Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Glam Magazine

Glam Magazine

Motorama, Psychic Ills, The Last Internationale e First Breath After Coma… mais 4 nomes para o Vodafone Paredes de Coura 2016

Os russos Motorama, o rock experimental dos Psychic Ills, os explosivos The Last Internationale e os portugueses First Breath After Coma são as mais recentes confirmações para o Vodafone Paredes de Coura 2016.

GLAM - First Breath.jpgphoto: Paulo Homem de Melo / Glam Magazin 

 

Antes do segundo trabalho, “Calendar”, editado em 2012, os Motorama ainda podiam ser vistos como um segredo bem guardado. De Rostov-On-Don, no sul da Rússia, para o mundo, o rock proeminente das primeiras gravações abriu caminho a um pop romântico e melódico. Além de receber o aplauso da crítica, “Calendar” abriu portas à reedição do primeiro álbum da banda, “Alps”, o brilhante e melancólico registo, de 2010. “Poverty” chega em 2015 e partilha a produção fantástica de seu antecessor, num trabalho de melodias e movimentos implacáveis. A já banda de culto volta a focar-se no mais clássico e essencial – a canção – e está pronta a apresentá-la na 24ª edição do Vodafone Paredes de Coura.

 

 

Formada em 2003, a banda nova-iorquina Psychic Ills editou “Dins”, o primeiro grande registo, em 2006, ao qual se seguiu o improvisado “The Mirror Eye”. Com uma abordagem mais simplificada e acessível, chegou “Hazed Dream”, em 2011 e, dois anos mais tarde, “One Track Mind”, com produção a cargo de Neil Michael Haggerty. Este ano, já foi possível ouvir “I Don’t Mind”, que conta com a participação especial de Hope Sandoval e serve de aperitivo ao novo álbum “Inner Journey Out”.

 

Foi também em Nova Iorque que Delila Paz e Edgey Pires criaram, em 2013, os The Last Internationale, conhecidos como autores de poemas com consciência social e responsáveis por explosivas atuações ao vivo. Numa mistura de hard rock, metal alternativo, rock alternativo e pós-grunge, editaram, em 2014, “We Will Reign”. O registo fresco e cru contou com a energia de Brad Wilk, baterista dos Rage Against the Machine que gostou do grupo o suficiente para se tornar membro permanente da banda. “This Bootleg Kills...Vol 1”, de 2016, é uma coleção de raridades e gravações ao vivo fiéis à natureza da banda, pronta para fazer a revolução.

 

Os portugueses First Breath After Coma chegam prontos para brindar o Vodafone Paredes de Coura com o seu pós-rock delicado. Depois do primeiro trabalho ser uma surpresa auspiciosa de cruzamento da influência pós-rock com o formato canção, a banda trabalhou em novas experiências e deu forma a “Drifter”. O mais recente trabalho foi parcialmente financiado por fãs, que responderam de forma massiva ao novo lançamento.

 

De 17 a 20 de agosto, as novas confirmações juntam-se a LCD Soundsystem, Chvrches, The Tallest Man On Earth, Unknown Mortal Orchestra, Sleaford Mods, Minor Victoires, Sharon Jones & The Dap-Kings, The Bohicas, Portugal.The Man, Ryley Walker, Cage The Elephant, Thee Oh Sees, Suuns, Kevin Morby, Cigarettes After Sex, Lust For Youth, Orelha Negra, King Gizzard & The Lizard Wizard, Joana Serrat, Filho da Mãe & Ricardo Martins e Capitão Fausto.

Quelle Dead Gazelle ao vivo no Covil da Preguiça…

Entre o Serengueti, Chicago e Lisboa há uma planície enorme. Ampla, com um horizonte a perder de vista. Nessa planície corre uma gazela.

