Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Glam Magazine

Glam Magazine

Agenda: Postcards regressam a Portugal para celebrar o Dia Internacional da Música

Postcards é uma banda indie folk originária de Beirute, Líbano.

Como vários projetos, surge em 2012 da paixão que quatro amigos partilham pela música. No entanto, ao contrário de outros com histórias semelhantes, os Postcards têm tido muito destaque em diversos territórios uma vez que já estiveram em digressão pela Jordânia, Reino Unido, França e Portugal onde passaram em maio 2015.

postcards.jpgAté ao momento, tiveram a honra de abrir concertos para inúmeros artistas internacionais como Beirut, The Royal Concept e Wanton Bishops, entre outros e de tocar ao vivo em festivais como Wilderness Festival, Byblos International Festival e Wickerpark Festival. Em julho de 2015, foram a banda de abertura para o duo de folk internacional Angus & Julia Stone no BIEL em Beirute.

No fim de setembro / início de outubro, passam por Portugal para uma digressão nacional de dez dias que inclui atuações em Portalegre, Cascais, Viseu, Porto, Coimbra, Braga, Almada e Lisboa.

No dia 1 de outubro, Dia Internacional da Música, os Postcards apresentam um concerto muito especial em Santa Maria da Feira: tocam na carruagem de um comboio no percurso Vila da Feira - Oleiros entre as 18:50 e as 20:09, seguido de um espetáculo na fábrica de calçado Ecco pelas 22 horas.

Estiveram em Portugal para apresentar o EP “Lakehouse”, e regressam agora com o novo EP “What Lies So Still”, acabado de lançar este verão sob a supervisão do engenheiro de som e produtor Fadi Tabbal dos Tunefork Studios. Neste trabalho, os quatro músicos optaram por investigar novos territórios estruturais e sónicos partindo sempre da sua base mais 'rootsy' presente no trabalho anterior.

 

Os Postcards são Julia Sabra no ukulele, bandolim, guitarra e voz, Marwan Tohme na guitarra e coros, Pascal Semerdjian na bateria, harmónica e coros e Rany Bechara no baixo, teclas e coros.

 

25 Set - FNAC Vasco da Gama, Lisboa | 21:30

26 Set - Quina das Beatas, CAE Portalegre | 23:00

27 Set - Mercado da Vila, Cascais | 20:30

28 Set - Museu Nacional Grão Vasco, Viseu | 21:30

29 Set - Espaço Compasso, Porto | 21:00

30 Set - Salão Brazil, Coimbra | 22:00

01 Out - Encontros com a Música, Sta. Maria da Feira | 18:50 + Fábrica ECCO | 22:00

02 Out - Sé la Vie, Braga | 22:00

03 Out - Ginjal Terrasse, Almada | 22:00

04 Out - Pensão Amor, Lisboa | 19:00

 

Fotografia: Cliff Makhoul

Agenda: A nova temporada do CineTeatro António Lamoso

No passado sábado, 19 de Setembro, a temporada de Inverno do CineTeatro António Lamoso arrancou ao som da guitarra de Pedro Jóia.

O guitarrista era o protagonista da noite num “concerto experiência” que marcava este início de temporada. Este concerto marcava igualmente o arranque do ciclo de música portuguesa Outonalidades que decorre até ao final de 2015 em vários locais e espaços do país.Pedro Joia (25) (Cópia).jpgA música regressa novamente ao CineTeatro António Lamoso no dia 21 de Outubro com a presença de Isaura e Francis Dale. Será um concerto singular integrado na programação À4HÀ. Francis Dale mistura o clássico e o contemporâneo, proporcionando uma experiência multi-sensorial, enquanto que Isaura, oferece uma mistura moderna de electrónica e pop. O concerto terá ainda um espaço para um momento a dois onde será apresentado um tema inédito.

nd-isaura.jpgEm Novembro, no dia 14, é a vez de Joana Andrade subir ao palco do CineTeatro António Lamoso, com o lançamento do seu novo albúm. O disco, cantado em português, traz um estilo renovado, uma abordagem contagiante de uma sonoridade pop/rock/blues. No dia 18 do mesmo mês, o cantor Brasileiro Momo preenche o espaço musical das quartas-feiras, À4HÀ, com um concerto intimista, que marca assim o seu regresso ao nosso país. O cantor e compositor apresenta um concerto orgânico, usando apelas a voz e o violão para nos guiar pelo seu percurso musical.

