Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Glam Magazine

Glam Magazine

Pinuts celebra Aniversário no Musicbox

Em modo de festa, a Pinuts celebra o eu aniversário com um bolo será recheado pelos concertos de Casuar: (one man band do indie pop) e Galore (noise claustrofóbico), e a cereja no topo será com Phizz, um dj set de misturas de sons electrónicos, indie e synthpop.

pinuts.jpgOs Galore regressam aos palcos após 17 anos de ausência com muito lo-fi a sair das colunas. Depois da morte do baixista Miguel Afonso em 1999, os Galore fizeram um luto de 17 anos à música, deixando mais de uma centena de concertos feitos, duas edições em formato K7 e um CDR-Ep.

Este regresso da banda lo-fi não inclui baixo de próposito, e os temas foram re-ajustados e editados em formato EP “Living Room Rehearsal Tapes”, disponível no BandCamp. Como o próprio nome indica, “Living Room Rehearsal Tapes,  é uma gravação efetuada na sala de estar, em som direto em três pistas numa tarde de domingo com Luís Bandeira (voz/guitarra), Luís Martinho (guitarra) e Bruno Bandeira (bateria).

Ao vivo os Galore somam pontos ao seu “lo-fi”, conseguem ser metamórficos e elevar a sua música com muito noise, vozes abafadas, pinceladas de post-rock e distorção.

 

Casuar: apresenta “Game Over Tour”, um projecto fresco e original dentro do género indie-pop de Rui Rodrigues que ao vivo apresenta-se sozinho mas não se resume a um instrumento só. Na pele de “one man band”, este multi-instrumentista recorre ao live looping para criar Casuar:, gravando vários instrumentos em tempo real, camada a camada, dando vida às suas músicas cantadas na nossa língua. Em 2014, editou o seu primeiro EP numa produção 100% independente e auto-criativa (das letras à interpretação instrumental, da gravação à mistura e masterização de todas as faixas).

 

Phizz mistura os sons mais vibrantes e actuais das variantes Indie, electrónica e synthpop. Há 5 anos que passa muita energia para a pista de dança de espaços como Lounge, Purex, 49 zdb, Primeiro Andar, Plano B (Porto), de eventos culturais – IndieLisboa, DocLisboa, Arraial Pride – e em 2013 levou os discos até ao palco secundário do Festival Vodafone Paredes de Coura na noite de encerramento..

 

 

Musicbox (Lisboa)

12 de Maio 2016 | 22.30h

Misty Fest 2016…. Piers Faccini é o primeiro nome confirmado

Há uma razão para Piers Faccini se sentir tão à vontade em Portugal: o cantor que em 2014 lançou o projecto colaborativo "Songs of Times Lost" com Vincent Segal diz-se apaixonado pela ambiguidade cultural das fronteiras, aquele sítio onde por vezes as pessoas sentem pertencer a dois lados ao mesmo tempo, abraçando línguas e sons distintos com a mesma familiaridade. Na nossa história, onde o Brasil e África, a Europa e distantes culturas do Médio Oriente todos representam ou representaram um papel, essa ambiguidade faz todo o sentido.

piersfaccini_by_alicedison-2_droits-presse-uniquemphoto: Alice Dison


Abraçando com idêntico fervor as influências da folk britânica e as tonalidades das dunas do Saara, Piers tem vindo a construir uma intrigante e sólida carreira, que já conta com sete álbuns, tendo a estreia ocorrido em 2004 com "Leave No Trace". Nesse tempo coleccionou colaborações e cruzamentos com artistas tão distintos como Ballake Sissoko, Vincent Segal, Ben Harper, Rokia Traore, Patrick Watson e Ibrahim Maalouf entre outros. Teve igualmente tempo para viajar, para tocar pelo mundo fora. Esteve, por exemplo, presente na primeira edição do Misty Fest… regressa agora, seis anos e muitas viagens depois.

Ao vivo, Piers tem preferido uma versão despedida do seu som, o que só dá mais força às suas canções, que sobrevivem bem com a sua voz, a guitarra e a bateria de Simone Prattico. Essa será a experiência que Piers Faccini trará a Portugal, inlcuindo canções de toda a sua carreira e do seu mais recente projecto que foi distinguido pela NPR americana como um dos melhores discos de world music do seu ano. A "Songlines" e várias rádios europeias também não têm poupado distinções para premiar a singular música de um artista que em boa hora regressa a um país onde a sua obra faz pleno sentido.

 

Cinema S.Jorge (Lisboa)

1 de Novembro 2016 | 21.00h

Reverence Festival 2016… Concurso Nacional de Bandas

A organização do Reverence Festival está a promover um concurso nacional de bandas que dará a oportunidade de dois novos projetos integrarem a programação oficial do festival na edição de 2016. O concurso destina-se a bandas nacionais, originárias de qualquer ponto do país. As bandas que queiram participar deste desafio devem submeter a sua candidatura através do email concurso@reverencefestival.com e, além de expressarem o que os motiva, incluir os links para as suas páginas de Soundcloud ou YouTube. A data limite de participação é dia 6 de junho.

