Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Glam Magazine

Glam Magazine

Vem aí a 11ª edição do AgitÁgueda!

A encerrar o fim de semana chegam novidades de Águeda… Vem aí a 11ª edição do Festival AgitÁgueda… De 2 a 24 de Julho, o evento oferece 23 dias de intensa programação cultural com muitos espectáculos, animação de rua, DJ’s, performances, tasquinhas, o espaço Agitakids e o já célebre projecto “The Umbrella Sky”, uma instalação artística de milhares de chapéus-de-chuva coloridos que flutuam pelas ruas da cidade. O melhor de tudo…. a entrada é gratuita!

GLAM - Agitagueda.jpgPhoto: Paulo Homem de Melo / Arquivo Glam Magazine

 

O cartaz musical integra algumas das mais consagradas bandas nacionais e internacionais, sendo estes os primeiros nomes confirmados: António Zambujo, Cock Robin, Genes Loves Jezebel, The Black Mamba e Dealema.

Para além dos espectáculos, onde estarão presentes também projectos locais, o AgitÁgueda inclui uma Área AgitaKids, destinada aos mais jovens, e ainda performances, espectáculos de rua, palco com DJ’s e tasquinhas que mostrarão o melhor da gastronomia do concelho.

Um dos pontos altos do evento, que alia a cultura à diversão noturna, é a instalação artística “The Umbrella Sky“, que dá cor às ruas da baixa de Águeda, que se enchem de milhares de chapéus-de-chuva coloridos, atraindo turistas de todo o mundo.

Este conjunto fica completo com outros projectos de arte urbana como bancos de jardim, escadarias, colunas, entre outros, pintados com variações cromáticas apelativas e obras de artistas consagrados como Eime ou Mário Belém. Existe um roteiro da cidade dedicado a estas instalações e às novas que surgirão este ano.

O AgitÁgueda contribui para o panorama cultural da cidade de uma forma sem paralelo. Com entrada gratuita e durante 23 dias consecutivos, um enorme leque de programação cultural e desportiva é dirigida a todos os públicos com o objetivo de dinamizar o comércio tradicional através de várias ações de promoção concelhia como o artesanato ou a gastronomia.

Além do recinto do festival onde decorrem os concertos, um conjunto de iniciativas sociais, culturais, artísticas e desportivas de excelência, de carácter lúdico e recreativo, envolvem toda a cidade numa dinâmica de promoção da cidade, do concelho e da região.

Para Águeda, um concelho com cerca de 47.000 habitantes, o AgitÁgueda transforma todos os anos a dinâmica da região. Durante o mês de julho chegaram a Águeda cerca de 200.000 turistas nacionais e estrangeiros. É este o resultado de 10 anos de evento que se vai reflectindo de uma forma muito positiva na economia local, tanto na cidade como no concelho. De realçar o alcance nos media nacionais e internacionais bem como nas redes sociais, tendo o evento alcançado mais de 45 países.

Em breve serão anunciadas mais informações sobre o cartaz musical e outras actividades a decorrerem nestes 23 dias de animação.

Patrícia Vasconcelos apresenta "Música no Salão" no São Luiz Teatro Municipal

“Home is where the music is" - esta sempre foi uma das máximas que tentei aplicar nos meus concertos. Tanto em salas de espetáculos com centenas de espectadores, como em pequenos espaços onde só cabiam algumas dezenas, sempre procurei que cada pessoa se sentisse em casa enquanto eu cantava e contava histórias.

Patrícia Vasconcelos

Créditos_Maria Vasconcelos.jpgPhoto: Patrícia Vasconcelos

 

"Música no Salão”, o novo disco gravado ao vivo de Patrícia Vasconcelos, sucessor de “Se o Amor Fosse Só Isso”, o seu primeiro álbum, tem estreia marcada para os dias 18 e 19 de Abril e conta com temas originais e reinterpretações de clássicos do Jazz. Um espetáculo que pretende manter o objectivo de o público se sentir confortável como numa "soirée" em casa de amigos. Ouve-se boa música, provam-se os petiscos confeccionados pela Patrícia, acompanhados de um bom vinho e onde se partilham as suas histórias e entusiasmo contagiante.

