Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Glam Magazine

Glam Magazine

Festim… Do Senegal… Cheikh Lô

Acaba de ser conhecida mais uma confirmação para o Festim, Festival Intermunicipal de músicas do Mundo. Do Senegal chega Cheikh Lô.  A voz de Cheikh Lô é elegante, atraente, espiritual e festiva. Uma pulsação africana cosmopolita, partindo dos subúrbios de Dakar para o mundo.

cheikhlo-full-6.jpgphoto: Press /DR

 

Amado no Senegal e admirado por melómanos de todo o planeta, Cheikh Lô é um dos gigantes da música dessa África criativa que nos arrebata a cada pulsação. A figura delgada de Cheikh Lô, com décadas de música no corpo, encerra um inovador incansável, empurrando as fronteiras da sua própria música. Lô acaba de ser galardoado com o prémio carreira no maior evento mundial de world music, a Womex 2015.

 

Cheikh N´Digel Lô – voz, guitarra, timbal

Baye Mahanta Diop - guitarra

Alassane Cissé - baixo

Khadim M’Baye - percussão (sabar)

Wilfrid Zinsou – trombone, sax

Badou N´Diaye - bateria

Samba N´Dokh - talking drums

 

AgitÁgueda (Agueda)

14 de Julho 2016 | 22.00h

 

Cineteatro Alba (Albergaria-a-Velha)

15 de Julho 2016 | 22.00h

 

Basset Hounds + Ghost Hunt ao vivo no Salão Brazil

Psicadelismo, shoegaze, jungle pop e surf compõem o leque sonoro dos Basset Hounds.

GLAM - Basset Hounds.jpgphoto: Paulo Homem de Melo

 

Afonso Homem de Matos (bateria e voz), António Vieira (guitarra e voz), José Martins (baixo) e Miguel Nunes (voz e guitarra), apresentam o disco homónimo de estreia, editado no final de 2015, pelas NOS Discos e gravado na Black Sheep Studios, em Lisboa..

 

Ghost Hunt…. Krautrock, shoegaze, techno de Detroit, punk, garage rock dos 60’s são algumas das inspirações dos Ghost Hunt de Pedro Oliveira e Pedro Chau. Juntam-se os sintetizadores à guitarra e ao baixo para a criação de temas que evoluem, não só no tempo, mas também em palco

 

Salão Brazil (Coimbra)

29 de Abril 2016 | 22.30h

Camané… Infinito Presente ao vivo o Coliseu

Camané dispensa apresentações, é indiscutivelmente visto como “a voz” do fado. Demonstrando uma rara sensibilidade musical, Camané continua a afirmar-se como uma voz única na arte de cantar o Fado. É um dos nomes mais incontornáveis e representativos da história do Fado e da música portuguesa. Um dos fadistas mais aclamados a nível nacional e internacional.

GLAM - Camané.jpgphoto: Paulo Homem de Melo / Arquivo Glam Magazine

 

É impossível resistir ao sortilégio e à magia de “Sei de um rio”, de “Lembra-te Sempre de Mim”, “Complicadíssima teia”,  “A Guerra das Rosas”, “Ela tinha Uma Amiga” ou “Senhora do Livramento”, entre muitas outras. São fados, canções profundas e intemporais que se ouvem com prazer e emoção vezes e vezes sem conta. Camané vai estar no Coliseu Porto “a cantar estes sucessos e dar a conhecer ao público os temas do seu novo disco, “Infinito Presente”, nº 1 em top de vendas


 

Emoção. Tradição enriquecida com a dose certa de risco. Versatilidade. Tudo isto faz parte da personalidade artística de Camané. E tudo isto se conjuga num espetáculo que celebra Infinito Presente: ”A passagem do tempo, o tempo que é memória, o tempo em que vivemos”- Camané.