666.jpgDe todas as bandas que submeterem as suas candidaturas serão escolhidas seis finalistas, três bandas nacionais e três bandas do distrito de Santarém, que, no dia 16 de julho, têm oportunidade de provar a qualidade do seu trabalho ao vivo no Centro Cultural do Cartaxo na presença do júri responsável pela escolha dos vencedores. Das seis bandas que participam da final, serão escolhidas duas bandas, uma nacional e outra local, para ocuparem os dois slots disponíveis no cartaz Reverence Festival de 2016.

 

O júri do concurso de bandas Reverence Festival é composto por dois representantes da Antena 3, António Freitas e Nuno Calado, Ana Búzio e João Borislav responsáveis pelo programa Future Echo e Carlos Montês e André Beda responsáveis pelo programa Ruído Alternativo ambos da Tejo FM, rádio local parceira deste concurso.

 

O Reverence Festival acontece nos dias 8, 9 e 10 de setembro no Parque de Merendas de Valada, Cartaxo, e integra mais de 50 das melhores bandas de rock underground nacionais e internacionais, incluindo The Sisters of Mercy, The Brian Jonestown Massacre, Killing Joke e The Damned.

Gato Pingado e o Gangster chegam a Famalicão esta sexta feira…

Neste espetáculo, juntam-se aos DEAD COMBO, um naipe de Cordas (Violoncelo, Viola de Arco e Violino), produzindo um espetáculo inteiramente novo, que musicalmente vai desconstruir e despir completamente as músicas dos DEAD COMBO para um formato acústico, onde o Naipe de Cordas assume um papel especial e por vezes surpreendente. Este espetáculo, será assim, uma nova oportunidade para os muitos admiradores dos DEAD COMBO, mergulharem no imaginário único da banda, pois também do ponto de vista cénico, este espetáculo constituirá mais um momento marcante no percurso dos DEAD COMBO.

GLAM - dead Combo.jpgphoto: Paulo Homem de Melo / Arquivo Glam Magazine

 

“Consta que se encontraram em Lisboa, numa escura ruela que transbordava de cheiros e odores que pareciam estar colados às paredes imundas. Eram três, de casacos de abas de grilo cheios de mofo, cabelos que pareciam ter sido passado por uma velha frigideira de bifanas e olheiras que mais pareciam buracos negros.

Disseram que tinham naufragado no Lusitânia, aquele navio de que só se falava sussurrando, para não despertar os fantasmas que nele habitavam desde há muito. Segundo eles, o Lusitânia tinha sido engolido por uma vaga gigantesca, causada pelas vibrações acústicas da orquestra de cordas, quando cruzavam o oceano pacífico.

Restaram apenas aquelas três almas penadas: O magro violino do leste, a viola do Sul e o violoncelo do Norte. Fizeram uma barcaça com os seus instrumentos remaram com os seus arcos e acabaram algures na América do Sul, de onde viajaram, tocando para ganhar uns trocos, até aqui chegar.

Gato Pingado e o Gangster olharam para eles e disseram: “Almas penadas com cordas de má fama... Juntem as vossas cordas às nossas!”

 

E seguiram rua adentro até desaparecerem os cinco no meio do fumo da velha fábrica de chapéus…

 

Casa das Artes (Famalicão)

13 de Maio 2016 | 21.30h

Sabotage Club comemora o 3º Aniversário…

Nos próximos dias 12, 13 e 14 de Maio, o Sabotage Club comemora o 3º Aniversário. Três anos de concertos, festas, festivais. Três anos de uma programação intensa que aposta em projectos emergentes, mas que também é casa de bandas consagradas. Três anos de música à flor da pele. Durante três dias, esta quinta, sexta e sábado, o Sabotage Club faz a festa com 8 bandas e outros tantos DJs.

Soviet-03.jpgphoto: Promo /DR

 

Os Soviet Soviet são os primeiros forasteiros a aterrar no palco do Sabotage, no dia 12. O trio post-punk, oriundo de Pesaro, Itália, regressa (esteve no Sabotage em 2015) no ano em que a editora norte-americana Felte edita “Nice” e “Summer, Jesus” – duas colectâneas que reúnem temas dispersos em EPs e material inédito da banda. Ainda no primeiro dia, ao início da noite, egbo traz-nos viagens no tempo e no espaço, disparadas por beats lo-fi de hip-hop, e registadas no seu novo LP “yesterday you said tomorrow”, com selo Revolve/Tsuno. Depois, as canções eléctricas das Clementine (Shelley Barradas e Helena Fagundes), imbuídas do espírito do it yourself e de anos de experiência em projectos post-punk e garage.

