Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Glam Magazine

Glam Magazine

Sara Barros ganha prémio para melhor atriz no Brasil

A atriz Sara Barros Leitão que protagonizou o filme “Pecado Fatal”, acaba de ser distinguida com o Prémio Melhor Atriz no FESTICINI – Festival Internacional de Cinema Independente que acaba de acontecer no estado de São Paulo no Brasil.

Pecado Fatal 01.pngA longa-metragem “Pecado Fatal” de Luís Diogo, produzida em parceria com o Cine-Clube de Avanca e a Filmógrafo recebe assim a sua décima distinção, depois de ter sido a longa-metragem da ficção portuguesa, mais premiada em 2014. Tendo integrado o TOP 10 da cinematografia lusófona, as distinções foram chegando de festivais internacionais no Brasil, Bulgária, Cabo Verde, Canadá, Croácia, Itália, São Tomé e Príncipe, para além de Portugal. Sara Barros Leitão já anteriormente tinha sido nomeada para os Prémios Sophia e Globos de Ouro de melhor atriz, pelo papel de Lila no filme “Pecado Fatal”.

Tendo-se formado em interpretação pela Academia Contemporânea do Espectáculo, começou a sua carreira na série Morangos com Açúcar onde interpretou o papel de Jennifer Brown. A sua carreira tem acontecido entre o teatro e a televisão, nomeadamente nas séries “Olhos nos Olhos” (TVI), “Sentimentos” (TVI), “Laços de Sangue” (SIC), “Doida por Ti” (TVI), “Mundo ao Contrário” (TVI), “I Love It” (TVI), “Bem-Vindos a Beirais” (RTP), “Água de Mar” (RTP), “Jardins Proibidos” (TVI) e “Poderosas” (SIC).

“Pecado Fatal” é a sua primeira participação de fundo no cinema. Este filme, que será exibido proximamente no CINECÔA – 5º Festival Internacional de Cinema de Vila Nova de Foz Côa, teve argumento e realização de Luís Diogo que prepara novo filme, para o qual o Cine-Clube de Avanca e a Filmógrafo procuram financiamentos.

 

Entretanto outro filme com produção do Cine-Clube de Avanca e Filmógrafo acaba de ser premiado. Trata-se da longa-metragem documental “Povo Inventado de Cabo-Verde - Ecos de Cabo Verde” de Juan Meseguer Navarro. Esta co-produção com Espanha e Cabo Verde foi distinguida com o Prémio Documentário da competição internacional do São Tomé FestFilm – Festival Internacional de Cinema de São Tomé e Príncipe.

Misty Fest 2015…. Mísia “para Amália”

"Para Amália" é a prenda de Mísia que nesta edição de 2015 do Misty Fest apresenta em palco o seu novo trabalho discográfico. O primeiro concerto da fadista, integrado no festival, foi ontem, 6 de Novembro, no Teatro Aveirense.GLAM - Misia 01.jpgAlguns problemas técnicos atrasaram o início do concerto mas nada que como se comprovou, prejudicou o concerto. Cerca das 22.15h, Mísia entra na sala ao som do piano de Fabrizio Domano. Mísia apresentou o seu concerto divido em 2 partes distintas. A primeira só com piano e voz, onde a artista cantou a vida e a morte numa adaptação clássica de poemas que foram interpretados por Amália. Segundo ela, poemas menos conhecidos da vastíssima obra da eterna fadista.