 

O teatro marca igualmente presença nesta temporada do CineTeatro António Lamoso. “Requiem para Carne” do Grupo de Expressão Dramática de Escapães marca já no próximo dia 27 de Setembro as apresentações. O Teatro regressa novamente no dia 17 de Outubro com a peça “Gira Pró inferno” baseado no “Auto da barca do Inferno” de Gil Vicente e levado ao palco pelo Grupo Gólgota.

Ana Bola e o seu espectaculo “Sem Filtro” no dia 28 de Novembro, marca o encerramento das peças teatrais a exibir até final de 2015. Ana Bola traz neste espectaculo uma perspectiva inédita sobre a evolução da carreira artística. Um monologo com uma abordagem mordaz à falta de respeito pela arte.

 

A dança marca igualmente presença na programação com um conjunto de apresentações que se iniciam já no dia 10 de Outubro com BCN e o espectáculo “Repertório”. Debruça-se sobre as componentes objectivas da técnica e dos instrumentos. Em Novembro, dia 4, e sob a direcção da professora de dança Diana Carneiro, a iniciativa Tertúlias Medievais surge novamente na programação do CineTeatro António Lamoso na primeira quarta-feira de cada mês, agora com uma nova roupagem. Ainda em Novembro, a dança regressa ao palco com o espectaculo B’Yoncé, um concerto de recriação e tributo a Beyoncé, à semelhança do já realizado Best of Rhianna, o espetaculo reúne vários grupos de dança, músicos e artistas.

A 5 de Dezembro a dança invade novamente o palco do CineTeatro António Lamoso com os Tukis, um espetaculo marcado por imagens corporais intensas, que se reinventam a cada som.

DSC_0099 (Cópia).jpgA comédia marca igualmente a temporada de Inverno do CineTeatro António Lamoso. RI – Festival Nacional de Comédia, promete animar a noite de 7 de Novembro com as presenças de Joel Ricardo Santos, Joca, Zé Pedro, Hugo Sousa e o sempre aguardado Herman José. O Festival apresenta um conceito inovador, trazendo uma vertente cultural, formativa e social.

 

“Cantastórias” a 3 de Outubro, “Festa damario-neta e da música” no dia 31 de Outubro e “Semear Palavras de Margido (Miguel Torga Revisitado)” no dia 25 de Novembro complementam a programação do CineTeatro António Lamoso.

 

Fotografias: Paulo Homem de Melo

 

 

Agenda: The Legendary Tigerman em digressão com Jon Spencer Blues Explosion

Em Outubro, The Legendary Tigerman inicia mais uma etapa da digressão mundial de “True” com 11 concertos em território Europeu.

Depois dos concertos no Brasil e algumas datas em Portugal, incluindo um concerto para 25.000 pessoas no Vodafone Paredes de Coura, o músico acompanha agora o trio nova-iorquino Jon Spencer Blues Explosion entre a Alemanha, Holanda, Dinamarca e Suécia, na digressão de suporte ao 10º disco de originais da banda americana.1442588192.jpgA digressão de “True”, ainda sem data para terminar, totaliza neste momento mais de 150 concertos e passou pela Europa, América do Norte, América do Sul e Ásia.

O disco foi lançado em Março de 2014 e entrou directamente para o top nacional de vendas onde se manteve no primeiro lugar durante 4 semanas consecutivas.

 

 

Concerto: Pedro Jóia inaugura temporada do CineTeatro António Lamoso

No passado sábado, 19 de Setembro, a temporada de Inverno do CineTeatro António Lamoso arrancou ao som da guitarra de Pedro Jóia.Pedro Joia (12) (Cópia).jpgO guitarrista era o protagonista da noite num “concerto experiência” que marcava este inicio de temporada.

O público presente foi convidado a fazer uma visita guiada pelas instalações do CineTeatro, visitando camarins, por onde já passaram nomes tão diversos como Lloyd Cole, Jorge Palma e The Legendary Tigerman, entre outros, até ser instalado sob o palco da sala.

Para um concerto intimista, a plateia esteve presente em palco junto do guitarrista.

Ao som de Pedro Jóia, a noite foi-se desenrolando ao longo de 60 minutos de música do guitarrista, onde o artista apresentou temas de Carlos Paredes, Armandinho e Carlos Gardel numa variação muito própria, desconstruída pelo músico. Grande defensor da guitarra Portuguesa, Jóia fez sempre questão de apresentar, bem como situar num contexto histórico, todas as suas interpretações durante o concerto.