Filho da Mãe & Ricardo Martins chegam ao segundo dia, a 13, com “Tormenta”, trabalho onde a guitarra de Rui Carvalho e a bateria de Ricardo Martins, dois dos músicos mais criativos que por aqui andam, se desafiam mutuamente. Antes, o trio conimbricense Birds Are Indie, que acaba de lançar o terceiro disco, “Let’s pretend the world has stopped”. E ainda os Evols, de Vila do Conde, prova de que o rock não só não está morto como pode soar a algo fresco, acabado de nascer.

A 14, os veteranos do surf-garage rock Messer Chups (São Petersburgo, Rússia) atiram os foguetes, apanham as canas e o diabo a quatro, naquele que será o concerto de encerramento dos três dias de festa. Não sei antes subirem ao palco os portuenses The Japanese Girl, que voltam ao Sabotage para mais uma descarga sonora, algures entre o garage rock e o psych lo-fi, depois de aqui terem apresentado “Sonic-Shaped Life” (Munster Records, 2015).

Ao longo dos três dias, depois dos concertos, passam pela cabine de DJ do Sabotage os incríveis A Boy Named Sue, David Polido, Altamont, Tiago Castro, Mr. Groovie, Nunchuck e Marla Singer.

 

12 de Maio

00h30 - Soviet Soviet (Itália)

23h45 - Clementine

23h00 - Egbo

Djs: Nunchuck + David Polido

 

13 de Maio

00h30 - Filho da Mãe & Ricardo Martins

23h45 - Evols

23h00 - Birds Are Indie

DJs: Altamont + Tiago Castro + Marla Singer

 

14 de Maio

00h00 - Messer Chups (Rússia)

23h00 - Japanese Girl

DJs: A Boy Named Sue + Mr. Groovie + David Polido

Áurea… Apresentação do novo Álbum “Restart”

Aurea atua este sábado, 14 de Maio no Cinema S.Jorge (Sala Manoel De Oliveira). Apresentação do novo Álbum “Restart”.

O que é que leva uma artista com uma carreira consolidada a começar de novo? É que é de começar de novo que falamos, quando falamos de “Restart”, o novo disco de Aurea. Para trás ficou a segurança de uma fórmula que lhe valeu várias Platinas: a Soul inspirada nos clássicos anos 60, nos heróis Otis Redding, Aretha Franklin ou Al Green. A procura de um lugar só seu falou mais alto.

Aurea - Foto promo 2 - AUREA.jpg

photo: Promo /DR

 

Um lugar sem tempo, sem género vincado que, sem nunca se desviar das origens que a inspiram, sejam Soul ou Jazz, sejam Pop ou Rock, seja o seu mais fiel reflexo. O reflexo de uma artista madura que, ao mesmo tempo que domina a sua linguagem, sabe que a sua arte é alimentada pelo inconformismo. Deixou o conforto da sua banda para trás e voou para os Estados Unidos, para trabalhar com a lendária baterista Cindy Blackman Santana e com o extraordinário baixista Jack Daley – a dupla que assegura a produção de “Restart” e que já foi a secção rítmica de gente como Lenny Kravitz ou Joss Stone – em busca desse lugar que a define. Ou melhor, a distingue.

Rodeada de músicos de peso, daqueles que têm as fundações da música moderna no seu ADN, Aurea começou de novo. Reformulou a sua linguagem soltando-se das amarras que lhe haviam garantido o sucesso e conseguiu. Encontrou esse lugar que é só seu.

Nas 12 grandes canções que compõem “Restart”, há ainda muita Soul, como há Jazz, Rock e uma apurada sensibilidade Pop. Há passado e presente porque há, acima de tudo, intemporalidade. Há exigência, cuidado com o pormenor, perfeccionismo. Há Aurea. Começar de novo faz parte do caminho a que apenas estão destinados os eleitos. E Aurea é um deles.

 

Cinema S.Jorge (Lisboa)

14 de Maio 2016 | 21.30h

Ora Cogan apresenta "Shadowland" em Espinho

A artista canadiana Ora Cogan continua a ser um dos segredos mais bem guardados da música folk da actualidade.SERR-Ora Cogan.jpgO exotismo do nome de Ora Cogan tem uma correspondência perfeita com a sua voz mágica e hipnótica. Um disco após o outro, a canadiana tem vindo a construir um percurso de encantamento e beleza.

As suas canções partem da música folk para se tornarem algo universal, íntimo e profundamente humano. Os seus concertos são a soma disso tudo e muito mais Depois de no ano passado ter actuado no Serralves em Festa para centenas de pessoas, Ora Cogan apresenta-se em Espinho com o seu novo disco, “Shadowland”, um registo que torna ainda mais urgente a sua descoberta.