Lisboa sabe misturar e na cabeça do guitarrista Pedro Ferreira e do baterista Miguel Abelaira, pôs as cadências sincopadas dos ritmos africanos a encontrarem-se com os sons da desconstrução que a aventura pós-rock ofereceu às gerações futuras. Sobre a frecha onde se encontram estas duas placas tectônicas, passado e futuro, peles e electricidade, os dois músicos começaram em 2012 a tocar e trocar ideias. No mesmo ano lançaram o single “Afrobrita”.

quelle.jpgphoto: Promo /DR

 

Os Quelle Dead Gazelle começam assim a correr e ainda não mostraram sinais de falta de fôlego. Em 2013 o primeiro EP gravado e produzido por Makoto Yagyu e Fábio Jevelim, leva-os aos palcos do NOS Alive, Milhões de Festa, Paredes de Coura e Serralves em Festa.

 

Com mais de 50 concertos dados, chegam ao final de 2015 com sede. Sede de subir a barra num novo disco e de o mostrar ao vivo. “Maus Lençóis” é o primeiro longa duração da banda e regista o re-encontro do duo de músicos Ferreira-Abelaira com o duo de produtores Yagyu-Jevelim desta vez no estúdio HAUS. O novo disco traz o adensar do vocabulário que “Afrobrita” iniciou e mostra a “gazela” em controlo, força e graça. Quelle Dead Gazelle lança “Maus Lençóis” em Maio e em Maio lança-se à estrada, porque a planície por onde correm ainda tem muito por mapear....  Quim Albergaria

 

Covil da Preguiça (Leiria)

12 de Maio 2016 | 19.00h

PAUS + Cachupa Psicadélica no Cine-Teatro Avenida (Castelo Branco)

“Mitra” é o mote de um disco e uma noite.

É o título do novo disco dos PAUS mas é também o sinónimo de uma turma, de coletivo, de uma rapaziada, que pensa e faz coisas acontecerem em momentos de celebração. É uma noite para ser usufruída por todos, em que Cachupa Psicadélica dá o mote, depois os PAUS carregam na festa, e segue-se uma noite de proximidade, contacto e festa. Tudo junto. Uma só mitra.

GLAM - Paus.jpgphoto: Paulo Homem de Melo / Arquivo Glam Magazine

 

Cachupa Psicadélica… Nasceu Cabo-Verdeano, na ilha de S.Vicente norte do arquipélago. Foi criança nos anos oitenta, apaixonou-se pelo rock de Seattle. Algumas colaborações com membros da Crew de HipHop Lod Escur dão início a uma fase de maior liberdade criativa, a abertura para um mundo sem limitações. Alguns projetos musicais pelo meio e 8 anos depois está na encruzilhada da sua Cachupa psicadélica, música para fazer fotossíntese, música das entranhas do seu Cabo-Verde nação cultural.

 

A festa continua seguir ao concerto no Kimika Lounge com um dj set da banda.

 

Cine-Teatro Avenida (Castelo Branco)

13 de Maio 2016 | 21.30h

Nuno Prata no Café Concerto Teatro Virgínia…

Outrora baixista dos Ornatos Violeta, Nuno Prata foi um dos primeiros elementos da banda portuense a reencontrar-se com os palcos, logo após o término da mesma. Se num momento inicial se apresentou ao público em parceria com o multi-instrumentista Nicolas Tricot, num projeto apropriadamente intitulado “Nuno Nico”, logo assumiu o seu nome próprio, pelo qual editou em 2006 o primeiro longa-duração “Todos os dias fossem estes outros”. Produzido por Tricot, caracterizou-se pela depuração do formato canção, na tradição das pré-histórias de Godinho, incorporando o repentismo rítmico do jazz e a dimensão narrativa da folk.

newsnunoprata_1462789506.jpgA este trabalho seguiu-se, já em finais de 2010, “Deve Haver”, contando com a preciosa colaboração de Hélder Gonçalves e de Manuela Azevedo, os quais transportaram para o universo de Prata algum do colorido pop dos Clã. Lança, em finais de 2014, álbum homónimo, o terceiro capítulo de um já longo percurso. Composto por 12 faixas (11 canções, sendo que uma delas está dividida em dois momentos), uma delas com a participação de Manel Cruz, seu antigo companheiro nos Ornatos Violeta, o álbum foi masterizado por Nuno Mendes, no Estúdio do Bandido.

