Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Glam Magazine

Glam Magazine

“Redbul Railbus Sessions” a estreia de Berlau & AM Ramos

Já está disponível para audição e download gratuito (aqui) “Redbul Railbus Sessions”, o primeiro de Berlau & AM Ramos. Este EP supresa, editado pela ZigurArtists, foi gravado na ADAO no Barreiro e conta com quatro faixas.

a3317375766_10.jpgA história deste encontro começou a escrever-se, acreditamos nós, no ZigurFest de 2014, em que os Blaze & the Stars e Sax on the Road, onde militam Fernando Ramalho e António Ramos, respetivamente, atuaram. A esse encontro aparentemente casual seguiu-se um concerto inesperado na Voz do Operário e, mais tarde, uma participação de AM Ramos em “Démocratie” (tema final do psicadélico "en avant, route!").

Em 2016, numa das edições do open-day da ADAO, escreveu-se novo capítulo. Desse encontro de almas saíram as fundações de “Red Railbus Sessions”, disco surpresa gravado numa sala cedida pela associação barreirense, e que cristaliza um diálogo honesto entre dois executantes que quase sempre privilegiam a emoção como motor do fluxo que molda este registo

 

Evocando em partes iguais a espiritualidade de Don Cherry e a intimidade psicadélica de Ry Cooder, “Red Railbus Sessions” é um momento de escape feliz e sereno, que chega a ser desarmante pela simplicidade que transparece ao longo destes trinta minutos. E se tudo correr bem, esta é apenas a primeira de muitas sessões que lhes vamos ouvir.

Vai ser assim o Festival Med 2016…

Em 2016, o Festival MED assinala o seu 13º aniversário e, nesta edição, continuará a afirmar-se como um evento de referência no contexto nacional e europeu, consolidando o conceito diferenciador que está na sua génese. Ao longo dos anos, o Festival MED alcançou elevados níveis de adesão por parte do público e conquistou notoriedade e popularidade internacional, despertando um interesse crescente por parte da crítica e dos turistas que escolhem o Algarve como destino de férias.

GLAM - To Trips (2).jpegphoto: Paulo Homem de Melo / Arquivo Glam Magazine

 

A sua forte identidade é a sua imagem de marca, e confere-lhe destaque nos roteiros dos festivais de verão realizados na Europa.

 

Programação:

 

30 junho 2016

Palco Matriz:

22.15h - António Zambujo (Portugal)

00.15h - Shantel & the Bucovina Club Orkestar (Alemanha)

Palco Cerca:

21.15h - Dona Onete (Brasil)

23.15h - Moh! Kouyaté (Guiné-Conacri)

01.15h - Mbongwana Star (RD Congo)

Palco Castelo:

21.45h - Isaura (Portugal)

23.45h - Otava Yo (Rússia)

01.45h - Raquel Bulha (Portugal)

Palco Bica:

20.30h - João Caiano (Portugal)

23.00h - Vulture (Portugal)

Palco Jardim:

21.30h - Muhsilwan (Sudão/Marrocos/Guiné Conacri)

 

1 julho 2016

Palco Matriz:

22.15h - Ana Tijoux (Chile)

00.15h - Danakil (França)

Palco Cerca:

21.15h - Aldina Duarte (Portugal)

23.15h - Hindi Zahra (Marrocos)

01.15h - Emicida (Brasil)

Palco Castelo:

21.45h - Marafona (Portugal)

23.45h - Fandango (Portugal)

01.45h - Chico Correa (Brasil)

Palco Bica:

20.30h - Epiphany (Portugal)

23.00h - Zawaia Band (Portugal)

Palco Jardim:

21.30h - Alturaz Al Andalusí (Síria)

 

2 julho 2016

Palco Matriz:

22.15h - Tinariwen (Mali)

00.15h - Dubioza Kolektiv (Bósnia e Herzegovina)

02.15h - Rocky Marsiano (Portugal)

Palco Cerca:

21.15h - Blick Bassy (Camarões)

23.15h - Sonido Gallo Negro (México)

01.15h - Alo Wala (Dinamarca/Noruega/EUA)

Palco Castelo:

21.45h - Selma Uamusse (Moçambique)

23.45h – Capicua (Portugal)

Palco Bica:

20.30h - Migna Mala (Portugal)

23.00h - Tiago Gomes & Tó Trips (Portugal)

Palco Jardim:

21.30h - Sharq Wa Garb (Marrocos)

MEO Sudoeste… todas as novidades a um mês do Festiva!!

Em 2016 o MEO Sudoeste atinge o marco histórico das 20 edições. Desde a primeira edição em 1997 que, a cada mês de agosto, a pacata vila da Zambujeira do Mar recebe a imensa comunidade de milhares de festivaleiros que se reúne em torno da Música para celebrar o verão, o Sol, a praia, o convívio e a partilha entre amigos, num ritual que se transmite de geração em geração.