 

Auditório de Espinho

13 de Maio 2016 | 21.30h

João Pires apresenta "Lisboando" no Porto e em Coimbra

João Pires é um compositor e guitarrista português - a música de um nómada a viajar entre Portugal, Brasil e Cabo Verde.

Já se sabe que é preciso partir se se quiser experimentar o doce sabor do regresso e é preciso chegar para perceber o peso de tudo aquilo que se vai apanhando em cada lado onde se para, sobretudo o que não cabe na mala de viagem e nos enche a cabeça de ideias. A vida de João Pires tem sido feita assim, de partidas e de regressos, de uma bagagem musical que foi crescendo e que nos dois primeiros discos se fez dos sons apanhados algures entre o Brasil e Cabo Verde. O terceiro e novo álbum, "Lisboando", é o disco do regresso, depois de “Caminhar” e “Coladera”.

lisboanado.jpgEste novo trabalho de João Pires, que recebeu a chancela do Museu do Fado, foi feito de forma íntima e intuitiva, desafiando muitas vezes convenções técnicas em detrimento da necessidade imperiosa de fixar ideias e emoções.

Espectáculo inclui reportório de “Lisboando” mas também dos álbuns anteriores nomeadamente do “Coladera” gravado com Marcos Suzano.

 

Passos Manuel (Porto)

12 de Maio 2016 | 22.00h

 

Salão Brazil (Coimbra)

14 de Maio 2016 | 22.00h

“O Margem” arranca atividade cultural com Concerto dos Capitão Fausto

À semelhança de outras relevantes cidades europeias – como Lisboa, Porto, Barcelona, Londres ou Berlim - é nos circuitos menos perceptíveis que nascem e crescem muitos dos atuais criativos e criadores. Em espaços frequentados por públicos à margem dos grandes movimentos culturais, cativados pela cultura alternativa e/ou underground, assiste-se ao desencadear dos diversos novos tipos de intervenção artística. Meios em que prevalece o princípio "menos é mais". Onde a necessidade leva ao engenho.

Anuncio-Fausto.pngPara tal, surge como mote uma programação musical jovem e emergente a acontecer num espaço desprendido, que visa cativar a atenção dos públicos do concelho de Torres Vedras e, também, dos concelhos limítrofes. Só assim, será possível gerar uma massa crítica e um panorama torriense de referência como tem vindo a acontecer em cidades como Évora, Coimbra, Braga, Barcelos, entre outras.

 

A programação será dividida num ciclo de concertos, assentes na qualidade e pertinência, procurando evitar a “fatiga” dos públicos. Com datas especificamente escolhidas para evitar os grandes momentos da cidade e os respectivos períodos de repouso, foi idealizado para uma primeira fase o período entre Maio e Junho.

 

O espaço a ser utilizado deverá ser versátil e desprendido. Um espaço que se quer aliciante para os jovens e jovens adultos da cidade de Torres Vedras, um espaço que dialogue com a comunidade. 20 de Maio é a data de arranque com o concerto dos Capitão Fausto.

 

Antigo Refeitório da Casa Hipólito (Torres Vedras)

20 de Maio 2016 – Capitão Fausto

4 de Junho 2016 – B Fachada + Ème

25 de Junho 2016 – a anunciar

Beatriz Batarda traz “A Conquista do Pólo Sul” ao CCVF...

Este sábado, o Centro Cultural Vila Flor, em Guimarães, acolhe a peça “A Conquista do Pólo Sul”, um texto de Manfred Karge que aqui ganha corpo com a encenação de Beatriz Batarda. Para esta viagem, Beatriz Batarda convocou um elenco de luxo do qual fazem parte Ana Brandão, Bruno Nogueira, Flávia Gusmão, Miguel Damião, Nuno Lopes, Nuno Nunes e Romeu Costa. Quatro desempregados partilham um sótão que é também o habitáculo de todas as desilusões, quando se agarram a uma história de ficção que os vai salvar do marasmo. É o teatro dentro do teatro. É teatro que fala da vida.

A Conquista do P+¦lo Sul _Estelle Valente.jpgphoto: Estelle Valente

 

A Conquista do Pólo Sul” foi escrita no final dos anos 80 por Manfred Karge, antes da queda do muro de Berlim, e conseguiu sobreviver à explosão de novas linguagens teatrais, ao adormecimento da ilusão, às novas escritas metateatrais, às releituras dos clássicos, e até às mutações sociais da Europa. Encontramos, num sótão, quatro amigos – por quem poderíamos igualmente passar na rua – destruídos pelo empobrecimento, pelo desemprego, pelo vazio que ocupa o lugar do futuro.

O sótão no teatro – ou o teatro no sótão – serve de moldura que enquadra a nossa atenção, dando-nos por um período de tempo, naquele lugar, a possibilidade de reconhecer a esperança que, de outra maneira, ao passar na rua indiferentes, não podíamos descobrir. Numa viagem épica pelo sonho, os amigos encontram o caminho da reconstrução das suas vidas domésticas e a fé de que algo bom poderá vir.