O cantautor portuense apresenta-se no formato trio, trazendo consigo o Nico Tricot e Nicolau Fernandes.

 

Teatro Virginia / Café Concerto (Torres Novas)

13 de Maio 2016 | 21.30h

Glockenwise e O Gringo Sou Eu apresentam-se ao Porto já este fim-de-semana

É já na sexta-feira (13) e no sábado (14), que O Gringo Sou Eu oficializa a edição da cassete "MBQ: Música de Baixa Qualidade", no Casarão, e os Glockenwise oficializam o lançamento de "Heat" no Porto, no Café au Lait.

untitled.jpgphoto: Promo /DR

 

Já nestas andanças há quase uma década, os barcelenses Glockenwise, assim como o mais recente disco, "Heat", lançado no final do ano passado, já dispensam apresentações. A electricidade e a urgência de "Heat" já se fez ressoar nos mais variados palcos, chegando, agora, até ao Porto, ao Café au Lait.

Uma parceria Cultura FNAC e a Lovers & Lollypops, o CD-bilhete para entrar no concerto, conforme a apresentação do talão, já está disponível em qualquer loja, pelo preço de 9,99€. Também pode ser adquirido à porta, no sábado.

 

Um dia antes, na sexta (13), abrindo um "fim-de-semana L&L", O Gringo Sou Eu apresenta a sua cassete "Música de Baixa Qualidade", um autêntico diário de bordo da viagem inquietante que tem feito desde que chegou do Brasil. "MBQ: Música de Baixa Qualidade" é uma edição Tapes, She Said.

O concerto de apresentação terá lugar no Casarão, na Rua do Almada, na companhia de Luca Argel.

Milhões de Festa… Curadorias dão novo sabor ao palco Taina… Galiza de Mi Corazón

O Milhões são três dias, mas o palco Taina são quatro: as propostas para as tardes no palco gratuito já têm a programação definida e terão o cunho de curadores dos Riding Pânico, de DJ Quesadilla, e dos parceiros no crime Matapadre, La Melona, Macho Alfa e Discos de Arena

Galiza de Mi Corazón:

Image3.jpgMalandrómeda (cortesia Matapadre)

Se os Streets de Mike Skinner ficassem presos num gameboy em Santiago de Compostela durante um verão louco dos anos 90, o resultado seria libertado num sistema de som sob a forma da dupla Malandrómeda, que nos foi apresentada pela seu label Matapadre. Entre a digitalia sul-americana e o rap ocidentalizado, a dupla galega tem o ritmo do punk e já mandou dois registos cá para fora só em 2016. Preparem as vossas plataformas de 8 a 16bits. Bastam duas dimensões, ou dois galegos, para termos festa rija.

 

Vozzyow (cortesia La Melona e Macho Alfa)

Do colectivo PORNO, os Vozzyow são o ardor da existência, fazendo questão de mostrar que estão ali, mais presentes do que todos os outros. A rotina rítmica que a banda de três amigos “muito amigos” segue leva-nos quase em transe para um sludge impregnado de rituais, fundido entre o antigo e novo, tornandoo, assim, intemporal. A vinda da banda é uma cortesia da promotora La Melona e da barcelense Macho Alfa.

 

Uppercut (cortesia Discos de Arena)

O postrock assume, no prefixo do seu epíteto, que o rock morreu e que este será o som da continuação. Os Uppercut, pelo seu lado, limpam o seu pós até à simplicidade punk, contornando cânones com a mesma desenvoltura com que os Fugazi dispensaram as rotinas do hardcore. Têm crescendos, têm épico, têm tudo — principalmente a alegria de terem tudo quanto baste, com canções em gancho e com linha suficiente para nos pescar de imediato. Agradeça-se à Discos de Arena, que tratou do visto para o sistema barcelense.