A ‘Tribo’ do MEO Sudoeste regressa à Herdade da Casa Branca em 2016 para fazer a festa da 20ª edição com grandes estrelas internacionais como Sia, Wiz Khalifa, Martin Garrix, Damian “Jr. Gong” Marley, Steve Aoki ou Seu Jorge, e também uma seleção de luxo da música portuguesa como Virgul, Diogo Piçarra, Kura, a curadoria dos Orelha Negra, NBC, entre tantos outros, dos mais consagrados aos nomes emergentes.

GLAM - Jimmy P (2016).jpgphoto: Paulo Homem de Melo

 

Jimmy P é a mais recente confirmação para o cartaz do Palco MEO, um dos nomes maiores da nova geração de músicos nacionais que tem corrido Portugal de norte a sul com o seu incrível “Essência”. Vai atuar a 7 de agosto, a última noite do Festival.

Os DJs angolanos Darcy e Callas completam o cartaz da Noite de Receção ao Campista.

O novíssimo Palco EDP é a grande novidade da programação do Festival, trazendo para o MEO Sudoeste a energia da dança. Juntando dança ao hip-hop, com banda residente, este promete ser um dos espaços mais quentes do MEO Sudoeste, com programação a anunciar brevemente.

 

3 de agosto / Noite de Receção ao Campista

Palco MEO: DVBBS, Yellow Claw, Club Banditz, DJ Darcy, DJ Callas

 

4 de agosto

Palco MEO: Martin Garrix, Wiz Khalifa, Virgul, Josef Salvat

MOCHE ROOM: Big Nelo & B26, SlimCutz & Ace

Palco Santa Casa: ÁTOA, Leonor Andrade

 

5 de agosto

Palco MEO: Kura, Damian “Jr. Gong” Marley, Seu Jorge, C4 Pedro

MOCHE ROOM: Curadoria Orelha Negra com Holly Hood, Slow J, DJ Kwan, Dynamic Duo, ProfJam, Maze, Nerve e Orelha Negra DJ Set

Palco Santa Casa:  Mishlawi, DEAU

 

6 de agosto

Palco MEO: Steve Aoki, Sia, James Morrison, Diogo Piçarra

MOCHE ROOM: Landrick, DJ Overule, Von Di Carlo (recomendação Tradiio)

Palco Santa Casa: João Pedro Pais, NBC

 

7 de agosto

Palco MEO: Steve Angello, NERVO, Sunnery James & Ryan Marciano, Cali Y El Dandee, Jimmy P

MOCHE ROOM: Deejay Telio, Pete Kingsman, Ben Ambergen

Palco Santa Casa: April, Neev

 

Ao longo de 9 dias a Herdade da Casa Branca transforma-se na “casa da Tribo” e, do recinto ao campismo, a cada ano há novidades e melhorias para uma enorme celebração e cada vez maior conforto dos festivaleiros.

Da Tecnologia aos Serviços, sem esquecer as preocupações Ambientais e a Responsabilidade Social, as mudanças ao longo das 20 edições de MEO Sudoeste são evidentes, e 2016 não será exceção:

 

Cais Sodré Funk Connection… ao vivo no Porto

Os Cais Sodré Funk Connection apresentam o seu mais recente disco “Soul, Sweat & Cut the Crap” no próximo domingo no Porto.

GLAM - Cais.jpgphoto: Paulo Homem de Melo / Arquivo Glam Magazine

 

Editado a 26 de Fevereiro deste ano, “Soul, Sweat & Cut the Crap” diz-nos praticamente tudo o que importa saber sobre a música que fazem: vem da alma, exige energia e entrega. Sem truques, sem artifícios, sem efeitos especiais. Dele fazem parte os singles “Offbeat”, “Like no other” e o mais recente “I´m done”.

Este é o segundo álbum dos Cais Sodré Funk Connection, editado com o apoio da Antena 3, depois da auspiciosa estreia assinada com “You Are Somebody” (2012).

Silk e Tamin (vozes), João Gomes (teclas), Francisco Rebelo (Baixo), Tiago Santos (Guitarra), João Cabrita (Sax), José Raminhos (Trompete), Miguel Marques (Trombone) e Rui Alves (Bateria) apresentam-se já no dia 3 de Julho no Hard Club em jeito de celebração, como só eles sabem fazer..

 

Hard Clube (Porto)

3 de Julho 2016 | 21.30h

"Ninharia" de Ana Moura… entre as canções do ano para a americana NPR (National Public Radiostation)

A NPR (rádio pública norte-americana que emite para a totalidade do território), uma das mais influentes e prestigiadas rádios em todo o Mundo, elegeu "Ninharia" como uma das 100 Canções Favoritas de 2016 (primeiro semestre).

