Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Glam Magazine

Glam Magazine

Agenda: Verão na Casa... O Jazz de Sassetti

João Paulo Esteves da Silva e Orquestra Jazz de Matosinhos com arranjos de Bernardo Sassetti, Carlos Azevedo, Filipe Melo, Daniel Bernardes e Iuri Gaspar

Por culpa das imagens e do cinema, a música de Bernardo Sassetti tornou-se progressivamente uma sucessão de notas que acontecia ao silêncio, por cima do silêncio, em respeito ao silêncio.sassetti.jpgAs suas composições foram nascendo, uma após outra, de uma sensibilidade extrema, como se tendessem para o nada. Mas o nada é, naturalmente, um engano. Porque o nada acentua tudo: cada nota sai engrandecida, ampliada, desamparada. Como um gesto largo em que a beleza está na fragilidade e na exposição, nessa coragem de vir para a frente, desnuda e crua, e deixar-se ouvir recortada ali mesmo, ao lado de uma imensa penumbra a que chamamos silêncio. É nesse repertório que encontramos os temas interpretados a solo por João Paulo Esteves da Silva, recolhidos nos álbuns “Motion”, “Ascent” e “Indigo”.

Esta noite de aniversário dá-nos ainda a ouvir “Pescaria”, a sua única composição para big band, que juntará João Paulo Esteves da Silva à Orquestra Jazz de Matosinhos. Em seguida, a Orquestra é levada pela mão dos arranjadores Carlos Azevedo, Filipe Melo, Daniel Bernardes e Iuri Gaspar.

 

Casa da Música – Verão na Casa / Sala Suggia (Porto)

28 de junho 2015 | 21.30h

Festivais: Festim… Noreum Machi

O grupo sul-coreano Noreum Machi conjuga uma alucinante técnica de percussão de tambores e cantos xamânicos, com danças e rituais ancestrais da velha tradição oriental.noreum_machi_pangut.jpgApresentam um espectáculo original que funde tradição, exotismo e modernidade, conquistando o público através da profunda emoção da sua performance. Instalado o transe, os Noreum Machi partem para cavalgadas rítmicas de deixar os olhos em bico. Com uma energia digna de Festim, transformam a percussão tradicional coreana em algo que soa tremendamente contemporâneo.

O Extremo Oriente chega ao Festim!

 

Ju Hong Kim - director artístico, voz, janggu (djambé coreano), kkaenggwari (gongo pequeno), nabal (corneta trad. coreana)

Howon Lee –janggu, kkaenggwari, buk (tambor), coro

Hyun Ju Oh – janggu, kkwaenggwari, jing (gongo grande), nagak (corneta de búzio), taepyongso (oboé trad. coreana), coro

Youngjun Kim - taepyongso, piri (flauta de bambu), coro

Taeho Kim – buk (tambor), bara (pratos de choque), coro

 

Jardim do Caster (Ovar)

26 de junho de 2015 | 22.00h

 

Parque Urbano / Feira do Mirtilo (Sever do Vouga)

27 de junho de 2015 | 22.00h

Festivais: 15ª edição do Quintanilha Rock.

Quintanilha Rock quer ser festival ibérico. Juntar os públicos de Portugal e Espanha, num festival de cariz transfronteiriço que proporcione a partilha de gostos musicais, gastronómicos e culturais é a grande aposta da organização do Quintanilha Rock 2015.quintanilha.jpgNascido em 2001, o festival transforma a aldeia de Quintanilha, no Nordeste transmontano, num palco onde cabem múltiplas sonoridades, convívios intergeracionais e a biodiversidade do Parque Natural de Montesinho. De 9 a 11 de julho, o Quintanilha Rock 2015 conta com presenças nacionais e internacionais no Parque do Colado.

Os portugueses Octa Push, Los Waves, Killimanjaro, Monster Jinx, The Partisan Seed, Pista, Roger Plexico, The Lazy faithful, os Espanhóis Los Nastys, os Little Jesus do México são alguns dos nomes a marcar presença nesta 15ª edição.

