Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Glam Magazine

Glam Magazine

“Os fabulosos Tais Quais” é o álbum de estreia do projeto Tais Quais

A mesa está posta. Há petiscos, há vinho, há cadeiras onde sentar e uma, duas violas à mão. Sobretudo, há gente unida pelo prazer de se encontrar e trocar histórias. A música é uma inevitabilidade, surge enquanto expressão desse gosto palpável, dessa simplicidade em que as canções vão soando à celebração da coisa mais simples de todas: estar entre amigos.

Os Tais Quais são um grupo assim, “quais oliveiras, olivais, pintassilgos, rouxinóis” (assim o diz a “Moda da Passarada”), sem explicações complicadas. Gente que se junta porque quer estar junta, gente que se agarra à ideia romântica das tascas por onde brotava livremente o cante noutros tempos.

tais quais.jpgO Alentejo ocupa a grande espaço do reportório deste grupo formado por João Gil, Vitorino, Tim, Jorge Palma, Celina da Piedade, Paulo Ribeiro e Sebastião. As violas, o acordeão, a percussão, quem sabe uma viola campaniça e um coro de arrepiar. Mas, pelo meio, há também Jorge Serafim, conhecido contador de histórias, que aqui aparece como o anfitrião de um lugar ficcional chamado A Venda do Isaías, e que partilha as suas pérolas de sabedoria desfiando histórias, anedotas, contos populares.

A música não é apenas a música, neste caso. Fala por toda uma região. E, por isso, não começa ao primeiro acorde e não termina com os aplausos, não vive na prisão dessas regras ditadas pelos palcos. Vive destas trocas espontâneas, que é lançada por um e agarrada pelos restantes, mas que pode ser atravessada por um relato que Isaías/Serafim vai buscar ao baú da sua sabedoria popular. Seguem-se umas às outras, músicas e histórias, da mesma maneira que a mesa parece estar sempre repleta.

Os Tais Quais prometem espalhar a sua música pelo país. E fazer novos amigos pelo caminho. Eles que se juntem. A mesa está posta.

 

Alinhamento “Os Fabulosos Tais Quais”:

 

1          Moda da Passarada  

2          Limoeiro  

3          Algibeira  

4          Mês de Agosto  

5          Mulher Fantasma  

6          Moda das Flores  

7          Enxoval  

8          Moda do Sr. Prior  

9          Historia da Celina e do Gaspar  

10       Olha a Noiva se Vai Linda  

11       Circo de Feras  

12       Adeus Até ao Meu Regresso  

 

O Single de apresentação do disco chama-se “Algibeira” e já se encontra disponível digitalmente. A edição do album “Os Fabulosos Tais Quais” está agendada para o dia 13 de Novembro.

 

Fotografia: Rita Carmo

Castello Branco em (mais um) concerto no Passos Manuel

Castello Branco regressa a Portugal em finais de Dezembro e inícios de desembro. Depois do anuncio de hoje da presença do cantor Brasileiro no Festival Vodafone Mexefest, eis que é anunciada mais uma data em Portugal.

O Porto vai receber Castello Branco já no dia 10 de Dezembro num concerto integrado nas “Bodyspace Sessions”

castellobranco-1748x984.jpgNos últimos anos, Castello Branco emergiu na música brasileira como um dos maiores talentos da sua geração. Mesmo que o jornal O Globo não o tivesse dito nas suas páginas, o disco de estreia do músico brasileiro seria mais do que suficiente para confirmar isso mesmo. Com “Serviço”, editado em 2014, Castello Branco assinou um conjunto de canções em que parte dos ensinamentos da música tradicional brasileira para obter algo apenas seu, com um olhar necessariamente espiritual e curioso.

“Serviço” é um disco que procura uma verdade; uma verdade que não tem de ser necessariamente a de todos mas onde todos devem conseguir rever, nem que seja um pouco, a sua própria realidade. Em vésperas de lançar o seu segundo disco de originais, Castello Branco regressa a Portugal para, desta vez com banda, apresentar o seu disco de estreia, assim como algumas das suas novas canções.

 

Passos Manuel (Porto)

10 de Dezembro 2015 | 22.00h

“Revival” de Selena Gomez acaba de chegar ao mercado

Novo disco da cantora partilha a auto-confiança que a trouxe de volta de alguns dos seus maiores desafios pessoais. Depois de muita ansiedade, eis que chega um dos discos mais aguardados, "Revival", o trabalho de Selena Gomez está hoje disponível em todas as lojas e plataformas digitais.