 

Coliseu (Porto)

29 de Abril 2016 | 21.30h

Tracy Vandal + Pedro e Os Lobos no Teatro Diogo Bernardes…

A musica regressa ao Teatro Diogo Bernardes, em Ponte de Lima, já este sábado, 30 de Abril, a partir das 22h00, num concerto em duas partes, Tracy Vandal assegura a primeira parte, seguindo-se Pedro e os Lobos, duas formações distintas que poderão trazer imensas surpresas aos apreciadores de sonoridades emergentes e que se destacam no panorama musical português.

GLAM - Tracy vandel (1).jpgphoto: Paulo Homem de Melo / Arquivo Glam Magazine

 

Após o lançamento em 2014 do EP "The End Of Everything", Tracy Vandal, prepara-se para apresentar o seu primeiro disco. Conhecida principalmente como a voz dos Tiguana Bibles, Tracy Vandal tem uma longa carreira de criação artística ligada à indústria musical, que passa por ter integrado cerca de uma dúzia de bandas e trabalhado como técnica de som e como DJ.

Envolve-se na cena musical com 15 anos, quando começa a frequentar o 13th Note, o emblemático clube noturno de Glasgow. Aos 17 anos fez formação para ser engenheira de som em aulas leccionadas por Alan Rankine (The Associates), figura de referência para Tracy. Entre os seus colegas destaca-se Stuart Murdoch, que veio pouco tempo depois a formar os Belle and Sebastian. Estamos então em finais dos anos 1990: nesta altura, havia em Glasgow diversas bandas compostas exclusivamente por mulheres, inspiradas em grupos de referência como The Raincoats e The Slits. Por isso, o convite para integrar uma delas não tardou e passa a ser vocalista e guitarrista das Dick Johnson, um trio de garage rock composto por duas guitarras e uma bateria. Editaram cinco singles com algum reconhecimento da crítica especializada. Um dos seus singles foi produzido por Jad Fair (Half Japanese) e Richard Kern (realizador e fotógrafo underground norte-americano) que chegou a fazer registos fotográficos da banda. Na capital britânica trabalhou ainda como engenheira de som durante cerca de seis anos no Hope & Anchor, reconhecido espaço que recebia diariamente bandas de todos os géneros musicais, mas que ficou mais conhecido pela sua ligação à estética e sonoridade punk. Acompanhada por Pedro Mangerona e Miguel Teixeira, Tracy Vandal levou "The End of Everything" com a sua melancólica boa disposição a salas tão emblemáticas como o Hard Club no Porto, o Bafo de Baco em Loulé ou a Caixa Económica Operária em Lisboa, assim como assinalou a sua presença no cartaz do festival Nos Alive 2015. Agora inicia-se uma nova fase, com a apresentação dos primeiros registos do que vai ser o primeiro álbum de Tracy Vandal, trazendo como convidado especial para o concerto de Ponte de Lima João Jorri Silva (a Jigsaw).

 

Pedro e os Lobos é o projecto do guitarrista e compositor Pedro Galhoz. O cruzamento de várias culturas reflecte as influencias musicais, que bebem na portugalidade, na cultura americana e na paixão por criar paisagens musicais. As guitarras empoeiradas e gastas, podem aqui coabitar com tascas Lisboetas ou Tavernas de auto-estrada perdidas no meio da Andaluzia. Aqui o tempo passa devagar! A estrada, o palco, os amigos que partem e chegam em cada paragem, os amores, os dissabores, a esperança e as encruzilhadas que o destino e a vida em si nos reservam ao virar de cada esquina, são o mote para um conjunto de letras e músicas que relatam episódios da vida comum e do nosso dia-a-dia. Ele é o Pedro e o conjunto de músicos convidados a colaborar são os Lobos. 2016 é ano de novo disco e será igualmente um ano de mostrar este trabalho ao vivo! Pedro e os Lobos – Música para escutar de olhos fechados.