Visivelmente agradado pela estrutura do concerto, não deixou de referir o quando gostava de concertos intimistas, que possibilitava ao público apreciar melhor a sua música mas também os seus erros como artista. Enalteceu o convite do CineTeatro António Lamoso e agradeceu ao auditório a paciência de estarem ali a assistir a um concerto apenas tocado, sem voz, o que segundo Pedro Jóia, “pode ser uma seca”.

Pedro Joia (30) (Cópia).jpgPelo concerto e como já foi referido destacou a obra e arte de Carlos Paredes, o percurso sinuoso de Armandinho na primeira metade do século XX na promoção e divulgação da guitarra Portuguesa, atravessou a Andaluzia com a sua visão muito própria do flamengo e terminou ao som do tango argentino de Carlos Gardel.

Fugindo ao programa, apresenta no encore, e pela primeira vez, uma peça de um “sanfoneiro” Brasileiro. No final o público ovaciona de pé o guitarrista, visivelmente agradado pelo concerto e pela apreciação do auditório.Pedro Joia (58) (Cópia).jpgA noite ainda não estava terminada, e o “concerto experiência” reservava uma surpresa a todos os que estiveram presente. No percurso final da visita, o auditório é levado a uma sala onde se promovia a doçaria tradicional de Santa Maria da Feira, a fogaça, numa visão muito própria, trabalhada pelo Museu da Fogaça Viva em Santa Maria da Feira.

A degustação das variantes do doce, decorreu num ambiente descontraído onde foi igualmente apresentado o licor produzido na Terras de Santa Maria, o Chamoa, um licor e vinho aromatizados com frutos silvestres.Pedro Joia (62) (Cópia).jpgEra o encerrar de uma noite que marcou igualmente o inicio do ciclo de música portuguesa Outonalidades que decorre até ao final de 2015 em vários locais do país.

Visite aqui a galeria de fotografias do concerto

 

Reportagem: Sandra Duarte Pinho

Fotografias: Paulo Homem de Melo

 

 

Agenda: Trienal de Lisboa… Está de regresso o Open House Lisboa

O grande festival da Arquitectura da capital está de volta com um roteiro renovado. Pelo quarto ano consecutivo, Lisboa recebe o evento que já se tornou uma referência na e da cidade. Dias 10 e 11 de Outubro, o Open House Lisboa reafirma o seu compromisso com a promoção do conhecimento da capital e do reconhecimento do valor do seu património arquitectónico e urbano. Nesta nova edição, o Open House Lisboa continua a abrir portas ao que de melhor se construiu e planeou na cidade e apresenta um roteiro amplamente renovado que contempla um leque diversificado de tipologias, contextos, épocas e autores que vão dos mais consagrados até às novas gerações.

0001.jpgEste roteiro propõe um novo olhar sobre Lisboa através da escolha de pontos elevados que permitem a observação da sua malha urbana, de percursos em bairros estratégicos e visitas que desvendam as particularidades de edifícios de referência. Do vasto programa deste ano, fazem parte escolas, palácios, igrejas, teatros, edifícios de escritórios, infra-estruturas icónicas e habitações privadas - resultantes ora de projectos de raiz, ora de reabilitações.

 

De forma a enriquecer a experiência dos visitantes e de estreitar a ligação entre quem faz e quem vê e vive, estarão disponíveis três tipos de visitas: visitas livres, visitas acompanhadas por voluntários e visitas comentadas pelos próprios autores do projecto ou outros especialistas. Esta 4ª edição irá envolver um maior número de especialistas para uma maior aproximação dos autores ao visitante contextualizando opções de projecto, explicando inspirações e desvendando processos de criação.

 

Para garantir maior fluidez nas visitas, a grande maioria é sem marcação, sendo apenas necessário consultar os horários no site www.openhouselisboa.com que estará disponível a partir de 25 de Setembro.

 

Dirigido a todos e totalmente gratuito, o Open House Lisboa é organizado pela Trienal de Arquitectura de Lisboa em parceria estratégica com a EGEAC. Conta ainda com a Fundação Serra Henriques como parceiro institucional e com o patrocínio da Jofebar e Roca. Durante um fim de semana, Lisboa estará, mais uma vez, de portas abertas.

O Open House nasceu em Londres em 1992 com o intuito de mostrar a todos, de forma gratuita, arquitectura de qualidade e, desde então, já se estendeu a mais de 30 cidades em todo o mundo como Roma, Oslo, Atenas, Melbourne, Praga, Helsínquia ou Chicago.