E a imprensa parece estar rendida: a Billboard diz que "Selena Gomez encontrou a sua voz", já a Mashable retrata a cantora como "confiante, livre e independente. Esta é Selena Gomez 2.0" e a Elle afirma que "Revival" "vem com a maior arma de todas: autenticidade".

Selena-Gomez-Revival-Cover.pngSe "Good For You", o primeiro single deste trabalho, se transformou no maior sucesso de sempre para a cantora, o novo "Same Old Love" promete seguir o mesmo caminho: o vídeo, acabado de estrear, guarda uma surpresa muito especial, uma vez que a sua filmagem terminou no evento que Selena organizou para alguns superfãs em Los Angeles.

É o primeiro disco da americana com o seu novo selo, a Interscope Records, e aborda diversos desafios que foi encontrando no caminho. Na entrevista que esta semana faz a capa da Billboard, Selena revela ao mundo que, há algum tempo atrás, foi diagnosticada com lúpus e que isso a forçou a fazer uma pausa na carreira. Mas se há assinatura que percorre todo este novo trabalho, é a da auto-confiança.

Disponível nas edições Standard e Deluxe, "Revival" é agora um disco partilhado com os fãs.

"Apples", o video dos Thunder & Co., integra o programa de vários Festivais de Curtas-Metragens

Arrancou na 4ª feira o Minneapolis Underground Film Festival, evento que decorre até ao próximo domingo, dia 11 de Outubro, e que tem a particularidade de incluir, entre as mais de 110 curtas-metragens, o video de “Apples”, o single de apresentação do álbum de estreia dos Thunder & Co., “Nociceptor”.

nd-thunder.jpgEm Setembro, tinha sido o The Monthly Film Festival a destacar este mesmo vídeo como “Original and challenging – even shocking occasionally – due to the screened ideas”, e já esta semana a banda recebeu a notícia de que o vídeo de “Apples” também vai ser exibido no London Short Film Festival, em Janeiro.

Em Portugal, o vídeo realizado AqueleSimões também não passou despercebido e foi seleccionado para a Competição de Vídeos Musicais do 23º Curtas Vila do Conde - Festival Internacional de Cinema, que decorreu em Julho. No press do vídeo podia ler-se “Maçãs de bandeja, um pássaro na mão. Garanhões lusitanos desorientados sob o efeito de álcool e sabe-se lá mais o quê. Uma peça de fruta masturbante elevada pela ilusão bêbeda e afundada numa solidão também ela minada.”

 

Fotografia: Paulo Homem de Melo

 

Baile Tropicante com La Flama Blanca e Dub Out

O frio está instalado nas margens do Tejo, mas o peito de La Flama Blanca continua a fervilhar, perdido nesse Verão eterno que balança a anca, corroí a sola do sapato e aluga um “personal trainer” ao vosso sovaco.

la flama.jpgDas mãos do agitador “cumbiero” alfacinha saem tambores e trompetas quentes e que fazem suar. Já muito, ou quase tudo, se disse sobre o Baile Tropicante mas há uma % de abstencionistas que, por preguiça, ainda não provou. A esses Flama vai directo ao coração. A próxima edição de Tropicante tem como convidado especial DUB OUT, rapaz do Porto com tendência para o drum n bass e quase tudo o que vêm de Londres mas com uma paixão secreta pelo tropical.

 

O Rei da cumbia já foi candidato a Presidente do Sporting, mas passar de rei a presidente era tudo menos uma boa ideia. Enquanto não decide embarcar numa viagem definitiva até ao outro lado do Oceano, La Flama Blanca alimenta, a cada mês, uma mensalidade dedicada ao que de mais excitante se vai fazendo na produção endógena da América Latina.

 

Musicbox (Lisboa)

10 de Outubro 2015 | 23.59h

"Margem" sincroniza campanha do "Dia Europeu da Doação de Órgãos e Tecidos 2015"

Evento "arte da transplantação" decorre dias 9 e 10 de outubro

Diogo Piçarra juntou-se ao Instituto Português do Sangue e da Transplantação, IP (IPST) e à Sociedade Portuguesa de Transplantação no âmbito do Dia Europeu da Doação de Órgãos e Tecidos 2015. O músico português cedeu a sua música "Margem", tema incluído no seu álbum de estreia "Espelho", para que esta pudesse sincronizar uma série de testemunhos feitos por figuras públicas, como a fadista Celeste Rodrigues e a atriz Cláudia Vieira, e da sociedade civil, vídeos que pretendem divulgar e alargar o entendimento sobre as vantagens da doação de órgãos e tecidos humanos.

diogo.jpegNa página de internet do EODD (Dia Europeu da Doação de Órgãos e tecidos 2015) pode ser lido: "A transplantação é uma forma de arte. A vida é uma obra de arte, vivida de forma especial e única por cada indivíduo, que pinta a sua tela através das suas experiências e vivências. A arte é intemporal e a vida efémera. A doação é um gesto altruísta, considerado como o maior ato de bondade entre os seres humanos. É a arte da partilha, da generosidade, do amor e da esperança. A doação permite que a arte da transplantação devolva a vida. Por cada dador de órgãos podem ser transplantados 8 órgãos. Quanto maior o número de dadores de órgãos, maior o número de vidas que se pode salvar."

