Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Glam Magazine

Glam Magazine

Festivais: Festival Silêncio… Maria João Fura

A cantautora apresenta-se em trio com músicos oriundos de variadas correntes musicais, numa mistura sonora temperada em tom lusófono.

Com canções originais em português que abordam o quotidiano atual com ironia, as suas fortes melodias desenvolvem-se numa ambiência que viaja entre a Bossa-Nova, o Soul, o Pop-Rock, o Jazz e a World Music.

00 Maria João Fura.jpgA singularidade dos seus temas suscitam reconhecimento no meio musical, tendo sido nomeada para os prémios Zeca Afonso e Ary dos Santos em 2015. Os seus concertos realizados em salas Lisboetas e em festivais têm tido uma excelente receptividade do público em geral, tendo contado com a participação especial de músicos de relevo como Afonso Pais e Jorge Palma..

 

Festival Silêncio

ETIC: Espaço Atmosferas (Lisboa)

5 julho 2015 | 17.00h

 

Festivais: Festival Silêncio… Bate-papo: JP Simões + Samuel Úria

Dois nomes incontornáveis da canção nacional juntos no mesmo palco partilhando histórias cantadas e acompanhadas à guitarra.

A palavra nunca esteve tão bem entregue como a estes dois exímios poetas da sua geração

jpsimões.jpg

Houvesse um Olimpo de grandes escritores de canções portugueses e os lugares de JP Simões e Samuel Úria lá estariam garantidos.

A solo, enquanto líderes de colectivos ou nas multiplicidades de colaborações que assinam é facto mais que sabido que a grandiloquência de ambos nos deixa pregados e absortos. Juntá-los, mais do que um hino à palavra que se escreve para ser cantada, é desafio para um bate-papo entre o Dão e o Brasil de Chico Buarque.

 

Festival Silêncio

Musicbox (Lisboa)

4 julho 2015 | 23.55h

 

Fotografia: Paulo Homem de Melo

 

Festivais: Festival Silêncio… B Fachada

Entre um mistério e outro, dar forma a canções que parecem ser recebidas enquanto ciência social ou vice-versa, não há, na música popular portuguesa deste século, outra figura como B Fachada, nome artístico de Bernardo Fachada, escritor de canções.DSC_0732 (Cópia).jpgDesde 2007, notabilizou-se por um espantoso ritmo de edições, que se juntam às diversas colaborações que fez nacionalmente, à participação em Diabo na Cruz, as primeiras partes para nomes incontornáveis da música nacional e mundial.

 

E além de se ler tudo o que sobre a sua carreira foi escrito ou de testemunhar o acto de comunhão em que se transformaram os seus concertos, basta seguir as sedes virtuais em que opera para se compreender tratar-se de um autor tão ouvido quanto vivido.

Talvez por isso se diga frequentemente que a sua obra é indistinguível de quem a consome. Ou que biografia e alegoria são inseparáveis na sua escrita. Mas, se perto de meia dúzia de anos de actividade artística profissional sugerem alguma coisa é a de que, como poucos, B Fachada está interessado em questionar convenções no seu próprio tom, no seu próprio tempo, nos seus próprios termos..

 

Festival Silêncio

Palco Praça de São Paulo (Lisboa)

4 julho 2015 | 22.00h

 

Fotografia: Paulo Homem de Melo

Festivais: Festival Silêncio… Elias

A união dos opostos, o encontro dos géneros, a semelhança paradoxal, sem nada de novo, mas sobretudo diferente. Elias desafia os nossos sentidos a encontrarem as suas origens.

Uma abordagem díspar e irreverente, mas genuína.

elias.jpgOriginário do Porto, Elias acabou por viver em Londres durante dois anos onde estudou, tocou e se entregou à música.

Foi aqui e na procura de um novo Elias, que surgiram as melhores composições musicais do autor.

Daí para “Finalmente”, o primeiro disco de estúdio, foi o tempo que demorou até se libertarem as amarras, desprenderem-se de preconceitos na procura de novos sentimentos e emoções..

 

Festival Silêncio

Tokyo Bar (Lisboa)

4 julho 2015 | 23.50h

 

Festivais: Super Bock Super Rock… Transportes para o Festival

O conforto é uma das palavras de ordem da edição que assinala os 20 Anos de Super Bock Super Rock.