HOUSE… Our House is Your House… ARBG + Tiago Fragateiro

Todos nós temos perfeita consciência que trocar lençóis por uma pista de dança, a uma quarta-feira, não é a situação ideal para qualquer jovem que se esteja a entregar ao trabalho e ao mundo das contribuições fiscais. É por isso que temos a certeza de que as novas noites HOUSE vão dar-vos a alegria de estar ressacado no escritório ou nas aulas, absolutamente felizes.

arbg.jpgARBG… Um dos artistas mais proeminentes da cena underground Lisbonense. Apesar do seu low profile, ARBG tem sido reconhecido pela qualidade dos seus “sets” e da sua técnica, com ponderosas “basslines” mas sem nunca perder a sensibilidade do ritmo da pista de dança. Tocou já nos melhores clubs de Lisboa: Ministerium, Musicbox, Frágil, Europa e nos grandes festivais nacionais como Refresh, Semana Académica de Lisboa e outros tantos.

Começou a sua internacionalização em 2013 em Londres, através de um showcase da sua agência (Lx music) e a partir daí tem tocado com os grandes nomes do panorama musical electrónico actual, como Booka Shade, Tiefschwarz, Steve Bug, Adam Bayer, Marco Resmann, John Dimas, entre outros.

Com performances nos melhores clubs de diversos países como Portugal, Inglaterra e Lituânia, as suas faixas são do agrado de Artistas como Richie Hawtin, Marco Carola, Danny Daze, Citizen, Hanfry Martinez, Hector Couto, Stacey Pullen, Richy Ahmed, Mikalogic, LondonGround, etc. e habitualmente referenciado nas páginas principais da Beatport, ao mesmo tempo que as suas produções são utilizadas por nomes como Danny Daze, Guy Gerber, Luciano, etc.

tiago.jpgphoto: Industria Club

 

Tiago Fragateiro começou a sua carreira há cerca de 15 anos como programador em alguns dos melhores clubs do Porto, sempre procurando dar espaço aos mais interessantes e inovadores Djs nacionais e internacionais. Apesar de ter dado os primeiros passos com Dj por volta de 1998, só há cerca de 10 anos é que assumiu definitivamente a sua paixão.

A sua ligação pessoal de amizade com Alain Ho (DJ Yellow) foi de extrema importância nos passos seguintes da sua carreira, primeiro ao ganhar forma a actuação conjunta enquanto Mindz Kontrol Ultra que lhe permitiu, mais rapidamente, encontrar o seu caminho e definir uma estética musical própria, depois ao criarem em conjunto a label Composite Records que se tornou a plataforma base do seu trabalho permitindo que ganhasse conhecimento e experiência ao colaborar de perto com nomes como King Britt, Dubfire Till Von Sein ou Djul'z, entre outros. Os EPs que editou em nome próprio na Composite acabaram por servir de montra e atrair as atenções de labels conceituadas tendo já editado pela Ovum Recordings, Freerange Records, Plastic City e Compost Records

 

MusicBox (Lisboa)

11 Maio 2016

“Os Sonhos não têm rugas”… de Maria do Rosário Gama, António Bethâmio de Almeida e Ângela Dias da Silva.

Com prefácio de José Pacheco Pereira, o livro aborda o desafio do envelhecimento em Portugal, país onde existem dois milhões de habitantes com mais de 65 anos (586 mil das quais com mais de 80).

 

livro.jpg

 

Com base nos testemunhos dos muitos associados, ao longo do livro reflecte-se sobre o que é ser velho em Portugal. A associação percorreu o país, ouviu desabafo e acumulou relatos: de solidão e desalento, mas também de realização, esperança e renovação.

A crise dos últimos anos reflectiu-se nas suas vidas e, em muitos casos, alterou drasticamente as expectativas e os planos que tinham reservado para quando deixassem de trabalhar. Foi neles que se basearam para apresentar as histórias que integram este livro sobre o desafio do envelhecimento em Portugal.

 

 

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, estará presente na próxima quarta-feira, 11 de maio, às 18h30, na Leya na Buchholz, para a sessão de lançamento do livro “Os Sonhos não Têm Rugas” (Oficina do Livro), escrito por três dirigentes da Associação de Aposentados, Pensionistas e Reformados (APRe!)

