Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Glam Magazine

Glam Magazine

Marafona apresentam "Está Dito" ao vivo

Editado há poucos dias, “Está Dito”, o disco de estreia da Marafona já faz furor em algumas rádios e anda a provocar o aplauso unânime da crítica musical. Agora é altura de apresentar o álbum num concerto completo onde, com a ajuda de algumas surpresas, se fará uma bela festa, farta, à portuguesa.

06_Marafona_©BS_.JPGPhoto: BS

 

Neste espectáculo, a entrada, doze marafunchos, dá ainda direito ao CD ou, em alternativa, a uma T-shirt da Marafona que inclui um código para descarregar os temas do álbum em MP3.

"Está Dito" é um disco ambivalente, que se estende entre o passado e o presente, que se afirma como uma chegada e uma partida. Antes de ouvir o disco temos de nos preparar para uma viagem singular, de canção para canção, com o desafio de desenlear da abordagem vibrante da Marafona a inspiração na raíz popular portuguesa, tomando o gosto aos pós do corridinho, da chula, do vira, da cantiga de embalar, do fado, da canção de coimbra, da mazurca, da marcha, da alvorada transmontana e da valsa. 

Em verdade, este é um disco de canções-retrato seja de personagens vilanescas, do amor Bocagiano, da Marafona de Monsanto a descobrir as faustuosas marchas de Lisboa, das histórias do dia-a-dia e do que mais inquieta. A Marafona, é um quinteto que une um coro de vozes à voz grave e intensa de Artur Serra, assim como cruza os instrumentos de cordas e percussões da tradição portuguesa como as trancanholas, o cavaquinho, a guitarra portuguesa ou a viola campaniça de Gonçalo Almeida, os bombos e o adufe de Ian Carlo Mendoza, a instrumentos mais clássicos como o contrabaixo de Cláudio Cruz e a viola de Daniel Sousa.

A premissa destes músicos é a de criar e recriar, fazer canções originais com pontos de partida mas sem atilhos, abraçar a linguagem popular e a linguagem contemporânea resultando na sonoridade que apelidam de “MP3 a válvulas”

 

Teatro Ibérico (Lisboa)

23 de Abril 2016 | 21.30h

Bispo… Apresentação de “Desde a Origem”

O rapper Bispo, da nova-escola da Linha de Sintra, e um dos principais representantes do eixo 2725, de Algueirão/Mem-Martins, lançou-se nos longas durações em finais de 2015.

bispo.jpgO disco, “Desde a Origem”, conta com um leque de produtores reconhecidos da nova escola, além do incontornável Sam The Kid, Holly, Spliff, Fumaxa, Last Hope, Solid Movement, e de STK. Às produções somam-se ainda as participações vocais de Veecious, Luara e do dealemático Maze.

Para este concerto de apresentação em Lisboa, o rapper contará com as participações de Vilão e alguns nomes surpresa…

 

Musicbox (Lisboa)

26 de Março 2016 | 23.00h

Lula Pena no Salão Brazil

Lula Pena, a incomparável e por muitos amada phadista de Lisboa, é cada vez mais um tesouro partilhado por todos os lusófonos de coração, fruto da sua fascinante abordagem à Canção popular global.

lula pena_1.jpgPhoto: Vera Marmelo

 

Considera a velocidade "uma coisa que não é humana" e que o seu trabalho “vem de dentro para fora – [o de] tentar perceber a tecnologia humana".

Em concerto, é evidente o envolvimento e partilha com o público, num ritual de descoberta da criação. Com elevado reconhecimento internacional, Lula Pena continua a apresentar e transformar o seu último disco “Troubadour” (2010), numa altura em que se encontra a trabalhar no próximo registo, com edição prevista para Maio.

 

Salão Brazil (Coimbra)

26 de Março 2016 | 22.30h

“Ma Belle”… novo single de Berg com Boss AC

Berg está de regresso com o single “Ma Belle”, que conta com a participação de Boss AC, com quem já havia trabalhado no estrondoso êxito “Princesa (Beija-me outra vez)”. O músico e compositor antecipa assim o lançamento do novo álbum, com data de edição prevista para Abril 2016.

Capa single_BERG_Ma Belle_feat Boss AC - BERG.jpgEste será o primeiro trabalho de Berg totalmente interpretado em português mas que continua a evidenciar a versatilidade vocal e o domínio de vários instrumentos deste talentoso cantor e compositor.

