Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Glam Magazine

Glam Magazine

Agenda: Quinta do Bill em digressão

Os Quinta do Bill fazem-se à estrada e até 14 de Agosto já têm 8 concertos agendados. Esta mini digressão arranca já dia 24 julho em Felgueiras.

quinta do bill.jpgOs Quinta do Bill nascem em 1987 pela mão de Carlos Moisés e Paulo Bizarro.

 

Caracterizado pela sua orientação folk-rock a banda rapidamente conquistou o seu lugar na música em Portugal. Em 1992 editam o seu primeiro álbum “Sem Rumo”. A afirmação da banda vem com o disco “Os Filhos da Nação”, com um sucesso retumbante, editado em 1994. “O Trilho do Sol”, editado em 1996, bate novamente record de vendas, com destaque para os temas, “No trilho do Sol” e “Se Te Amo”. Paralelamente às grandes digressões que anualmente realizavam, a banda segue a edição de originais com o disco “Dias da Cumplicidade”.

 

O primeiro single do disco “Voa (voa)” passa em alta rotação em todas as rádios nacionais. Em 1999 editam o “Best of”, seguido-se “Nómadas” em 2001, “Ao Vivo Tour 2003” em 2003 e o regresso aos originais em 2006 com “A Hora das Colmeias”.

Na comemoração dos 25 anos de carreira lançam o disco “25 anos – As baladas” que reúne dois temas inéditos juntamente com as grandes baladas que banda tinha editado ao longo da sua carreira.

Discos: Novo single de Zimun… “Paraísos Artificiais”

Criatividade, improviso, construções sonoras arquitetadas no som que vem das ruas. Jazz, rap, um pouco de rock, afrobeat e mpb juntam-se para criar um novo estilo que se funde no próprio grupo: o Street Jazz.

00.jpgOs Zimun são um quinteto oriundo de Belo Horizonte, Brasil, formado em 2009 e constituído por Fernando Castilho, Matéria Prima, Ravel Veiga, Gabriel Bruce e Edgar Dedig.

 

Visitaram Portugal em 2014 para uma primeira apresentação do seu trabalho e, desde então, a vontade de desenvolver uma relação mais longa e profunda com o berço da lusofonia é enorme.

Lançaram na passada sexta-feira o single “Paraísos Artificiais”, apenas disponível em formato digital, como avanço do novo álbum “Pra Frente”, que será editado pela Lusitanian e estará disponível em Portugal em setembro. O novo álbum será apresentado em Portugal através de uma digressão que passa por diversas salas nacionais, a anunciar em breve.

 

Intitulam-se de instrumentalistas e experimentalistas. À tríade guitarra, baixo e bateria soma-se um didgeridoo, congas, trompete e sintetizadores. Melodia, harmonia, ritmo, dinâmica e timbres.

Nessa fusão sonora, os Zimun despertam várias sensações.  A missão de Zimun é propor Evolução e Transformação por meio da Música. A banda avança numa nova direção, a do jazz, na qual se nota a influência nos arranjos e improvisos. No rap e na melodia, através dos MC's, nota-se a busca pela sinceridade da poesia quotidiana das cidades.

 

Agenda: Júlio Pereira… ao vivo

O trabalho e a prestação artística de Júlio Pereira continuam a provocar surpresa…

julio pereira.jpgO compositor e multi-instrumentista revisita agora, percorrida a viagem de sons que o levou a muitos lu(g)ares e paisagens criativas, o universo acústico de um instrumento que, há já mais de 30 anos, provocou o seu reconhecimento nacional e internacional e lhe está, mesmo que ele não queira, colado à pele, o cavaquinho.

Uma revisita que não é um regresso, mas antes uma reactualização de sonoridades, formas, modos (e modas…), onde a geografia musical de Júlio traduz uma constante procura de novos caminhos.

Afinal, a prova de que na música, como na vida, não há tradição sem contemporaneidade.