S.Pedro apresenta disco de estreia… “O Fim”

S.Pedro (leia-se como o santo) resulta da necessidade de o Pedro libertar espaço do disco rígido e do hipocampo.

Havia muitas ideias soltas no computador e no telemóvel que tinham tinham de ser concretizadas. Que tinham de ser gravadas a sério. Então, para se livrar destas melodias, que já mais pareciam um grilhão que o impedia de seguir em frente, Pedro alugou um espaço para poder fazer barulho e durante uns meses ninguém o viu. Gravou sozinho as ideias que o assombravam há anos. Ideias que acabaram transformadas em canções.

sp.jpgGravou 10 temas aos quais chamou "O Fim". Tendo em conta a delicadeza das canções, Pedro convidou os melhores músicos para o ajudar a levar o disco para os palcos. Tó Barbot e David Lacerda juntam-se na apresentação do seu disco de estreia a 13 de maio no Plano B.

S.Pedro é real, S. Pedro é sincero, S. Pedro é um bife mal passado a fugir para o insosso.

 

Plano B (Porto)

13 de Maio 2016 | 22.30h

“A cada passo”… o novo single (inédito) dos ÁTOA

É já na próxima sexta-feira, 13 de Maio, que os ÁTOA estreiam um novo single, o inédito "A Cada Passo".

O novo tema, composto e escrito por Guilherme Alface e João Direitinho, estreará acompanhado de um videoclip, cuja concepção e realização ficou a cargo de Ricardo Reis, responsável por todos os videoclips da banda de Évora até à data.

A Cada Passo.jpgEsta é uma semana especial para os ÁTOA, no próximo domingo marcarão presença pela primeira vez na Gala dos Globos de Ouro da SIC e da Caras, como nomeados, e logo em duas categorias: Revelação do Ano e Melhor Grupo.

 

 

A Tour #viverÁTOA, com mais de 60 concertos confirmados em 2016, continua a percorrer o país

In Chaos lançam álbum de estreia

Depois de ter sido lançado digitalmente no passado mês de março, o álbum de estreia dos In Chaos, “From Chaos Rises Order”, é agora editado em formato físico com a chancela da Music In My Soul. Este primeiro álbum de originais da banda de heavy/thrash-metal é composto por dez temas e  tem como cartão de visita o single “Misunderstand”.

In Chaos_promo.jpgphoto: Promo /DR

 

Os In Chaos são uma banda de heavy/thrash-metal composta por André Marinho (baixo e voz), Bernardo Baptista (guitarra-ritmo), Jorge Martins (guitarra-solo) e Luis Meco (bateria). Nascem em Portugal em 2009 e contam com alguns espetáculos ao vivo, nomeadamente no Hard Rock Caffe, no Side B e no Rock ‘n’ Shots. Contam também com uma participação no concurso Rock Rendez Worten 2011, no qual foram apadrinhados por Fernando Ribeiro (Moonspell) e a banda vencedora da categoria Metal. Durante este tempo a banda trabalhou na pré-produção do seu álbum de originais. Já em 2012, os In Chaos juntam-se com o produtor Daniel Cardoso, da UltraSound Studios, para produzir o primeiro álbum da banda. Todos os membros têm um percurso pelo mundo da música nomeadamente em bandas de covers e originais.

 

As suas influências que remontam a grandes nomes como Pantera, Metallica e Megadeth, juntamente com o gosto pela música, deram origem a este projeto de originais. A banda traz uma nova abordagem ao mundo do metal atual, combinando a atitude a um estilo que há muito perdeu o que o nome o define. Os In Chaos provam que heavy-metal pode ser sujo e limpo ao mesmo tempo, através de um som poderoso com melodias audíveis até para o mais ínfimo apreciador de música.