Destaque para a “canção do mar” com um arranjo ao piano, seguindo a mestria de Debussy. Nesta primeira parte, Mísia teve sempre o cuidado de explicar as suas escolhas, realçando a dificuldade na escolha do repertório. “Madrigal” com um arranjo musical de inspiração barroca por parte do maestro Fabrizio, foi daqueles temas, como a própria fadista frisou, para "amalianos puros" numa mescla sonora intemporal do clássico napolitano. "Rasga o passado" a nostalgia da vida e obra de Amália ganha outro fulgor com o ritmo de piano e voz bem vincada de Mísia.3GLAM - Misia 01.jpgMísia falou das suas aventuras de fim de semana em Aveiro, de uma história de vida e de morte, a morte como gosta de cantar, a morte de seu pai que ocorreu na ria de Aveiro, e que serviu de introdução ao tema de Pedro Homem de Melo. A morte dramatizada e cantada na obra de Amália. Para Mísia, Amália continua viva, e foi com um poema da própria Amália, que inspirou Maria de Medeiros a realizar o vídeo referente a este trabalho.

Ao som de um solo de guitarra o concerto caminhou para a sua segunda parte. Uma segunda parte mais popular. Mais Amália do povo, e foi o tema "Amália" a marcar essa transição. Temas inéditos mas dedicados a Amália fazem igualmente parte deste trabalho e deste espetáculo. "Sem sombra" o tema escrito pela própria Mísia dedicado a Amália a que ela não quis chamar de fado, e onde foi buscar influência a Nápoles. Mísia seguiu um trajecto musical que passou por Espanha, evidenciando a sua origem luso espanhola com o tema "la portuguesa" e já na recta final, o popular e os sons nacionais do folclore com a "Rosinha" despontam para a participação no público.GLAM - Misia 02.jpgTermina o concerto com um inédito de Amélia Muge, "Amália sempre agora". Rendida ao aplausos apresenta um encore com 2 temas terminado o concerto de “megafone” a cantar “Lisboa”, cidade que adora e onde se sente bem, ou se Mísia não fosse uma apaixonada pelas grandes cidades como disse durante o concerto.

 

Em palco foi acompanhada ao piano por Fabrizio Domano , na viola por André Réus, na guitarra Portuguesa Sandro Costa e no baixo acústico por Guigui.

 

Mais fotografias do Concerto aqui

 

Reportagem e fotografias: Paulo Homem de Melo

Mayra Andrade conquista CCB em pinceladas tropicais

Mayra Andrade é uma das grandes vozes de Cabo Verde, embora nascida em Cuba, e que escolheu Lisboa para viver depois de alguns anos passados em Paris

mayra01.jpgOs seus sons quentes e doces levaram um autêntica enchente ao CCB na passada quarta-feira Integrado na programação do Misty Fest 2015, o concerto de Mayra era daqueles que muitas expectativas estava a gerar.

Amplamente reconhecida em Portugal, a cantora teve o grande auditório rendido a sua energia e sonoridades que recolhem influências na pop, no jazz mas sobretudo nas tradicionais mornas de Cabo Verde. Ao longo de 100 minutos. Mayra passou em revista a sua obra discográfica, o culminar de 2 anos a apresentar o seu mais recente disco “Lovely Difficult". Pelo meio alguns temas tradicionais e incursões ao seu anterior disco, “Navega” pintaram o Centro Cultural de Belém de tons tropicais.

mayra02.jpgAcarinhada pelo público contou com Sara Tavares como convidada especial. Os ritmos quentes e descontraídos trouxeram ao auditório um autêntico ambiente tropical com as duas cantores numa entrega única nas suas raízes e influências musicais a proporcionar um dos melhores momentos do concerto ao som do tema original de Sara Tavares “A minha mãe".

mayra03.jpgCom uma notória capacidade de intercalar os seus temas com várias latitudes musicais, seguia-se a presença e mais um convidado Pedro Moutinho que já tinha convidado a cantora para um tema no seu último trabalho, marcou presença com um fado, “Quando Lisboa Adormece”, interpretado “ao som de Mayra” como ela referiu. Até ao final do concerto, Mayra continuou o seu desenrolar de ritmos, terminando em apoteose com o auditório completamente entregue pela sua voz doce e meiga.