"Ninharia" com letra de Maria do Rosário Pedreira e Música de Carlos da Maia (Sextilhas), um dos fados tradicionais incluídos em "Moura", o mais recente álbum de Ana Moura, integra esta short list que destaca ainda canções de artistas como Beyoncé, Anohni, Aurora, David Bowie, Chance the Rapper, Esperanza Spalding, Gregory Porter, James Blake ou Kanye West, entre muitas outras. Ana Moura tem honras de abertura, com a sua música a ser a primeira destacada na lista. Também pode ser ouvida numa playlist do Spotify, aqui.

GLAM - Ana Moura (2016).jpgphoto: Paulo Homem de Melo

 

Ana Moura esteve em digressão nos EUA em Abril deste ano.

A digressão mundial de "Moura" passou na sexta-feira por Madrid, na programação do Festival de Fado. "Moura" foi editado em Espanha no início de Junho e esta foi a primeira oportunidade para o público espanhol descobrir ao vivo as novas músicas. Ana Moura esteve em destaque nos principais meios de comunicação espanhóis, nomeadamente no noticiário da TVE (ver vídeo em baixo) e nos prestigiados el mundo, el país e abc.

 

A digressão de "Moura" tem nova passagem assegurada por Portugal, rumando novamente ao resto da europa em Setembro: Ana Moura actua pela segunda vez este ano em Londres, agora no Barbican, a 26 de Setembro, e na Suécia e Holanda no final do ano.

Todas as datas atualizadas da digressão aqui

Sun Kil Moon… o folk rock em Portugal já em Julho

Sun Kil Moon é, desde 2002, o principal projecto de Mark Kozelek, também fundador e líder dos extintos, mas históricos e influentes Red House Painters. Confessional e catártico, o folk rock de Sun Kil Moon apoia-se nas narrativas em modo “corrente de consciência” de Kozelek.

sun-kil-moon-press-pic.jpgphoto: Press /DR

 

Uma discografia irrepreensível, onde figuram entradas como “Ghosts of the Great Highway”, “Benji” ou o último “Universal Themes”, estará em apresentação no Hard Club, palco onde Mark Kozelek será acompanhado pela sua banda, que inclui, entre outros, o baterista Steve Shelley (ex-Sonic Youth). O colectivo está de regresso a Portugal para dois concertos especiais.

 

Primeira data para Lisboa, a 8 de Julho, no âmbito das festas mensais de X Aniversário do Musicbox. Dia seguinte (9 de Julho), subida para o Porto, onde tocam no Hard Club como nome principal da Amplifest Session.

 

Musicbox (Lisboa)

8 de Julho 2016

 

Hard Club (Porto)

9 de Julho 2016

Cânticos da Sereia… ciclo de concertos e DJ’s… Sereia Por Sereia

Durante o mês de julho, os fins de semana chegam ao som dos Cânticos da Sereia, um ciclo de concertos e DJ’s, com sabor a verão, que promete animar os finais de tarde de sexta-feira, no novo Centro Sociocultural da Costa Nova.

cantico-das-sereias-capa-FB.jpgIsaura, Surma, Sequin, Sallim e Joana Barra Vaz são as cinco “sereias”, cinco cantoautoras portuguesas, cujas sonoridades encantatórias vão juntar-se às sonoridades electrónicas da região.

 

Isaura

Isaura.jpgIsaura apresenta-se com o EP de estreia “Serendipity”, que tem conquistado o carinho do público e que lhe proporcionou a nomeação na última edição dos Portugal Festival Awards, na categoria “Revelação”.

Neste concerto não faltarão os temas mais conhecidos, como “Useless”, “Change it” e “8”.

 

Surma

Surma_foto_Eduardo_Brito.jpgphoto: Eduardo Brito

 

Débora Umbelino assume o nome de “Surma” no seu projeto “one-woman-band”.

Domina teclas, samplers, cordas, vozes e loop stations, em sonoridades que fogem do jazz para o post-rock, da eletrónica para o noise e nos levam para paragens mais ou menos incertas, com paisagens desconhecidas e muito prazer na viagem.

 

Sequin

Sequin.jpgO EP “Eden” marca o regresso da doce voz de Sequin, o projeto a solo de Ana Miró iniciado em 2013 com o álbum “Penelope”. Chega ao palco da Costa Nova com uma nomeação para o prémio “Artista Revelação 2014” nos Portugal Festival Awards e com o galardão de “Artista Revelação Europeia 2014” nos Prémios PopEye.