O Misantropo de Molière… no Teatro São Luiz

Texto satírico de enorme subtileza e inegável apuro formal, O Misantropo é uma análise impiedosa da sociedade e das suas regras que se mantém surpreendentemente actual, expondo diferentes relações de poder e jogos de enganos, numa oscilação constante entre a sinceridade e a hipocrisia, entre a atracção e a repulsa pelas convenções.

ecard_email_.jpgA encenação de Nuno Cardoso, que aqui reincide na abordagem ao teatro clássico francês, um ano depois de Britânico, de Racine, conta com uma nova tradução de Alexandra Moreira da Silva, capaz de um discurso concreto, material, tangível, no seu pleno respeito formal pelo texto original.

 

Encenação: Nuno Cardoso

Tradução: Alexandra Moreira da Silva

Assistência de encenação: Ana Luena

Interpretação: Afonso Santos, António Parra, Carolina Amaral, Joana Carvalho, Luís Araújo, Mário Santos, Micaela Cardoso, Pedro Frias, Rodrigo Santos

Cenografia: F. Ribeiro

Desenho de luz: José Álvaro Correia

Direcção de produção: Pedro Jordão

Produção executiva: Alexandra Novo

Administração: José Luís Ferreira

Design gráfico: Drop.pt

 

Uma criação Ao Cabo Teatro em co-produção com Teatro Nacional São João, Centro Cultural Vila Flor, Teatro Viriato e São Luiz Teatro Municipal

 

São Luiz Teatro Municipal (Lisboa)

11 a 15 de Maio 2016

Nova editora une Portugal a Detroit e Chicago em disco e em festa no MUSICBOX

Shift Imprint nasce como uma editora para novos talentos, mas também para os já estabelecidos de vários tempos e geografias. Pretende apoiar a criação e desenvolvimento de música que conhece e abraça o passado, mas que não é saudosista, que tem olhos no futuro e que quer fazer parte dele.

COSMODROME será uma viagem de som, luz e vídeo no MUSICBOX.

POSTER.pngVistam os fatos de astronauta e preparem-se para uma viagem que se iniciará no MUSICBOX de sexta-feira para sábado, 27 para 28 de Maio. Dentro de cada um de nós existe algo de mágico e misterioso. Afinal, somos pó de estrelas, fazemos parte de algo maior e, por enquanto, indecifrável. Desde os primórdios da humanidade que tentamos obter explicações e respostas para segredos celestiais, procuramos sinais no vasto firmamento. Ancestrais praticavam danças rituais exaustivas, atingindo estados de consciência elevada, na tentativa de estabelecer uma ligação com o Cosmos, a maior de todas as existências.

 

COSMODROME é sizígia, alinhamento, total sincronia com o universo através da música e da dança, um estender de mentes até ao infinito, ignorando todas as distrações e deixando de parte as superficialidades da existência mundana. É comunhão absoluta de emoções, apenas ali conseguida. Vistam o fato de astronauta e embarquem numa jornada interestelar ao som do Cosmic Funk de Parliament-Funkadelic, do Italo Disco de Giorgio Moroder, passem pelo House de Chicago com destino ao Electro e ao Techno de Detroit.

 

Os DJs Convidados…

A lenda viva Alcides AKA DJ AL membro dos Slight Delay (com Tiago Miranda), com discos na histórica Kaos e com passagem pelo Lux Frágil, onde recentemente tocou com DJ HARVEY.

Alcides DJ AL.jpgRobert Drewek, alemão, fundador da RAWAX, uma das editoras mais respeitadas pelos DJs actualmente. Já passou pelo festival Sonar, toca por todo o Mundo, mas mais regularmente em Berlim em clubes como TRESOR.

