Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Glam Magazine

Glam Magazine

Moda: ModaLisboa apresenta “Sangue Novo”

Quem são “The Timers”? Nós somos The Timers.

Somos nós que vivemos e fazemos este tempo. Somos nós que acreditamos neste tempo e o valorizamos. Somos nós que renovamos o tempo. Nós somos o sangue novo dos The Timers.

A abertura oficial da ModaLisboa The Timers será entregue a Sangue Novo, no dia 9 de outubro, pelas 18.00h, com apresentação das coleções primavera/verão 2016 dos nossos principais designers emergentes.
Um universo em que Banda, Carolina Machado, Cristina Real, David Catalán, Inês Duvale, Patrick de Pádua, Rúben Damásio, Sara Santos e Tânia Nicole representam os intérpretes do tempo atual que a edição “The Timers” pretende valorizar.

2221.jpgUma geração atenta ao mundo que nos rodeia, inspirada pela atualidade, o imediato e o agora. Uma geração disposta a trabalhar e a criar um novo presente que sirva como assinatura de uma cultura contemporânea, real e imaginativa. “O foco é a captação do momento por uma imagem que nos transporta para outra época”, lê-se na proposta para a coleção de Cristina Real. “A necessidade do ser humano se reconhecer como indivíduo à parte do ambiente tecnológico que o rodeia”, contrapõe a proposta de Carolina Machado.

Uma das grandes novidades para esta edição da ModaLisboa The Timers será a atribuição de um prémio à melhor coleção Sangue Novo. O vencedor receberá um Master Level Certificate in the Fashion Area, um workshop de cinco semanas em Milão oferecido pela Domus Academy no valor de 5200 euros e uma bolsa de estudo de 5000 euros atribuída pela Vulcano, patrocinador oficial da ModaLisboa, para fazer face às despesas inerentes à participação no curso.

 

Os nove talentos Sangue Novo a concurso na ModaLisboa The Timers irão, pela primeira vez, ser classificados por um júri composto pela presidente da ModaLisboa, Eduarda Abbondanza, pelos designers Paulo Cássio e Nuno Gama, e pela diretora do Master in Fashion Design da Domus Academy, Sara Desimoni. A dupla espanhola CarlotaOms, resultado da união de Elisabet Carlota com Elisenda Oms, será convidada do desfile Sangue Novo, no âmbito da parceria da ModaLisboa com o festival de moda holandês FashionClash. Um dos designers portugueses do Sangue Novo será posteriormente convidado pelo festival holandês a representar Portugal na próxima edição do evento, a decorrer em Maastricht, em junho de 2016.

 

“Estes jovens inconformistas, revolucionários e radicais, tinham o intuito de conquistar a liberdade individual e fazer valer a sua importância na sociedade”, conclui Sara Santos na sua proposta de coleção.

2220.jpgO tempo foge. Nós não. Porque nós somos The Timers.

Apresentação oficial das Coleções dos Criadores Portugueses. Uma organização conjunta da Câmara Municipal de Lisboa e da Associação ModaLisboa.

 

ModaLisboa The Timers

Pátio da Galé / Praça do Município

9 a 11 de Outubro 2015

 

Agenda: João Afonso e “Sangue bom”

Com o Outono, chegam à Sons Vadios as sonoridades lusófonas de “Sangue Bom”, o mais recente álbum e projecto musical de João Afonso.

Com uma carreira internacional desde 1994, o cantautor nascido em Moçambique é actualmente a expressão máxima da Lusofonia, com uma fusão natural entre a música urbana africana e a música popular portuguesa, esta última por influência do seu tio José Afonso.

Um concerto a fervilhar de ritmo e a não perder de ouvido!

