Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Glam Magazine

Glam Magazine

Agenda: Oh Land em Portugal (Concertos Cancelados)

A dinamarquesa Nanna Øland Fabricius, mais conhecida pelos fãs em todo o mundo como Oh Land, atua em Portugal já no próximo mês de outubro para apresentar o seu mais recente álbum “Earth Sick”.

Oh Land apresenta o seu novo trabalho em Portugal a 23 de outubro, subindo ao palco do Paradise Garage, em Lisboa, atuando no dia seguinte no Hard Club, no Porto.

ohland.jpgNanna surgiu no cenário musical em 2008 em circunstâncias pouco convencionais. Quando uma carreira de 10 anos no ballet foi abruptamente interrompida por uma lesão, começou uma nova fase, mas desta vez no mundo da música. Com 22 anos, Fabricius escreveu e produziu o seu primeiro álbum Fauna, que foi lançado perante aclamação da crítica especializada. Tendo gravado a maior parte do álbum sozinha no seu quarto, Nanna descobriu um talento precoce para a produção. O processo que encontrou na criação de “Fauna” foi prenúncio para o que viria depois.

“Earth Sick”, o quarto álbum de Oh Land lançado em 2014, marca um retorno às raízes que lançaram a sua carreira musical, escrever, gravar e produzir tudo sozinha em casa, com a ajuda dos seus amigos mais próximos, familiares e novos talentos.

 

Concertos Cancelados

 

Paradise Garage (Lisboa)

23 de outubro 2015 | 21.30h

 

Hard Club (Porto)

24 de outubro 2015 | 21.30h

 

Agenda: Os Black Star Riders em Portugal em Novembro

Os Black Star Riders vão passar por Lisboa para um concerto único dia 13 de novembro no Paradise Garage.

A banda irá apresentar o mais recente álbum “The Killer Instinct” lançado em fevereiro de 2015.

black.jpgEm 2010 Scott Gorham anunciou o regresso dos Thin Lizzy com alguns dos elementos que fizeram parte da banda. Contudo, após um período de digressões entre 2011 e 2012, o grupo anuncia que o disco não seria lançado em nome dos Thin Lizzy e que um novo nome ia surgir.

 

Black Stars Riders, foi assim que se apresentaram aos fãs e lançaram o seu primeiro álbum “All Hell Breaks Loose”, em maio de 2013.

O êxito da nova banda foi facilmente alcançado graças ao já conhecido sucesso dos seus elementos, Scott Gorham com todas as encarnações do Thin Lizzy desde 1974 e com 21 Guns, Ricky Warwick com The Almighty, Robbie Crane com Ratt, Damon Johnson com a sua banda Brother Cane, e Jimmy DeGrasso que trás consigo na bagagem várias atuações com Megadeth, Suicidal Tendencies, “White Lion” e Alice Cooper.

 

Paradise Garage (Lisboa)

13 de novembro 2015 | 21.30h

 

Agenda: Os Improváveis preparam-se para encerrar “A Fábrica”

São 3... Eles são divertidos… são surpreendentes… são peritos na arte de improvisar. Eles são, claro, os IMPROVÁVEIS!

O público pede, os Improváveis fazem! É o lema deste grupo que prima pela constante busca de novos caminhos e aplicações da sua arte.os im.jpgEles são actores profissionais, Marta Borges, Pedro Borges e Telmo Ramalho que se especializaram em Comédia de Improviso. Desde 2008 já participaram em inúmeras formações e workshops com os maiores entre os maiores a nível mundial. Por cá, mantêm uma actividade diversificada: espectáculos, formações corporate, animações de reuniões, apresentações de galas e muitos outros eventos absolutamente prováveis!

Em “A Fábrica”, o espectáculo do momento, tudo é improvisado: sem guião ou personagens fixos, a acção é criada em tempo real, a partir das dicas recebidas da plateia pelo público. Esta interactividade entre actores e público torna cada apresentação única e impossível de repetir.

 

Mas a "má noticia" é que “A Fábrica” vai “fechar”.

Deixamos a recomendação: aproveite a última temporada, em Outubro e Novembro e repetir, as vezes que quiser e puder. Para o ano... novidades!

 

Auditório dos Oceanos - Casino Lisboa

Todas as 3ªs Feiras de 6 de Outubro a 24 de Novembro | 21.30h

 

Fotografia: Pedro Leitão

Agenda: MEXE… III Encontro internacional de Arte

O grande encontro de Arte e Comunidade regressa ao Porto em 2015, afirmando-se como um dos espaços incontornáveis em Portugal e na Europa de cruzamento e contaminação das pujantes práticas artísticas comunitárias. Este ano o MEXE mexe com a nossa ideia de multiculturalidade numa Europa profundamente dividida e confronta-se com a necessidade urgente de reflexão sobre as práticas artísticas comunitárias no contexto espaço-tempo que vivemos.

me.jpgNa sua 3ª edição, o MEXE encontra pela primeira vez o acolhimento-âncora de um equipamento cultural da cidade, Teatro Carlos Alberto / TNSJ. Esta cumplicidade oportuna não invalida a continuidade da vocação do encontro para o espaço público, antes pelo contrário, permite o aprofundamento de projetos na sua programação que contemplam abordagens distintas e com outro tipo de recursos. Esta edição mantem igualmente, com grande esforço mas coerente com os seus princípios, a preocupação de acesso às diferentes áreas de programação de públicos diversos, mantendo a gratuitidade da maior parte das ações e nos casos de entrada paga um preço simbólico.