 

O bater no fundo de uma das personagens, o vazio imenso que é sinónimo do suicídio que fracassou é o ponto de viragem que dá lugar a uma história dentro de uma história. A história de uma viagem que se vai tornar o objetivo destas quatro vidas desamparadas de esperança. “Para uma das personagens a morte parece ser o único caminho para a libertação.” E depois aparece esta história que é “como quem agarra uma boia de salvação, a ilusão, o teatro, através da recriação desta conquista do Polo Sul”, explica a encenadora.

A história do explorador Roald Amundsen, que foi o primeiro a alcançar o Pólo Sul, vai ser o alento destes amigos que partilham num sótão o desespero do desemprego, o desespero da pobreza e da falta de oportunidades, o desespero da ausência de valores. É a esta história que eles se agarram e transformam assim o sótão nesse destino gélido e longínquo, abraçando esta ideia de missão que lhes irá, por fim, dar alguma reconciliação com a realidade com que se zangaram. Uma réstia de esperança.

 

A peça não perdeu a sua atualidade volvidos mais de 30 anos da sua escrita. Continuamos náufragos numa sociedade que se esvaziou, num país incapaz de nos acenar com alguma esperança. “É uma história magnífica de vitória, de superação da natureza e de nós próprios, contra todas as adversidades e dificuldades”, afirma Beatriz Batarda. Façamos nós também esta viagem para procurar algum conforto no mais gelado dos continentes.

 

 

Centro Cultural Vila Flor (Guimarães)

14 de Maio 2016 | 21.30h

Rita Redshoes grava novo disco com produtor de Nick Cave…

Victor Van Vugt, produtor do seminal disco de Nick Cave, "Murder Ballads" e do disco de Beth Orton, "Trailer Park", vencedor do prestigiado Mercury Prize, será o produtor do novo disco de Rita Redshoes, previsto editar no último trimestre de 2016. Os dois estiveram juntos, primeiro em Nova Iorque, onde a artista atuou no mítico Joe's Pub em Abril, e agora em Lisboa para prepararem o novo material de Rita Redshoes, antes de entrarem em estúdio, no próximo mês de Junho.

foto.jpgPara além dos já citados Nick Cave e Beth Orton, o produtor australiano já trabalhou com nomes como P.J.Harvey, Depeche Mode, The Fall, Billy Bragg ou Einsturzende Neubauten, só para citar alguns.

 

Este será o 4.º álbum de estúdio de Rita Redshoes, o sucessor de "Life is a Second of Love", de 2014, produzido pelo brasileiro Gui Amabis.

António Zambujo e Miguel Araújo esgotam 21 Coliseus e anunciam 4 novas datas

A nova temporada de concertos de António Zambujo e Miguel Araújo nos Coliseus, a 15 e 16 de Setembro no Porto, e a 30 de Setembro e 1 de Outubro em Lisboa, já se encontra praticamente esgotada. Procurando responder a todos os pedidos do público, alcançar-se-á o número histórico de 25 noites de Coliseus num ano, anunciando-se agora quatro datas extra:

 

foto4.jpg

13 e 14 de Setembro – Coliseu do Porto

27 e 28 de Setembro – Coliseu dos Recreios

 

No início do ano, António Zambujo e Miguel Araújo atingiram uma marca ímpar na música portuguesa, ao esgotarem 17 noites nos Coliseus – 9 no de Lisboa e 8 no do Porto. Apesar de quase 50.000 pessoas terem assistido a estes concertos, muitas não conseguiram comprar bilhete, o que deu origem a esta nova temporada de concertos.

Tal como as anteriores, estas prometem ser noites marcadas pela boa disposição e descontracção características destes dois músicos.

Mouraria recebe o próximo Trampolim Gerador… “Cultura portuguesa a dar o salto”

Multiculturalidade num dos espaços mais emblemáticos de Lisboa. Fado, cinema, teatro, fotografia, poesia, performances, o concerto intimista de JP Simões ou a loucura dos Celeste/Mariposa e outras iniciativas culturais espalhadas pelas ruas e ruelas castiças da Mouraria. O evento acontece este sábado e é de acesso gratuito.

Cartaz Oficial Trampolim Gerador 3.pngCultura portuguesa a dar o salto”! Trata-se de uma nova edição do Trampolim Gerador, movimento que pretende pôr em evidência a cultura e os artistas portugueses nas ruas da cidade, e desta vez acontece no bairro da Mouraria, no próximo sábado, dia 14 de maio. Entre as 15h e as 24h00 de dia 14 de maio, a Mouraria vai receber música, performances ao vivo, teatro, fotografia, arte urbana, artes plásticas, oficinas, cinema, gastronomia, visitas guiadas, muito humor, pela mão de vários artistas convidados e com um amplo envolvimento da comunidade local. Mais de sessenta iniciativas culturais em mais de 30 espaços diferentes.