Joa¦âo-Afonso_-foto-de-augusto-bra¦üzio1.jpgNeste novo espectáculo, João Afonso dá voz às narrativas de Mia Couto e de José Eduardo Agualusa, num trabalho que junta três histórias de vida, em que as palavras e a música se fundem em canções de amizade, de fraternidade e de amor. O cruzamento cultural entre Portugal, Angola e Moçambique, inventando um novo território, onírico, traduzido nas diversas colaborações entre autores e músicos. Em concerto, à voz e guitarra de João Afonso, junta-se Vítor Milhanas (baixo, voz e arranjos), Mário Santos (bateria), Miguel Fevereiro (guitarras e voz) e António Pinto (guitarras e voz), sendo a próxima apresentação já no dia 20 de Outubro, no âmbito do FOLIO – Festival Literário Internacional de Óbidos.

 

Com uma vasta discografia de composições próprias, João Afonso é uma voz singular no panorama nacional, com uma forte marca autoral, que se distingue pelo lirismo das melodias e poesias. Em “Sangue Bom” renova o seu espírito criativo, convidando-nos a viajar pelas paisagens sonoras de uma Lusofonia por (re)descobrir.

 

Festivais: As presenças no Caixa Alfama ’15 (Parte 1)

A 3ª edição do Festival Caixa Alfama volta a celebrar o Fado no coração de Alfama. Em 2013, a Caixa Geral de Depósitos e a Música no Coração reuniram-se no desafio de criar o primeiro grande Festival da música que transporta a identidade e a alma lusa, o Fado. Nasceu assim o Caixa Alfama.

Depois de duas edições esgotadas e de uma extensão a Norte com o Caixa Ribeira, o Fado regressa este ano para mais um Caixa Alfama, numa homenagem à cultura portuguesa com os maiores intérpretes do Fado.

O Festival Caixa Alfama, regressa assim para a sua terceira edição. Decorrerá durante duas noites,18 e 19 de Setembro, em 10 espaços distintos, contando com a prestação de mais de 40 Fadistas de diferentes gerações que, atualmente, melhor representam, interpretam e divulgam o Fado, elemento genuíno e condutor vivo da cultura e identidade portuguesas.

E porque o Fado não escolhe idades, o Caixa Alfama foi desenhado com o objetivo de chegar a todos os públicos: dos profundos conhecedores de Fado, àqueles que pretendem inteirar-se desta arte maior, ou que só há pouco a vêm descobrindo. As características particulares do Caixa Alfama promovem o movimento e a organização, procurando que o público seja protagonista maior, dando vida às ruas e miradouros do Bairro de Alfama, o mais antigo da capital, local que respira a história do Fado.

São estes os palcos desta edição: Palco Caixa, Museu do fado - Auditório, Museu do fado – Restaurante, Palco Casa Ermelinda Freitas, Igreja de São Miguel, Igreja de Santo Estêvão, Palco Caixa Futuro – Sociedade Boa União, Centro Cultural Dr. Magalhães Lima, Grupo Sportivo Adicense, Lavadouro de Alfama.

 

Vamos dar a conhecer os fadistas que estão presentes no festival.

 

Ana Moura00-Ana Moura.jpgAna Moura dispensa apresentações.

Conhecida e aclamada em Portugal e pelo Mundo, é uma das maiores e mais incríveis embaixadoras do Fado dentro e fora de portas. Nas edições discográficas estreou-se há pouco mais de uma década e temas como “Búzios” ou “Leva-me aos Fados” atiram a fadista para um sucesso de clamoroso tamanho, acabando por cantar com ícones da pop mundial como os Rolling Stones, Prince, Gilberto Gil e outros.

Com o último “Desfado”, juntou a tradição com a contemporaneidade, confirmando Ana Moura como uma Fadista absolutamente singular.

Palco Caixa

19 setembro 2015 | 00.15h

 

Ana Sofia Varela00-Ana Sofia Varela.jpgNasceu em Lisboa em 1977. O contacto com o Fado ocorreu através dos discos da Amália, que ouviu pela primeira vez aos 10 anos. Mais tarde começou a cantá-los em diversas Noites de Fado em Serpa, na Casa do Povo, escolas e colectividades. Estes eventos começaram a acontecer com alguma frequência e foi com os fadistas locais que começou a interiorizar este género musical. O convite para cantar em casas de fado em Lisboa surgiu em 1997 pela mão de Carlos Zel que muito a admirava. Entretanto iniciou a colaboração com o guitarrista Mário Pacheco, com quem realizou diversos espectáculos (Macau, Japão, Itália, etc.) e que a convidou, mais tarde, para integrar o elenco fixo do Clube de Fado.