 

Sallim

Sallim.JPGCom uma voz límpida e vigorosa, Sallim partilha a sua procura constante de um lugar certo no mundo, entre letras tenras de vivências e angústias suas. A voz é acompanhada pela guitarra eléctrica e por sons de objetos quotidianos, aos quais se juntam os arranjos de guitarra do músico e amigo Yan-Gant Y-Tan. “Isula”, o seu primeiro trabalho de longa-duração, é uma obra una e circular de canções cuidadas, das quais se fica cúmplice num ápice.

 

Joana Barra Vaz

Joana-Barra-Vaz.JPGO mar serve de inspiração a Joana Barra Vaz, que apresenta o LP “Mergulho em Loba”, trabalho que se posiciona entre o folk e a eletrónica, num mergulho que se adivinha predominantemente rítmico. Um disco criado como uma viagem sonora, escrito em português. Será acompanhada de um coro, sopros, cordas e pontuais incursões na pop electrónica contemporânea.

António Zambujo & Orquestra de Guimarães

Quinze anos depois da sua inauguração, o Multiusos de Guimarães celebra o seu aniversário com a apresentação de um espetáculo único, “António Zambujo & Orquestra de Guimarães”

top1.jpgEntre o lançamento do primeiro álbum “O mesmo Fado" em 2002 e o mais recente “Rua da Emenda” em 2015, António Zambujo foi conquistando o público e a crítica com uma sonoridade singular que une o fado ao jazz, à world music e à MPB, tornando-se um dos maiores embaixadores mundiais da música portuguesa contemporânea.

 

No dia 19 de novembro, nas comemorações do seu 15º aniversário, o Multiusos de Guimarães será palco deste grande concerto de António Zambujo & Orquestra de Guimarães, numa noite especial e imperdível, de celebração.

 

Multiusos de Guimarães

19 de Novembro 2016 | 22.00h

Canja Rave…. O regresso no Salão Brazil

Após a interrupção de concertos em 2014, Paula Nozzari (bateria, voz, melódica e washboard) e Chris Kochenborger (guitarras, voz) regressam aos palcos com o projeto rock Canja Rave.

canja.jpgBarulhentos e com uma boa dose de sarcasmo, contam com tournées nos Estados Unidos, Brasil, Japão e Europa.

 

Salão Brazil (Coimbra)

29 de Junho 2016 | 22.00h

"In The Morning”… o single de regresso dos The Poppers

"In The Morning”, o single dos The Poppers, é a prova viva de que o rock’n’roll é a religião que mais fé deposita nos seus apóstolos. O tema serve de avanço para o novo trabalho da banda, a ser editado no segundo semestre de 2016.

O Rock’n’roll não passa de moda, não entra em desuso e muito menos morre . Os The Poppers são a prova disso mesmo, agarrando na herança de um dos mais transversais géneros da música e transformando-a em provocação, intensidade e atitude. E sim é de palco que se fala aqui, esse que é terra natal para o quadrado composto por Rai, Bonés, Kid e Bruno. E sim também é sobre memórias que escrevemos: de vermos os The Poppers partilharem o palco com público e convidados especiais, de nos deixarmos arrebatar pela força da imprevisibilidade, e percebermos que a espontaneidade não é antónimo de perfeccionismo.

poppers.jpgphoto: kid richards

 

Após uma paragem, o palco vai voltar a ouvir os The Poppers, num regresso que se faz com disco novo, declaradamente o melhor da banda, onde coração e tripas se misturam com elegância e pujança. Produzido por Paulo Furtado, “Lucifer” foi gravado em “take directo” e é, antes de ser mais qualquer coisa, um símbolo de perseverança. A história do novo longa duração começa em Londres, num dos mais referenciais estúdios da cidade, e na vontade da banda construir um disco que os catapultasse para outro universo. “Fomos para Londres com a esperança de gravar um disco com uma sonoridade diferente, não existiam ilusões, só a urgência de sair da nossa zona de conforto, trazer um disco que nos orgulhássemos. Viver uma experiência enquanto banda. Testar outros caminhos.“, refere Rai.

“Foram dias intensos de gravação que se desencontraram com o resultado final. Começámos a receber as misturas e nada soava ao que tínhamos imaginado, tentámos várias abordagens na mistura, mas simplesmente não funcionou. Tivemos que tomar a difícil decisão de não editar o disco porque em momento algum iremos editar algo com o qual não estejamos confortáveis. A música é um retrato do que somos, do que sentimos e quando o produto final não tem ligação com esses mesmos sentimentos, não faz sentido avançar. “, acrescenta ainda…

Parar, respirar e recomeçar foi o caminho necessário escolhido pela banda até o encontro inevitável com Paulo Furtado que desde o primeiro dia assumiu a produção e incendiou o motor criativo de Rai e seu pares. Acabada a sessão de gravação ficou um enorme sentido de missão cumprida.

