Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Glam Magazine

Glam Magazine

AgitÁgueda 2016… Gene Loves Jezebel

Gene Loves Jezebel é uma banda de rock, com influências góticas, formada em Londres no ano de 1981 pelos gémeos Michael Aston e Jay Aston.

gene.jpgphoto: Marcelo Andrade

 

Em 1989 a banda separou-se e retomou em meados dos anos 90.

Em 2003, os Gene Loves Jezebel lançam o álbum “Exploding Girls”, definido pela revista Rolling Stone como, o álbum mais forte que já fizeram: impecável e ótima produção.

 

Esta será uma noite de regresso aos anos 80 e 90 revisitando os maiores sucessos da banda de culto britânica.

 

AgitÁgueda / Palco Principal

8 de Julho 2016 | 22.30h

22º Super Bock Super Rock… Faltam 9 dias!!

Faltam duas semanas para a melhor música invadir a cidade e abeirar-se do rio, no fabuloso complexo do Parque das Nações.

O 22º Super Bock Super Rock está a ficar pronto para voltar a oferecer os melhores concertos aos verdadeiros apreciadores de música. Kendrick Lamar, Iggy Pop, The National, Disclosure, Massive Attack & Young Fathers são apenas alguns dos mais aguardados.

Image1.jpg

 

SOJA de regresso a Portugal com nova música na bagagem

Uma das mais apreciadas bandas do reggae mundial, está de volta a Portugal. A preparar nova música, os SOJA vão apresentá-la dia 3 de novembro, no Campo Pequeno, em Lisboa, num dos mais aguardados regressos dos fãs de reggae portugueses.

soja.jpgA celebração e a felicidade são as premissas conceptuais na música dos SOJA (Soldiers of Jah Army). Com o reggae a ser a base/força melódica, o octeto norte-americano é hoje um dos nomes mundiais mais reconhecidos dentro do género abençoado por ícones como Bob Marley ou Peter Tosh. O grupo nasceu por alturas de 1998, quando a adolescência era o tempo e a partilha musical vivência apaixonada. Hoje, têm 7 discos de estúdio; o último, de 2014, “Amid the Noise and Hast”, foi nomeado para um Grammy e contou com a colaboração de nomes como Damian Marley,J Boog, Anuhea eCollie Buddz.

Quem os conhece, e são muitos, sabe o que esperar: comemoração, competência artística e mensagens onde a esperança e a fé no futuro são recorrências cantadas e tocadas num contentamento desmedido. O reportório é vasto de qualidades e já cheio de clássicos. Ao reggae, os SOJA juntam sempre, em doses bem medidas, rock, hip-hop, e outros géneros que soam harmoniosos e nunca deslocados. A banda, liderada pelo compositor/vocalista/guitarrista Jacob Hemphill é incrível e ao vivo capaz de uma dedicação e entrega raras.

 

Este ano, voltam com disco novo que, com toda a certeza, será protagonista no próximo dia 3 de novembro, no Campo Pequeno.

 

Campo Pequeno (Lisboa)

3 de Novembro 2016  

Ciclo "Sons do Bussaco - Músicas do Mundo”

A Fundação Mata do Buçaco vai promover, no dia 9 de julho, sábado, às 21h30, no Convento de Santa Cruz, na Mata Nacional do Buçaco (Luso, Mealhada), o 2º concerto do ciclo "Sons do Bussaco - Músicas do Mundo”, que contará com a presença de Grutera, um dos grandes guitarristas da nova geração de músicos portugueses.

untitled.jpgNeste concerto, Grutera vai apresentar o seu mais recente trabalho "Sur lie". Depois de um primeiro disco na segurança do estúdio e de um segundo abençoado num mosteiro, o músico instalou-se com a sua guitarra no Túnel das Barricas da Herdade do Esporão para gravar o terceiro álbum, inspirado pela arte vinícola e pela planície alentejana.

