Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Glam Magazine

Glam Magazine

Concertos: EDP Cooljazz ao rubro com Lionel Richie

A noite prometia ser longa com o mote do concerto “All night long” e até S.Pedro parecia estar interessado no concerto de Lionel Richie, mas foi “chuva de pouca dura”.

Os Caís Sodré Funk Connection tiveram a ingrata tarefa de fazer o aquecimento prévio do publico para o concerto de Richie, pois o publico que chegava estava ali para escutar, cantar e dançar ao som de Lionel.

DSC_0779 (Cópia).jpg“Hello, is it me you’re looking for?”, ouve-se em fundo antes de entrar em palco…

A abertura do concerto faz-se ao som de “Running with the night” e logo ao final dos primeiros acordes o público, que enchia por completo o parque dos poetas em Oeiras, já estava todo de pé a cantar.

“We have a lot of songs to do tonight, let’s go” e assim no final do primeiro tema estava conquistado o ambiente. A energia do publico era notória que o próprio artista disse: “I’ll never leave this town. You have to call the army!”DSC_0811 (Cópia).jpg

Dono de uma capacidade enorme de se apresentar em palco, nunca deixou de interagir com o público incentivando sempre a cantar e a dançar.

DSC_0863 (Cópia).jpgOs Commodores tiveram uma presença muito forte no alinhamento do concerto, temas como “Easy” ou “Three times a lady” conquistam o público, mas são os sucessos dos anos 80 que fazem com que o publico cante… “if you want to sing, sing, if you want to dance, dance”

DSC_0917 (Cópia).jpgO piano era utilizado como um “travão” à energia em palco do artista e ao mesmo tempo, talvez um moscatel de Setúbal, ajudava a “limpar” a voz do cantor. Ao terceiro tema no piano, Lionel diz que não pode beber muito porque senão fica como o Stevie Wonder, “if I drink too much I might become Stevie Wonder.”DSC_0865 (Cópia).jpgSempre bem disposto em palco diz que tem uma surpresa para o concerto. Convidou Diana Ross para cantar com ele “Endless love”. É grande a expetativa dos milhares presentes, assistir em palco à presença de Diana Ross, mas rapidamente desfaz as duvidas quando diz que ela não aceitou estar ali, era muito calor… e rapidamente se faz um dueto do tema com o público feminino.DSC_0835 (Cópia).jpg“Hello” surgia no alinhamento do concerto, o tema cantado pelo público acabou por deixar o artista sem palavras, que fez questão de afirmar que cantavam melhor que ele…

“All night long” fechava o alinhamento com o publico a dançar e a cantar com o artista.

DSC_0933 (Cópia).jpgE de volta ao palco, para o encore, Lionel Richie termina a digressão europeia com o tema “We are the world”, escrito por ele e por Michael Jackson, na tentativa de transmitir uma mensagem de esperança e bondade não apenas para aquele dia, mas para todos os da nossa vida.

Foram 90 minutos plenos de energia mas que infelizmente para os presentes não se prolongou pela noite dentro.

DSC_1510 (Cópia).jpgAlinhamento do Concerto:

 

Opening / Running with the night

Penny lover

Easy / My love

Ballerina girl

You are

Three times a lady

Brickhouse / fire

Stuck on you

Sail on

Lady

Endless love

Angel

Say you say me

Dancing on the ceiling

Hello

All night long

 

Encore: We are the world

 

Reportagem: Sandra Duarte Pinho

Fotografias: Paulo Homem de Melo

 

Agenda: Star Rover… Duo nova-iorquino estreia-se em concerto em Lisboa

Os Star Rover são o guitarrista Will Graefe (Jesse Harris, Larkin Grimm) e o baterista Jeremy Gustin (Marc Ribot, Albert Hammond, Jr.) que, em 2012, se resolveram encerrar num loft para dissecar a música de John Fahey, Sonny Sharrock, Lighting Bolt, Leadbelly, entre outros.star rover.jpgDepois de meses de improviso, ensaio e composição, Graefe e Gustin gravaram, em apenas duas sessões plenas de urgência, o álbum de estreia Western Winds Bitter Christians, uma colecção de canções originais que bebem a influência da guitarra de John Fahey e as transformam em pontos de partida para uma exploração interestelar.

 

O tema-título deste primeiro trabalho é uma chamada de atenção, uma explosão de distorção suja. Chegam à casa independente com essa explosão de distorção, azeda como um lamento do Mississippi mas sempre impetuosa e majestosa.

 

Casa Independente (Lisboa)

27 Agosto 2015 | 22.00h