 

Teatro Diogo Bernardes (Ponte de Lima)

30 de Abril 2016 | 22.00h

Cristobal & The Sea + Hot Air Ballon em Lisboa

Os Cristobal And The Sea, colectivo com porto de abrigo no cais de Londres mas com marujos aventureiros de quatro línguas diferentes estão de regresso a Lisboa.

cats_1_-_thomas_neukum_0.jpgCom novo disco em carteira, João Seixas, Alejandro ‘Ale’ Romero, Leïla Seguin  e Joshua Oldershaw fazem de “Sugar Now” terreno para múltiplas viagens entre o bossa-nova, o Afro-pop e Western folk/rock.

Surrealista e quente, vibrante e tropical, o mood artístico destes Cristobal And The Sea ganha formas de psicadélico e africanizado do single colocando a banda num mundo entre os Vampire Weekend e os Crystal Fighters mas com um entidade extremamente bem definida..

 

Musicbox (Lisboa)

29 de Abril 2016 | 00.00h

Ex-Votos… Lançamento de "A Cantiga Continua”

Ex-Votos marcam o regresso para 2016 com o lançamento de um novo álbum com temas inéditos após 15 anos. O novo projeto musical apresenta a transição para um novo capítulo na história dos Ex-Votos, após a morte de Zé Leonel, seu fundador. Pronto para voltar com material atual, a banda Ex-Votos, quer surpreender o público e demonstrar que foram únicos no seu tempo com relevância e impacto no contexto atual.

ex-votos.pngO espirito interventivo e festivo da Banda continua vivo e apresenta um novo registo que para além de afirmar a continuidade do projeto com novos temas surpreendentes e enérgicos, incluí também êxitos revisitados como “Subtilezas Porno Populares” e “Canto aos Peixes”.

O novo trabalho conta também com a participação especial de Tiago Flores (Violino) e Ana Filipa Rodrigues (ex-membro), entre outros.

Certamente, o novo disco revela a vontade comum dos atuais membros da banda de desenvolver uma proposta musical autêntica com uma perspetiva artística renovada.

Além disso, no contexto político, social e cultural atual, continua a fazer sentido a sua existência, fazendo da cantiga uma forma ativa de Luta.

 

Sabotage Club (Lisboa)

29 de Abril 2016 | 22.30h

“Lisboa Saudade”… o novo single da Boémia Vadia

Os Boémia Vadia acabam de desvendar “Lisboa Saudade”, o mais recente single do EP “Circo Amar”, editado em novembro passado. Este é já o terceiro avanço do EP de estreia do grupo, que nos apresenta a sua sonoridade recriada em ambientes electro-cabaret, world music e de pop alternativa. Ainda este ano é esperado o longa-duração de estreia, que se encontra atualmente em fase de produção.

Boémia Vadia_promo.jpgphoto: Promo /DR

 

A Boémia Vadia nasceu em Janeiro de 2012, entre o porto mediterrânico de Valência e as montanhas, debaixo de uma tenda de circo encantada. Influenciada por cavalos, marinheiros e prostitutas, vinho tinto, rosas negras e baús com brinquedos de lata, a Boémia estabeleceu um estilo próprio, misto e original. Rebecca Amar trouxe, desde “a sua Paris”, o ambiente burlesco e vaudeville dos cabarés de Montmartre, ambientado pela Literatura e pela Poesia maldita da época, de Apolinaire, Baudelaire ou Rimbaud. Mário Ferreira – um nómada, vagabundo do amor na constante busca pela diferença – chegou um dia a esse porto, precedido por longas viagens pelos caminhos da vida e do mundo, com os alforjes carregados de melodias, canções de embalar, hinos simbolizando a fusão com as memórias de um passado, com a brilhantez dos anos 80 ou a obscuridade romântica e trágica dos anos 90, adicionando toda a aprendizagem e a cruzada entre as raízes e tradições do Folk ibérico, desde o Fado ao Flamenco. Kim Coutinho – o primeiro imediato desta nau e o mais fiel companheiro de viagens – aportou com a sua sabedoria e mestria, o seu génio harmónico e sonhador, complemento perfeito para os princípios rudimentares e tradicionais dessa nova descoberta, que seria mais tarde denominada de “electro-dark-cabaret”.