 

Júlio Pereira – cavaquinho

Sandra Martins – violoncelo

Miguel Veras – viola

Fernando Barroso – bouzouki

 

Teatro Vila Real

25 julho 2015 | 22.00h

Agenda: Concertos L… na Madeira (PZ)

A Estalagem da Ponta do Sol, em colaboração com o Turismo da Madeira, a empresa Urbanistas e o Conservatório de Música da Madeira, promove mais uma edição dos “Concertos L”, uma iniciativa cultural, cuja projeção tem vindo a consolidar-se a nível nacional e internacional.

pz.jpgTrata-se de um ciclo de 14 concertos a realizar entre os meses de julho e outubro, em que a música portuguesa e a internacional se aliam às sonoridades da música tradicional, indie, rock, jazz ou alternativa.

A edição de 2015 conta com a participação de nomes sonantes do panorama musical, como Barbara Eugénia do Brasil, Karina Gomes da Guiné-Bissau, os norte americanos Weyes Blood e THEESatisfaction, entre muitos outros.

 

Esta quarta feira, 22 de Julho, é a vez de PZ se apresentar na Estalagem da Ponta do Sol, na Madeira

Festivais: Milhões de Festa… Medeiros / Lucas

Com os Açores como pano de fundo, as narrativas da dupla insular MEDEIROS/LUCAS espelham a convergência entre as gerações que separariam Carlos Medeiros e Pedro Lucas.

00 medeiros.jpgEm conjunto, contudo, a voz de Medeiros, mais vivida e aperfeiçoada, mais do que agastada, pelos anos, encaixa na expressão electrónica fluída de Lucas sem que os limites da química social se imponham.

 

Fotografia: Vera Marmelo

 

Mihões de Festa / Palco Milhões (Barcelos)

26 julho 2015 | 20.00h

Festivais: Milhões de Festa… Michael Rother

Michael Rother é mais do que uma aleatória conjugação de dois nomes que identificam um nativo de Munique.

00 Michael Rother.jpgQuantas vezes estes nomes se combinaram na história da humanidade, é algo que nunca conseguiremos precisar, mas de todas as vezes que tal aconteceu, nenhuma pareceu tão cosmicamente influenciada a tornar-se inesquecível como a que distingue o mentor dos NEU! e dos Harmonia.

Este Michael Rother, o único de que poderemos falar, é inegavelmente talentoso, cuja influência atravessou gerações, géneros e as próprias barreiras do espaço-tempo delimitadas pela física. Desde o início dos anos 70 em actividade, foi um dos poucos artistas capazes de definir o som da sua contemporaneidade sem o vedar do futuro.

Michael Rother é, ainda, o futuro do que ouvimos nos reinos rock e electrónicos. O wormhole que cria com o seu cunho inegável do kraut vai trazê-lo para coordenadas mais familiares em Barcelos.

 

Mihões de Festa / Palco Milhões (Barcelos)

25 julho 2015 | 23.20h

Festivais: Milhões de Festa… The Bug

The Bug é Kevin Martin, que é o nome charneira da Ninja Tune, um terço de King Midas Sound, meio Techno Animal com Justin Broadrick e, em todas as circunstâncias, uma parede de som que não desaba.

00 the bug.jpgDepois de um aclamado “London Zoo” a sublinhar o que era inolvidável, o britânico regressou aos discos com o dual “Angels & Devils”, um ensaio sobre os efeitos dos subgraves no organismo humano dividido em intensidades meditativas e explosões rítmicas.

Para o Milhões de Festa 2015, The Bug virá com os MC Flowdan (Hyperdub) e Manga (Roll Deep), no que será um dos concertos mais memoráveis e certamente ensurdecedores dos últimos anos.

 

Mihões de Festa / Palco Milhões (Barcelos)

26 julho 2015 | 01.30h

Festivais: EDPcooljazz…. António Zambujo

A segunda data da edição de 2015 do festival EDPCooljazz é já na próxima quinta-feira.