Em 1999, aceita o convite de João Braga para a participação em diversos espectáculos que culminaram com a edição do CD “Cem Anos de Fado” que incluía ainda Carlos Zel, António Pinto Basto e Maria Ana Bobone. Durante 2004, esgotou salas na Argélia, Bélgica, Espanha, Grécia, Holanda, Inglaterra, Japão e Noruega. Em 2005, foi distinguida com o Prémio Amália Rodrigues para a Melhor Voz Feminina. Em 2006 inicia uma nova etapa da sua carreira, ao fundar com José Peixoto (Guitarra clássica), Fernando Júdice (Baixo Acústico) e Viki (Percussão) o grupo Sal. Em 2009 mais um galardão: recebeu o Prémio Amália Rodrigues pelo álbum “Fados de Amor e Pecado”.

Museu do Fado - Restaurante

19 setembro 2015 | 22.00h

 

Anabela00-Anabela.jpgCantora e atriz, Anabela despontou, em 1993, com a vitória no Festival da Canção, com a inesquecível composição “A Cidade (até ser dia)”.

Daí para cá, a carreira de Anabela tem sido marcada pela música e representação. Como actriz, são muitas as que interpretou na TV mas, particularmente, no teatro, com recorrência nas produções de La Féria: “Jasmim ou o Sonho do Cinema”, “My fair lady”, “Música no Coração”, “Jesus Cristo Superstar”, entre outras de enorme êxito. Dona de uma bela voz, Anabela lançou este ano o seu 9º disco. Chama-se “Casa Alegre” e por lá, colaborações de luxo como as de Tiago Torres da Silva, Miguel Gameiro, Pedro Silva Martins e Cátia Oliveira.

Palco Casa Ermelinda Freitas

19 setembro 2015 | 22.00h

 

Angelo Freire

Para além de cantar, Ângelo Freire toca Guitarra Portuguesa.

Em 2000, com apenas 12 anos, venceu a Grande Noite do Fado… voltando a ganhar, desta vez na categoria de instrumentista, 4 anos depois. Para além de excelente intérprete, como guitarrista acompanha nomes como Ana Moura, Mafalda Arnauth, Carminho, entre outros grandes fadistas.

Museu do Fado - Auditório

19 setembro 2015 | 20.00h

 

António Chaínho e convidados00-Antonio Chainho.jpgO majestoso guitarrista António Chaínho comemora este ano 50 anos de carreira.

A data imensa e única é marcada pela edição de “Cumplicidades”, disco que conta com a participação de Rui Veloso, Pedro Abrunhosa, Paulo de Carvalho, Ana Bacalhau (dos Deolinda), Sara Tavares, Fernando Ribeiro (dos Moonspell), o fadista Hélder Moutinho, o cantor angolano Paulo Flores e a brasileira Vanessa da Mata, que dá voz ao tema Aprender a sorrir. A história deste alentejano de S. Francisco da Serra, Santiago do Cacém, confunde-se com a do Fado.

Apresentou-se pela primeira vez em público aos 13 anos. Pouco depois dos 20 (nos anos 60) estreia-se na casa de fados Severa, percorrendo outras como O Faia, O Folclore ou Picadeiro. Tocou com nomes como Maria Teresa de Noronha, Lucília do Carmo, Carlos do Carmo, Francisco José, Tony de Matos, entre outros. Porém, a determinada altura da sua carreira, Chaínho passou de acompanhante a figura protagonista, convidando, ao longo de alguns discos e muitos concertos, figuras de proa da música nacional e internacional como Gal Costa, Fafá de Belém, Teresa Salgueiro, Filipa Pais ou Nina Miranda (Smoke City). António Chaínho tem no Fado, um trajeto de sonho de 5 décadas.