 

"Sons do Bussaco - Músicas do Mundo”

4 Junho 2016 - Kimi Djabaté (Guiné Bissau)

9 Julho 2016 - Grutera (Portugal)

6 Agosto 2016 - Felipe Antunes (Brasil)

10 Setembro 2016 - A Jigsaw (Portugal).

 

Convento de Stª Cruz (Mata do Buçaco)

9 de Julho 2016 | 21.30h

CIDADEMAIS … o Festival da Sustentabilidade e do Ambiente na cidade

CIDADEMAIS é um evento anual gratuito que celebra a Sustentabilidade e o Ambiente.

Promove o encontro e simplifica a sustentabilidade, tornando-a imediatamente acessível a qualquer pessoa e organização. Surge para despoletar sinergias entre pessoas, projectos, autarquias, instituições e empresas que inspiram, actuando como evento-laboratório onde todos os participantes ensinam e aprendem a Sustentabilidade à escala glocal na vertente económica, social, cultural e ambiental.

cidade.jpgEste ano a Biruta é parceira na programação musical do CIDADEMAIS, que acontece entre os dias 7 e 10 de Julho nos Jardins do Palácio de Cristal e no auditório da Biblioteca Municipal Almeida Garrett no Porto.

O festival, que se dedica às temáticas da Sustentabilidade e do Ambiente na cidade, apresenta um foco também em atividades artísticas (danças, música, etc.) no Palco Concha.

 

Destaque para a presença de Tiago Saga (Time for T.), que estreia ao vivo o seu EP a solo “Busy with my Head”; da instalação sonora CONVERSAS SONORIZADAS, c/ direcção artística do Pedro Borges, que faz a sua 2ª sessão de partilha criativa e de resultados imprevisíveis entre música, ruído e silêncio; da banda Pato Sentido que redescobre o português de intercâmbio entre Portugal e Brasil; e de S. Pedro que vê nascer canções fruto do desassossego e que resultaram no disco “O Fim”

Loulé foi a Capital da World Music durante 3 dias…

Três dias de pura animação, música de grande qualidade e excelentes propostas culturais marcaram a 13ª edição do Festival MED que, depois do sucesso de 2015, voltou a pautar-se por elevados níveis de adesão do público e um enorme êxito, reafirmando, mais uma vez, o destaque que este evento já tem no panorama da World Music na Europa.

O mundo reuniu-se no Centro Histórico de Loulé para celebrar a diversidade cultural e encontro de povos, sobretudo através da música, com bandas que têm uma carreira mais ou menos longa, dos cinco continentes, muitos deles premiados internacionalmente, com seis estreias absolutas em Portugal, e que protagonizaram concertos únicos e que ficarão para sempre na memória dos espetadores e na história deste festival.

med 01.jpgphoto: MED /DR

 

Ao nível das atuações, o grande (e merecido) destaque vai para os Dubioza Kolektiv, banda que surge dos escombros da guerra da ex-Jugoslávia, mas que conquistou o mundo com a sua música contagiante, onde os sempre festivos sons balcânicos sobressaem de uma forma singular. A festa fez-se no derradeiro dia do festival, com um permanente e entusiástico apelo do vocalista para a participação do público, que respondeu sempre da melhor forma. A saltar no meio da multidão, o líder da banda protagonizou um momento verdadeiro único na já longa história do MED e que foi considerado por muitos dos espetadores como o melhor concerto de sempre no festival.

 

A anteceder este espetáculo único, o regresso de Tinariwen a Loulé. O rock tuareg voltou a fazer as delícias dos amantes da World Music.

Mas nesta noite, onde as estreitas ruas de Loulé foram pequenas para a verdadeira multidão que não quis faltar a esta “Meca da World Music em Portugal”, estiveram também em evidência outros artistas, entre os quais a portuguesa Capicua que, no Palco Castelo, chamou miúdos e graúdos a um concerto com uma toada rap em português. Foi também neste cenário que a moçambicana Selma Uamusse encantou o seu público. Sem qualquer álbum editado, a cantora, que é acima de tudo uma performer, deslumbrou neste espaço emblemático da cidade de Loulé.

med 3.jpgphoto: MED /DR

 