Os 30 anos de Brigada Victor Jara no Theatro Circo

A completar 30 anos de existência e de atuação em prol da educação, da cultura e do desenvolvimento da comunidade, a Bogalha estende as comemorações à cidade, num espetáculo, de cariz solidário, com um dos nomes maiores da música tradicional portuguesa.

brigada.jpgA Brigada Victor Jara nasceu em Coimbra em 1975, tendo-se dedicado, ao longo dos anos, à recolha de músicas de todas as regiões portuguesas. Os seus concertos são um reflexo desta diversidade, congregando as canções mais ritmadas do norte com belas harmonias do Alentejo e até mesmo com influências trazidas por emigrantes de lugares tão contrastantes como o Norte de África e a Escócia. Considerada por muitos como o grupo de referência da nova música tradicional, a Brigada aporta ao cancioneiro tradicional sonoridades distintas, através da introdução de novos instrumentos e arranjos criativos. Como disse um velho admirador da Brigada - "Victor Jara sentir-se-ia certamente orgulhoso".

 

Percussão: Arnaldo Carvalho

Viola, bandolim, gaita-de-foles, voz solo: Aurélio Malva

Voz: Catarina Moura

Viola baixo: José Tovim

Bateria: Joaquim Teles (Quiné)

Viola, viola beiroa e cavaquinho: Luís Garção Nunes

Violino e bandolim: Manuel Rocha

Piano e sintetizador: Miguel Moita

Acordeão e concertina: Rui Curto

 

Theatro Circo (Braga)

28 de Junho 2016 | 21.30h

Paradise Lost… Confirmados no VOA 2016

Os Paradise Lost vão ocupar o lugar deixado vago pelos Anthrax no cartaz do VOA 2016.

Após o cancelamento recente, por questões logísticas imprevistas, da atuação dos thrashers norte-americanos, cabe aos autores de clássicos como “Gothic”, “Shades Of God” e “Draconian Times” completarem o alinhamento que vai passar pelo palco da Quinta Da Marialva, em Corroios, nos dias 5 e 6 de Agosto.

PL-band-shot.jpgO quinteto junta-se assim aos Opeth, Kreator, Anathema, Abbath, Katatonia, Mantar, Schammasch, Adimiron, Equaleft, Dark Oath e Soldier, sendo que vai aproveitar esta ocasião muito especial para estrear pela primeira vez em Portugal o material do seu mais recente álbum de estúdio, o muito aplaudido “The Plague Within”. Editado a 29 de Maio de 2015, o 14º longa-duração do grupo encabeçado por Nick Holmes e Gregor Mackintosh, afirmou-se como uma declaração de intenções sem precedentes na sua já longa e influente jornada, recuperando de uma forma muitíssimo inteligente a atitude obscura e monolítica que os caracterizava nos inícios e que, com o passar das décadas, foi-se diluindo em doses massivas de experimentalismo. Hoje, ao olhar para trás, percebe-se que a opção de alargarem o seu raio de ação lhes permitiu crescerem e, numa altura em que já são vistos como veteranos do movimento underground, lidarem sem medos ou preconceitos com o seu passado brilhante.

Com uma carreira que remonta a 1988, o percurso dos Paradise Lost tem sido uma montanha-russa de emoções, pautada pela vontade incessante de inovarem e de não se repetirem. A forma como foram reinventando a sua sonoridade ao longo dos tempos e a atitude “sem palas nos olhos” que os viu atirarem-se de cabeça a uma costela experimental que ninguém sabia estar dentro deles, permitiu-lhes manterem-se relevantes face a todas as modas e tendências fugazes que apareceram no universo da música de peso – para depois desapareceram sem deixar rasto – desde que Holmes, Mackintosh e companhia se juntaram em Halifax, no Reino Unido, para fazerem a música mais opressiva, melancólica e introspetiva ao seu alcance. Assumido o risco que foi darem o salto a nível criativo, agarram-se à sua identidade e fizeram chegar o barco a bom porto, assinado uma sequência de discos incontornáveis entre os quais se contam vários clássicos, sem compromissos e com uma vitalidade que só está reservada para os grandes músicos. Bem vistas as coisas, não há muitos grupos que tenham sido tão influentes no início da carreira e que, apesar da vontade de irem fazendo coisas revolucionárias, tenham conseguido manter um nível de qualidade e relevância tão elevado ao longo mais de duas décadas.

