Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Glam Magazine

Glam Magazine

Diana Martinez & The Crib… novo single “Reverie”

Depois de em 2015 dar a conhecer o single de apresentação “That’s Just How We Do It”, um dos temas nacionais mais rodados em 2015, Diana Martinez & The Crib apresentam “Reverie”, o segundo tema a ser incluído no primeiro álbum da banda.

Diana Martinez & The Crib_reverie_capa single - DIDiana Martinez participou recentemente na nova versão do tema “We Are The Ones”, dos We Trust (música da autoria de André Tentúgal), single que também roda intensamente nas rádios nacionais.

Para 2016, estão já confirmados vários espectáculos de Diana Martinez & The Crib, entre os quais a estreia a solo na Casa da Música (Porto) e no Centro Cultural Olga Cadaval (Sintra). Estão também já confirmados alguns dos mais relevantes festivais de verão portugueses, cujas datas serão divulgadas brevemente.

 

3 de Março 2016 - Salão Brazil (Coimbra)

4 de Março 2016 - CC Olga Cadaval (Sintra)

16 de Março 2016 - Casa da Música (Porto)

Joana Amendoeira apresenta "Muito Depois " em Lamego e Vila Real

Joana Amendoeira vai estar no dia 5 de Fevereiro em Vila Real e no dia 6 de Fevereiro em Lamego para apresentar o seu novo disco, “Muito Depois”, que marca o regresso da fadista aos álbuns de originais. Este trabalho, que conta com o apoio da Associação Mutualista Montepio, reflecte mais de 20 anos de fado inclui temas de diversos autores, letristas e compositores da actualidade. Neste disco destacam-se nomes como Tiago Torres da Silva, Joaquim Pessoa, Vasco Graça Moura, António Quintino e Pedro Amendoeira, ou fados tradicionais de Amadeu Ramin, Fernando P. Coelho e Acácio Lopes.

untitled.jpgCom produção do poeta Tiago Torres da Silva, ”Muito Depois” foi enriquecido com diferentes matizes dos convidados especiais; Pedro Jóia na guitarra, Filipe Raposo no piano, e a voz incontornável de Paulo de Carvalho, com quem Joana Amendoeira gravou o primeiro dueto da sua carreira.

A estes convidados junta-se o núcleo de músicos da fadista, composto por, Pedro Amendoeira na guitarra portuguesa, Rogério Ferreira na viola de fado, e António Quintino no contrabaixo que nos próximos dias 5 e 6 de Fevereiro acompanham Joana Amendoeira em Vila Real e Lamego.

 

Zona Livre (Vila Real)

5 de fevereiro 2016 | 21.30h

 

Teatro Ribeiro Conceição (Lamego)

6 de fevereiro 2016 | 21.30h

 

Ivo Soares lança single de estreia… "For a Little While"

Ivo Soares é ex-concorrente do programa da SIC Factor X e estreia-se agora a solo com o seu novo single “For a Little While”. Este tema é o primeiro, de uma série de singles que o músico irá lançar durante este ano, que promete agitar as playlists das principais rádios nacionais.

Ivo Soares.jpgIvo Soares nasceu a 6 de Junho de 1995, em Lisboa. Atualmente é estudante da Universidade Lusíada no curso de Jazz e Música Moderna. Cantor, compositor e pianista, Ivo Soares, cresceu rodeado por arte. O seu pai é Zé Soares, guitarrista de Jazz, e a mãe São Nunes, performer e artista plástica, influenciaram-no desde muito pequeno, tendo vindo a demonstrar um talento especial para a música. Em 2010 foi finalista do programa da SIC “Portugal Tem Talento”. Em 2011 foi selecionado para integrar a Big Band Júnior Hot Clube/CCB, como cantor. Ao longo da sua carreira tem tocado com grandes nomes do panorama musical português como Mário Laginha, Carlos Bica, Bárbara Lagido e Mário Delgado. Tem, neste âmbito, pisado vários palcos como Centro Cultural de Bélem, Hot Clube, Duetos da Sé, Teatro S. João (Palmela), “Festival de Jazz de Palmela” e “Abril Jazz Mil”.