Situado junto ao terminal de transportes mais completo do país, o Festival oferece as mais variadas formas de chegar ao Parque das Nações, seja de Autocarro, Metro, Comboio, Taxi ou em último caso de automóvel.Planta Recinto_pt.jpgParcerias com a Transportes de Lisboa e CP levam festivaleiros ao Parque das Nações e de regresso a casa. Disponível também para consulta no site oficial, toda a rede de Parques de Estacionamento perto do Festival.

 

Metro + Carris

Em parceria com a Transportes de Lisboa, o Super Bock Super Rock transportará todos os festivaleiros da Capital. Para isso, o Metropolitano de Lisboa irá reforçar a sua oferta em todas as linhas até à 1h da manhã. A partir deste horário, o transporte será assegurado pela Carris que, para além das suas habituais carreiras, e em parceria com o Festival, terá autocarros gratuitos que percorrerão a cidade desde a Gare do Oriente até ao Cais do Sodré entre a 1.30h e as 5.00h da manhã, com as seguintes paragens:

- Gare do Oriente

- Aeroporto

- Rotunda do Relógio

- Avenida do Brasil

- Campo Grande

- Entrecampos

- Avenida da República

- Marquês de Pombal

- Restauradores

- Cais do Sodré

 

CP

A CP também irá reforçar os seus serviços com comboios especiais nas Linhas do Norte, Cascais e Sintra

Longo Curso / Linha do Norte - Comboios Especiais

As viagens de ida efectuar-se-ão na oferta regular, optimizando a capacidade instalada ou recorrendo ao reforço das composições dos comboios Intercidades.Para garantir o regresso, Intercidades Especial (21521) com partida da Estação de Lisboa Oriente e destino a Porto Campanhã, nas madrugadas de 17, 18 e 19 de julho com o seguinte horário:

 

- Lisboa Oriente / 3.30

- Santarém / 4.07

- Entroncamento / 4.26

- Pombal / 5.06

- Coimbra-B / 5.30

- Aveiro / 5.58

- Espinho / 6.23

- Gaia / 6.35

- Porto Campanhã / 6.40

Consulte aqui mais informação...

Promoção Especial de 30% desconto, válido entre os dias 15 e 19 de julho, no bilhete de ida e volta com destino a Lisboa Oriente, mediante apresentação do bilhete do Festival numa bilheteria CP e em trânsito – Ida: oferta regular comboio Intercidades, Regional e InterRegional, Regresso: comboio especial que se realiza na madrugada após cada dia do evento ou oferta regular Intercidades, Regional e InterRegional

 

Lisboa Oriente – Sintra: 03h00, 05h00

Paragem em todas as estações, exceto Chelas e Marvila:

Oriente, Braço de Prata, Roma-Areeiro, Entrecampos, Sete Rios, Benfica, S.C.Damaia, Reboleira, Amadora, Queluz Belas, Monte Abraão, Massamá Barcarena, Cacém, Rio de Mouro, Mercês, Algueirão, Portela de Sintra e Sintra.

 

Cais do Sodré – Cascais: 03h30

Paragem em todas as estações:

Cais do Sodré, Santos, Alcântara, Belém, Algés, Cruz Quebrada, Caxias, Paço de Arcos, Santo Amaro, Oeiras, Carcavelos, Parede, S. Pedro, S.João, Estoril, Monte Estoril e Cascais.

sbsr_g.jpgCarro

Apesar de desaconselhado, os Festivaleiros podem também levar o seu automóvel e terão para isso à disposição uma vasta rede de parques de estacionamento que pode ser consultada aqui.

 

Festivais: Festival Silêncio… Rap à descrição

Ao longo dos últimos anos o hip-hop nacional tem ganho destaque de primeira página nos meios mais generalistas.

Com a saída do mercado “underground”, surgem também as primeiras vozes que reclamam o afastamento dessa geração mediatizada de rappers da filosofia inicial. Por entre esta discussão, vão surgindo, em plano nacional, vários projectos que introduzem novos discursos musicais, incorporando novos elementos electrónicos e fazendo daí derivar novas ramificações como o trap. Contas feitas, difícil será pensarmos numa altura tão produtiva para o género, como a actual.