Introduzido em Portugal pela Trienal de Arquitectura de Lisboa em 2012, o Open House Lisboa tem como missão promover a descoberta e interesse do público em geral pelo património edificado, através de visitas e outras iniciativas gratuitas.

No seguimento do sucesso das três edições anteriores e da estreia em Julho passado do Open House Porto, pelo quarto ano consecutivo, abrem-se as portas de vários espaços singulares da capital portuguesa que esperam pela visita e curiosidade de todos.

 

Locais já confirmados nesta edição:

 

- Aqueduto das Águas Livres, 1731–1799

- Atelier Pedro Pacheco, 2012-14

- Atelier-Museu Júlio Pomar

- Biblioteca Nacional, 1969

- Apartamento em Santa Catarina, Aspa, 2012-15

- Casa Príncipe Real, Camarim, 2013

- Centro de Comando Operacional de Lisboa, 2007

- Central de Recolha de Resíduos Urbanos Compactos, Parque Expo, 1997

- Convento Madre Deus - Museu do Azulejo, 1509, 1550

- Escola Secundária Braamcamp Freire, 1986-2012

- Escola Vergílio Ferreira, 2009-2011

- ETAR de Alcântara, 2007-11

- Extensão do Oceanário de Lisboa

- Fundação Calouste Gulbenkian, 1969/1983

- Fundação Champalimaud, 2010

- Garage Films, 2005-2006

- Museu da Eletricidade, 1909-1951

- Observatório Astronómico de Lisboa, 1861-67

- Padrão dos Descobrimentos, 1940 e 1960

- Palácio da Justiça de Lisboa, 1970

- Palácio de Santos / Embaixada de França, 1711/1937/1980-82

- Palácio Nacional da Ajuda, 1796-1833

- Panoptico Hospital Miguel Bombarda, 1894

- Ponte 25 Abril, Steinman, Boynton, Gronquist & Birdsall, 1962-66

- Reabilitação na Baixa, Casca arquitectura e design, séc. XVIII/2015

- Reabilitação Príncipe Real, 2014

- Reservatório da Mãe de Água, 1746 - 1834

- Reservatório da Patriarcal, 1860-1864

- Banco de Portugal, Antiga Igreja de São Julião, 1810/2012

- Supremo Tribunal de Justiça, Séc. XVIII

- Teatro Thalia, 1842 / 2012

 

Agenda: O Ultimo dos "Concertos nos Bairros 2015"

É já no próximo dia 26 que o Maestro António Victorino D’Almeida nos trás mais um “Concertos nos Bairros”, o último espectáculo de 2015.

Desta vez o Maestro partilhará o palco com Alexandra Simpson (piano), Elizabeth Davis (percussão) e Carmen Cardeal (harpa).

untitled.jpg

À semelhança do que aconteceu o ano passado, os "Concertos nos Bairros 2015" voltaram a ter as salas cheias provando que é uma iniciativa de sucesso com uma forte adesão do público.

Os “Concertos nos Bairros” é um projecto da Câmara Municipal de Lisboa que procura levar um tipo de música mais erudita a outros públicos e fora dos espaços centrais da cidade através do Maestro António Victorino de Almeida e seus convidados.

Como habitualmente a entrada é livre.

 

Concertos nos Bairros – Jardim Quinta de Santa Clara, Ameixoeira (Lisboa)

26de Setembro 2015 | 21.30h

Discos: Rodrigo Amado edita novo álbum "This Is Our Language"

O saxofonista e fotógrafo Rodrigo Amado edita o seu 15º álbum, “This Is Our Language”, partilhado com três das mais importantes figuras do jazz actual, Joe McPhee (sax alto e trompete), Kent Kessler (contrabaixo) e Chris Corsano (bateria).

146000.jpgEditado pela editora Polaca Not Two, este disco, gravado em estúdio, surge na continuidade do concerto realizado pelo quarteto no CCB, em Lisboa, no passado dia 1 de Dezembro de 2012, e celebra a influência de McPhee na música de Amado. Joe McPhee, um dos grandes mestres vivos do jazz de vanguarda, actualmente com 75 anos, tornou-se uma figura chave do jazz mais livre dos últimos 50 anos, tendo assinado inúmeras obras de referência, incluindo o mítico “Nation Time”, editado em 1971.