 

Desde o famoso Largo da Severa, à Igreja da Nossa Senhora do Socorro, passando pelo Zé da Mouraria ou pelo Chinês Clandestino, até ao fantástico e secreto Edifício da Inatel. De acordo com Miguel Bica, mentor do Trampolim Gerador, “o Bairro da Mouraria é a maior expressão da diversidade cultural na cidade de Lisboa e, por isso, a casa perfeita para receber tantas iniciativas culturais. São mais de 150 artistas, da Mouraria e do país inteiro, a participar durante todo um dia.”

 

Alguns destaques desta edição:

- O espaço Inatel, o melhor segredo do centro de Lisboa;

- Celeste/Mariposa, o funaná que vai conquistar toda a gente;

- Concerto intimo de JP Simões na escadaria do Largo do João do Outeiro;

- Escuridão Bonita, um espetáculo de teatro às escuras numa garagem;

- Poesia na Igreja Nossa Senhora do Socorro, com Carla Chambel, Vicente Alves do Ó e Filomena Cautela;

- Festa Surpresa Licor Beirão, a melhor varanda da Mouraria numa festa de encerramento do Trampolim Gerador;

 

O que é o Gerador?

É uma plataforma de ação e comunicação para a cultura portuguesa. O Gerador promove autores e entidades ligadas à cultura portuguesa, quer venham da arte, do cinema, da literatura ou da banda desenhada, dos costumes populares e dos ofícios, já que todos definem o que é ser português. Publica a Revista Gerador, uma vez por trimestre, em todas as bancas do país e está posto a nu em gerador.eu.

Rosa Montero e Sérgio Godinho levam a Viagem Literária a Leiria

Dois grandes nomes da cultura ibérica reúnem-se no Teatro José Lúcio da Silva, no próximo dia 19 de Maio, a partir das 21:30. O Teatro José Lúcio da Silva, em Leiria, acolhe o encontro de dois grandes nomes da cultura espanhola e portuguesa, Rosa Montero e Sérgio Godinho, naquela que é a 14.ª etapa desta viagem a Portugal através dos livros e da literatura. A partir  das 21:30, o jornalista João Paulo Sacadura conduz uma conversa entre os dois convidados, com as suas obras em destaque (e as obras futuras, como o romance que Sérgio Godinho se encontra a escrever), rumando às suas afinidades e diferenças, a atualidade social e os seus percursos artísticos e biográficos.

GLAM - Sergio Godinho.jpgphoto: Sergio Magalhães / Arquivo Glam Magazine

 

Durante estes 90 minutos, haverá espaço para as questões da plateia e, no final, para a habitual sessão de autógrafos e contacto mais direto com os escritores.

No dia 16 de Maio a Porto Editora lança “O Peso do Coração”, o mais recente romance de Rosa Montero e um dos seus livros mais realistas. Usando a ficção científica como género, “uma ferramenta poderosíssimapara falar do mundo e das suas possibilidades”, neste título encontram-se os temas fundamentais na obra da autora – a identidade, a memória, o dogmatismo e a morte – , num livro que é simultaneamente um thriller, uma distopia, uma história de amor e uma reflexão sobre o peso da vida e a criação literária.

 

Rosa Montero nasceu em Madrid em 1951 e estudou Jornalismo e Psicologia. Desde 1976 que colabora em exclusivo com o jornal El País, tendo obtido em 1980 o Prémio Nacional de Jornalismo e em 2005 o Prémio Rodríguez Santamaría de Jornalismo, como reconhecimento dos méritos de toda a sua carreira profissional. É considerada uma figura central da literatura espanhola contemporânea.

Cantor, compositor, escritor (para adultos e crianças),  ator  (de teatro e cinema), realizador, Sérgio Godinho é, para citar uma das suas canções  clássicas, o verdadeiro “homem dos sete instrumentos”. Mas, numa carreira artística de invejável longevidade, que se prolonga há mais de 40 anos de modo quase intocável, foi o seu trabalho enquanto cantor - compositor que o tornou num ícone capaz de reunir à volta das suas canções gerações de diferentes idades, vivências e aspirações. “O Primeiro Dia”, “A Noite Passada”, “É Terça-Feira”, “Com um Brilhozinho nos Olhos”, “Espectáculo”, “Cuidado com  as Imitações”,  “Lisboa que Amanhece”, “Liberdade”, “Coro das Velhas”, “Dancemos no Mundo”, “Barnabé”, “O Velho Samurai” para apenas citar uma dúzia, atestam o seu talento para traduzir de modo pessoal, numa conjugação inseparável de palavras e melodias, experiências e emoções universais.