 

Na tarde de 4 de julho, olhamos alguns dos nomes que começam a ganhar força pelos subúrbios de Lisboa.

Feita que está a introdução, deixamos sinal aberto para as “dicas” dos MCs.

 

Tiwi

É um MC da zona de Oeiras que escolhe o quotidiano como representante principal dos seus versos. O seu jeito “Drunk Style” reflecte a rotina de um adolescente amante do ócio e deprimido com o estado da sociedade. As suas músicas são isso mesmo, o rap sem truques e o rap de alguém que gosta de verdade daquilo que faz e como faz

 

Vate MC

Zé desde 89, Vate MC depois do livro sobre o carteiro de Pablo Neruda. Nas melhores lembranças da infância aparece sempre a cantar e na música começa a ouvir um estilo particular que o atraiu devido aos videoclips, o rap. Era a união, a energia dos refrães, os grupos, o estilo, as roupas. Quando mal havia internet, quanto mais youtube. Os tempos mortos começaram a ser sinónimos de improvisos com batida ou acapella. Mais tarde, gravar e espalhar a sua música tornou-se o desafio a cumprir.

jackpot-bcv.jpgJackpot BCV

Com origem no Bairro da Cruz Vermelha de Cascais, Jackpot BCV sempre foi amante da cultura hip-hop, mas só começou a criar música a partir de Dezembro de 2004. Apaixonado pelo rap de intervenção, desde cedo que Jackpot demonstrou ter interesse pelo hip-hop tuga, nomeadamente através da música que se fazia no seu próprio bairro. Grupos como “Quebra Diskos”, “Atoxikus” e “Red Zone” incentivaram o início da evolução musical deste rapper/beatmaker, possibilitando o despertar de Jackpot para o seu instinto natural de fazer rap e produzir instrumentais.

maxresdefault2.jpgMarcos Best

Rap consciente desde 2006, com uma visão muito particular sobre o mundo onde estamos… Música independente, música das gentes, música de Marcos Best!

 

 

Festival Silêncio

Palco Jardim da Praça Dom Luis (Lisboa)

4 julho 2015 | 17.00h

 

Festivais: Festival Silêncio… Fadistas do Povo

O espectáculo Fadistas do Povo é uma síntese pensada para palco do projeto de residências artísticas na área do fado, que decorre há três anos no Povo, em Lisboa. Este é um projecto que promove residências artísticas de jovens fadistas não editados, através das quais os intérpretes são incentivados a descobrirem a sua personalidade artística, a desenvolverem o seu repertório, num diálogo constante entre a actualidade e a história do Fado.

fadistas.jpg

Grande parte deste projecto assenta na criação de noites especiais em que fadistas são colocados ao lado de músicos de diferentes quadrantes, assim partilhando experiências, ideias e técnicas. Um projecto que não se fecha na dimensão musical do Fado, mas que também valoriza a parte poética, as letras e as histórias contadas na música e que se traduz, aqui, numa semana de programação especial.

 

Convidados: Miguel Camões, Marta Rosa, Ana Roque, Marcelo Rebelo da Costa, Inês Pereira, acompanhados por António Cardoso (guitarra portuguesa), João Silva (viola de fado) e João Penedo (contrabaixo).

 

Festival Silêncio

Palco Praça S.Paulo (Lisboa)

4 julho 2015 | 17.00h

Agenda: Verão na Casa... com Dan Riverman

Os portuenses Dan Riverman percorrem o país desde 2009. Dan Riverman, um projecto formado por Dan Alves na voz e guitarra, Rui Gomes no baixo e contrabaixo, André Sebastião no piano e teclados e Miguel Peixoto na bateria. Um projecto feito de melodia, melancolia e de uma voz perfurante, sentida, às vezes gasta e cansada.dan.jpgGravaram duas músicas para a novela da TVI Anjo Meu e uma outra para o telefilme Órfã do Passado. Em 2013 iniciaram as gravações do seu álbum de estreia nos Estúdios Rangel e acabam de lançar o single “Fragile Hands”, tema incluído na telenovela da TVI Mulheres.