Dia 23 de Julho, António Zambujo sobe ao palco nos Jardins Marquês de Pombal em Oeiras. A primeira parte do concerto esta a cargo de João Gil “Non-finito”

zambujo.jpg

António Zambujo nasceu em Beja, a 19 de Setembro de 1975. Por inerência familiar e geográfica, cresceu a ouvir o cante alentejano. Desde pequeno que se deslumbrou com as grandes vozes fadistas, Amália Rodrigues à cabeça, mas trazendo à ilharga Maria Teresa de Noronha, Alfredo Marceneiro ou Max.

Começou a estudar clarinete com apenas 8 anos e ganha um concurso destinado a jovens fadistas, quando tinha 16 anos, até que aportou a Lisboa, numa decisão de risco.

Em 2002, publica “O Mesmo Fado”, já com composições por si desenhadas, fados de reportórios clássicos, contactos firmados com autores de primeira linha. Um disco equivale a um prémio: a Rádio Nova FM escolhe-o como Melhor Nova Voz do Fado, uma distinção que antes fora entregue a nomes como Mariza ou Camané.

Em 2004, vira-se a Sul, debruçando-se sobre o Cancioneiro de Beja e dando novas cores à sementeira alentejana, já em comunhão aberta com o Fado. O segundo álbum chama-se “Por Meu Cante”, e os dois títulos sublinham o cruzamento que atrás se referiu. É nesta fase que os seus concertos no estrangeiro assumem uma impressionante regularidade (só nesse ano, deixa a sua impressão digital em Paris, Toronto, Santander, Sarajevo ou Zagreb, para referir alguns exemplos).

O segundo álbum contribuirá ainda, de forma decisiva, para novo prémio, o de Melhor Intérprete Masculino de Fado, atribuído pela Fundação Amália Rodrigues. Torna-se “embaixador” da Música Portuguesa, representando-a em festivais internacionais (caso do Atlantic Waves, em Londres).

Com o álbum “Outro Sentido” e com as suas constantes viagens, Zambujo conquista novas praças-fortes de divulgação, nomeadamente a francesa e brasileira, mercado onde desenvolve valiosas colaborações (Ivan Lins, Roberta Sá, Zé Renato) e onde recebe aplausos entusiásticos (com destaque para a declaração de Caetano Veloso: “Quero ouvir mais, mais vezes, mais fundo (...) É de arrepiar e fazer chorar”

A tendência para a travessia do Atlântico, mantida até hoje, aprofunda-se em “Guia”, álbum lançado em 2010, com a inclusão de temas assinados por novos valores brasileiros como Rodrigo Maranhão, Márcio Faraco ou Pierre Aderne, mas de igual forma com a solidificação de um núcleo admirável de contribuintes nacionais.

Quando chega ”Quinto”, em 2012, já o artista faz convergir em pleno o carinho, o aplauso e o entusiasmo do público. Canções como “Lambreta” ou “Flagrante” partem para o “domínio público”, ao mesmo tempo que o seu intérprete é desafiado para duetos, colaborações, composições e autorias cedidas a terceiros.

Em 2014, uma outra jornada que vai parar à “Rua da Emenda”, um disco já galardoado com a marca de Ouro, que ora é viela estreita para amores arraçados de fadista, ora se transforma em avenida larga para escalas que trazem todo o mundo (Brasil, França, Uruguai, África) para a dimensão maior de um artista português. Aos lugares reservados para os colaboradores habituais, somam-se espaços novos e amplos para quem chega e é recebido em festa, casos de Samuel Úria e José Fialho Gouveia. As geografias ajustam-se à dimensão desta rua onde, num ápice, cabem os talentos imortais de Noel Rosa ou de Serge Gainsbourg, lado a lado com os nossos contemporâneos Jorge Drexler, Rodrigo Maranhão ou Pedro Luís.

 

Discografia António Zambujo:

2002 “O mesmo fado”

2004 “Por meu Cante”

2002.jpg2004.jpg

2007 “Outro sentido”

2010 “Guia”

2007.jpg2010.jpg

2012 “Quinto”

2013 “Lisboa 22:38 – Ao vivo no Coliseu”

2012.jpg2013.jpg

 2014 “Rua da Emenda”

2014.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Fotografia: Paulo Homem de Melo

 

 

Discos: The Fellow Man, "Long Road"

"Long Road" é o novo single de The Fellow Man.