Já no Palco Cerca, os sons quentes de África surgiram pela voz do camaronês Blick Bassy. Num concerto mais intimista, o jovem que através da música quer promover e preservar a cultura do seu país, nomeadamente a língua basaa, encheu a plateia. Seguiu-se o ritmo e calor da América Latina, com a chicha dos mexicanos Sonido Gallo Negro, num espetáculo instrumental com fusões entre este estilo tradicional e a inovação de alguns elementos que dão originalidade a este projeto. Uma forte componente visual “embruxou” o público que encheu o renovado Palco Cerca

 

De entre os últimos concertos da noite, também na Cerca do Convento os Alo Wala deram continuidade a essa senda de inovação, com a voz da bela Shivani Ahlowalia, nascida em Chicago, nos Estados Unidos, mas de ascendência indiana, acompanhada por um músico dinamarquês e outro holandês, apresentaram uma fusão entre o bollyhood indiano, as Caraíbas, o hip-hop ou a eletrónica. Esta verdadeira máquina de dança contou também com a presença do público em palco, durante o tema “City Boy”.

med 2.jpgphoto: MED /DR

 

Com a responsabilidade de encerrar o 13º Festival MED, Rocky Marsiano levou a fusão de clássicos da música africana com a eletrónica da atualidade no “Meu Kamba Live” à Matriz, numa toada dançante a celebrar em grande final no Palco Matriz. Nenhum corpo ficou indiferente às batidas do DJ que encerrou o MED ao som de “One Love” de Bob Marley.

 

Da setuagenária brasileira ao protesto chileno de Ana Tijoux

No dia inaugural do Festival MED, a quinta-feira, a vitória da seleção nacional sobre a Polónia foi um motivo adicional para a festa. Em palco, António Zambujo expressou esse orgulho nacional em Ronaldo e seus companheiros através da música. O intérprete de “A Pica do 7” regressou a Loulé passado alguns anos, com uma carreira mais consolidada e reconhecida pelo seu público, que também o acompanhou em Loulé.

A alegria da sonoridade de Shantel & The Bucovina Club Orkestar ajudou a esta festa portuguesa que também se fez ao ritmo dos Balcãs e contagiou este vasto público que aguardava há anos pela presença do músico, e também DJ, alemão. Final apoteótico com dezenas de pessoas em palco a dançar o clássico “Disko Partizani”.

 

Aos quase 80 anos, a jovialidade artística de Dona Onete encantou a todos, com a forte herança cultural riquíssima do norte do Brasil e o seu carimbó chamegado. Apesar de sentada no seu cadeirão, o público reagia de forma oposta, levantando-se e dançando ao som dos seus temas.

Do continente africano, passaram também pelo Palco Cerca duas estreias absolutas em Portugal: o grande embaixador da música da Guiné-Conacri, Moh! Kouyaté, que ofereceu uma boa dose de blues temperados com sonoridades de África, e da República Democrática do Congo, Mbongwana Star, que apresentaram o seu premiado álbum de estreia.

 

Já no Castelo, Isaura deu o mote para o início do festival e provou porque é considerada por muitos como uma das grandes promessas da música nacional. Da Rússia para Loulé, os Otava Yo trouxeram um espetáculo pleno de energia, onde não faltaram as danças dos cossacos entre o público, enquanto que o DJ Chico Correa trouxe um cheirinho da tradição musical da Amazónia e dos seus instrumentos, remisturada com os inovadores sons da eletrónica, reproduzindo toda a ambiência do “pulmão do mundo”.

 

Quanto ao segundo dia, sexta-feira, os milhares de visitantes espalharam-se pelas ruas, ruelas, becos e largos do casco medieval da cidade para um convívio feito de música, gastronomia, artesanato, exposições ou animação de rua que surpreendeu quem por aqui andou a cada passo.

Nesta noite a World Music esteve representada pelos vários artistas que subiram aos oito palcos instalados no recinto. O MED teve mais uma vez o mérito de reunir na mesma noite e no mesmo palco, a fadista Aldina Duarte, com seu fado na forma mais pura, as sonoridades do Sahara com a voz encantada de Hindi Zahra ou o brasileiro Emicida que elevou bem alto a bandeira do rap como forma de identidade, de orgulho na sua cor, nas suas origens, num espetáculo verdadeiramente estrondoso que levou o público a cantar em coro temas como “Hoje Cedo” e “Passarinho”.