Chegado o verão de 2013, a Boémia Vadia decidiu embarcar numa nova aventura cósmica e tentadora, dirigindo o barco em direção às costas do Atlântico, com a ambição desmedida de poder "naufragar" nas margens de Lisboa, em busca de novas e intensas aventuras. Rendidos à imensidão e à História da velha cidade, e na busca incessante de originalidade e inovação, incluíram na sua tripulação um novo marinheiro – Emanuel Ramalho – que aumentou a família boémia e assim facilitou a particular "caça ao tesouro", o legado e a herança de nomes como Bauhaus, Edith Piaf, Joy Division, Alfredo Marceneiro, Nick Cave, Tom Waits, Carlos Paredes, Carlos Gardel, Serge Gainsbourg, The Cure, David Bowie, Amália Rodrigues, António Variações, Barbara, Jacques Brel, Paco de Lucia, Radiohead, Zeca Afonso e Nina Hagen, que, ao longo do tempo, foram escrevendo as rotas dos mares que hoje navegamos.

 

Constituído por Mário Ferreira (voz, baixo, guitarra e programações), Rebecca Amar (voz e performance), Kim Coutinho (guitarra, piano e coros) e Emanuel Ramalho (bateria), este projeto convida a conhecer uma parte do resultado dessas viagens, confraternizações e ressacas, de um recambolesco mas intenso percurso. De Valência a Lisboa.

A$AP Nast… hoje em Lisboa

Tariq Devega (A$AP Nast) é um dos elos do colectivo da ASAP Mob juntamente com ASAP Rocky and ASAP Ferg. Foi através deste colectivo que lançou a mixtape “Lords Never Worry” em 2012, mas seria em 2013, com “Trillmatic”, o primeiro avanço para “L.O.R.D.”, que ASAP NAST se tornaria num fenómeno da cena hip-hop americana e global.

ASAP-Nast-Fat-Man-1.jpgphoto: Fat Man

 

Com raízes profundas na cultura hip-hop da “East Coast” dos anos 90, A$AP Nast é capaz de debitar rimas a uma velocidade estonteate.

Hoje… 27 de Abril estreia-se em Lisboa...

 

Musicbox (Lisboa)

27 de Abril 2016 | 00.00h

"Raquel"… Novo disco de Raquel Tavares é editado a 6 de Maio.

Não é por acaso que Raquel Tavares é uma das mais importantes e consistentes vozes do Fado contemporâneo. É o Fado que faz pulsar o seu coração. É o Fado que dá sentido à sua vida. É o Fado que a acompanha quando, ainda menina, se atreve a pisar um palco. E com doze anos vence numa Grande Noite do Fado. A primeira de catorze vitórias. É o Fado que a leva a encantar as mais importantes salas de países como os Estados Unidos, Espanha, França, Alemanha, Reino Unido, Brasil, Argentina, China ou Austrália. É o Fado que faz com que colecione prémios, desde que se estreou em disco, em 2006. É o Fado que canta em criança. É o Fado que canta agora, que é uma referência.

raquel.jpgO Fado clássico, enraizado na mais profunda tradição, o espelho mais fiel da alma portuguesa. Em “Raquel”, o seu terceiro e mais recente disco, continua a ser esse Fado, a sua essência.  Mesmo refletindo a pulsação do presente, ou não fosse esta enorme coleção de canções produzida por Fred Pinto Ferreira, João Pedro Ruela e Tiago Bettencourt, é sempre de Fado que se trata, do mais sentido respeito pelo seu peso e tradição, quando ouvimos Raquel Tavares.

Por isso é o Fado que junta alguns dos mais importantes compositores da moderna lusofonia, como Caetano Veloso, Mallu Magalhães, Rui Veloso, António Zambujo, Miguel Araújo, Jorge Cruz e Tiago Bettencourt, a nomes incontornáveis da sua História, de Alfredo Marceneiro a Pedro Homem de Mello, passando por João Dias, Carlos Rocha ou Arlindo de Carvalho. E é o Fado que persiste quando Raquel recebe a companhia de Carlão, Rui Veloso, António Serrano e Rui Massena.  Porque o Fado e Raquel Tavares são um ser só. Uno e singular. É isso que a distingue. É isso que faz de “Raquel” um disco especial. E intemporal.