Elogiado pelo músico Mário Delgado como “profissional” e pelo maestro e músico Claus Nymark como um “talento de voz”, gravou em 2011 um single com Flip de Riviera e Deepblue, sendo o criador da letra e melodia. Em 2012 ganhou o concurso da MTV e cantou com a Áurea no Meo Like Music. Também teve grandes prestações no programa da SIC ‘Factor X’, em 2013.

 

Ivo Soares escreve, produz e toca as suas músicas indo buscar influências ao R&B, Hip Hop, Jazz, Soul e Gospel. O seu objetivo é inspirar as pessoas, de forma a identificarem-se com as suas músicas, falando das suas paixões, dos seus desgostos de amor, inseguranças, medos e também sucessos. As músicas de Ivo Soares são o espelho da sua alma e 2016 promete ser o ano da afirmação das suas canções que começam a conquistar público de norte a sul do país.

 

“Final do Amor” de Pascal Rambert

“Num palco quase vazio, um homem e uma mulher confrontam-se num diálogo que é na verdade dois monólogos, e isso através de palavras-soco, que batem forte, machucam, deixam vestígios. As perguntas/respostas sucedem-se, a respiração bloqueia-se, torna-se uma espécie de abismo entre o medo e a libertação, entre o alívio e o choque. É uma experiência que o público vive como se olhasse pelo buraco da fechadura. Num texto que soa como uma arma de fogo, assistimos, impotentes, às deflagrações. Tal como as personagens, estamos "sentados em cima de um vulcão", com medo da erupção iminente. O masculino e o feminino enfrentam-se: dois olhares, duas linguagens para exprimir a violência de um amor que acaba. Último round.” (Victor de Oliveira)

finaldoamor@2x.png(c) Edgar de Oliveira e Marta Angelozzi

 

Dramaturgo, encenador, realizador e coreógrafo, Pascal Rambert é diretor do Théâtre de Gennevilliers. Final do Amor é uma peça premiada que estreou em Avignon em 2011 e que Rambert encenou já em várias línguas e cidades, de Roma a Nova Iorque, de Osaka a Barcelona. Nascido em Moçambique, Victor de Oliveira fez o curso de atores do Instituto Franco-Português e mudou-se para Paris em 1994, trabalhando com encenadores como Wajdi Mouawad e Stanislas Nordey. Em Portugal apresentou Magnificat (Festival de Almada, 2000) e Na Solidão dos Campos de Algodão de Koltès (enc. Philip Boulay, Culturgest / Festival de Almada, 2006).

 

Texto: Pascal Rambert (Clôture de l'amour, 2011)

Tradução e encenação: Victor de Oliveira

Com: Gracinda Nave e Victor de Oliveira

Música: Vítor Rua

Cenografia e desenho de luz: Michel Gueldry

Figurinos e assistência de encenação: Cláudia Lopes Costa

Coprodução: Culturgest e Roundabout.lx-Candela Varas

 

Culturgest – Pequeno Auditório (Lisboa)

2 a 6 de Fevereiro 2016 | 21.30h

As sonoridades boogie de SaiR...

Chama-se SaiR e é um projeto de Ruben Allen.

Um projeto dançavel made in Portugal que orbita no universo funk, funk-moderno / nu-funk, como o próprio o define, mas com traços de algum boogie à mistura, bem ao ritmo dos finais da década de 70…

sair.jpgCavaliers of Fun e PZ são alguns dos artistas que já foram “remixados” por SaiR, que conta já com um EP e um álbum editados por uma editora do Canadá. SaiR prepara-se para editar o seu EP em vinil, inicialmente no mercado norte-americano, mas podemos crer que o vamos ter em Portugal, provavelmente em Março ou Abril.