Robert1.jpgAudiopath, co-fundador da Shift Imprint, no passado, os seus discos já foram escolhidos e tocados por veteranos como Mr. G, na Rádio Oxigénio e na Antena 3 pela mão de Rui Vargas e Rui Estevão. Como DJ, devido à sua enorme colecção de discos, é extremamente versátil e adapta-se como poucos à pista de dança - dependendo se está no IPSE em Berlim ou se está em início de noite no MUSICBOX .

audiopath photo 1.jpg

 

Moullinex & Lorenz Rhode… “What U Do”… novo single

Depois de um ano em digressão pelos 4 cantos do mundo, e em Portugal claro… tanto com concertos como DJ sets, a apresentar o seu mais recente álbum, “Elsewhere”, Luís Clara Gomes (aka Moullinex) juntou-se a Lorenz Rhode, nos estúdios da Red Bull em Berlim, para escreverem e gravarem um tema em conjunto… “What U Do

Image1.jpgO seu amor partilhado por Stevie Wonder foi a ignição para “What U Do”. Lorenz, um especialista em Talkbox, é a voz no tema. O resultado foi um tema incendiário para as pistas, sem sacrificar os ingredientes de uma canção à antiga.

Habilmente escrito, produzido e misturado, o fruto da colaboração entre Moullinex e Lorenz Rhode, o deliciosamente gingão "What U Do" é um encantador tributo à Soul e ao Funk.

No dia 24 de Maio estreia o documentário “Elsewhere: a Dream Journal”, que revela um pouco mais o que é Moullinex, o projecto mais pessoal de Luís Clara Gomes até à data.

Celina da Piedade na Nazaré a 14 de Maio...

A digressão nacional de Celina da Piedade, uma das mais talentosas acordeonistas da actualidade, passará pela Nazaré no próximo sábado 14 de Maio, onde apresentará temas dos seus discos "Em Casa" e "Cante das Ervas", assim como alguns temas do novo disco "Sol".

celina.jpgElogiada pela crítica e aclamada pelo público, Celina da Piedade deu nas vistas ao tocar com alguns dos maiores nomes da "música do mundo", como Rodrigo Leão, Mayra Andrade, Ludovico Einaudi ou o basco Kepa Junkera. Depois, a sua voz irresistível, o seu talento para a composição e a sua contagiante presença em palco fizeram o resto.

 

Na Antiga Casa da Câmara, na Pederneira, Celina da Piedade vai partilhar o seu talento em dose dupla: à tarde, das 18h às 19h30, haverá uma oficina de canto tradicional, seguida de concerto-baile à noite, a partir das 21h30.

Um espectáculo único onde o público é convidado a participar e a que ninguém vai ficar indiferente!.

 

Antiga Casa da Câmara (Nazaré)

14 de Maio 2016  

Caruma primeiro single de avanço de "Hostia de Mentol"

A Caruma é uma banda folk de Leiria que canta o país e as suas impaciências. Apresentaram o seu primeiro disco homónimo em 2010. O universo da Caruma está entre um velho e um novo Portugal e sugere que estes nunca se encontram, que o machismo e a tradição ainda andam lado a lado e que o Portugal de hoje está ainda para se encontrar, perdido no meio de tanta globalização. A sonoridade passa pelo tradicional folk português mas também pelos frenéticos ritmos do leste da Europa, alternando com melodias mais simples que transportam desamor e relações mal resolvidas. “Boa Educação Imoral” é o single de avanço do álbum a editar no próximo dia 27 de Maio, “Hostia de mentol”.

untitled.jpgA Caruma quer-se solta, seca e não tem compromissos com quem a escuta. Há temas corrosivos, há palavras proibidas e há o normal nestas coisas, falar do que se quer falar como se quer falar.  Passados seis anos, com a rodagem adquirida em dezenas de espetáculos e com uma enorme visibilidade conquistada, a Caruma está de volta, com a edição do segundo álbum de originais, “Hostia de mentol”. Neste disco, a banda busca um inconformismo onde a Poesia tem de ser verdade e onde a Arte dá início à mudança. Para a Caruma, a Música deve ser expressão de autenticidade e de intervenção social, e reflexo de um projeto de cidadania transparente. Assim, da capa às letras, em “Hostia de mentol” tudo é provocação, de forma mais ou menos explícita, irónica ou metafórica. Mas também há amor, ternura e introspeção.