 

14 albuns e mais de 20 anos depois de terem mudado para sempre a cara do heavy metal, já não adianta sequer tentar traçar comparações. Os Paradise Lost são caso raro, é certo, mas também não se tratam de uma banda qualquer. Porque não o são, não são como os outros – e têm um catálogo para prová-lo. Neste caso muito especial só se pode, e deve, compará-los com eles próprios. Senhores de uma personalidade muito própria e de uma capacidade aparentemente infindável de se recriarem, ao longo dos anos deram origem uma série de tendências – a fusão death/doom, o metal gótico e, por fim, o rock gótico pesadão com elementos eletrónicos e refrões a roçar a pop. Hoje, não há mesmo como negá-lo, são um nome incontornável dentro do estilo em que se movem e, também, um dos mais bem sucedidos a nível comercial – são já uns impressionantes dois milhões de discos vendidos a nível mundial. Sabe-se, no entanto, que uma banda só é tão boa quanto o seu último álbum e, até aí, os músicos britânicos sempre se destacaram da competição. “The Plague Within”, editado há dois anos, é uma prova irrefutável de que continuam a fazer música tão vital e desafiadora como quando lançaram o disco de estreia, afirmando-se como o culminar de um processo de “redescoberta do passado” que começou há mais de uma década e que lhes permitiu fazerem, por fim, o álbum com que muitos fãs já andavam a sonhar desde meio da década de 90.

Rapaz Ego… o novo alter ego de Luís Montenegro lança EP "Gente a Mais"

Luis Montenegro surge com o Rapaz Ego, o seu novo alter ego onde traz música que bebem do cálice da insatisfação. São 6 canções incluídas no EP “Gente a Mais” que saem do fundo do músico, um fundo mais negro mas que cativam desde o primeiro ao último segundo.

rapaz_ego_net.jpgSegundo o próprio Luis, “Não sabendo lidar com a pesada ressaca desse licor, encontro alívio e paz no remover de pétalas de uma margarida ou das irrequietas cabeças de quem me persegue

O Single de avanço dá pelo nome de "Ainda Tenho Mentiras Por Contar" e é logo o inicio da aventura a “solo” de Luis Montenegro. O EP encontra-se em pré-venda a partir de hoje e dia 4 de Julho esta disponível em todas as plataformas digitais…

 

Não esquecendo que também é importante, o Lourenço Providência foi o autor do design do EP.

G&J Talent traz a Portugal Tommy Cash...

Quando dois dos nomes mais pesados do bass assinatura se juntam, o resultado só pode ser devastador. a dupla Shades, o projecto de Alix Perez (UK) e Eprom (US) promete ser avassalador para o corpo inteiro. A eles junta-se Tommy Cash, rapper que é símbolo da cultura que está a nascer na Estónia, com uma identidade sonora e visual única!

O live act do sombrio Dwarf, e os beats do promissor Holly preenchem a noite de 30 de Junho no Musicbox em Lisboa, com níveis proibidos de bass.

tommy.jpgAlinhamento:

01.00h Dwarf

01.45h Tommy Cash

02.30h Shades

04.00h Holly

 

Esta é a oportunidade única de assinalar o nascimento da G&J Talent no Porto, no Passos Manuel, a 1 de Julho, com Tommy Cash! O furacão da Estónia vai muito bem acompanhado pelo Justiceiro, Mike El Nite, os galegos de Banana Bahia Music, Royce Rolo + Kaixo e, ainda, xxoy. E Cash From Hash a representar a XXIII.

 

Alinhamento:

22.30h xxoy + Cash From Hash

00.30h Mike El Nite

01.15h Tommy Cash

02.00h Royce Rolo + Kaixo

 

A G&J Talent é a nova divisão da Match Attack​. A agência de artistas e produtora de eventos aposta em novos talentos do hip-hop e bass music. As festas Gin & Juice celebraram em Março um ano de existência e, desse aniversário, nasceu o desejo de desenvolver novos talentos na área onde o low-end reina. Para esculpir o panorama das novas sonoridades ligadas ao hip-hop e bass music, a G&J Talent reuniu um roster promissor que vai apoiar na chegada a novos patamares.

Dizzee Rascal e Calvin Harris juntam-se para novo single... “Hype”

Hype” é o novíssimo novo single do rapper britânico, pioneiro do grime e estrela mundial Dizzee Rascal com o premiado produtor Calvin Harris.

Hype” é a segunda colaborações destes dois músicos, depois do enorme sucesso de “Dance Wiv Me” que em 2008 alcançou o 1.º lugar dos tops de vendas. Ambos os artistas estavam há muito ansiosos por voltar a trabalhar juntos em estúdio, tendo Dizzee e Calvin produzido este single em Los Angeles. Dizzee Rascal estreou mundialmente este “Hype” em exclusivo durante o Capital FM’s Summertime Ball.

cover_dizzee.pngHype” é também o primeiro lançamento de Dizzee Rascal desde o álbum “The Fifth”, de 2013 e assinala o seu regresso em 2016. Ainda em maio passado o rapper esgotou um concerto em Nova Iorque, onde interpretou na íntegra o seminal álbum de estreia “Boy in Da Corner” e agora encontra-se bastante ocupado a trabalhar no muito aguardado sexto álbum de estúdio. Calvin Harris é, de momento, um dos líderes dos tops de vendas do Reino Unido com o seu novo single, “This Is What You Came For”, em colaboração com Rihanna.