 

Casa da Música – Verão na Casa (Porto)

4 de julho 2015 | 22.30h (Concerto Gratuito)

Festivais: Festival Silêncio… Couple Coffee

Desde o seu primeiro álbum, Os Couple Coffee mostraram que tinham algo de especial para acrescentar ao universo da música brasileira feita em Portugal. Luanda Cozetti e Norton Daiello conquistaram vários parceiros, entre eles, Sérgio Godinho, Jorge Palma, JP Simões, num intercâmbio de influências.

Couple_coffee21.jpgA mais sincera palavra na música, na vida, na vontade e na criatividade inata e pura de duas vozes.

 

Festival Silêncio

Palco Praça de São Paulo (Lisboa)

4 julho 2015 | 21.00h

 

Festivais: Festival Silêncio… Não Simão

As letras dos Não Simão são palco para histórias pessoais, do dia-a-dia lisboeta, português, urbano. Formação simples de baixo, bateria e guitarra num jogo de cumplicidades e partilha com o público.

não simão.jpgCanções que se passeiam entre o intimismo e o optimismo.

 

Simao Palmeirim na voz e guitarra

Pedro Fernandes no baixo

José Anjos na bateria

 

Festival Silêncio

Rua Nova do Carvalho (Lisboa)

4 julho 2015 | 20.30h

 

Festivais: Festival Silêncio… Silva, O Sentinela

Poeta, escritor, performer, Silva, o Sentinela tem sido cara para inúmeros projectos de cruzamento entre a música e a palavra dita. Neste regresso aos palcos do Festival Silêncio traz o novo trabalho “SØS – Caneta Cheque”.

SØS começou a escrever em 2008 por urgência. O desafio era encontrar uma plataforma concreta para as palavras, onde o conteúdo não perdesse para a forma. Em Junho de 2009 estreou-se no primeiro Torneio de SLAM Poetry em Portugal, no Musicbox.

sos.jpg Em Outubro de 2009 viajou até Berlim para entrar no primeiro Torneio Europeu de SLAM Poetry. A Língua Portuguesa é o veículo para levar a vida segundo SØS. No regresso ao país dos poetas, ter um poema dito era insuficiente. O sentimento agiganta-se quando a música sente o que a imagem provoca.

Desde então integrou-se em trabalhos como “Social Smokers”, “Palavra, Dita e Feita” e agora com o primeiro trabalho a solo “SØS – Caneta Cheque”.

 

Festival Silêncio

Palco Jardim da Praça Dom Luis (Lisboa)

4 julho 2015 | 20.10h

 

Festivais: Festival Silêncio… Iguanas & Kridinhux

Energia é uma daquelas palavras que se geram no olhar e correm o corpo todo. Iguanas & Kridinhux é a fórmula incendiária para conjugar em grupo, no Festival Silêncio, as coisas que vão por dentro da palavra.

Numa ponta do rastilho estão os Iguanas de Leonardo Bindilatti e Lourenço Crespo, da editora Cafetra que promete continuar a “oferecer novos mundos, som, lírica, atitude, ao nosso jardim do habitual”. Na outra ficam os Kridinhux de Leonardo e Maria Reis (Pega Monstro).

cafetra_header.jpgPrometidos ficam já, entre outros estilhaços de fusão, os ingredientes de “Doce”, o primeiro ataque discográfico dos Iguanas lançado em 2013, um “compêndio de beats & hooks” que “veio ocupar um espaço vazio onde Juan Atkins, UGK, R Stevie ou B Fachada ecoam”.

 

Festival Silêncio

Etic: Espaço Atmosferas (Lisboa)

4 julho 2015 | 20.00h

 

Discos: “Apples” seleccionado para as Curtas Vila do Conde

O vídeo de “Apples”, o 1º single do álbum de estreia dos portugueses Thunder & Co., “Nociceptor”, foi seleccionado para a Competição de Vídeos Musicais do 23º Curtas Vila do Conde - Festival Internacional de Cinema, que decorre de 4 a 12 de Julho, no Auditório Municipal de Vila do Conde.

Curtas2015Intro.jpgNo press release do vídeo realizado por AqueleSimões pode-se ler “Maçãs de bandeja, um pássaro na mão. Garanhões lusitanos desorientados sob o efeito de álcool e sabe-se lá mais o quê. Uma peça de fruta masturbante elevada pela ilusão bêbeda e afundada numa solidão também ela minada.”