 

O disco “Raquel” encontra-se em pré-venda na Fnac Online, na compra do CD oferta de um bilhete para ver o concerto de apresentação deste disco, que Raquel Tavares dará no próximo dia 20 de Maio no Centro Cultural de Belém.

FLAK e Convidados…. Esta quarta feira no Musicbox

FLAK, músico com uma longa carreira ligada a grupos como Rádio Macau e Micro Audio Waves, e que regressou em 2015 aos trabalhos a solo com “Nada Escrito”, irá reeditar digitalmente em Abril o seu, há muito esgotado, álbum homónimo de 1998 – álbum que incluía temas como “Sei onde me vou perder” e “Imenso Adeus”.

1.jpgEsta reedição irá trazer ainda, como faixa extra, uma recriação do tema “De Azul em Azul”, que contará nesta versão com a co-produção de Luís Nunes (Benjamim).

Para celebrar esta reedição, FLAK e a sua banda rodear-se-ão de convidados numa noite especial no Musicbox Lisboa no dia 27 de Abril, onde serão revisitadas as várias etapas da sua longa carreira.

 

Musicbox (Lisboa)

27 de Abril 2016 | 22.30h

Alunos criam cenografia para espetáculo do festival Imaginarius…

Os alunos do curso de Artes das escolas secundárias de Santa Maria da Feira e Fiães e os alunos do 1º Ciclo que frequentam a disciplina de Artes Plásticas, no âmbito das AEC, estão a criar peças de cenografia para o espetáculo “Mira, Miró. Mirando!”, que terá estreia absoluta no festival Imaginarius. Antes de iniciarem a produção efetiva das suas criações, os alunos discutiram os seus esboços com o cenógrafo da companhia Teatro Art’Imagem.

Alunos de Artes_Imaginarius.jpgphoto: CMF

 

Este contacto direto com a companhia permite a participação ativa e efetiva dos alunos na construção da cenografia do espetáculo, num contexto exigente e com parâmetros orientados, proporcionando ainda o seu enriquecimento enquanto crianças e jovens artistas. Numa iniciativa inédita no Imaginarius, os alunos de Artes das secundárias vão visitar, no dia 10 de maio, a sede da companhia Teatro Art’Imagem, na Maia, onde vão acompanhar um ensaio e absorver a experiência de artistas profissionais.

 

Criação Imaginarius...

Desde março que a companhia está a trabalhar nas escolas, em colaboração com os serviços educativos do Município e a companhia, para integração de peças cénicas produzidas pelos alunos de Artes na nova criação Mira, Miró, Mirando!. Este projeto permitirá aos jovens um estímulo para a exploração de novas áreas de intervenção na sua formação escolar e a participação ativa no desenvolvimento de um novo projeto de teatro de rua.

 

Aos alunos do 1º Ciclo, o desafio lançado passa pela criação de interpretações individuais de obras de Miró, aproximando-os a um dos génios da pintura e da escultura, tendo por base a exploração das cores primárias, tão familiares à sua obra. Os trabalhos dos alunos estarão disponíveis para partilha com o público durante o festival Imaginarius, permitindo disseminar este projeto que incentiva crianças e jovens a imaginar, a explorar e a experimentar.

 

Organizado pela Câmara Municipal de Santa Maria da Feira, o festival Imaginarius realiza-se nos dias 20 e 21 de maio, no centro histórico de Santa Maria da Feira

Carlsberg Where’s the Party com cartaz fechado…

DANNIC é o cabeça de cartaz da edição de 2016 do Carlsberg Where’s The Party, considerado o sunset mais épico do ano, que acontece a 25 de junho, das 16h00 às 00h00, na Marina de Cascais. O cartaz fica completo com Wolfpack, Felguk. Karetus e Eddie Ferrer, os quais se juntam aos já anunciados Deepend (autores do remix do êxito internacional Catch and Release).