 

Na Matriz, a cantora e MC chilena Ana Tijoux trouxe consigo o espírito combativo, interventivo e emocional do hip-hop latino-americano, enquanto que o reggae em francês de Danakil não teve qualquer pudor em apresentar “Non Je Ne Regrette Rien” de Edith Piaf em versão reggae. A sua estreia em Portugal, deixou marcas no público do MED que dançou durante toda a atuação.

Em mais uma noite de casa cheia, a sexta-feira contou no Palco Castelo com dois projetos nacionais distintos – Marafona, com uma releitura da música tradicional portuguesa, assumindo declaradamente a sua portugalidade, e a união perfeita entre a eletrónica e os instrumentos tradicionais portugueses de Fandango.

 

No MED passámos este ano por uma verdadeira viagem musical que viajou, entre outros, pelo funaná, semba, hip hop, cumbia, blues, punk e soul. Para muitos, Loulé foi, por 3 dias, a capital musical do Mundo.

 

A título de balanço, o presidente da Câmara Municipal de Loulé, Vítor Aleixo, reafirmou o sucesso de mais uma edição deste evento que atraiu milhares de visitantes à Zona Histórica da Cidade. “Relativamente ao ano passado, em que assistimos a uma edição fabulosa que elevou bastante a fasquia, tínhamos as expetativas altas e conseguimos alcançar os objetivos. Tivemos uma casa cheia de público, concertos que ficarão para sempre na mente de quem aqui esteve, proporcionando experiências únicas”, considerou o autarca. Relativamente à economia local, para o responsável municipal “este evento arrastou, mais uma vez, milhares de visitantes que durante estes dias deram uma dinâmica muito importante à restauração, ao comércio e às unidades hoteleiras não só da cidade como também do Concelho que por estes dias tiveram lotação “.

Em 2017, o Festival MED regressa ao coração histórico da cidade de Loulé, e promete muitas surpresas!

 

MED

Orquestra Jazz de Matosinhos e Maria Rita em concerto gratuito na marginal de Matosinhos

A cantora brasileira Maria Rita é um caso raro de talento e de popularidade, conforme ficou demonstrado quando a cantora brasileira e a Orquestra Jazz de Matosinhos se encontraram pela primeira vez para um concerto ao vivo. Sete anos volvidos, a colaboração vai ser retomada com um espetáculo único e gratuito integrado na programação da Capital da Cultura do Eixo-Atlântico, marcado para o dia 7 de julho, quinta-feira, na marginal matosinhense.

maria2.pngDe regresso a Portugal depois de recentes cancelamentos devido a doença, Maria Rita interpretará um repertório constituído por arranjos especialmente preparados pela OJM, incluindo alguns dos temas de “Maria Rita”, o trabalho de estreia da filha de Elis Regina e que imediatamente a catapultou para a ribalta da música brasileira. Na marginal de Matosinhos ouvir-se-á, claro, o êxito "Agora Só Falta Você", mas também temas de discos posteriores, como "Num Corpo Só" e "Mente Ao Meu Coração".

 

A colaboração da Orquestra Jazz de Matosinhos com Maria Rita surge na sequência do trabalho que a OJM tem desenvolvido com vozes oriundas dos mais variados universos musicais. Só nos últimos dois anos a orquestra iniciou colaborações com Mayra Andrade, com Manuela Azevedo e, mais recentemente, com Sérgio Godinho. A colaboração com Mayra Andrade foi também retomada no início deste ano, com um concerto no Teatro Circo, em Braga, enquanto o espetáculo com Manuel Azevedo, estreado há cerca de um ano, passou entretanto por vários palcos portugueses.

 

A Orquestra Jazz de Matosinhos já atuou este ano, recorde-se, em salas como o Blue Note de Nova Iorque ou a Konzerthaus de Viena. No próximo sábado a OJM desloca-se a Vigo, onde participa no Festival Imaxina Sons, e, a 8 de Agosto, será a vez do Festival Xavia Jazz, em Alicante, acolher o concerto da orquestra com Maria João que, em maio, inaugurou oficialmente a Capital da Cultura do Eixo-Atlântico 2016. No final do ano a OJM voltará a participar no Festival de Jazz de Barcelona, o maior da europa.

