Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Glam Magazine

Glam Magazine

“Silence”… The Acoustic Foundation com novo single….

Os The Acoustic Foundation acabam de lançar o seu novo single, “Silence”, mais um avanço do álbum de estreia, “Big Sculpture”, a ser editado já em 2016. Este novo tema foi gravado e produzido com Vítor Neves no 100-offrecords studio e masterizado por Mário Barreiros.

taf.jpgO videoclip para o tema “Silence” foi realizado por Bruno Correia.

 

Este é o segundo single da banda, que viu o tema de estreia, “Dance”, ser aposta de várias rádios e canais televisivos nacionais. Os The Acoustic Foundation são constituidos por Marta Oliveira (voz), David Eusébio (guitarra), Francisco Seabra (teclas), Milton Guedes (sax/clarinete), Ana Teixeira (flauta transversal), Mário Sousa (trombone), Bino Ribeiro (harmónica/percussão), Daniela Lage Silva (backing-vocals), Maria Lourenço (backing-vocals), Ricardo Fidalgo (baixo) e Gonçalo Salta (bateria)

MACHA…. culto, magia e sublimação.

O momento único e irrepetível do espetáculo, que só o é por ser partilhado com um público, não se trata apenas de um cliché teórico dos estudos de performance. É justamente o único radical comum a qualquer acontecimento performativo que interessa preservar e re-trabalhar. Nesse sentido, propõe-se aqui um regresso às origens, uma re-elaboração ritualística do espetáculo (inequivocamente efémero) trazido para a contemporaneidade, num processo de desvelamento ao mesmo tempo antropológico e mitológico de ações e de gestos que dão forma à nossa cultura mais ancestral (pré-romana e pré-cristã).

mancha.jpg(c) 2015 Vitor D.Rosário

 

Regressamos a MACHA, uma importante figura da mitologia celta, divindade protetora dos mortos, deusa da fertilidade e da abundância, para com ela reconciliarmos o ar do tempo com o misticismo por ele recalcado, exaltando forças telúricas, eminentemente femininas, que sempre enformaram a nossa relação com o “mundo” (leia-se: a nossa mundo-visão). MACHA, o espetáculo, será um ritual cósmico, uma romaria experimental, uma viagem trans-dimensional movida por forças do sublime, do oculto e do inconsciente coletivo. O público, parte integrante de uma qualquer tribo pagã, será testemunha de um culto primordial, ao mesmo tempo contemplando e agindo. No espaço de ação estarão também dois Xamãs, uma Entidade e um Druida, ativados por um Canal propiciatório, ao mesmo tempo abstrato e simbólico, concreto e enunciativo. À imoralidade desse gesto contemporâneo de refazer a História, re-começando (“de novo”) ou despertando (“outra vez”), MACHA confrontará o natural observável com o saber oculto, criando um espaço de tensão onde a Dança™, em vez de disciplina, será culto, magia e sublimação.

 

Uma criação: Ballet Contemporâneo do Norte

Ideia, coreografia e direcção artística: Mariana Tengner Barros

Co-criação e interpretação: Susana Otero

Co-criação, música original e interpretação: PandemiCK (a.k.a. Jonny Kadaver)

Desenho e operação de luz: Daniel Oliveira

Figurino de Susana Otero: António MV

Texto: Rogério Nuno Costa

Fotografia e vídeo: Victor D. Rosário com Nuno Antunes

Acompanhadora e make-up: Sade Risku

Co-Produção: A Bela Associação

Produção: Manuel Poças

Produção Executiva: Inês Nogueira

 

Cineteatro António Lamoso (Santa Maria da Feira)

9 de Janeiro 2016 | 22.00h

 

Galeria Zé dos Bois (Lisboa)

13 a 16 de Janeiro de 2016

Peixe : avião apresentam o novo album no Rivoli em 2016

Formados no verão de 2007 na cidade de Braga, os peixe : avião rapidamente conquistaram a atenção da imprensa nacional através do EP "Finjo a Fazer de Conta Feito peixe : avião". Desde então, a sua carreira tem sido pautada por um crescimento constante, suportado pelos álbuns “40.02”(2008), “Madrugada” (2010) e “peixe:avião” (2013).

GLAM - peixe avião.jpg(c) 2015 Paulo Homem de Melo

 

Com o disco homónimo foram nomeados para os Prémios Impala, que reconhecem os melhores discos independentes europeus do ano, juntamente com Boards of Canada, Nick Cave e Sigur Rós. Em 2014 compuseram música original para o clássico “Ménilmontant” de Dimitri Kirsanoff, filme de 1929, após encomenda do Curtas Vila do Conde - Festival Internacional de Cinema.

Em 2016 regressam aos discos com “Peso Morto”, no qual aprofundam o caminho aberto pelo disco homónimo de 2013.

 

Teatro Rivoli (Porto)

6 de Fevereiro 2016 | 22.00h