Deixamos aqui o vídeo…

 

Festivais: Festival Silêncio… Rota do Sul

Rota do Sul é uma viagem musical guiada por Tiago Inuit e João Alvarez, que tem por base a herança do reportório para guitarra portuguesa, mas que se lança também na busca de outras sonoridades como o flamenco andaluz, a música árabe e ainda mais além.

rota.jpgComeçou por ser o trabalho de um duo, mas foi crescendo com a intervenção de outros músicos. João Alvarez, guitarra portuguesa, e Tiago Inuit, baixo eléctrico, começaram com Rota do Sul um caminho onde a herança de Carlos Paredes se cruza com sons do Mediterrâneo e a tradição celta mais próxima do Mediterrâneo.

Nasceu num estúdio, ganhou maturidade na estrada. Mostra-se mais uma vez neste Festival Silêncio e faz a ponte entre os lugares comuns da linguagem musical portuguesa, o Magreb e outras que tais paragens.

 

Festival Silêncio

Palco Praça de São Paulo (Lisboa)

4 julho 2015 | 19.30h

 

Festivais: Festival Silêncio… Ataque Escampe

As Ataque Escampe escrevem canções com salsa agridoce. São um grupo de rock galego formado en 2001 no ámbito universitario de Santiago de Compostela

Ataque Escampe.jpgProduzem músicas tristes para cenários com cortina vermelha, ritmos torturantes e cantos a derrota, mas também rock’n’roll para desapertar camisas, um soul hilariante e, porque não, ruído. Textos amargos que mancham as mãos com algo que chamaremos de optimismo e a estranha melancolia de um extraterrestre crooner.

 

Festival Silêncio

ETIC: Espaço Atmosferas (Lisboa)

4 julho 2015 | 19.00h

 

Festivais: Festival Silêncio… Vera Prozik

Concerto de piano pela pianista Vera Prozik, que tem por base um repertório em torno da palavra.

vera.jpgDesde os cinco anos, altura em que iniciou os estudos musicais no Convento Beneditino da cidade natal de Zadar, Croácia, todo o percurso de formação musical de Vera Prokic foi marcado pela excelência, empenho e consequente acompanhamento pedagógico pelos mais conceituados pianistas e professores croatas, incluindo o célebre Eugen Timakin. Estudou piano na Escola Superior de Música de Zagrebe e na Escola Superior de Música de Viena, onde fez uma pós-graduação com o Prof. B. Czuberka e estudou música de câmara.

 

Esta ampla e polivalente formação orienta as suas actividades para as mais prestigiadas instituições artísticas e pedagógicas da capital croata. Foi professora efectiva no Conservatório Nacional e professora acompanhadora na Escola Superior de Música. Fez parte da Orquestra Filarmónica de Zagrebe como cravista, organista e pianista. Durante várias temporadas desempenhou igualmente o cargo de maestrina correpetidora na Ópera Nacional.

 

Hoje em dia ainda colabora regularmente com o programa “Música e Palavra“, emitido pelo 3º Programa Radiofónico de Zagrebe, para o qual escreve textos teóricos e críticos.

 

Marko Tajcevic:7 danças Balcãs

Ivo Josippvic: Jogo das perulas do vidro.

Alexandre Rey Colaco: Fado para piano solo

 

 

Festival Silêncio

Aquário no Estudio (Lisboa)

4 julho 2015 | 18.00h

 

Festivais: Festival Silêncio… Estraca

Estraca, nascido a 19 Março de 1997, é um jovem rapper oriundo do Lumiar que se afirmou como MC em meados de 2012.

Com a energia que o caracteriza, encara cada tema como se fosse o último… Estraca é o tipo de MC que faz ouvir a sua alma quando mistura as rimas com o seu flow explosivo.

estraca.jpgConta com duas mixtapes em nome próprio. “Ouve e Respeita”, lançada em 2013, e “Histórias”, mixtape lançada no final de 2014 que conta também com dois Vídeos, “Intro” e “Alma”.

Estraca não está parado, aliás está cada vez mais focado no seu objectivo!

 

Este Projecto é concebido e apresentado por artistas amadores.

 

Festival Silêncio

Palco Jardim da Praça Dom Luís (Lisboa)

4 julho 2015 | 16.00h