 

Carlsberg Where’s the Party dá música à praia de Portimão…

A praia de Portimão recebe o Carlsberg Where’s The Party, no dia 30 de julho, das 16h00 à 01h00. Os Blasterjaxx, que se destacam como cabeça de cartaz, LOVRA, Club Banditz, Christian F, Eddie Ferrer e Joana Perez são os primeiros nomes confirmados para o sunset mais épico do ano que promete agitar o verão algarvio durante 9 horas de música non-stop.

GLAM - Blasterjaxx.jpgphoto: Paulo Homem de Melo

 

A dupla Blasterjaxx, cabeça de cartaz do sunset, destaca-se no panorama da música eletrónica como uma das mais promissoras do mundo, tendo já colaborado com gigantes como Armin van Buuren, Afrojack, Hardwell, David Guetta e Tiesto, entre outros. 

 

Diretamente de Berlim para Portimão, a jovem e talentosa LOVRA promete agitar o areal algarvio com a sua música que se distingue pela combinação perfeita de melodias com vocais marcantes e batidas dançantes. LOVRA é o nome artístico de Laura, uma designer gráfica de sucesso, modelo e, recentemente, produtora musical, que apresenta um espírito livre que une a sua paixão e vocação de uma forma mágica.

 

Os Club Banditz são um talento nacional da música eletrónica que tem vindo a destacar-se internacionalmente pelo seu estilo próprio. A dupla de Coimbra, composta por Gonçalo Julião e João Coelho, tem vindo a destacar-se ao lado de grandes nomes, como Axwell & Ingrosso, NERVO, JACK U (Skrillex & Diplo), Zedd, Blasterjaxx, entre outros. São responsáveis por algumas das noites mais memoráveis em pistas de dança mundiais do Brasil, Espanha, Grécia, Croácia, Angola e França.

 

Foi há vários anos que Christian F demonstrou o seu interesse pela música e desde então a sua paixão por esta arte foi crescendo, tornando-se fundamental na sua vida. Através da sua constante ascensão foram-lhe atribuídas três nomeações nos “Portugalnight Awards” como “DJ Revelação” em 2004 e melhor “DJ Residente” nos anos de 2005 e 2007, tendo sido novamente destacado em 2012, 2014 e 2015 como um dos melhores DJ's/Produtores Nacionais pelo melhor e maior portal de música electrónica Português: 100%DJ. Com o seu trabalho, dedicação e amor por aquilo que faz, Christian F tem vindo a actuar nas melhores casas e eventos nacionais, tendo já expandido o seu reconhecimento em países como Alemanha, Angola, Áustria, Brasil, Espanha, Moçambique, República Checa e Suíça, sendo actualmente um dos DJ's mais requisitados. Christian F conta actualmente com nove temas originais: "Bring It On Now" (2011), "Sunset Lovers" (2012), "The Keys" (2013), "Let´s Go" (2014), "Tundavala" (2014), "Bodyflow", "Trampoline", "Break The Rules" (2015) e "Ghost" (2016) que fazem parte das playlist's de várias Rádios e DJ's a nível Mundial, trazendo a Christian F a certeza do seu sucesso como artista, sendo considerado actualmente o melhor DJ do sul do país e um dos melhores DJ’s Nacionais.

 

Considerado um dos melhores DJs de Portugal e com um vasto portfólio de produções, Eddie Ferrer tem conquistado cada vez mais o cenário internacional. Países como o Brasil, Estados Unidos, Angola, República Checa, Espanha, Suíça e República Dominicana contribuíram com o carimbo no seu passaporte, nos quais partilhou cabine com alguns dos maiores nomes do mundo.

 

Joana Perez é uma amante de música, que não imagina um dia na vida sem música e foi nesse sentido que começou como Locutora de Rádio na Cidade (desde 2009) e, recentemente, apostou na carreira de DJ. Aprendeu a misturar vários géneros musicais, e por onde passa, compromete-se a contagiar toda a gente com as suas escolhas musicais.