O evento que pretende assinalar este dia, onde haverá dança, escultura, teatro, pintura, música, literatura e cinema, tem como objetivo informar e esclarecer a população portuguesa sobre a doação e transplantação. Mais informações aqui

 

Fotografia: Filipe Limen

“Songs From The Shed”… o novo disco de Daniel Catarino

Após muitos anos a cantar separadamente em português e inglês, escondido atrás de pseudónimos como Oceansea e Landfill, Daniel Catarino assume-se agora como cantautor bilingue, ao mesmo tempo que embarca numa tour pela Alemanha para apresentar "Songs From The Shed", o primeiro disco de longa duração em nome próprio.

O escritor de canções, originário da vila de Cabeção, assume neste novo trabalho as influências irlandesas que adquiriu nos anos passados em Dublin, relembrando ainda as velhas cassetes de rock e folk que ouvia na Vanette do seu pai, e a bordo de uma cabana em forma de jangada voadora apresenta "Songs From The Shed", um disco que é uma viagem do seu Alentejo a Nashville.

Se nas suas bandas (Bicho do Mato e Uaninauei) canta um enraizado e profundo Portugal, em "Songs From The Shed", Daniel Catarino assume que também o rock e o folk são música de raiz para gerações que beberam tanto da produção nacional como da invasão anglo-saxónica das décadas anteriores.

a3496806091_10.jpgQuando o single de apresentação "Kingdom Come" chegou às rádios, Rui Estevão anunciava que poderia passar como tema de uma banda australiana dos anos 70, e é essa década que vem à memória no desenrolar de "Songs From The Shed". A braguesa abraça a harmónica, e os instrumentos de percussão, na sua maioria construídos pelo próprio, ajudam a criar um ambiente onde ecoam reminiscências de J.J. Cale, Bob Dylan, Elliott Smith, Oasis e Neil Young, acompanhadas por refrões bem orelhudos.

 

Liricamente, o disco bebe a sua inspiração no amor, entre a aventura de "Walking Around With You In My Head" e a desventura de "If I Let You Down", culminando no híbrido "The Pleasure And The Pain", um dos pontos altos. E se "Fools On Parade" pinta um cenário negro da humanidade (ou da falta dela), em "Danger Danger" o humanismo com bom humor, encarnando um Vingador da Segurança que encara a pornografia como um monumento em honra da anatomia (danger danger / safety's avenger looking at pornography / sinful monuments for lonely moments / a prayer for anatomy).

"Songs From The Shed" será editado fisicamente a 16 de Outubro durante a tour do artista na Alemanha, e a 16 de Novembro ficará disponível para o resto do mundo em versão digital e em CD digipack, numa edição limitada a 200 unidades.

 

Disney in Concert - Magical Music from the Movies... em Dezembro

Este Natal, a magia da Disney invade o Coliseu Porto e o Campo Pequeno!

Nos dias 9,10 e 26 de Dezembro, deixe-se transportar para o mundo Disney com o espectáculo Disney in Concert - Magical Music from the Movies!InConcert_logo_English_AW.jpgAs cenas dos seus filmes favoritos acompanhadas pelos arranjos sinfónicos assinados pelos Estúdios Walt Disney e interpretados pela Lisbon Film Orchestra, numa formação de 53 músicos e 4 cantores sob a direcção do maestro Nuno de Sá, compõem um ambiente mágico a desfrutar em família!

Uma viagem musical pelas histórias mais queridas da Disney, como Mary Poppins, A Bela e o Monstro, O Rei Leão, Pocahontas, Aladino, A Pequena Sereia, ou o mais recente filme Frozen – O Reino do Gelo onde vai para reviver as emoções de infância!

Na Disney Store do Centro Colombo, dia 10 de Novembro, conheça os cantores que vão dar voz aos mais queridos temas Disney em Disney in Concert-Magical Music From the Movies.