Hype” já está disponível para venda no iTunes e pode ser ouvido em streaming no Spotify.

FUSE e DJ Vibe e dão as boas vindas ao verão com Pool Party exclusiva e 12h de música

Chegou finalmente a estação preferida da maioria das pessoas e de todos os amantes das festividades da época; romarias, festivais, concertos, sunsets e inevitavelmente as pool parties! E a FUSE não podia deixar de realizar uma das festas de verão mais esperadas da promotora, já cumprida há cinco anos, a Pool Party Marathon, que este ano contará com um convidado muito especial.. Dj Vibe.

O artista português, nome incontornável da cena clubbling, com mais de 20 anos de carreira e passagem pelos melhores clubes nacionais e internacionais, é o convidado que irá fechar uma maratona de boa música, em grande ambiente reservado, num evento único que irá decorrer numa quinta situada na margem sul do Tejo.

Fuse Pool Party.gifDj Vibe junta-se à equipa da FUSE Records, Nox, a dupla The Slum Vagabunds e Analodjica, que também irão levar os seus ritmos eletrónicos, a uma festa organizada entre as 12h00 e as 00h00, do próximo dia 2 de julho.

O projecto Electronic Gang Showcase será ainda apresentado pelo trio de deejays portugueses The Usual Suspects (Gilvaia, Joshmo, Vitor Pereira) que também estarão na festa juntamente com Paul Day, dj natural do Porto e residente no Industria club. A Pool Party Marathon irá decorrer na margem sul de Lisboa, cerca de 15m da zona de Alcântara e o local da mesma é totalmente confidencial, sendo apenas comunicado aos portadores de bilhete para a festa.

 

No local haverá churrasco durante as 12h, com opções também para vegetarianos, para que ninguém tenha de sair do local. A FUSE Pool Party é realizada anualmente, sendo já um clássico de boas vindas ao verão e muito aguardada pelas 900 pessoas que são esperadas habitualmente na festa.

Para surpreender todos os fãs de música eletrónica, que não consigam garantir a sua presença na festa, a FUSE irá transmitir a festa em direto, na página de facebook da produtora

25ª edição do Jazz no Parque em Serralves….

No ano em que o Jazz no Parque chega à sua 25ª edição, a data comemora-se com uma dedicação especial à "prata da casa”.

São dois, não apenas um, os concertos no fecho deste ciclo em 2016. O primeiro revela uma nova formação de jovens músicos portugueses que muito tem surpreendido, Slow is Possible, com um projeto especialmente concebido para Serralves ("Hunting Weather”, inspirado num poema de Charles Bukowski) e o segundo apresenta o consagrado e internacionalmente aplaudido Red Trio numa versão pouco ouvida, a elétrica.

Este estreia a sua parceria com o finlandês Raoul Bjorkenheim, guitarrista bem conhecido dos apreciadores das edições da ECM e da Rune Grammofon, bem como dos cruzamentos do jazz com o rock.

jazz.pngO programa cruza duas linhas de força. Um é a inclusão de nomes que vêm apostando na inovação e na liberdade formal da música que tocam, caso do grupo formado por Ivo Perelman, Márcio Mattos e António "Panda” Gianfratti, que terá a sua estreia absoluta no Porto. O outro é a apresentação de projetos que dão ao jazz uma dimensão cinematográfica, como o Nani García Cinematojazzia, com o trio do pianista a completar-se com um quarteto de cordas e a interpretar composições que García destinou ao grande ecrã.

 

Portugal surge entre participantes originários da Galiza e do Brasil, num enquadramento cultural que reflete a sua história (a origem galaico-portuguesa e a descoberta de outras geografias) e simbolicamente a transporta para a atualidade.

 

Ténis do Parque de Serralves (Porto)

3, 10 e 17 de Julho 2016 | 18.00h

Viagem Medieval lança pack prenda comemorativo da 20ª edição do evento

A Viagem Medieval em Terra de Santa Maria acaba de lançar uma edição especial de pack prenda, comemorativo das 20 edições do evento, que contém as pulseiras de acesso ao recinto e voucher de acesso ao Castelo da Rainha D. Isabel, numa embalagem prestígio, ideal para ofertas personalizadas, sejam pessoais ou institucionais.

