguiu com o selo EFFE - Europe for Festivals, Festivals for Europe, sendo ainda galardoado com o selo Escolha do Consumidor '16 na categoria Festivais de Música Não Urbanos.

 

Duas grandes novidades marcam a edição de 2016. Ao Palco das Muralhas, que recebeu os concertos com maior afluência de público da edição de 2015, junta-se o novo Palco da Sé. O segundo grande palco deixa o largo D. Afonso III, que agora se transformará no local ideal para desfrutar da variada oferta de street food.

Para além dos palcos, que incluem ainda os já conhecidos Museu, Castelo e Quintalão, o Festival F apresenta mais uma novidade com uma programação de tertúlias sobre a actualidade do mundo cuja programação será em breve anunciada

Frankie Chavez ao vivo com entrada gratuita em Sever do Vouga…

A música de Frankie Chavez conjuga diferentes tipos de sonoridades, reflectindo as influências musicais que ficam das suas viagens. O resultado é um Blues/Folk composto por ambientes limpos, e por outros mais crus e psicadélicos. Apesar de se identificarem diferentes influências musicais, (Robert Johnson, Jimi Hendrix, Kelly Joe Phelps, Ry Cooder) é difícil encontrar num único termo a definição para a sua música.

Em 2009 edita “The Search”, música oficial do Rip Curl Pro Search 2009, e participa na banda sonora original de “Pare, Escute, Olhe”, documentário de Jorge Pelicano.

fc.jpgEm Março de 2010 Frankie Chavez lançou o seu primeiro EP homónimo produzido pela Optimus Discos, uma iniciativa que apoia projectos emergentes da cena musical portuguesa. Um dos temas do EP “I Don’t Belong” faz também parte da colectânea “Novos Talentos Fnac 2010” que reúne o que de mais promissor há na música portuguesa.

Em Janeiro de 2011 termina as gravações do seu primeiro álbum de estreia intitulado “Family Tree”. Produzido, gravado e misturado por Nelson Carvalho nos estúdios da Valentim de Carvalho, o mais recente trabalho Frankie Chavez conta com a participação de alguns convidados, entre os quais o baterista Kalú (Xutos e Pontapés).

Regressa em Maio de 2014 e edita em Portugal “Heart and Spine”, gravado igualmente nos estúdios da Valentim de Carvalho e misturado por Tommaso Colliva (Muse, Calibro 35, Ringo Jets,) em Milão. Já em Fevereiro de 2015 o disco é editado em Itália e distribuído na Alemanha. De “Heart and Spine” saíram os singles “Fight”, “Don’t Leave Tonight” dueto com Erica Buettner e “Sweet Life” este com airplay na Alemanha e Itália.

Workshops no Festival Avanca 2016… preparam a produção de novos filmes

Abriram as inscrições para os workshops do AVANCA que este ano prometem ser o motor da produção de novos filmes. Caso único no panorama internacional, dos workshops do AVANCA saíram já alguns dos mais premiados filmes do cinema português, como é o caso do filme de animação “Conto do Vento” de Cláudio Jordão e Nelson Martins ou a longa-metragem “Pecado Fatal” de Luís Diogo. Marcando esta singularidade, este ano o filme de abertura do AVANCA 2016 será também um filme que teve a sua rodagem durante um dos festivais anteriores.

As oficinas de criação fílmica (CREATIVE FILM WORKSHOPS), pretendem ser um embate de criatividade, de experimentação, de explosão narrativa e de apuro técnico, integrando equipas multinacionais que abordam novos projetos na área da ficção, animação, documentário e cinema experimental.

imgWk2016_pt.pngOs workshops decorrem entre 27 e 31 de Julho no AVANCA 2016 e os orientadores vêm da África do Sul, Bélgica, EUA, Jordânia, Rússia e Portugal. São eles: Evangelos Giovanis (EUA), realizador, produtor, argumentista e ator, o seu filme “Bereave” juntou dois monstros do cinema mundial, Malcolm McDowell (“Laranja Mecânica”) e Jane Seymour (2 Globos de Ouro). Vive em Los Angeles onde, para além do cinema, prepara pugilistas.

 

François Verster (África do Sul), é hoje um dos mais importantes realizadores do seu país. Premiado com um EMMY em 2006, o seu documentário “The Dream of Shahrazad” foi premiado no AVANCA 2015 e a sua obra tem sido alvo de várias retrospetivas, a última na prestigiada galeria Jeu de Paume, em Paris (França). Igor Korablev (Rússia), cineasta invulgar, com uma filmografia surpreendente e muito pessoal, numa inesperada procura da profundidade da alma humana. O surpreendente filme “After the war... Before the war...” foi distinguido no AVANCA 2015.

 

Thierry Michel (Bélgica), realizador multi-premiado, jornalista e fotógrafo. Das minas de carvão para as prisões, do Brasil e do Magrebe até à África negra, Thierry Michel sempre denunciou nos seus filmes sofrimento dos povos e compartilhou as suas revoltas, às vezes numa mistura de ficção e realidade.

 

Luís Diogo, argumentista e realizador, a sua primeira longa-metragem foi a mais premiada internacionalmente, em 2014, de entre todas as longas-metragens portuguesas de ficção. “Pecado Fatal” gerou polémica e foi exibido em mais de três dezenas de festivais dos 5 continentes. Foi considerado um dos 10 melhores filmes da Lusofonia em 2014.

 

Joaquim Pavão, compositor, guitarrista, cineasta. Compôs a música de filmes de Janek Pfeifer, Olga Roriz, Artur Correia, Cláudio Jordão e Patrícia Figueiredo.

 

Furiosamente tem avançado no cinema como na música. Procura pontes numa expressão própria visível nos documentários, nos projetos de intervenção ou em filmes como “Miragem”. Mahmoud Hindawi (Jordânia), realizador de animação, terminou um mestrado em animação na University of South Wales (Reino Unido), onde foi distinguido com o prémio para o melhor filme. Estudou, entre outros, com os realizadores Joanna Quinn (Reino Unido) e Mokoto Shinkai (Japão). Mahmoud é hoje um dos autores mais conceituados do cinema de animação do Médio Oriente.

 

Raquel Felgueiras, cineasta premiada, estudou Belas Artes no Porto, Lisboa e Bruxelas e fez, com distinção, um Mestrado em Animação na University of the West of England (Reino Unido). Atualmente é Artist Researcher na Universidade do Porto e um dos nomes fundamentais da novíssima geração da animação portuguesa.

 

O 20º Festival Internacional de Cinema AVANCA 2016 tem sido um projeto destinado a exibir e a apoiar o ato criativo de cineastas de todo o mundo. Organizado pelo Cine-Clube de Avanca e pelo Município de Estarreja, tem o apoio do ICA / Ministério da Cultura, IPDJ, Região de Turismo do Centro, Junta de Avanca, DeCA / Universidade de Aveiro, Universidade de Coimbra, UTAD, ESAP, ESAD, Academia Portuguesa de Cinema, Agrupamento de Escolas e Paróquia de Avanca, para além de várias entidades locais.