 

“Desde o início, quisemos contar com as bandas portuguesas que estão na linha da frente do movimento alternativo. Por essa razão, assegurámos a presença de Octa Push e de Los Waves Quisemos também ter bandas espanholas ou que cantem em espanhol. A programação do festival vai continuar nesta linha…”, garante Filipe Afonso, presidente da ArtiColado, associação responsável pela organização do Quintanilha Rock 2015.

De entrada gratuita e com uma localização raiana, o festival Quintanilha Rock tem crescido exponencialmente, o que faz com que a organização ambicione afirmá-lo como um evento ibérico.

Esta estratégia acontece por causa da proximidade com Espanha, uma vez que apenas o rio Maçãs divide os dois países “Seria impensável planear um festival com as características do Quintanilha Rock sem considerar uma estratégia territorial. Os espanhóis são um povo muito ligado à música, expansivos e extremamente festivos e, por essa razão, o cartaz do festival foi feito, também, a pensar neles”, sublinha Filipe Afonso

.

Entre 9 e 11 de Julho, os festivaleiros podem contar com vários palcos distribuídos pela aldeia para que possam usufruir de uma experiência que se quer musical, mas também de espírito comunitário.

No palco “Mi adega es tu adega”, o som dos The Partisan Seed ecoará nas paredes históricas da “Adega do Fanhascas”, local emblemático da aldeia.

À semelhança dos anos anteriores, vão cruzar-se várias gerações neste local, onde a música se misturará com os cheiros e sabores carateristicos transmontanos.

A organização, que prevê cerca de seis mil festivaleiros no conjunto dos três dias, quer desenvolver uma estratégia que potencie o Quintanilha Rock como um festival de fronteira.

Para esse efeito, tem mantido um diálogo permanente com a Câmara Municipal de Bragança, a Junta de Freguesia de Quintanilha e o Ayuntamiento de Trabazos de Aliste.

No dia 29 de junho, pelas 11.30h, irá decorrer nos Claustros da Igreja da Sé, a conferência de imprensa de apresentação do Quintanilha Rock 2015, onde terá lugar, ainda, a assinatura do protocolo de colaboração entre o Município de Bragança e a AAC - ArtiColado Associação Cultural, entidade responsável pela organização do Quintanilha Rock.

 

Concertos: 500 anos ao Tom d'Ela

Um momento artístico único para celebrar os 500 anos do foral de Besteiros.

Três músicos de eleição, com a particularidade de serem tondelenses numa diáspora que, longe de os afastar das terras de besteiros, exerce em cada um deles um fascínio traduzido em regressos contínuos.500.jpgConsta que foi o próprio Rei D. Manuel, monarca que outorgou o Foral a Tondela em 1515, que exigiu à Câmara de Tondela que, com a ACERT, produzisse um momento musical mágico com Ana Bacalhau, Samuel Úria e Filipe Melo e os músicos d’A Cor da Língua ACERT.

E como “palavra de rei não volta atrás”, reuniram-se os vassalos, arregaçaram-se as músicas e criou-se uma aventura que ficará na história.

Contar o que vai acontecer neste concerto seria revelar o que continuamente a imaginação e a paixão aumentam de dia para dia. Podemos revelar que o espetáculo terá uma componente visual forte, tirando partido do edifício do Tribunal que lhe serve de fundo, mas que temas serão interpretados com a orquestra que está a criar versões novas.

Uma certeza poderão ter todos aqueles que se sentem empolgados com esta arrojada façanha: nada será como dantes em Tondela e no Mundo, a partir deste concerto que terá o tribunal como cenário e a Serra do Caramulo como inspiração. A todo o momento, os arautos darão conta da batalha, transmitindo as táticas e os convidados locais a que se juntarão para cantar “500 anos ao Tom D'ela”

 

Concerto Comemorativo dos 500 Anos do Foral de Besteiros

Largo Dr. Ferraz de Carvalho (Tondela)

14 de julho 2015 | 22.00h

Agenda: 10 Anos ao vivo…. Em Portugal… Natiruts

Os Natiruts estão a celebrar 10 anos de carreira em Portugal! Vem aí um concerto especial dia 31 de Julho, nos Jardins do Palácio de Cristal, no Porto! A 1ª parte está a cargo de Diana Martinez & The Crib!

natiruts.jpgOs Natiruts são uma banda brasileira de reggae/pop formada em Brasília no ano de 1996, originalmente com o nome de Nativus. Alexandre Carlo, Luis Maurício e Kiko Peres são os elementos que constituem a banda Brasileira.