DANNIC - © Gerard Henninger.jpgphoto: Gerard Henninger 

 

DANNIC, conhecido DJ e produtor holandês com uma capacidade técnica que leva ao rubro plateias, semana após semana, nos mais prestigiados clubes e festivais, ocupa a 26.ª posição no Top 100 da conceituada DJ Mag. A sua música já se tornou um marco nos sets de Tiësto, Avicii, Hardwell, Nicky Romero ou Bingo Players, entre outros.

 

Os belgas Wolfpack, com o seu eletro e house progressivo prometem um espetáculo épico no cenário idílico da Marina de Cascais. Na tabela dos 100 melhores da DJ Mag, a sua carreira de apenas cinco anos já apresenta um movimento ascendente imparável. Prova disso são as extensas digressões mundiais.

Felguk - Gabriel Wickbold.jpegphoto: Gabriel Wickbold

 

A dupla Felguk, composta pelos cariocas Felipe “Fel” Lozinsky e Gustavo “Guk” Rozenthal, posiciona-se como grande referência da dance music ao atura nas pistas dos maiores clubs e festivais do mundo. Em 2012, foram escolhidos pessoalmente por Madonna para abrirem os espetáculos da artista no Brasil durante a tournée MDNA e do seu currículo fazem parte remisturas de êxitos como Club Can't Handle Me do rapper Flo Rida com participação de David Guetta e The Time (Dirty Bit) do grupo The Black Eyed Peas.

 

Já a tripla de portugueses Karetus, sinónimo de dedicação, originalidade e talento, apresenta uma diversidade musical com formação eclética fortemente marcada pela bass music. São um nome em ascensão que já conta com remisturas oficiais para artistas como Nicky Romero, NERVO, Felguk, Infected Mushroom, Krewella, Skism, Far Too Loud e New Ivory; e com atuações por toda a Europa. Distinguem-se por contarem com um MC na sua estrutura.

Eddie Ferrer.JPGConsiderado um dos melhores DJ’s de Portugal e com um vasto portfólio de produções, Eddie Ferrer tem conquistado cada vez mais o cenário internacional. Países como o Brasil, Estados Unidos, Angola, República Checa, Espanha, Suíça, República Dominicana, entre muitos outros, contribuíram com o carimbo no seu passaporte, nos quais partilhou cabine com alguns dos maiores nomes do mundo.

 

Quanto à dupla Deepend, é formada por dois amigos de longa data, Falco e Bob, que decidiram partilhar a sua paixão por música com o mundo e, em 2015, conquistaram os amantes da música eletrónica com o remix da música Catch and Release, do cantor americano Matt Simons. A música revelou-se um êxito internacional com mais de 12 milhões de visualizações no YouTube e com presença no top do iTunes em mais de 40 países.

 

O Carlsberg Where’s The Party, que já vai na 4.ª edição, tem sido palco de nomes incontornáveis da música eletrónica com sets memoráveis, como Axwell&Ingrosso, Deorro, Nervo, Thomas Gold e Alesso, e tem proporcionado experiências únicas no cenário de beleza única da Marina de Cascais e este ano não será exceção, o público será brindado com várias surpresas

The Lemon Lovers… Apresentação de “Watching Dancers”

The Lemon Lovers acabam de lançar um novo disco “Watching The Dancers” gravado e misturado em fita analógica.

O processo de gravação do disco, em fita analógica, caracteriza-se por registar o som da fonte sonora como um sinal contínuo no tempo. Um método pouco recorrente e quase abandonado desde a chegada do digital, mas que, para os The Lemon Lovers, aproxima-os exatamente da sua sonoridade.

TLL_Promo3.jpgphoto: Promo /DR

 

O som que se pretende é um som que remeta para uma sonoridade vintage, típica das décadas de 60 e 70. Nada assumidamente retro, apenas uma reinterpretação desse espírito por quem vive e ouve música feita em 2016”.

A apresentação do novo disco ao vivo, vai acontecer no dia 29 de abril no Plano B.