 

O sunset mais épico do ano regressa, pelo segundo ano consecutivo, ao areal de uma das praias mais bonitas do sul de Portugal. Após o evento de sucesso do ano passado, o clube NoSoloÁgua Portimão irá novamente transformar-se num recinto de festa com capacidade para receber milhares de participantes, numa experiência que irá contar com vários DJ’s nacionais e internacionais e terá uma produção única. O Carlsberg Where’s The Party proporciona experiências únicas a cada edição e tem sido palco de nomes incontornáveis da música eletrónica mundial com sets memoráveis, como Axwell&Ingrosso, Deorro, Nervo, Thomas Gold, Armin Van Burren e Alesso.

Cidade Perdida 0.11… de Mara Castilho

Um filme que não termina…

Todas as portas abertas… nenhuma saída.

Uma flor de plástico… Um olhar perdido… e um telefone que toca.

Um intrigante espetáculo que une Dança, Teatro e Vídeo-Instalação num mundo imaginário onde o real e o virtual interagem numa jornada absurda e hilariante. Concebidas como curtas-metragens, estas histórias, independentes entre si, refletem um olhar sobre a solidão, o amor, a indiferença, a saudade, o medo...

cidadeperdida@2x.pngMara Castilho trabalha nas áreas de vídeo, instalação, fotografia e performance. Tem o Mestrado em Artes (MA Art & Media Practice) da University of Westminster (Londres), o BA (Hons) em Dance Theatre do The Laban Centre for Movement and Dance (Londres) e o Diploma Superior em Artes Dramáticas da Universidade da Cidade (Rio de Janeiro). O seu trabalho tem sido apresentado em exposições e em performances na Alemanha, Bósnia-Herzegovina, Brasil, Estados Unidos, Finlândia, França, Holanda, Itália, Lituânia, Mónaco, Noruega, Portugal, Reino Unido e República Checa.

Foi nomeada para o BECK'S FUTURES'05 Prémio de Arte no ICA/Institute of Contemporary Arts (Reino Unido), e recebeu o Prémio Europeu Massimo Troisi'03 (Itália) de Melhor Filme e Melhor Banda Sonora com o vídeo-arte Processo 5703/2000.

 

Culturgest / Grande Auditório (Lisboa)

8 e 9 de Julho 2016 | 21.30h

Merchandising comemorativo da 20ª edição da Viagem Medieval… disponível na Loja Oficial

A Loja Oficial da Viagem Medieval abre ao público no domingo, dia 10 de julho. Neste espaço, instalado na Casa do Moinho, em pleno recinto do evento, os visitantes podem adquirir os produtos comemorativos das 20 edições da Viagem Medieval (pack prenda, moeda, bolsa Rufel, colar, magnéticos, t-shirts, entre outros), bem como toda a restante linha de merchandising do evento, trajes medievais e pulseiras de acesso ao recinto.

O dia da abertura fica também assinalado pela realização da Oficina de Azulejo ou Estampilha, gratuita, para crianças até aos 8 anos.PaperToys.jpg

São mais de 400, os produtos que vão estar disponíveis, alguns em exclusivo, na Loja Oficial da Viagem Medieval. Brincos, bolsas, trajes, canecas, colares, produtos em cortiça, magnéticos, moeda, canetas, lápis, paper toys do Rei D. Dinis e da Rainha D. Isabel e os tradicionais brinquedos com o selo do evento são algumas das apostas para esta edição.

 

A Loja Oficial oferece ainda momentos de animação e lazer com a realização das seguintes Oficinas Medievais durante o evento:

 

- Azulejo pintados com estampilha (stencil) ou acrílico (27 julho a 7 agosto)

- Brasão de família pintado em azulejo (27 julho a 7 agosto)

 

Até 17 de julho, a Loja estará aberta entre as 15h00 e as 20h00.

A partir de 18 de julho e até ao arranque do evento (26 de julho) abrirá ao público no horário entre as 15h00 e as 22h00. Durante a Viagem Medieval, terá as portas abertas das 14h00 às 00h30 (2ª a 6ª) e das 12h00 às 00h30 (fim de semana).