 

À semelhança de anos anteriores, o MEXE organiza-se em quatro grandes componentes que ganham outras formas em 2015: Oficinas, Espetáculos, Encontro Internacional de Reflexão sobre Práticas Artísticas Comunitárias e Mostra de Documentários. Nesta edição, as três Oficinas de Teatro e Música focam-se nas comunidades com quem a PELE tem vindo a desenvolver trabalho nos últimos oito anos, nomeadamente, no centro histórico do Porto, Lagarteiro e Lordelo do Ouro.

Destaque para o Encontro Internacional de Reflexão sobre Práticas Artísticas Comunitárias (EIRPAC) uma co-organização inédita entre o Instituto de Estudos de Literatura e Tradição (IELT) da Universidade Nova de Lisboa, Universidade de Évora, ESMAE/IPP e PELE.

 

Este encontro irá decorrer nos dias 9 e 10 de Setembro e tem como objetivo promover a reflexão, considerando a importância que estas práticas têm vindo a adquirir no seio das criações artísticas contemporâneas, entendendo-se estas como indissociáveis das manifestações e experiências sociais e culturais das comunidades.

 

Os Espetáculos que compõem a programação desta edição centram-se nas criações nacionais de reconhecida qualidade na área do teatro, dança e música destacando-se o consistente coletivo Dançando com a Diferença e a inspiradora co-produção “Criaturas” do Teatro O Bando e Teatro dos Barris, entre outros. O espetáculo internacional de um grupo constituído por mulheres turcas e marroquinas “Meysara” que aborda o tema do feminino na perspetiva muçulmana preenche intencionalmente a noite de 11 de Setembro. Destaque ainda para o grupo húngaro Színpad AHA constituído por pessoas sem-abrigo que nos coloca em contacto com uma cultura pouco conhecida para os portugueses e onde se erguem, no agora, muros numa Europa blindada pelo medo.

 

A Mostra de Documentários este ano contempla uma estreia absoluta “Cidadãos de Corpo Inteiro” sobre o processo dos dois últimos anos de construção da criação da PELE, “MAPA_O jogo cartografia” que envolveu cerca de 100 pessoas do Porto e que fecha o MEXE com a sua última apresentação. Esta mostra revela ainda outros projetos nacionais e internacionais, experiências estimulantes da Argentina e Brasil, no campo de refugiados de Jenin na Palestina e de numa prisão na Irlanda do Norte.

 

Destacar ainda a extensão do festival em 2015 a Rio Tinto e a parceria consolidada com o ICAF - International Community Arts Festival de Rotterdam (Holanda).

Este é o espaço para reforçar um imenso agradecimento aos parceiros formais e informais, à equipa incansável deste encontro e a todos os cidadãos que se implicam de diferentes formas e intensamente na realização do mesmo.

 

O Programa do Evento pode ser descarregado aqui

Oficinas: Informação completa aqui

 

 

 

 

Agenda: Diana Krall ao vivo em Portugal

Com 2 décadas de carreira, Diana Krall é um dos maiores ícones vivos do jazz. É a artista do género que mais vendeu até hoje, contabilizando-se o colossal número de 15 milhões de discos.

Para além dos créditos que o seu reportório acolhe, já produziu Barbra Streisand e foi directora musical e principal arranjadora do título “Kisses on the Bottom” (2012), de Paul McCartney.

DianaKrall.jpgDe timbre contralto, canta com uma suavidade aveludada e encantatória, sobre notas de piano que maneja num virtuosismo candente e cristalino. Prodigiosamente iniciou-se nas teclas de marfim branco e preto aos 4 anos de idade, começando a tocar na sua cidade natal, Nanaimo (Canadá), ainda na adolescência.

Depois de estudar nos Estados Unidos, os concertos ganharam volume na Califórnia, onde viveu até ao início dos anos 90. De regresso ao país de origem, estreia-se com o álbum “Stepping Out” em 1993, disco de standards e clássicos do jazz. Desde então editou 12 álbuns, mais uma conjunto de registos ao vivo em DVD. O último disco é incrivelmente surpreendente e com ele iniciará uma digressão europeia nos últimos meses deste ano.