Chris Corsano é já considerado, apesar de ainda novo, uma lenda no universo da música criativa mundial, tendo colaborado com nomes como Bjork, Evan Parker, Sunburned Hand of the Man, Six Organs of Admittance, Thurston Moore ou Jim O’Rourke, e mantendo-se activo em inúmeras frentes musicais. Já Kent Kessler, contrabaixista e uma das mais destacadas figuras da cena jazz de Chicago, é um dos colaboradores regulares de Amado, tendo gravado com o saxofonista e com o baterista Paal Nilssen-Love os álbuns “Teatro” em 2006 e ainda “The Abstract Truth” no ano de 2009.

 

Após um ano de 2014 batante intenso, em que editou três novos discos, “The Freedom Principle” (No Business), “Live in Lisbon” (No Business) e “Wire Quartet” (Clean Feed), objecto de mais de uma centena de recensões críticas, um pouco por todo o mundo, Amado viu-se nomeado pela prestigiada El Intruso International Critics Poll como um dos cinco melhores saxofonistas tenor do ano, ao lado de Ken Vandermark, Mark Turner, Jon Irabagon e Ingrid Laubrock.

Já no início deste ano, realizou uma longa tournée europeia com o seu Motion Trio, tendo como convidado o trompetista Peter Evans, passando por locais de referência como a Jazz House em Copenhaga, o Cafe Oto em Londres, o clube Pardon To Tu em Varsóvia, ou a State Philharmony Hall em Oradea. Como refere o crítico e escritor norte-americano Stuart Broomer nas liner notes que escreveu para “This Is Our Language”, Amado is an emerging master of a great tradition, more apparent with each new recording or performance.”

 

O saxofonista prepara importantes concertos, nacionais e internacionais, sendo o primeiro já em Lisboa no dia 1 Outubro, Teatro Maria Matos, com Matthew Shipp, na Bélgica a 2 Outubro em Antuérpia, segue-se dia 3 de Outubro na Alemanha em Schorndorf), regressa ao Porto a 4 Outubro para um concerto na Casa da Música e finalmente no Seixal onde estará presente no Festival Seixal Jazz, com Rodrigo Pinheiro no dia 22 Outubro.

Agenda: Márcia inicia digressão de "Quarto Crescente" no São Luiz

Márcia realiza grandes concertos de apresentação de "Quarto Crescente" em Lisboa e Porto e anuncia novas datas da digressão

É já nos próximos dias 25 de Setembro no São Luiz Teatro Municipal em Lisboa, e 8 de Outubro na Casa da Música no Porto, que Márcia realiza os grandes concertos de apresentação de "Quarto Crescente". Estes concertos marcam o início da digressão em salas, num registo notoriamente mais próximo do público do que aquele que deu a conhecer nos festivais realizados durante o Verão.marcia 11.jpg"Quarto Crescente” foi lançado no dia 15 de Junho, antecipado pelo primeiro single "A Insatisfação". Esta ainda é uma obra em crescimento, um percurso de descobertas e encantos. Onde existe “A Insatisfação” (título do primeiro single) ou “A Urgência”, mas também um “Ledo Sorriso” ou um “Bom Destino”. Aberto ao que vier e disposto a convidar o público para essa viagem.

No momento em que Márcia vai para a estrada, “A Insatisfação”, que marcou o verão nas rádios nacionais, ganha nova projecção como parte da banda sonora da nova novela da SIC, "Coração D’Ouro".

Novas datas são também agora anunciadas: no Cine-Teatro João D’Oliva Monteiro, em Alcobaça, no dia 3 de Outubro, no Cineteatro Alba, em Albergaria-a-Velha, a 10 de Outubro e no Teatro Académico Gil Vicente, em Coimbra.

 

Márcia queria ser pintora e cursou Belas-Artes. Talvez seja por isso que a sua música tem a delicadeza de um traço numa página em branco, ou invoca cores pintadas com paciência numa tela. Márcia também esteve próxima do cinema, e talvez seja por isso que a sua música nos cria imagens tão fortes.

Márcia Santos: voz

Filipe Monteiro: guitarra e pedal steel

Manuel Dordio: guitarra

David Santos: baixo

Rui Freire: bateria

 

Numa entrevista publicada recentemente, Márcia afirma que se existe uma função na vida de cada um de nós, a sua será a de sossegar quem a ouve, de "apaziguar tormentos". 

 

São Luiz Teatro Municipal (Lisboa)

25 de setembro 2015 | 21.00h

 

Casa da Música - Sala Suggia (Porto)

8 de outubro 2015 | 21.30h

 

Fotografia: Paulo Homem de Melo