 

O novo registo de originais sucede ao álbum homónimo, editado em Novembro 2014, que entrou directamente para o quinto lugar do Top Nacional de Vendas e deu a conhecer os singles “Tell me” (que conquistou o primeiro lugar do iTunes português, bem como a primeira posição do Top AFP Digital de singles), “Girl” e “Somebody Hear me”, “Alice” e uma versão do emblemático tema “Chuva”.

Linda Martini disponibilizam novo álbum a partir de amanhã, em exclusivo, no spotify

Está disponível, a partir de amanhã no Spotify, o novíssimo álbum dos Linda Martini.

Este exclusivo fica assim ativo uma semana antes de "Sirumba" chegar às lojas e a todas as outras plataformas digitais. Para que sejam um dos primeiros a ouvir este novo trabalho, basta subscreverem o perfil da banda no referido serviço de streaming.

linda.jpg

Os Linda Martini acabaram de estrear o vídeo do primeiro single deste novo álbum, "Unicórnio de Sta. Engrácia". Realizado por Vasco Mendes, gravado nos estúdios HAUS, a 'casa' onde foi gravado o novo disco, o vídeo mistura a tensão da música tocada ao vivo e imagens de animais na sua voraz luta pela sobrevivência de presa e predador.

"Sirumba" será, oficialmente, apresentado ao vivo, dia 2 de Abril no Coliseu de Lisboa.

AGIR lança "Makeup" (e não só...)

Depois de mais de 50 concertos no ano de 2015, do seu último álbum “Leva-me a Sério” ter chegado a Disco de Ouro e estar há 50 semanas consecutivas no Top de vendas nacional, Agir, consagrado Best Portuguese Act da MTV e vencedor do Prémio José da Ponte da SPA, entra em 2016 a toda a velocidade.

GLAM - Agir.jpgPhoto: Paulo Homem de Melo / Arquivo

 

Makeup” é o novo single de Agir, um tema que transporta uma mensagem forte, cujo objectivo se foca em enaltecer a beleza feminina natural, mostrando que as mulheres são bonitas com e sem maquilhagem e que todos se devem sentir bem na sua própria pele.

O vídeo que acompanha o tema, acabado de estrear, conta com a presença de várias celebridades, que mostram ser igualmente “lindas sem makeup” e muitas surpresas, que só serão reveladas a quem assistir ao vídeo até ao fim.

NOS Alive’16… Vetusta Morla confirmados no palco NOS

O NOS Alive conta com mais uma confirmação de peso para dia 9 de julho. A banda de maior sucesso do rock alternativo em Espanha atua dia 9 de julho no Palco NOS, com um concerto único em Portugal. Num ano de transição, em que os Vetusta Morla realizarão apenas cinco concertos em Espanha, em junho e julho, antes de entrarem em estúdio para gravar o novo disco, a banda de Madrid não esquece os fãs portugueses e apresenta-se em Lisboa para a 10.ª edição do NOS Alive.

Vetusta Morla_foto1 ar.jpgO grupo traz à capital um espetáculo que fez história na Europa e na América do Sul e que resultou na edição do disco duplo ao vivo, “15151”, no final do ano passado. Independentes artística e comercialmente, os Vetusta Morla são uma referência do do-it-yourself e ao vivo conquistam com energia e emoção esgotando com antecedência as salas por onde passam.

Os Vetusta Morla são Pucho (voz), Juan Manuel Latorre (guitarra), Guillermo Galván (guitarra), Álvaro B. Baglietto (baixo), David García "el Indio" (bateria) e Jorge González (percussão).

 

Nomes já anunciados:

2ManyDJs (DJ Set), Agir, Arcade Fire, Biffy Clyro, Branko, Bob Moses, Calexico, Carlão, Courtney Barnett, Curadoria DJ Kamala (NBC, Sir Scratch e Bob da Range Sense, Mundo Segundo e Sam The Kid, HMB, DJ Kamala e Filipe Gonçalves, MGDRV, Da Chick, Rocky Marsiano, Meu Kamba Sound), Father John Misty, Foals, Grimes, Hot Chip, Jagwar Ma, John Grant, José González, Junior Boys, Little Scream, M83, Paus, Pixies, Radiohead, Robert Plant, SG Lewis, Tame Impala, The 1975, The Chemical Brothers, Throes & The Shine, Two Door Cinema Club, Vetusta Morla, Vintage Trouble, Wolf Alice, Years & Years e Xinobi (Live).