 

Coliseu (Porto)

9 e 10 de Dezembro 2015 | 21.30h

Campo Pequeno (Lisboa)

26 de Dezembro 2015 | 16.30h e 21.30h

 

"2.0" - Novo disco dos Faithless é lançado hoje

Sete álbuns, mais de 15 milhões de discos vendidos, digressões internacionais (sempre) esgotadas, cabeças de cartaz em festivais no mundo inteiro, de Glastonbury a Coachella, criadores de hinos globais como “Insomnia”, “We Come 1”, “Mass Destruction” e “God is A DJ”, descrito como um “tesouro nacional” pela revista NME.

Poderá já conhecer a história, o rapper budista, Maxi Jazz, a DJ super estrela e multi instrumentalista, Sister Bliss e o rapaz do estúdio, o produtor Rollo Armstrong, que se juntaram em 1995. Sete álbuns depois, praticamente qualquer forma musical imaginável e 20 anos mais tarde, o grupo tornou-se e permanece no grupo de dança mais icónico de sempre.

FaithlessCoverArt.jpgSó em 2012, com a edição de “The Dance”, venderam mais de 600 mil discos e actuaram perante mais de 2 milhões de pessoas no mundo inteiro. 2015 assinala o 20.º aniversário da sua ilustre carreira e, para comemorar, a banda organizou um álbum especial de remisturas “Faithless 2.0”.

Chamando os maiores e melhores nomes da música electrónica (tanto nomes que a banda inspirou ou por quem se inspirou pelo caminho) para remisturar o seu repertório, o álbum conta com nomes como Avicii, Tiesto, Flux Pavilion, Above and Beyond, Booka Shade, Claptone, High Contrast, Eric Prydz, Purple Disco Machine e Armin Van Buuren, com mais nomes a divulgar.

As faixas a destacar incluem a abordagem de Avicii do lendário tema “Insomnia”, a versão de Tiesto do tema “God is a DJ”, a interpretação de Zinc de “Mass Destruction” e alguma nova música da própria banda, destinada a converter novos fãs e entusiasmar fãs antigos durante o Verão e mais além.

Para além de trabalhar com alguns dos maiores nomes da cultura de dança contemporânea, a banda também garantiu que o álbum iria servir de plataforma para apresentar novos talentos emergentes, incluindo nomes como Until The Ribbon Breaks e Autograf, com mais nomes a divulgar.

 

Sendo uma retrospectiva artística e homenagem a uma das mais influentes bandas de uma geração, tão venerada agora como quando iniciou o seu percurso há 20 anos atrás, o álbum “Faithless 2.0” irá ser lançado a 9 de Outubro de 2015 pela Columbia.

Para promover o lançamento, a banda irá novamente entrar em digressão e actuar como cabeça de cartaz em alguns dos maiores festivais da Europa.

Roger Waters…. “The Wall Live”… banda Sonora da digressão

Roger Waters The Wall, a banda sonora do filme globalmente aclamado de Roger Waters e Sean Evans, irá ser lançada pela Columbia/Legacy Recordings a 20 de Novembro de 2015.

Disponível em formato físico em edição de 2CD, 3LP em vinil e digitalmente, o alinhamento capta a digressão esgotada “The Wall Live” de Roger Waters de 2010 a 2013, a primeira encenação completa do clássico álbum conceptual dos Pink Floyd desde 1990 e está actualmente disponível para pré-reserva em RogerWaters.com. Uma encenação rock & roll notável baseada numa mensagem poderosa de paz e compaixão, “The Wall Live” tornou-se num concerto obrigatório para fãs de música do mundo inteiro. Foi interpretada para mais de 4,5 milhões de pessoas, em mais de 200 espectáculos em quatro continentes, tornando-a na digressão mundial mais bem-sucedida de sempre a cargo de um artista a solo.

Roger Waters The Wall Live_Cvr.jpgRoger Waters The Wall foi produzida por Nigel Godrich (Radiohead, Beck, Paul McCartney) e proporciona uma experiência de audição extraordinária para várias gerações poderem desfrutar. Trata-se do derradeiro souvenir – não só para os fãs que assistiram ao espectáculo, como também para quem não este presente ou para quem possa estar a descobrir “The Wall” pela primeira vez.

 

Roger Waters The Wall também serve de obra que acompanha o filme, “Roger Waters The Wall”. Realizado por Sean Evans e Roger Waters, “Roger Waters The Wall“ mistura o épico e o pessoal, para actuar simultaneamente em três níveis: uma experiência de concerto envolvente, um filme de estrada que acompanha a percepção de Waters do impacto da guerra na sua própria família e um notável filme anti-guerra sobre o custo humano inerente aos conflitos. O filme estreou numa apresentação global de “uma noite apenas” em Setembro, tendo atraído centenas de milhares de fãs a nível mundial.