 

Ana Moura… Novo disco é editado internacionalmente em Fevereiro

"Moura", o mais recente álbum de Ana Moura, será editado internacionalmente através da Universal Music no próximo mês de fevereiro. França será o primeiro território a lançar o álbum, o qual chegará às lojas no dia 5 de fevereiro, a tempo do concerto que a fadista dará no mítico Olympia, em Paris, no dia 19 de fevereiro, praticamente esgotado.

picture3.jpgA partir de 26 de fevereiro, seguir-se-ão todos os outros territórios, em muitos dos quais já se encontram anunciados concertos como parte da digressão mundial de "Moura". Ana Moura segue de Paris para dois concertos no Luxemburgo, o primeiro dos quais já esgotado. Passa ainda pela Alemanha, Suíça, Áustria, Reino Unido, Roménia e Estados Unidos, tendo concertos marcados em cidades como Boston e Nova Iorque, onde atua no Carnegie Hall.

"Moura" foi editado em Portugal a 27 de novembro e ultrapassou, em apenas 15 dias, a fasquia de Galardão de Platina. Este será o segundo álbum de Ana Moura editado internacionalmente pela Universal Music, sucedendo a "Desfado", o qual vendeu cerca de 40 mil unidades sem contar com o território português.

Vintage Trouble… mais um nome para o NOS Alive ‘16

10.ª edição do NOS Alive conta com mais uma novidade para o primeiro dia do festival. Os norte-americanos Vintage Trouble sobem ao Palco Heineken dia 7 de julho para apresentarem em primeira mão o mais recente álbum de originais, “1 Hopeful Rd.”, editado em agosto de 2015.

Vintage_Trouble_Setup_11_1455_v1.jpeg(DR)

 

Ao longo dos últimos anos os Vintage Trouble têm deixado muitos de boca aberta por terem sido escolhidos para acompanharem digressões de algumas das bandas mais reconhecidas de todos os tempos. Os AC/DC e os The Who gostam tanto do quarteto que os convidaram a fazerem parte das suas últimas digressões. Já os The Rolling Stones convidaram o grupo a partilhar o palco no concerto realizado no Hyde Park em Londres, em 2013.  “1 Hopeful Rd.”, o terceiro disco de estúdio da banda de Los Angeles, foi produzido pela editora Blue Note, com o vencedor de três Grammy Awards Don Was aos comandos. Vintage Trouble são Ty Taylor na voz, Nalle Colt na guitarra, Rick Barrio Dill no baixo e Richard Danielson na bateria.

 

Nomes já anunciados:

Arcade Fire, Courtney Barnett, Father John Misty, Foals, Hot Chip, Jagwar Ma, John Grant, José González, M83, Paus, Pixies, Radiohead, Robert Plant, Tame Impala, The 1975, The Chemical Brothers, Vintage Trouble, Wolf Alice e Years & Years.

 

“Pillowtalk”, provocante e sugestivo single de estreia de Zayn

Pillowtalk”, o sugestivo single de estreia e respectivo vídeo de Zayn, estão disponíveis hoje, 29 de Janeiro 2016. O vídeo do tema “Pillowtalk” inclui Zayn e a modelo Gigi Hadid e foi realizado pelo cineasta multi-premiado Bouha Kazmi.

ZAYN_PILLOWTALK_Cvr single - ZAYN.jpegPillowtalk” é o primeiro single do muito antecipado álbum de estreia de Zayn, intitulado “Mind of Mine”, que irá estar disponível a 25 de Março pela RCA Records. O lançamento de “Mind of Mine” surge um ano após a decisão de Zayn de seguir uma carreira a solo e focar-se no capítulo seguinte da sua evolução musical. "Quando ouvirem o disco, acho que vão-me entender um pouco mais”, revelou recentemente o artista à revista FADER. “Durante 10 anos, este álbum esteve na minha cabeça e ficou ali, comigo, à espera de sair".

Ao trabalhar com Zayn no seu álbum de estreia, o célebre produtor Malay (que já trabalhou com Frank Ocean) descreveu o artista como “puro génio. Um verdadeiro artista. Uma estrela com um coração genuíno”. Zayn recebeu recentemente muita atenção com a sua capa para a revista Billboard, a qual afirmou: “a avaliar pela sua música, vai certamente impressionar os maiores geeks da música da actualidade que se preocupam menos com guitarras e mais com quem domina a arte das batidas e ambientes”.