Neste espetáculo ao vivo, Patrícia cria sonoridades diferentes num ambiente intimista onde o público é parte integrante pela proximidade gerada e onde se exaltam momentos de brinde, de partilha e de união.

 

Convidados: Alexandre Alves (Bateria); Nana Sousa Dias (Saxofone); Pedro Pinto (Contrabaixo); Alexandre Diniz (Piano); Pedro Puppe (Compositor e Guitarrista); Ricardo Pinheiro (Guitarra).

Direção musical: Alexandre Diniz.

Produção musical: Elvis Veiguinha.

 

São Luiz Teatro Municipal (Lisboa)

18 e 19 de Abril 2016

Festival Internacional de Cinema Independente

No IndieLisboa descobre-se o melhor cinema independente. O festival acontece de 20 de abril a 1 de maio na Culturgest, que volta a ser coprodutora do festival, no Cinema São Jorge, na Cinemateca Portuguesa – Museu do Cinema e no Cinema Ideal.

indie.jpgDesde 2004 que a cidade e o público recebem o Indie de braços abertos. Doze dias para fazer mais de 250 surpreendentes descobertas – filmes portugueses e estrangeiros de todos os géneros (ficções, documentários, animações, filmes experimentais, entre longas e curtas metragens), inéditos e difíceis de encontrar noutras paragens. Este ano, redescubra Paul Verhoeven e fique a conhecer as obras completas de Vincent Macaigne e Jean-Gabriel Périot. Não esquecer que há um grande minifestival para os mais novos, o IndieJúnior, com filmes para todas as idades.

 

O IndieLisboa é também um espaço que envolve convidados e público, proporcionando inúmeras possibilidades de enriquecimento profissional e pessoal: debates, seminários, conversas, encontros, convívios, festas e concertos.

“Peregrinação Vermelha”… o livro de António Caeiro

Peregrinação Vermelha”… O longo caminho até Pequim

peregrinacao_vermelha.jpgUma história da atração portuguesa pelo maoismo e dos contactos entre Portugal e a China vermelha.

Nos últimos cinco anos, a China tornou-se um dos maiores investidores em Portugal, controlando hoje algumas das suas mais lucrativas empresas. Quem diria?!

Durante três décadas, até 1979, os dois países não tiveram relações diplomáticas, mas os contactos, secretos, clandestinos ou oficiosos, nunca foram interrompidos. Salazar e Mao Zedong até estavam de acordo num ponto: Macau não era uma colónia. Outra singularidade: Portugal foi um dos países europeus onde o comunismo chinês teve mais adeptos e parte da sua atual elite foi maoista durante a juventude.

A “Peregrinação Vermelha” é uma história dessa atração, contada por alguns dos seus protagonistas, pela primeira vez.

 

António Caeiro nasceu em 1949, em Moscavide, arredores de Lisboa. Antes de se tornar jornalista profissional, em 1975, trabalhou numa companhia de seguros, foi vendedor de jornais e rececionista de hotel. Como repórter, ao serviço da agência Lusa, viveu mais de vinte anos fora de Portugal, primeiro em Cabo Verde e depois na China. Em 2012, foi condecorado com a Comenda da Ordem do Infante D. Henrique pelo “contributo ao jornalismo e à aproximação entre Portugal e a China”.

 

Pacheco Pereira apresenta a obra na próxima quinta-feira, 21 de Abril, pelas 18h30, na Casa de Imprensa, em Lisboa

 

Ano de Edição / Impressão: 2016

Número Páginas: 200

Dimensões: 23.5 x 1.4 x 15.7 mm

ISBN: 9789722059534     

Editora: ENSAIO