 

Até que a Morte Nos Separe & Outras Canções… João Só no CTE

“A Marte”, “Meu Bem”, “É para Ficar” ou “Sorte Grande” fazem ecoar o nome de João Só no mercado radiofónico nacional.

joao.jpgA autenticidade e criatividade deste cantor, compositor e produtor de 27 anos, voltam a ser refletidas no novo trabalho discográfico “Até Que A Morte Nos Separe”, título que fala do amor e da experiência do próprio João Só na relação a dois. “Vai ficar tudo bem” e “Próxima Estação” são apenas duas das “crónicas do amor” registadas por João e não demoram a fazer parte da banda sonora das nossas vidas, tal é a universalidade sentimental que as suas composições transmitem.

Na sua versão mais íntima e minimalista, João Só apresenta-se no espaço Café-Concerto do CTE para partilhar conversas de amor a voz e guitarra.

 

Café Concerto CTE (Estarreja)

24 de Março 2016 | 22.00h

Señoritas… um novo projeto musical de Mitó

Señoritas é o novo projeto de Mitó Mendes (A Naifa) e Sandra Baptista (A Naifa / Sitiados). Em 2014, com o fim d’ A Naifa, partilhando o gosto comum de ensaiar, compor e tocar juntas, nascem as Señoritas.

senoritas.jpgPhoto: Nuno Carvalho

 

Desta vontade, surgiu um conjunto de canções que giram em torno de um universo feminino e tendencialmente urbano. Com uma atmosfera densa, feminina e bem portuguesa, numa abordagem singular, canta-se a vida, mas de uma forma crua e direta.

As músicas, todas originais, são da autoria da própria banda.

Este novo projeto, minimalista do ponto de vista musical, assenta na Voz e Guitarra de Mitó Mendes e no Acordeão e Baixo elétrico de Sandra Baptista, suportadas por sets de programações que realçam a crueza e nudez da linguagem musical.

Favela Discos au Lait #27… Pega Monstro / Rudolfo+Woner / Sarnadas DJ

Pega Monstro é o duo lisboeta de rock das irmãs Maria (voz e guitarra) e Júlia Reis (bateria e voz), afiliado à Cafetra Records que ajudaram a criar e desenvolver desde 2008.

pega.jpgEm 2012 lançaram o igualmente celebrado e vilipendiado - assim costuma ser com os bravos do pelotão - homónimo longa-duração de estreia, produzido por B Fachada. O seu segundo álbum intitulado "Alfarroba" foi lançado no Verão passado pela editora londrina Upset The Rhythm em CD, vinil LP e Digital. "Alfarroba" é, da raiz da sua intenção, imaginação e materialização, um álbum magnífico e raro. Directo, simples e comovente porque subtil, complexo e excitante. Das obras, seja em que campo das artes se quiser considerar, com uma perspectiva no feminino mais forte e emocionalmente inteligível sobre maturação individual e artística na sociedade portuguesa nos dias de hoje. No final de 2015 foi-lhe atribuído o prémio 'Disco do Ano' pela revista Time Out, e teve presença em diversas listas de melhores do ano como a do jornal Expresso ou da revista Blitz.

Ao vivo têm tocado o mais possível por todo o país nos últimos anos, desde primeiras partes para os Ariel Pink, Haunted Graffiti ou para os Jon Spencer Blues Explosion em Lisboa, a concertos em festivais como o Barreiro Rocks, NOS Em D'Bandada ou Milhões de Festa. Fora de portas destacam-se a generosa tour ibérica com os Iguanas e Éme, e a gloriosa digressão pelo Reino Unido em Agosto último..

 

Café au Lait (Porto)

24 de Março 2016 | 23.00h

E do Brasil chegam os Eixo 4…

Os Eixo 4 acabam de lançar “Novo Dia”, primeiro avanço de “Deriva Absoluto”, o novo EP da banda de Salvador, Brasil, que irá chegar ao mercado ainda durante o segundo trimestre deste ano. Distribuído com o selo da Music In My Soul, este registo comprova-os como uma das bandas de rock alternativo mais interessantes da atualidade, prometendo ser o primeiro dos passos para a tão aguardada ascensão da banda tanto no Brasil como em Portugal.

Eixo 4_promo.jpgPhoto: Promo

 

A vontade de fazer música, criar ambiências, mexer com as notas musicais e suas nuances claras, escuras, depressivas ou alegres. Era este o objetivo de José Luiz até meados de 2011, quando resolveu juntamente com o seu primo Juca Bahiense que aquele projeto sempre paralelo, sempre deixado para segundo plano, chamado Eixo 4, não se deveria mais apresentar dessa forma. José sempre foi amador, aprendeu tudo o que sabe tocando durante vários anos na igreja. Inclusivé a importância de respeitar o seu público. Juca foi mais longe. Cantor e multi-instrumentista desde sempre, especializou-se na área e acabou por se tornar também uma referência de peso teórico na banda.

