Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Glam Magazine

Glam Magazine

Manuel Göttsching toca E2-E4 no 30º aniversario da RUC

No seu trigésimo aniversário, a Rádio Universidade de Coimbra convida Manuel Göttsching para revisitar na íntegra aquela que é considerada uma das obras-primas da eletrónica, “E2-E4”.

Trinta e cinco anos depois da sua gravação, o mentor dos projetos Ashra e Ash Ra Tempel promete, em suite de 58 minutos, uma viagem pelo krautrock proporcionada por este disco revolucionário na história da música.

ruc.jpg(DR)

 

No Teatro Académico de Gil Vicente, em estreia exclusiva em Portugal e integrado no programa da 18ª Semana Cultural da Universidade de Coimbra, Manuel Göttsching toca “E2-E4”. A primeira parte do concerto está a cargo do novo projeto de Luís Fernandes (aka Astroboy), Landforms.

As festividades prosseguem com uma after-party no Clube de Memórias.

 

Teatro Académico de Gil Vicente (Coimbra)

4 de Março 2016 | 21.30h

Nega Jaci… O Carnaval no Salão Brazil

Natural de Salvador, Bahia, Nega Jaci é uma talentosa cantora brasileira que já realizou concertos em países como Brasil, Portugal, Inglaterra, Dinamarca, Itália e França. No espetáculo “Nega canta Chico e Elis”, Jaci interpreta as mais belas canções de dois ícones da Música Popular Brasileira. No seu currículo conta com participações em bandas como Sucata Mania e Percucia e a realização do CD Toque Bahia, disco com influências da música tradicional africana, ritmos afro-brasileiros e norte-americanos.

nega.jpg(DR)

 

O timbre da voz de Nega Jaci, bem como o seu carisma, despertaram a atenção da ilustre cantora Margareth Menezes, dando os seus préstimos vocais em dois discos desta última.

 

Salão Brazil (Coimbra)

8 de fevereiro 2016 | 22.00h

Prémio internacional para a Viagem Medieval..

A Fundación Moros d’Alqueria (Comunidade Valenciana, Espanha) anunciou hoje a Viagem Medieval em Terra de Santa Maria como vencedora do Premio Ciudad de Castellón, que distingue anualmente um evento de reconhecido prestígio internacional. O prémio, que resultou de uma nomeação por parte das entidades promotoras e não de um processo de candidatura do evento, surpreendeu a organização da Viagem Medieval.

VM01.jpg(C) 2015 Paulo Homem de Melo

 

Santa Maria da Feira está de parabéns. O reconhecimento internacional de um evento que faz parte do ADN feirense e que envolve toda comunidade tem de ser partilhado e celebrado com todos, como forma de agradecimento pelo saber-fazer, dedicação e espírito de entrega que tão bem caracterizam a Viagem Medieval”, sublinha Emídio Sousa, presidente da Câmara Municipal de Santa Maria da Feira.

 

O Premio Ciudad de Castellón, concedido pela Fundação Moros d’Alqueria e pelo município de Castellón, tem vindo a distinguir, anualmente, eventos de reconhecido prestígio internacional, como o Carnaval de Veneza, o mais antigo e icónico do mundo; o Oktoberfest de Munique, uma das festas mais populares do mundo; o Carnaval de Barraquilla, Colômbia, um dos mais populares da América Latina; as Sanfermines de Pamplona, as mais conhecidas festas espanholas a nível internacional; as Fiestas de Moros Y Cristianos de Alcoi, Valência, declaradas Interesse Turístico Internacional em 1980; e o Carnaval de Nice, a maior manifestação de inverno de toda a Costa Azul francesa.

VM02.jpg

(C) 2015 Paulo Homem de Melo

 

 

“A atribuição deste prémio internacional, precisamente no ano em que a Viagem Medieval celebra 20 edições, reforça o nosso orgulho e identidade, mas também a nossa responsabilidade em manter a qualificação e a excelência deste projeto”, vinca o presidente Emídio Sousa, recordando os sete prémios arrecadados pelo evento nos últimos oito anos, em território nacional.

 

“Não temos dúvidas de que ao projetarmos os nossos eventos além-fronteiras estamos a contribuir para promoção internacional do destino Santa Maria da Feira e Norte de Portugal”, considera o autarca, que há muito vem defendendo a internacionalização dos grandes eventos do território, em particular da Viagem Medieval.