 

Plano B (Porto)

29 de Abril 2016 | 22.00h

Flying Cages apresentam ao vivo “Lalochezia” no Salão Brazil

Os Flying Cages iniciaram o seu percurso na Primavera de 2011, onde os quatro jovens de Coimbra começaram a criar o seu som de Indie Pop/Rock. Zé Maria Costa (voz e guitarra), Francisco Frutuoso (guitarrista) Bernardo Franco (baixo) e Rui Pedro Martins (bateria), passaram já por vários palcos, como o Optimus Alive e o Fusing Culture Experience e foram os vencedores do concurso do último Vodafone Mexefest.

flying cages.jpgPhoto: DR

 

Depois do sucesso da maquete de “Nothing but a Hill” na Tradiio, os Flying Cages têm neste momento o seu primeiro álbum “Lalochezia”, que será apresentado no Salão Brazil.

 

Salão Brazil (Coimbra)

28 de Abril 2016 | 22.00h

Querida, Comprei uma Orquestra… em estreia

Uma mulher chega a casa e é surpreendida pelo marido, que lhe comprou um presente. Pode parecer romântico, mas as coisas complicam-se quando percebe que, em vez de flores ou bombons, ele decidiu comprar uma orquestra.

untitled.jpgAcompanhados pela Orquestra da Cidade, sob direcção do maestro Nuno de Sá, Joana Pais de Brito e Carlos Moura protagonizam uma comédia onde o amor não sai de tom nem desafina.

 

Teatro Tivoli BBVA (Lisboa)

30 de Abril e 1 de Maio 2016

Portugal. The Man no Festival VODAFONE Paredes de Coura

Do Alasca para Portland e, agora, para a Praia fluvial do Taboão, os Portugal. The Man são a mais recente confirmação para a 24ª edição do Vodafone Paredes de Coura. Os americanos devem o seu nome à tentativa de criar um alter ego, uma entidade quase mítica, maior que os membros individuais.

3P1B0330-Edit.jpgphoto: Portugal. The Man /DR

 

Depois de um pequeno grande impulso da internet, a banda lançou o primeiro EP em 2005, antes de lançar o álbum de estreia “Waiter: “You Vultures!””, no ano seguinte, e “Church Mouth”, em 2007. O terceiro trabalho, financiado pelos próprios membros da banda na altura, ficou marcado pela riqueza de artistas convidados, incluindo trombonistas, trompetistas e violinistas que deram forma ao eclético “Censored Colors”. Em 2009, chega “The Satanic Satanist” seguido rapidamente pelo som mais eletrónico de “American Ghetto” e por “In the Mountain in the Cloud”, o primeiro lançamento depois de assinados pela Atlantic Records.

Da construção de casas, no Alasca, com o pai, para a construção de uma dedicada base de fãs, John Gourley sempre foi dado a parcerias. Tendo isso em conta, na hora de começar a trabalhar no sétimo álbum, a ousadia e ambição do vocalista levaram-no até ao apartamento de Danger Mouse. Foi assim que o produtor, vencedor de cinco Grammy, e os Portugal. The Man começaram a trabalhar naquele que seria o destemido re-despertar da banda. Foi preciso um ano para conseguirem abrandar e transformar todas as experiências de gravação com Danger Mouse em adrenalina; em palavras que são, simultaneamente, escuridão e luz; em sons capazes de sobrepor perigo e charme.

 

A banda de rock americana continua a celebrar o sucesso de “Evil Friends” e chega agora ao Vodafone Paredes de Coura. Junta-se a LCD Soundsystem, Chvrches, The Tallest Man On Earth, Unknown Mortal Orchestra, Sleaford Mods, Sharon Jones & The Dap-Kings, The Bohicas, Ryley Walker, Cage The Elephant, Thee Oh Sees, Suuns, Kevin Morby, Cigarettes After Sex, Lust For Youth, Orelha Negra, King Gizzard & The Lizard Wizard, Joana Serrat e Filho da Mãe & Ricardo Martins.