Por isso, o ano de 2015 é, para todos os amantes do género, um ano especial.

Palco Caixa

19 setembro 2015 | 21.30h

 

António Pinto Basto00-António-Pinto-Basto.jpgNasceu em 1952 em Évora, no Alentejo e cedo demonstrou grande gosto pela música em geral e, em particular, pelos cantos tradicionais e pelo fado que, desde a adolescência, começou a cantar em festas particulares. Em 1988 decidiu, finalmente gravar o seu primeiro LP “Rosa Branca”.

O êxito foi imediato e fulgurante, coroado por uma digressão de mais de 120 concertos em 1989, no final do qual seria editado o duplo LP “Maria”. Em 1991 é editado o seu terceiro LP intitulado “Confidências à Guitarra”.

Em Outubro de 1994, um momento especial na sua carreira: É convidado pelo Instituto Cultural de Macau para ser solista numa digressão que a Orquestra Chinesa de Macau vai efectuar em Portugal. No início de 1996 é lançado o CD “Desde o berço”. Em maio de 1997, A convite da Comissão Europeia e da Embaixada de Portugal em Ancara, efectua dois concertos na Turquia, em Izmir e em Ancara, nas comemorações do “Dia da Europa”. Em Dezembro de 2007, mais um CD, “Bodas de Coral” que marca o seu retorno à linha de Fado tradicional e que, como o nome indica, comemora 35 anos do seu casamento com o Fado.

Igreja de São Miguel

18 setembro 2015 | 21.00h

 

Artur Batalha

Conhecido como o “Príncipe do Fado”, nasceu em Alfama no início dos anos 50.

Aos nove anos já cantava em público e aos 14 deu-se o arranque da sua carreira na Taverna do Embuçado. Em 1971, venceu a Noite do Fado no Coliseu dos Recreios, em Lisboa, e passou a cantar em vários países e na televisão. Depois de há uns anos se ter afastado das cantorias, voltou em força e ao vivo para dar vida a um reportório rico e diversificado.

Palco Casa Ermelinda Freitas

18 setembro 2015 | 21.15h

Discos: Novo disco de Cavalheiro sai em Outubro pela editora PAD

Cavalheiro, alter-ergo de Tiago Ferreira, fundador dos míticos Veados Com Fome, está de regresso aos discos em Outubro.

“Mar Morto” marca o quinto álbum de originais do músico e é editado já no próximo dia 2 de Outubro, mais uma vez pela editora bracarense PAD, editora de nomes como Sensible Soccers, Peixe:Avião, Dear Telephone ou Long Way To Alaska.capa.png“Este Dia” é o single de avanço do novo disco de Cavalheiro e estará a partir de hoje a rodar nas rádios. São 8 os temas que fazem parte do alinhamento do disco.

Na próxima segunda-feira, 21 de Setembro, Cavalheiro dará a conhecer o vídeo para o single “Este Dia”

Cavalheiro_Novo Disco.jpg

João Pedro Vinagre escreve sobre o novo disco de Cavalheiro e dá a conhecer um pouco mais do nos espera Outubro.

“Depois do EP "Trégua", Cavalheiro renova a tripulação e volta a fazer-se ao mar.

A placidez do registo anterior dá agora lugar a um rock directo, pujante e incisivo, executado com um foco e segurança ainda sem precedentes no percurso do músico.

O maior cuidado na construção, arranjo e produção dos temas, sem sacrificar o tom urgente e espontâneo do disco, revela a mão calejada de quem há muito deixou a água doce. Esgotadas as metáforas náuticas, sobra dizer que, apesar de tudo o que de novo consegue, "Mar Morto" nos traz a quinta-essência de Cavalheiro: o assumir do desconforto que é estar vivo e a forma que Tiago Ferreira tem de o traduzir para a sua música, o diálogo sincero, a voz áspera e despida e, sobretudo, a fé inabalável na amargura como arma de sedução”.