 

Pode dizer-se que tudo começou numa tarde quente de junho, num estúdio com cheiro a mofo e inconfundíveis paredes negras. Naquela tarde, os demais integrantes do “projeto musical paralelo” não vieram. Como já havia acontecido algumas vezes, descobriram qualquer coisa mais interessante para fazer. Então os primos, ao invés de simplesmente se irem embora chateados, resolveram fazer o ensaio apenas como duo. E foi assim naquela tarde, naquela sessão em dupla de guitarra-voz-bateria, cheia de improvisos e de energia, que eles se aperceberam que podiam criar o que quisessem, e tocar da forma que quisessem. E nada seria mais importante do que isso. Meses depois, livres de outros compromissos musicais e já com ideias prontas, decidiram finalmente dar seguimento ao que haviam começado. Agora era preciso pensar em formas de transmitir isso aos demais, e não precisavam apenas de músicos bons, mas de pessoas com vontade de criar, pois seriam elas que se deveriam adaptar às canções e os músicos que executassem aquelas canções deveriam fazê-lo como se fizessem parte dela. E só mesmo amigos de longa data para captarem certos tipos de ideias, e principalmente, acreditarem nelas. Esse foi o início da identidade dos Eixo 4.

Juca recrutou Ítalo, que foi seu colega de escola, e Luiz convidou Leandro, com quem já havia tocado em inúmeras bandas. Assim, decidiram não se focar apenas num género de rock, mas trazer à tona elementos que estavam escondidos nas suas mentes, influências conscientes e inconscientes. Tempo em que misturaram melodias antigas com novas, melhoraram pormenores, derrubaram preconceitos – havia chegado, por fim, o momento de  colocar toda a carga emocional original da conceção. Assim, durante o carnaval do ano seguinte, gravaram a faixa “Dementize demo” apenas numa tarde. Estava tudo ali. Sem pudores, uma referência ácida ao mórbido desejo de autopromoção a qualquer custo. A internet, a TV, os tabloides... Não tardou a surgir a primeira proposta de atuação ao vivo. O que não aconteceu na sua cidade natal, num qualquer pub apertado e sem outro espetadores que não o barman e o técnico de som. Sem um EP cá fora e com pouco mais de uma mão cheia de gravações caseiras, foram selecionados para participar no FINCA/UNB, um dos maiores festivais de música do país, concorrendo com a canção “Sei Bem Quem Você É”. Com mais contatos e confiança, resolveram gravar o primeiro EP, intitulado “Todos os caminhos levam ao mesmo abismo” ou simplesmente “Eixo 4 #1”.

 

No final de 2015 assinam um contrato com a Music In My Soul Portugal para a edição do seu novo EP “Deriva Absoluto”, que irá chegar às lojas no início do segundo trimestre do ano.

Skye & Ross trazem os Morcheeba ao NOS Summer Opening

Skye Edwards, cantora e compositora, e Ross Godfrey, guitarrista, compositor e produtor, para gáudio da enorme legião de fãs dos Morcheeba assinam um dos mais aguardados regressos de 2016. O novo álbum é editado na primavera exibindo a fusão característica de influências do trip hop, blues e downtempo soul.

SKYEROSS_070.jpgPara aguçar a curiosidade, no passado dia 3 de março ficou disponível no facebook um preview para escuta do primeiro single "Light of Gold”. A carismática Skye reaparece com uma das vozes mais reconhecíveis do planeta, ouvir o seu timbre suave e natural complementado pela guitarra psicadélica de Ross é uma viagem auditiva absolutamente mágica e pincelada de nostalgia.

 

Após várias transformações, surge assim o renascer da banda que marcou uma geração com temas como “Rome wasn’t built in a day”, "Otherwise” ou “The Sea”, ou com o álbum “Big Calm” que vendeu milhões de cópias sendo um dos mais aclamados na transição do novo milénio.

 

Com a assinatura "Skye & Ross from Morcheeba” nasce também uma digressão que tem na Madeira um dos primeiros palcos confirmados. No dia 22 de julho vão ecoar os grandes êxitos do passado e os primeiros suspiros do futuro, temos o privilégio de fazer parte desta viagem, para sentir e arrepiar...