Portugal é um destino cada vez mais presente na rota do turismo internacional e os nossos eventos de referência são reconhecidos como grandes acontecimentos nacionais, por isso reunimos condições ímpares para a internacionalização dos nossos produtos culturais”, reforça o responsável máximo do Município de Santa Maria da Feira.

VM03.jpg(C) 2015 Paulo Homem de Melo

 

Viagem única pela Idade Média… passaporte para uma viagem única pelas vivências da Idade Média, a Viagem Medieval proporciona uma completa aula de história viva, onde os visitantes também podem ser atores nos grandes momentos de animação e recriação. Cruzando história, património, animação e gastronomia, a Viagem Medieval oferece produtos turísticos inovadores, como o Bilhete Experiência, que proporciona experiências exclusivas a quem quer viver o evento de forma mais intensa e sensorial. Realizado em pleno verão, o maior evento de recriação medieval da Europa estende-se por 12 dias consecutivos, no centro histórico de Santa Maria da Feira. Em 2015, o evento registou mais de 600 mil visitas.

 

A Viagem Medieval é organizada pela Câmara Municipal de Santa Maria da Feira, empresa municipal Feira Viva e Federação das Coletividades de Cultura e Recreio do Concelho. Em 2016, o centro histórico de Santa Maria da Feira recua aos séculos XIII-XIV, com a recriação de episódios do reinado de D. Dinis.

“Pussy’s dead”.. novo álbum dos Autolux editado a 1 de Abril (Nos Primavera Sound 2016)

Pussy’s dead” é o nome do novo álbum do enigmático trio de Los Angeles, Autolux, que tem edição agendada para 1 de Abril e será apresentado ao vivo em Portugal no Nos Primavera Sound 2016 (9 a 11 de Junho), no Porto.

autolux-pussys-dead.pngProduzido por Boots, com artwork pelo artista australiano Anthony Lister, o novo registo dos Autolux será lançado com o selo da eclética nova label de Danger Mouse 30th Century Records e inclui os singles “Soft Scene” e “Change My Head”, cujo vídeo foi realizado pelo animador de Los Angeles Thomas McMahan.

 

Alinhamento do album:

Selectallcopy

Soft Scene

Hamster Suite

Junk For Code

Anonymous

Brainwasher

Listen To The Order

Reappearing

Change My Head

Becker

Rihanna faz sucesso com álbum surpresa, "Anti"

Para surpresa de todos, na passada madrugada de 28 de Janeiro, Rihanna revelou ao mundo o seu muito aguardado novo álbum de estúdio, "Anti", quase quatro anos depois do seu último disco, "Unapologetic", disponibilizando-o de forma gratuita na plataforma de streaming Tidal. Entretanto o álbum já se encontra disponível nas lojas digitais e vai estar disponível no restante mercado esta sexta-feira, dia 5 de fevereiro.

picture.jpg"Anti" foi lançado poucos dias depois de ter sido revelado o primeiro cartão-de-visita deste que é o oitavo álbum de estúdio da cantora, "Work", que conta com a participação de Drake. Além do rapper canadiano, Rihanna colaborou ainda com uma mão cheia de outros nomes sonantes, como o produtor Timbaland (que trabalhou consigo no tema "Yeah I Said It"), The Weeknd, The-Dream e Travis Scott (na canção "Woo") ou a cantora de r&b SZA (no tema de abertura, "Consideration"). O disco conta ainda com uma surpresa da cantora, nomeadamente uma versão de "Same Ol’ Mistakes", do grupo australiano Tame Impala.

"Anti" reflecte também uma viragem no percurso de Rihanna, o que já mereceu vários elogios por parte da crítica especializada. A revista "Time" escreveu que este álbum é "um trabalho de uma subtileza inesperada de uma artista que raramente foi associada com essa palavra".

"Work", o primeiro single deste "Anti" está a fazer sucesso no mercado norte-americano, tendo alcançado o nono lugar do top Billboard Hot 100 e o primeiro lugar da tabela de canções vendidas em lojas digitais. Já "Anti" entrou diretamente para o 27.º lugar do top Billboard 200.