Mayra04.jpgO esperado “Lua” estava reservado para o final do encore, cantado em uníssono pela sala. Em palco a artista fez-se acompanhar por um conjunto de 4 músicos constituído por Rémi Sanna (bateria), Nicolas Liesnard (teclas), Nenad Gajin (guitarra), Franck Orosemane (baixo).

 

Mais fotografias do concerto aqui

 

Reportagem e fotografias: Paulo Homem de Melo

“Walk”… o rock dos Bombs and Bullets

A caminho do sucesso, os Bombs and Bullets lançam o seu 2º single.

“Walk” é o nome do tema extraído do primeiro trabalho discográfico da banda “The Real Medication”, que foi editado pela Music In My Soul a 26 de Junho. Este álbum é “só” o ínicio da jornada da banda que pretende conquistar palcos nacionais e internacionais com o rock que os caracteriza.

bombsanbullets-02.pngOs Bombs and Bullets nasceram, no início de 2013, da ideia do seu cantor/compositor Paulo Amado, que, através do produtor Vítor Neves, reuniu um grupo de músicos, os quais rapidamente se tornaram amigos com ideias e objetivos comuns – são eles Dimitar Kókov (guitarra solo e vozes), Carlos Magano (baixo elétrico) e Francisco Lima (bateria). Durante esse ano e grande parte do ano seguinte, trabalharam em conjunto na criação de um novo projeto musical que poderá agora ser apreciado em CD ou ao vivo.

 

O álbum de estreia dos Bombs and Bullets, “The Real Medication”, foi editado no dia 26 de junho de 2015 com o selo da Music In My Soul. Deste trabalho, “The Impossible Dream” foi o single de apresentação.

Os Fade IN têm lançam hoje o seu primeiro single. “Insane”

Os Fade IN lançaram hoje o seu primeiro single. “Insane” é o nome do tema e também o título do EP de estreia, que será editado pela Music In My Soul no final deste mês. A banda do Porto, unida pela paixão da música, juntou-se para criar um rock característico influenciado por vários estilos desde a música tradicional portuguesa até ao pop rockfade_in-03.pngFade IN é um projecto original de música rock, formado em 2007 no Porto, por 4 músicos com experiências e diferentes estilos musicais, unidos sob uma substância comum: paixão pela música. A sonoridade da banda provém desta mesma mistura de estilos, que vão desde música tradicional Portuguesa ao Pop Rock, combinando-se entre si e originando o som característico dos Fade IN.

A banda composta por Adriano Borges (voz e guitarra), João Baptista (bateria), Rui Reis (baixo) e Gil Garrido (guitarra solo e produção audio) actou ao longo dos anos em vários, entre os quais: Dolce Vita Bandcasting (finalistas no Porto), rock café Coimbra (semi-finalistas), voltímetro rock (2º lugar), no Pin Up, Breyner 85, Kastrus River, o Meu Mercedes, Dunas bar, entre outros.

Já em 2015 actuam na festa de encerramento do evento EXPOTATTOO, no Porto

Keep Razors Sharp actuam em Espanha e Reino unido em novembro

Tendo ganho o “Prémio Revelação” nos Pop-Eye Awards 2015 e tendo sido selecionados como a 3ª “Melhor Banda Rock Ibérica”, a banda estará presente na cerimónia de entrega de prémios em Cáceres, Espanha, no dia 7 de Novembro, apresentando ao vivo 2 temas do seu álbum de estreia.

ND-keep.jpgNa semana seguinte, a 14 de Novembro, partem para Londres e serão cabeças de cartaz na festa da Heatwave Magazine, no “The Victoria” em Dalston.

Passado um ano desde o lançamento do seu álbum de estreia homónimo, que permitiu à banda apresentar-se nos mais importantes e também em alguns dos mais alternativos Festivais de Verão, é agora hora de alcançar horizontes mais amplos e não se poderia esperar um melhor começo para este esforço de internacionalização.

 

Fotografia: Paulo Homem de Melo