Chama-se “Wallflower”, título inspirado num tema de Bob Dylan, constituindo-se de canções originalmente pop (e algumas também folk), de bandas e artistas que a acompanharam na adolescência tais como Eagles, Elton John, The Mamas & The Papas, entre outros.

"Wallflower" inclui igualmente participações de Michael Bublé e Bryan Adams, responsável pela fotografia de capa do disco, um inédito de Paul McCartney e é produzido por David Foster, o multi-galardoado compositor/produtor e actual responsável da Verve.

No MEO Arena, o novo registo de Diana Krall, sempre com um sabor jazzy, será o grande destaque de uma noite inesquecível, a 24 de Setembro.

 

MEO Arena (Lisboa)

24 setembro 2015

Discos: Fandango editam disco de estreia hoje…

São precisos dois para dançar o Fandango.

Gabriel Gomes e Luis Varatojo há muito que cruzam os palcos da música portuguesa, o primeiro com a Sétima Legião e os Madredeus, o segundo com os Peste & Sida e A Naifa. A procura de novos sons e novos caminhos tem marcado o percurso dos dois músicos que, em projectos diferentes, têm perseguido um objectivo comum: criar propostas artísticas a partir de referências da música de raiz portuguesa.

Desta vez juntam-se para experimentar as sonoridades do acordeão e da guitarra portuguesa num contexto onde a electrónica comanda a acção e apela à dança. A edição do disco é da Rastilho Records.

fandango.jpgGabriel Gomes

Músico, compositor e arranjador, iniciou a carreira no fim dos anos 80 com a Sétima Legião, grupo com o qual gravou cinco álbuns de originais. Nos anos 90 funda os Madredeus, um dos mais internacionais grupos portugueses, com quem gravou cinco álbuns e realizou centenas de concertos. A partir de 1996, e após a sua saída dos Madredeus, decide dedicar mais tempo a uma área que já o fascinava: as novas linguagens e ferramentas do mundo digital. Editou um disco sob a designação de Projecto Om e outro com o nome de Tjak, onde explora os caminhos da música electrónica. Foi também fundador, juntamente com Rodrigo Leão, do grupo Os Poetas com o qual gravou um álbum.

Luis Varatojo

Músico, autor e produtor, iniciou a carreira no fim dos anos 80 com os Peste & Sida, banda da qual foi fundador, e com quem gravou quatro álbuns de originais. Mais tarde, já em meados dos anos 90 grava três álbuns sob a designação Despe e Siga. Com ambas as formações realizou centenas de espectáculos em Portugal. No início de 2000 inicia uma parceria com João Aguardela, com quem criou o projecto Linha da Frente em 2002, e a

banda A Naifa em 2004. Com a Linha da Frente deixou o registo de um disco homónimo de originais e vários espectáculos em Portugal e Espanha. Com a Naifa editou cinco álbuns, quatro deles com música original, e fez várias digressões em Portugal e no estrangeiro, com passagem por várias salas e festivais importantes na Europa, Ásia e África.

 

Discos: Ana Moura nos EUA, a gravar o seu novo álbum

Ana Moura encontra-se em Los Angeles, nos EUA, a gravar o seu novo álbum. A cantora voltou aos Henson Recording Studios para gravar com Larry Klein, vencedor de 5 Grammy e o produtor com quem já trabalhou no último disco. Ainda sem nome, este será o 6.º registo de estúdio da fadista que é, actualmente, o maior nome do fado a nível mundial.

ana moura.jpg"Desfado" é já um clássico da música portuguesa. Há 140 semanas consecutivas no top de vendas nacional, onde se encontra atualmente em 2.º lugar, prestes a chegar à 5.ª Platina, este foi o disco que internacionalizou Ana Moura. O primeiro editado pela Universal Music Internacional, através da Decca, chegou ao 1.º lugar várias vezes em Portugal, tendo atingido o n.º 1 dos top's de World Music em Inglaterra, Espanha e Estados Unidos.

 

"Desfado" reuniu alguns dos melhores compositores da atualidade e o single homónimo tornou-se no primeiro fado a ser tocado nas rádios mainstream nacionais. A digressão de "Desfado" contou com mais de 300 concertos que levaram Ana Moura aos maiores palcos nacionais e internacionais.

Com mais de 300.000 discos vendidos, mais de uma dezena de galardões onde se destacam 2 Globos de Ouro, 2 prémios Amália, 1 nomeação para os Songlines Music Awards na categoria de Melhor Artista, colaborações com ícones da música tais como Prince, The Rolling Stones, Caetano Veloso, Gilberto Gil ou Herbie Hancock, Ana Moura é a artista nacional com a carreira mais meteórica da atualidade.

O sucessor de "Desfado" deverá ser editado ainda este ano. Ana Moura tem partilhado algumas imagens deste processo de gravação, desde que chegou a Los Angeles. E a fasquia está cada vez mais alta...

 

Muito em breve serão revelados mais detalhes sobre o novo disco.

 

Fotografia: Paulo Homem de Melo