Lastro… de Né Barros na Casa das Artes

Sob um céu estranho os corpos vão ocupando um lugar e gerando a sua rotina e as suas ligações. Os movimentos dos corpos juntamente com o dispositivo cénico criam o lugar teatral, um lugar subjetivo, em mudança, um lugar que é feito de memória. É essa memória que se persiste depois da catástrofe, as coisas mudaram e ficou apenas uma memória alastrada. Neste lugar, os corpos realizam dois ciclos em quase repetição, repetem para resistir ao final que se imagina e para que algo perdure. O apagamento final é o alastrar de uma catástrofe é sob este estado que este lugar teatral é zona de perigo e espaço de abandono.

lastro.jpg(C) José Caldeira

 

Simultaneamente previsível e imprevisível, o lastro é também o peso que afunda os corpos e, neste caso, que os assombra. O céu pode cair e seria a última coisa que poderíamos prever. Como num sem-saída, não se progride, a coreografia é uma marcha num continuum infinito, não levará a lado algum.

Né Barros

 

Direção e Coreografia - Né Barros

Música - Gustavo Costa

Cenografia - Cristina Mateus

Interpretação - André Mendes, Bruno Senune, Camila Neves, Elisabete Magalhães, Flávio Rodrigues, Joana Castro, Pedro Rosa, Sónia Cunha, Afonso Cunha e Katycilanne Reis (estagiários)

Interpretação Musical - Angélica Vasquez (Harpa) e Cristina Mateus (Bombo)

Desenho de luz - José Álvaro Correia

Maquinista - Filipe Silva

Produção - Tiago Oliveira

Coprodução - Balleteatro, Culturgest, Teatro Municipal Rivoli

 

Casa das Artes (Famalicão)

6 de Fevereiro 2016 | 21.30h

Um Ao Molhe / Festival Itinerante… O Manipulador + Coelho Radioactivo + Ana Deus

A festa de abertura do Um Ao Molhe / Festival Itinerante de One-Man-Bands com O Manipulador + Coelho Radioactivo + Ana Deus, acontece já esta sexta feira, 5 de Fevereiro no Teatro Diogo Bernardes em Ponte de Lima.

um ao molhe (Small).pngAna Deus… Nasceu em Santarém, vive no Porto, trabalha onde conseguir. Canta desde sempre. Depois de ter feito parte da banda pop Ban, desde 1988, e de em 1993 ter iniciado com Regina Guimarães os Três Tristes Tigres em 2010 volta á carga das canções com Alexandre Soares no projecto Osso Vaidoso. Em 2015 começa com Nicolas Tricot o projeto Bruta, com poesia de autores outsiders. Também fez canções para teatro e cinema.

 

Coelho Radioactivo… Já três anos findaram desde que João Sousa nos prendou com Estendal. Hoje, o Coelho Radioactivo veste-se de maneira diferente, fala de outra coisa, a voz é a mesma, mas os adjectivos mudaram. Qual trovador de moliceiro aos pés, aprendeu a rir-se das lágrimas que são a ria que Aveiro chora. “Sangue” é convite a fazerem o mesmo. Vão encontrar um Coelho velho de 22 anos. um João maturo com uma pedra atrás das costas. “Vai haver sangue”.

 

O Manipulador… Membro hiperactivo na música portuguesa desde o início dos anos 00, Manuel Molarinho tem percorrido mundo em apresentação de uma panóplia de linguagens musicais que reflectem a sua ligação umbilical a mais de uma dezena de bandas e projectos ao longo dos anos. Mas foi na pele d’O Manipulador que derreteu os nossos corações. Embora uma one-man-band assumida, O Manipulador é muito mais que isso. Qual Hidra mitológica, os pedais, os loops e uma abordagem aventureira das quatro cordas desdobram-se (e multiplicam-se) em canções pegajosas e memoráveis. Neste universo em expansão, há ecos de Om ao lado dos Sonic Youth, laivos de punk do século passado pintados com o negro aveludado dos Morphine e dos Tindersticks. Acima de tudo, é notória uma confluência de estéticas que só a solidão d’O Manipulador permite conjugar.