 

Na estrada desde abril de 2015, a Viagem Literária completou já 11 etapas em Portugal continental e 2 grandes sessões nas Regiões Autónomas. Depois de Leiria, a Viagem Literária continua o seu percurso e segue para Coimbra, cumprindo a sua missão de levar os escritores ao encontro  dos  seus  leitores,  contribuindo  para  a  descentralização e democratização do acesso à cultura. Os espaços em que decorrerão as sessões serão, preferencialmente, os teatros municipais, por forma a permitir a participação de centenas de leitores, e os bilhetes serão gratuitos.

Insch… apresentação de “Safe Heaven”

Os insch surgem em 2014, pela mão de três amigos de longa data. O trio da Ericeira, Manel Gomes (baixo), Miguel Rodrigues (bateria) e Tiago Duarte (guitarra e voz), apresenta o álbum de estreia, “Safe Haven”… são dez canções cheias de energia alternativa que lhes valeram "Banda do ano 2015" para a Balcony TV, um dos “Oito artistas musicais desconhecidos que tem mesmo de conhecer” para a NIT e ainda presença recorrente no top 10 diário de pedidos dos ouvintes da SuperFM.

inc.jpgA abrir a noite estarão os Lucky Who, banda que surge em 2016 quando um miúdo, inspirado pela sonoridade indie folk e perdido na escrita de canções sonhadoras e autobiográficas, se deparou com três rapazes empenhados em acrescentar ao seu rock cru e desprendido um elemento antagónico. “Don’t Leave Me To Wait”, lançado em Março, é o primeiro avanço de originais que faz antever uma viagem por sonoridades que se transformam de animadas a angustiantes, compassadas por ritmos calmos subitamente interrompidos por guitarras frenéticas. Um começo forte e refrescante de uma aventura que avança agora estrada fora…

Este concerto é uma organização Time Out Market Lisboa

 

Estudio Time Out (Lisboa)

12 de Maio 2016 | 22.30h

Joana Amendoeira apresenta o seu novo disco “Muito Depois”

"Muito Depois" é o título que assinala o regresso de Joana Amendoeira aos discos e também a base do concerto que a fadista realiza a 14 de Maio, no Cine-Teatro D.João V, na Damaia.

 

"Muito Depois", o último álbum de originais que a fadista edita em cinco anos, é um disco que reflecte os mais de 20 anos de vivência no fado de Joana Amendoeira e celebra o "sentido da vida nos seus caminhos mais luminosos como o amor, a amizade, a maternidade, passando igualmente pelos mais sombrios como a desilusão, a perda, a solidão e a saudade". As poesias e as emoções neste contidas, têm por base o fado e outras sonoridades tradicionais portuguesas e os temas evidenciam um "contexto geográfico, o Tejo e a luz de Lisboa, retratados de forma apaixonada".

joana.jpegTiago Torres da Silva (que também assinou a produção), Joaquim Pessoa, Vasco Graça Moura, Natália Correia, Paulo de Carvalho, José Niza, Manuel Alberto Valente, Pedro Jóia, Bruno Fonseca, Valter Rolo, Marcos Sacramento, Filipe Raposo, Rogério Ferreira, António Quintino e Pedro Amendoeira são os autores das composições incluídas no disco a par de fados tradicionais de Amadeu Ramin, Fernando P. Coelho e Acácio Lopes.

 

Já no que se refere a convidados especiais, "Muito Depois" contou com Pedro Jóia na guitarra clássica, Filipe Raposo no piano e Paulo de Carvalho, com quem Joana Amendoeira gravou o primeiro dueto da sua carreira. Estes convidados juntaram-se ao "núcleo de maravilhosos músicos" composto por Pedro Amendoeira (guitarra portuguesa), Rogério Ferreira (viola de fado) e António Quintino (contrabaixo).

 

 

Cineteatro Municipal D. João V (Amadora)

14 de Maio 2016 | 21.30h

DJ Christian F… apresenta novo single “Ghost” ...

Após regressar de uma digressão de Carnaval incrível no Brasil, Christian F em conjunto com as suas atuações de norte a sul do país, está focado no lançamento do novo tema “Ghost” que vai sair brevemente pela editora Vidisco e que irá surpreender a todos.

Image1a.jpgEste tema conta já com a confirmação de que irá tocar nas principais rádios nacionais e fará parte da playlist de vários grandes artistas nacionais e internacionais.

O ano 2016 ainda vai no início, mas promete trazer grandes novidades!