Pack Prenda_Viagem Medieval_2.jpgMais do que um passaporte de acesso aos 12 dias do maior evento de recriação histórica da Península Ibérica, a pulseira da Viagem Medieval é para muitos visitantes um objeto de oferta e de coleção, que este ano apresenta a marca das 20 edições. O tom vermelho escuro da pulseira remete para a cor do lacre utilizado no selo da 20ª edição, que acompanha todos os momentos e ações promocionais do evento.

 

O pack prenda está disponível pelo valor de 25 euros (4 pulseiras + 1 voucher de acesso ao Castelo para 4 pessoas) e pode ser adquirido na Loja Interativa de Turismo de Santa Maria da Feira e, a partir de 10 de julho, na Loja Oficial da Viagem Medieval.

 

A XX Viagem Medieval em Terra de Santa Maria decorre de 27 de julho a 7 de agosto de 2016, no centro histórico de Santa Maria da Feira, e vai recriar episódios do reinado de D. Dinis. O evento é organizado pela Câmara Municipal de Santa Maria da Feira, empresa municipal Feira Viva e Federação das Coletividades de Cultura e Recreio do Concelho.

Noite Branca está de regresso a Guimarães a 9 de Julho…

No próximo dia 9 de julho, a Noite Branca está de volta a Guimarães. É a noite mais longa da cidade e todos saem à rua para fazer a festa. Só há um requisito: vestir branco! E, claro está, dançar muito, dançar toda a noite ao som da música que vai ecoar dos locais mais emblemáticos de Guimarães. Da Praça de S. Tiago, passando pelo Largo João Franco, pelo Largo Condessa do Juncal, pela Rua Sto. António e pela praça da Plataforma das Artes, esta Noite Branca promete ser, mais uma vez, memorável.

noite banca_231x.jpgphoto: Direitos Reservados

 

Guimarães volta a transformar-se num enorme palco branco com música para todos os gostos e muita animação. A Noite Branca é uma das festas mais acarinhadas pelos vimaranenses que, nesta data, saem à rua e enchem a cidade com uma alegria contagiante. Para tornar a festa memorável pede-se a todos que vistam branco, criando um ambiente único em Guimarães. A música está em todo o lado, com vários palcos espalhados pela cidade para fazer dançar até de madrugada.

 

No Largo João Franco, para os mais ecléticos, ouve-se hip hop, r&b, pop, drum and bass, reggae, samba, arroxa, pagode, afrobeat e kizomba, com os The Fucking Bastards a serem os donos do palco. Na Praça de S. Tiago, Nuno Luz fará todos dançar ao som de house comercial. No Largo Condessa do Juncal também se faz a festa com ritmos que passam pelo comercial, funk e soul e aqui quem manda é Nelson Lisboa que promete aquecer a noite.

noite branca_110x.jpg photo: Direitos Reservados

 

Para os nostálgicos da música dos anos 70, 80 e 90, a praça da Plataforma das Artes e da Criatividade acolhe o Palco Remember onde Francisco Gil vai rolar todos os saudosos hits desses idos anos. A Rua de Sto. António adere também à festa com o Palco Dance Music, Comercial para animar esta importante artéria da cidade.

 

Como não podia deixar de ser, o Trio Elétrico também está de volta. É já uma das imagens de marca da Noite Branca e vai descer do Largo da Mumadona até ao Largo do Toural a debitar bem alto música eletrónica, dance music e house. Pedro Cazanova é o condutor de serviço e, depois de estacionar, a festa vai prosseguir noite dentro.

 

Além da música, a cidade enche-se também com diversas animações que prometem tornar a noite ainda mais brilhante. O dress code, esse é obrigatório. Guimarães veste-se de branco e as pessoas também. A cidade converte-se assim numa gigantesca pista de dança!

White Lies em Portugal para apresentar novo album

White Lies, banda de indie rock londrina, atua no próximo dia 18 de novembro no Grande Auditório do CCB. O grupo traz a Portugal o novo album “Friends”, com data de lançamento agendada para dia 7 de outubro.

Cópia de white-lies.jpg O primeiro single é apresentado hoje ao público.

 

Harry McVeigh, na voz e guitarra, Charles Cave, no baixo e voz secundária, e Jack Lawrence-Brown na bateria, formam o trio que já conta com três discos de originais e vários prémios e nomeações acumuladas. O álbum de estreia da banda, "To Lose My Life", foi lançado em janeiro de 2009 em #1 no Top do Reino Unido e colocou-os imediatamente na lista das grandes promessas britânicas. Os seguintes registos de estúdio comprovaram definitivamente o sucesso do grupo.

A primeira parte do espetáculo estará a cargo dos britânicos The Ramona Flowers.

Os bilhetes serão colocados à venda na próxima sexta-feira, dia 1 de julho.

 

Centro Cultural de Belém (Lisboa)

18 de Novembro 2016 | 21.00h