 

A atual banda de Cavalheiro é composta por João Coutada (The Partisan Seed, Interm.ission, Ratere), Ricardo Cibrão (Dear Telephone, La La La Ressonance) e pelo João Filipe (BEARS).

Agenda: Musicbox Heineken Séries… William Basinski

Criado em Dallas, Basinski estudou saxofone e clarinete na Universidade do Norte do Texas durante dois anos. Com o passar do tempo, o americano viria a interessar-se por aquilo que classifica como “os três pontos do triângulo”, entendido aqui como a música de John Cage, Steve Reich e Brian Eno. Referências que o influenciaram a recolher e samplar todo o tipo de sons. Utilizando gravadores de cassetes de qualidade duvidos, Basinski gravou instrumentos, o interior do seu frigorífico, sons ambiente da cidade, autocarros, gafanhotos e trolleys.

0000.jpgÉ ainda esta extensa biblioteca que sustenta o seu trabalho e que viria a ser o ponto de partida para o trabalho que trouxe o seu nome para a linha da frente da música mundial. Aclamado pela crítica internacional e pelos pares, “The Disintegration Loops” é tido, até aos dias de hoje, como um dos mais seminais discos da música electrónica ambiental, mostrando que, como diz Brian Eno, “a repetição é uma forma de mudança”. Ainda que a música de Basinski seja difícil de explicar e calssificar, impossível será dizer que a aparente uniformidade sonora das composições de Basinski é inerte e árida, sobretudo pela força drmática e emocional com que as gravações sobem e decaem.

 

William Basinski integra mais uma das Musicbox Heineken Series, séries de concertos dedicadas a mostrar as tendências e linhas mais seminais da música urbana contemporânea.

 

A noite contará ainda com Jerome Faria, Mr.Herbert Quain e CRUZ

 

Musicbox (Lisboa)

18 setembro 2015 | 22.00h

 

Festivais: NEOPOP anuncia datas para 2016

Na sequência do sucesso da 10ª edição do Neopop, é com enorme prazer que a organização do festival, em estreita parceria com a Câmara Municipal de Viana do Castelo, anuncia as datas da edição do próximo ano.

datas2016.pngDias 4, 5 e 6 de Agosto de 2016, no emblemático espaço junto ao Forte de Santiago da Barra, o 11º Neopop promete voltar a transformar Viana do Castelo numa verdadeira capital do que de melhor se faz na cena electrónica mundial, reafirmando o posicionamento único que alcançou no panorama dos festivais em Portugal e na Europa.

Depois do que foi uma edição que, no mês passado, recebeu diariamente 10.000 pessoas e chegou a mais de 80 países através de transmissão livestreaming, o município de Viana do Castelo, na pessoa do seu Presidente, Engenheiro José Maria Costa, reforça a aposta no evento que é já uma referência na e da cidade.

 

Nesse sentido, e com vista a uma maior visibilidade do festival e do concelho, dentro e fora de Portugal, o Neopop e a Câmara Municipal unem esforços para melhor receber os festivaleiros, que se esperam em maior número em 2016, comprometendo-se a mostrar o que de melhor a região tem a nível de gastronomia, comércio tradicional e turismo, contribuindo assim para aumentar o já forte impacto que o festival tem na economia local.

 

Porque o objectivo é crescer em quantidade mas também qualidade, para além do cartaz que será entretanto anunciado, estão também previstas acções gratuitas que irão acontecer por toda a cidade, de modo a fazer uma aproximação entre o evento e os locais, tornando o Neopop ainda mais vianense.

Essas novas acções terão por base uma forte aposta nas novas tecnologias e, claro, no esplendor da música electrónica em vertentes que ultrapassam o formato do festival

 

De Viana para o mundo, a celebração do Neopop Festival chega à 11ª edição nos dias 4, 5 e 6 de Agosto de 2016, junto ao Forte de Santiago da Barra.