Jimmy P esta semana ao vivo nas maiores Queimas das Fitas do país

Esta semana Jimmy P atua 3 vezes, com o formato live band, para apresentar o seu terceiro álbum de originais, “Essência”: o primeiro concerto será hoje em Coimbra, na Queima das Fitas, rumando amanhã a sul para a Semana da Juventude de Elvas, culminando com um concerto em Lisboa, na Semana Académica, na sexta-feira, dia 13 de Maio. Na próxima semana, a 21 de Maio, tem ainda concerto agendado na Semana Académica de Setúbal. Jimmy P é um dos artistas nacionais mais requisitados pelos maiores festivais deste verão, como o Sumol Summer Fest, na Ericeira, onde actua no dia 25 de Junho, o MEO Marés Vivas, que o recebe a 15 de Julho, em Vila Nova de Gaia ou o NOS Summer Openning onde actua a 22 de Julho, no Funchal, entre outros, a anunciar em breve.

jimmy.jpgPhoto: Sergio Magalhães

 

O vídeo de “Não tás a ver”, o segundo single retirado de “Essência”, está prestes a atingir 1.000.000 de visualizações no YouTube. “Entre as estrelas”, dueto com Diogo Piçarra, continua a agitar as redes sociais, como um dos fan favorites: ainda sem vídeo oficial, o lyric video do tema já ultrapassou as 690.000 visualizações. Jimmy P foi também um dos trends do Twitter, na semana passada.

 

Essência” chegou às lojas no dia 1 de Abril e marca o fim de um ciclo que levou o artista a editar três discos em três anos. J-Cool, com quem já trabalhou em alguns dos seus maiores sucessos, como “Storytellers” ou “Amigos e Amantes”, foi o responsável pela produção do disco que revela o apuramento da identidade artística de Jimmy P, confirmando-o como um dos mais talentosos artistas da sua geração.

Concurso Vinhos de Portugal 2016… Bairrada recebe grandes nomes da crítica internacional de vinhos

Depois de ter recebido, há dias, o concurso internacional ‘Portugal Wine Trophy’, a Bairrada continua na mira dos grandes eventos vínicos. Está por estes dias a decorrer em Santarém o ‘Concurso Vinhos de Portugal 2016’, cuja etapa final – prova para eleição das Grandes Medalhas – e a gala de entrega de prémios terá como palco a Bairrada, respectivamente na quinta e sexta-feira. Grandes nomes da crítica nacional e internacional vão estar de visita à região. 

CVB 3 - © Helder Coelho BR.jpgphoto: Helder Coelho

 

Entre os nomes sonantes que vão estar pela Bairrada encontram-se as britânicas Jancis Robinson e Julia Harding, o alemão Caro Maurer, os americanos Joshua Greene e Evan Goldstein, e o brasileiro Dirceu Vianna Júnior. Para além das provas do ‘Concurso’, os gurus do vinho vão conhecer algumas das adegas da Bairrada, assim como aproveitar o tempo para passear e visitar espaços de cultura. Os vinhos (com destaque para os espumantes) vão mostrar-se também à mesa, realçando a oferta gastronómica da região.

 

O ‘Concurso Vinhos de Portugal 2016’ termina com um jantar de gala, que vai ter lugar na sexta-feira, dia 13 de Maio, pelas 19h30, na Mata do Bussaco e onde serão revelados e entregues os prémios do Concurso.

 

A ViniPortugal assegura a organização do ‘Concurso Vinhos de Portugal’, com o objectivo de projectar no plano internacional a imagem da marca Vinhos de Portugal e dos seus vinhos. Os néctares presentes no pódio deste ano do ‘Concurso Vinhos de Portugal’ superam uma criteriosa avaliação realizada por mais de 120 jurados nacionais e 25 internacionais. No total serão atribuídas cerca de 340 medalhas, das quais um máximo de 2% de Grandes Ouros e 4% de Ouro. Terá especial destaque a entrega dos sete melhores vinho do ano, nomeadamente Melhor Tinto; Melhor Branco; Melhor Varietal Tinto; Melhor Varietal Branco; Melhor Licoroso de Lote; Melhor Licoroso de Ano; e Melhor Espumante. É entre estes sete que é escolhido o Melhor do Ano 2016.

 

No que toca à Bairrada, Fevereiro ficou marcado pelo primeiro grande evento do ano relacionado com o sector vinícola, mais precisamente a 19.ª Gala da Revista de Vinhos, que teve lugar a 12 desse mês, no Centro de Alto Rendimento de Sangalhos, em Anadia, e onde foram consagrados “Os Melhores do Ano 2015”.

A cerimónia, já conhecida como ‘Óscares do Vinho’, reuniu cerca de 1000 pessoas do sector do vinho e da gastronomia portuguesa. Seguiu-se o ‘Berlin Wine Trophy’, este ano intitulado ‘Portugal Wine Trophy 2016’, e que teve como centro de operações o Museu do Vinho da Bairrada, também em Anadia. Importa sublinhar que este evento, ocorrido já este mês, entre 05 e 08 de Maio, é considerado um dos maiores e mais importantes concursos mundiais de vinhos, sendo habitualmente realizado em Berlim, na Alemanha. Um painel internacional de jurados, composto por cerca de setenta provadores, avaliou cerca de 1750 vinhos originários de todo o mundo.