 

Originalmente lançado em 1979, “The Wall” dos Pink Floyd foi o primeiro álbum conceptual narrativo da banda. Waters inspirou-se na sua própria experiência para documentar a vida e a época da personagem central, uma estrela de rock em estado de desintegração mental, assombrada pela morte em tempo de guerra do seu pai que nunca conheceu. O conteúdo temático e mestria musical do álbum, exemplificadas pelo êxito mundial “Another Brick in the Wall (Part 2)” e êxitos de radio como “Run Like Hell” e “Comfortably Numb”, tocou fãs no mundo inteiro. A digressão seguinte dos Pink Floyd em 1980/1981 do álbum foi inovadora na sua utilização de cenários e teatralidade, mas a dimensão da produção limitou-a a 31 datas em apenas 4 cidades. “The Wall” voltaria a ser vista em 1990, quando Waters e um elenco de estrelas actuaram uma produção de beneficência no local da “terra de ninguém” que, até então, tinha dividido a Alemanha de Leste e Ocidental. Vinte anos mais tarde, os frequentadores de concertos tiveram a oportunidade de experienciar novamente “The Wall” e milhões de fãs afirmaram que a sua mensagem e música permanecem fortes e relevantes como nunca. Com Roger Waters The Wall, essa oportunidade perdura.

 

O filme, ROGER WATERS THE WALL, irá ser editado em DVD, Blu-Ray, download digital e edição especial de 2 discos em Blu-Ray pela Universal Pictures Home Entertainment.

Vodafone Mexefest… Tó Trips, LA Priest, Castello Branco

Novembro é todo outono, mas é também de animação e muita música de que na capital é lembrado e cada vez mais comemorado. Ainda em outubro, mais 3 convidados confirmados para o Vodafone Mexefest: Tó Trips, com o seu projecto a solo e o último “Guitarra Makaka”, LA Priest mais uma estreia pelas mãos do Festival e Castello Branco um dos nomes de destaque da nova música braliseira

to trips.jpegTó Trips é um dos guitarristas e músicos portugueses mais reconhecidos e apreciados. Depois do histórico rock, onde tocou e cantou em bandas como os Amen Sacristi, Santa Maria Gasolina em Teu Ventre e os mais reputados e relevantes, Lulu Blind, tem marcado o Séc XXI com os Dead Combo na companhia de Pedro Gonçalves. Com um som peculiar feito de cordas que atravessam oceanos de estilos, os Dead Combo são hoje uma das bandas mais respeitadas do nosso país. No entanto, também a solo se faz o seu repertório. Depois de “Guitarra 66”, editou este ano o inebriante “Guitarra Makaka: Danças A Um Deus Desconhecido”. Disco feito de 6 cordas acústicas e de uma melancolia virtuosa a experimentar géneros como a morna ou outros incatalogáveis.

sam dust.jpegSam Dust, dos extintos e muito dance-punk Late Of The Pier, tem um novo projeto chamado LA Priest com disco saído este ano. “Inji”, o LP que desfilará em destaque no Vodafone Mexefest, é esculpido elegantemente de funk, disco e electro, não dispensando as guitarras. Melodicamente forte, pertence à classe dos registos em que a eletrónica ganha contornos de cariz pop, apetecíveis e dançáveis.

castellobranco-1748x984.jpgDo Rio de Janeiro, Castello Branco. É um dos nomes em destaque da nova música brasileira. Ainda assim, distingue-se dos demais pela capacidade lírica e reflexiva das suas palavras, cantadas sob camadas folk e pop e responsável por “Serviço”, uma pérola que ao vivo merece toda a atenção. A caminho de lançar o seu segundo disco de originais, Castello Branco vem ao Vodafone Mexefest, desta vez com banda, apresentar o seu disco de estreia, bem como alguns temas do seu novo álbum que sairá brevemente.

 

Vodafone Mexefest. De palco em palco, a Música mexe na cidade.

Mais novidades a anunciar brevemente.

 

Já Confirmados:

Akua Naru; Anna B Savage; Ariel Pink; Benjamim; Benjamin Clementine;

BLOCO: Tropkillaz, Karol Conká, Mahmundi; Bully; Castello Branco; Chairlift; Da Chick; Do Amor; Ducktails; Georgia; LA Priest; Márcia; Patrick Watson; Peaches; Petite Noir; Selma Uamusse;

Seven Davis Jr; They’re Heading West e convidados; The Parrots; Titus Andronicus; Tó Trips; Villagers