Agenda: Concertos à hora do almoço na Câmara Municipal do Porto

A Câmara Municipal do Porto vai ser palco, dias 16, 17 e 18 de setembro, de 3 concertos internacionais, integrados no festival Harmos Plural 2015, à hora do almoço, pelas 13.00h, no átrio dos Paços do Concelho, com entrada livre.

0.jpgO festival Harmos é um conceito único que reúne os melhores artistas das mais relevantes escolas superiores de artes do mundo, em várias cidades e diferentes locais do país. É um projeto promovido pela Escola Superior de Música, Artes e Espetáculo do Politécnico do Porto, em parceria com mais de 20 organizações de todo o mundo, entre as quais a Câmara Municipal do Porto.

A iniciativa começa com CARDO‐ROXO, convidados especiais Harmos, um colectivo português.

 

Programa:

16 de setembro

CARDO‐ROXO (PT), convidados especiais Harmos

Antony Fernandes - Barítono, säckpipa, flauta de harmónicos

Carmina Repas Gonçalves - Soprano, viola da gamba

 

17 de setembro

MEROPE (NL, Codarts)

Jean Christophe Bonnafous (FR) - bansuri

Indrė Jurgelevičiūtė (LT) - voz, kanklės

Bert Cools (BE) – guitarras e efeitos

 

18 de setembro

BIRTHDAY PRESENT (UK,Birmingham)

James Alexandropoulos‐McEwan (UK/GR) - Guitarra eléctrica

Patrick Ellis (UK) - Trompete

Sam Leith Taylor (UK) – Saxofone

Paul Zaba (UK) – Acordeão

 

Paços do Concelho

Câmara Municipal do Porto | 13.00h

 

Agenda: Isaura e Francis Dale iniciam tour conjunta, dia 15 de Outubro, no Lux (Lisboa)

Isaura \ Francis Dale são duas promessas da nova música portuguesa que se deixam descobrir num espectáculo conjunto no Lux Frágil, em Lisboa, já no dia 15 de Outubro.

Depois da estreia na capital, a digressão tem datas confirmadas noutros pontos do país para apresentar “Serendipity” e “□ – square”. Sobem ao palco Fred Ferreira (Orelha Negra, Banda do Mar, 5:30) e Ben Monteiro (D’Alva, Ana Cláudia) para integrar a banda que viajará por Portugal com os temas dos últimos trabalhos de Isaura e Francis Dale.Isaura_FrancisDale_@MariaRita_Original.jpg“Há histórias que se escrevem lado-a-lado; sem se ver, sem se tocar. Isaura \ Francis Dale nasce para contar uma dessas histórias.

Não são complementares, não são antagónicos, não são compensatórios, não são invertíveis, não são comparáveis, não são imiscíveis, não são fundíveis. Isaura \ Francis Dale são duas verdades singulares, duas perspetivas do mesmo espaço e do mesmo lugar. É o estar bem e o estar mal, é o gostar mas não compreender, é o querer mas não aceitar, é o precisar mas não consentir.

Protagonizam uma história para nos lembrar de quantas vezes falamos sem nos conseguirmos verdadeiramente explicar; de quantas amizades se perdem na falta de harmonia e de quantos amores se apagam depois de lutar simplesmente porque se chegou ao fim.

Francis Dale tem sol, Isaura tem sombra; Francis Dale canta a força de ficar, Isaura o desalento de partir. Estão lado-a-lado sem se ver e sem se tocar; guardam as cores que trocaram.”

 Isaura \ Francis Dale Tour:

15 Outubro – Lux (Lisboa)

21 Outubro – Cineteatro António Lamoso (Feira)

22 Outubro – Centro Cultural (Ílhavo)

23 Outubro – Salão Brazil (Coimbra)

24 Outubro - Teatro Diogo Bernardes (Ponte de Lima)

21 Novembro – Teatro Cine (Gouveia)

12 Dezembro – Hard Club (Porto)

 

Mais datas a anunciar brevemente!

 

Fotografia: Maria Rita