O tema foi gravado com a participação de Sam Alone e faz parte do alinhamento do mais recente disco da banda, "Light Traveler".

00 the fellowman.jpgProcurando reproduzir o tema da canção de uma forma visual, Bruno Mira convidou um conjunto de "amigos musicais" que dão corpo à ideia de fazer uma viagem em boa companhia.

Na lista de “amigos musicais” convidados para o vídeo, para além de Sam Alone, figuram nomes como Fast Eddie Nelson, Tiago Cavaco, Héber Marques, Alex d'Alva Teixeira, Roy Duke e João Luzio.

Festivais: Milhões de Festa… The Holydrug Couple

A música dos Holydrug Couple desperta as mais brilhantes sequências de pensamento, levando-nos do sonho (que se prefixa à sua pop) às cores, das cores aos dos trópicos e de volta ao vazio.

01. Holydrug Couple.jpg

Não é por acaso que a dupla chilena é uma aposta da cada vez mais incontornável Sacred Bonés, assim como não é por acaso que artistas com o selo de qualidade da discográfica americana tenham sempre que algo que se lhes diga.

Aos Holydrug Couple cabe-nos dizer que nos levem para onde tiverem que levar, desde que não parem de tocar.

 

Mihões de Festa / Palco Milhões (Barcelos)

25 julho 2015 | 21.40h

Festivais: Milhões de Festa… Paradise Bangkok Molam International Band

O molam, música tradicional tailandesa, corre no sangue destes senhores como a fatalidade no sangue português.

01 The Paradise Bangkok Molam International.jpgE como o fado do Milhões é a Festa, pouco importa de onde esta vem. A verdade é que os Paradise Bangkok Molam International Band conseguem dar a roupagem sem-fronteiras a algo que pertence de corpo e alma àquela região da Ásia.

Como se diz festa em tailandês?

 

Mihões de Festa / Palco Milhões (Barcelos)

26 julho 2015 | 21.40h

Festivais: Milhões de Festa… THEESatisfaction

As THEESatisfaction são a prova cabal de um darwinismo simples: singram os que melhor se adaptam, e os que melhor informação genética tiverem no seu ADN.

01 THEESatisfaction.jpgDo neo-soul Erykah Badu aos primórdios do hip-hop e do rhythm n’ blues, a alma negra da América flui na poesia, na música e na convergência de ambas, nas vozes da dupla de Seattle, editada com o selo de qualidade irrepreensível da Sub Pop.

A dupla vem de ferry até Barcelos com "Earthee", o segundo longa-duração, na bagagem. Uma bagagem tão cheia de soul, blues e THC.

 

Mihões de Festa / Palco Milhões (Barcelos)

24 julho 2015 | 23.40h

 

Agenda: Laibach tocam na Coreia do Norte antes de chegarem a Portugal

A banda eslovena Laibach será a primeira banda estrangeira a efetuar um concerto na Coreia do Norte. Os Laibach estarão em Portugal no mês e Agosto no festival Entremuralhas em Leiria.

laibach.jpgEm Agosto, e antes da banda passar por Portugal, vai efetuar dois concertos no “Kim Won Gyun Music Conservatory” em Pyongyang para uma plateia de 2000 pessoas.

 

Os Laibach descrevem-se como sendo "um grupo avant-garde" que combinam vários estilos de música industrial, marcial, e neo-clássica, e espera-se uma combinação de seus próprios sucessos com canções populares norte-coreanas.

Será uma mudança de estilo das óperas socialistas e de música clássica a que a maior parte dos norte-coreanos estão acostumados.

O grupo foi formado em 1980 na antiga Jugoslávia, na altura sobe um regime comunista. A banda tem sido criticado por uso de imaginário político nacionalista, mas alguns críticos afirmam que esse estilo faz parte apenas do conceito da banda.

A digressão foi organizado pelo norueguês Morten Traavik, que tem sido um dos poucos a organizar performances artísticas, culturais e musicais na Coreia do Norte.