 

Desenvolvendo o rumo traçado no primeiro disco, no universo musical da Caruma, as melodias, os ritmos e os instrumentos servem mais para enriquecer a mensagem do que propriamente para etiquetar o grupo, cuja sonoridade não se quer catalogada ou arrumada numa qualquer prateleira. A diversidade sonora é assim um meio e não um fim, o que confere uma coerência ímpar ao grupo: pop, fado, valsinhas e música tradicional portuguesa convivem lado a lado, numa harmonia devidamente articulada.

Sophia apresenta o novo single… “Sigo o Rumo”

Com letra da sua autoria e música de Tiago Machado, Sophia pela primeira vez dá alma às suas próprias palavras, numa música que conta a sua própria vida, igual a tantas outras que como ela lutam dia a dia, para seguir o seu rumo.

untitled1.jpgUma música inspiradora que segue o caminho do álbum anterior. Este tema contou com a colaboração de Tiago Neto, Pedro Pacheco nos primeiros violinos; Vasco Broco, David Whanon nos segundos violinos; Jorge Teixeira , Maia Kousnetsova na viola; Nuno Abreu, Jeremy Lake nos violoncelos; Tiago Machado no piano; Ricardo Pego ( Dikk) no baixo; Vicky Marques na percussão.

A produção e arranjos musicais é de Tiago Machado. Gravado no Atlântico Blue Studio por Rui Guerreiro. Misturado e masterizado no estúdio O Pé de Vento por Fernando Nunes e Tiago Machado

Novo single/vídeo dos Linda Martini… "Putos Bons"

O novo vídeo dos Linda Martini celebra de forma emotiva a noite vivida no passado dia 2 de abril no Coliseu de Lisboa. A realização de Bruno Ferreira capta na essência um evento memorável para todos presentes naquela sala mítica do País.

linda martini.jpgphoto: Luis Martins

 

"Putos Bons" é o segundo single extraído do álbum "Sirumba", editado no passado dia 1 de abril.

Bruno Ferreira já tinha trabalhado com o grupo no passado e numa aventura única captou de forma personalizada todo o ambiente vivido pela banda no passado dia 2 de Abril. O realizador optou por filmar tudo em VHS sem usar qualquer tipo de pós-produção trazendo assim uma autenticidade muito particular ao resultado final. A edição ficou a cargo de Sérgio Paulo.

Festas de Lisboa’16…. Tronos de Santos António

As Festas de Lisboa renovam a tradição dos Tronos de Santos António. Nos dias 4 e 5 de junho haverá uma exposição de rua aberta a todos, mas as inscrições terminam a 15 de maio. Prenúncio das Festas de Lisboa e da chegada do verão, o Museu de Lisboa - Santo António e a EGEAC convidam os lisboetas para reavivar, pelo segundo ano consecutivo, a tradição dos Tronos de Santo António.

O convite é dirigido a todos os lisboetas: crianças e adultos, indivíduos e coletividades, alfacinhas de gema ou adotados, religiosos devotos ou fervorosos descrentes.

Tomás Colaço Mercearia ©RuiCunha.jpgphoto: Rui Cunha

 

As inscrições estão abertas até ao dia 15 de maio e devem ser feitas por email ou na receção do Museu de Lisboa – Santo António. A partir desta data, o Museu disponibilizará estruturas de tronos, de forma gratuita.

Depois de decorado, o trono deverá ser exposto, obrigatoriamente de forma visível, nos dias 4 e 5 de junho; e poderão permanecer durante todo o período das Festas de Lisboa.

 

Com a criação de um roteiro expositivo, será possível percorrer os recantos da cidade, enquanto se descobre a criatividade dos lisboetas que aceitem o desafio de reinventar esta homenagem ao Santo António (que terá de estar representado imperiosamente!). Os tronos serão também fotografados e darão origem a uma publicação. Na primeira edição, juntas, coletividades, escolas, vizinhos, netos e avós, foram muitos os que decoraram ruas, portas e janelas da cidade com tronos de Santo António. Reviveu-se a história, recuperaram-se memórias, cruzaram-se tempos e gerações. 

 

A exposição de rua Tronos de Santo António (4 e 5 de junho) integra a programação das Festas de Lisboa’16.