Em palco, onde todas estas referências ganham vida e corpo, O Manipulador faz-se acompanhar sempre que possível do artista visual Eduardo Cunha. À música, junta-se uma componente imagética tantalizante e pouco habitual, que ajuda a transformar a música d’ O Manipulador numa viagem sensorial

 

Teatro Diogo Bernardes (Ponte de Lima)

5 de Fevereiro 2016 | 21.30h

Regula, o Toni do Rock é a nova confirmação no Sumol Summer Fest

Regula, um dos nomes em maior ascensão no panorama musical português, junta-se a Azealia Banks, Tinie Tempah, Madcon, Elliphant, Gabriel o Pensador e Jimmy P que compõem o cartaz do Sumol Summer Fest 2016. A rua é o ponto de partida de Regula para rimas cortantes e contemporâneas. O rapper lançou o álbum "Gancho" em 2013, pela editora Superbad Records e o reconhecimento público veio com o tema "Casanova" que conta com mais de 3.5 milhões de visualizações no Youtube.

regula.jpg

Após o lançamento de “Gancho”, Regula colaborou com outros artistas em temas de sucesso como "Solteiro", uma colaboração com Orelha Negra e Sam The Kid, com mais de 6 milhões de visualizações no Youtube e com Blaya em "Mêmo a Veres", tema que ultrapassa os 5 milhões de visualizações.

O projeto 5-30 que reúne Regula, Carlão (Da Weasel) e Fred Ferreira (Orelha Negra) é outro momento marcante da carreira do rapper lisboeta. Singles como "Chegou a hora" e "Vício" rapidamente tiveram grande difusão e marcaram a cultura hip-hop portuguesa no ano de 2014. Em 2015 surge um novo álbum em nome próprio, "Casca Grossa" que, mais uma vez, veio conquistar o público português.

PJ Harvey, Sigur Rós, Brian Wilson, Beach House, Animal Collective, Explosions In The Sky e Dinosaur Jr. consagram o Cartaz Nos Primavera Sound 2016

O NOS Primavera Sound acaba de dar a conhecer o cartaz completo da sua quinta edição. Depois de anunciar a presença do duo francês Air, autores de trabalhos notáveis como “Moon Safari” ou a banda sonora de “As Virgens Suicidas”, o festival revela os nomes que vão passar, de 9 a 11 de Junho, pelo Parque da Cidade, no Porto.

555.pngEntre os artistas confirmados, sobressaem o ícone do rock PJ Harvey e o rock sonhador e experimental dos islandeses Sigur Rós, além de Brian Wilson num concerto especial de “Pet Sounds”, obra máxima do pop do século XX. A estes, juntam-se nomes chave para compreender a música mais actual: o dream pop dos americanos Beach House, o regresso ao pop dos Animal Collective, o post rock dos Explosions In The Sky, a apresentação do novo álbum do supergrupo alemão Moderat, os Deerhunter liderados por Bradford Cox, o rolo compressor de rock de Ty Segall and The Muggers ou Julia Holter, autora de um dos álbuns mais marcantes de 2015.

 

Como é habitual, o festival guarda também espaço para propostas nascidas na década de noventa. O regresso aos palcos da mítica banda de hardcore Drive Like Jehu, os sempre em forma Dinosaur Jr., o rock instrumental e sem amarras de Tortoise, a descarga eléctrica de Mudhoney, o noise metal dos lendários Unsane, os pioneiros do out rock Loop ou o seguro de vida em directo que são os Shellac estão entre os destaques do NOS Primavera Sound 2016.

 

Pelo Parque da Cidade vão igualmente passar propostas de grande actualidade. O hip hop de um dos mcs do momento, Freddie Gibbs, o rock batalhador de Savages, o synthpop dos pujantes Chairlift, as odes etílicas de Titus Andronicus, Dan Bejar a bordo de Destroyer para mostrar o recente “Poison Season”, o baile emotivo de Kiasmos, a banda de culto da música portuguesa Linda Martini, os aromas pós punk de Parquet Courts, a experimentação de Holly Herndon, ou a electrónica tingida de jazz de Floating Points são alguns dos nomes mais em voga desta edição.

 

A extensa lista não acaba por aqui e continua a exibir nomes recheados de conteúdo e qualidade: o pop visto de diferentes prismas pelos Wild Nothing, Car Seat Headrest, Roosevelt, Autolux, Empress Of ou Manel, as guitarras de Protomartyr, Royal Headache, Neil Michael Hagerty & the Howling Hex ou Algiers, os djs Fort Romeau e The Black Madonna, o electropop experimental dos Sensible Soccers, o alter ego electrónico de João Vieira com o projecto White Haus, a simplicidade requintada de Cass McCombs, o kraut rock dos BEAK>, a psicadélica de Bardo Pond ou os sons obscuros de Mueran Humanos completam um cartaz amplo e diversificado.