O grupo já conta com 6 discos de originais editados bem como 5 registos ao vivo, o último dos quais já lançado este ano, “Clássicos Reggae Brasil”

 

Jardins Palacio de Cristal (Porto)

31 de julho 2015 | 21.30h

Discos: Country Playground lançam “Turdus Merula”

O próximo dia 20 de Julho marca o lançamento do novo álbum dos Country Playground Turdus Merula“

CapaTurdusMerula.jpg"Turdus Merula” é composto por 7 temas originais. Uma edição de autor feita em tempo record, entre Maio e Agosto de 2014. Desde então, tem estado na gaveta à espera de quem o editasse, ou para ser lançado apenas em formato digital pela banda.

 

De disco na mão e à procura da melhor forma de o fazer chegar ao público, Rodrigo Cavalheiro e Fernando Silva chegaram até à Preguiça Magazine que decidiu editar o álbum.

De sonoridade rock com forte influência country, “Turdus Merula” resume-se em sete “canções de amor, de dor e lamento”, que homenageiam e se inspiram em Neil Young, Johnny Cash, Buffalo Springfield, Willie Nelson, Towns Van Zandt, entre outras entidades do universo country que, com “Turdus Merula”, se assume em formato electrificado.

COUNTRY PLAYGROUND_Ricardo Gra+ºa.JPGOs Country Playground são uma banda recente, têm apenas um ano de existência mas os membros andam há muito nas lides do rock’n’roll. Rodrigo Cavalheiro, baterista e vocalista dos Born a Lion, e Fernando Silva, ex-guitarrista dos leirienses e extintos Canker Bit Jesus, juntaram-se para fazer aquilo a que, em tom de brincadeira, chamam electric farmer rock.

 

A Glam Magazine já ouvir o disco e vamos escrever uma coisas interessantes sobre o mesmo…

 

Fotografia: Ricardo Graça

Agenda: Matmos… GNRation em Braga

“Ganzfeld Ep” e “The Marriage of True Minds”, os dois registos mais recentes na discografia dos norte-americanos Matmos, ambos com selo da conceituada Thril Jockey, são apenas a ponta de um efervescente iceberg que é a complexa e vasta discografia do duo.

matmos.jpgDrew Daniel e Martin Schmidt procuraram sempre ao longo do seu trabalho partir de conceitos elaborados e The Marriage of True Minds não é, nesse aspeto, um exercício diferente. É a ideia de telepatia que anima o disco, com uma série de experiências conduzidas de forma mais ou menos científica a servir de ponto de partida para o disco. Mas se em texto tal proposta pode sugerir música mais etérea, tal coisa não é coincidente com o resultado final apresentado em “The Marriage of True Minds”. Mas isso também acaba por fazer pleno sentido porque aos Matmos nunca deverá ser imputada a fatura da previsibilidade.

“Very Large Green Triangles” é um dos temas desse álbum mais recente, sendo que o título refere o que alguns dos participantes da experiência acreditam ter-lhes sido comunicado telepaticamente pelos próprios Matmos. Há um certo humor em jogo, nos samples de voz, mas também na música que os rodeia. Essa capacidade de retorcer sentidos, de enganar, esteve sempre presente na música dos californianos (relocalizados em Baltimore) e em última análise terá ditado a a aproximação de Bjork que em estúdio colaborou com o duo em “Vespertine” e “Medulla”, mas também em vários espetáculos dessa mesma era. A provocação e o espírito desafiante da música da criadora islandesa, sempre em busca das margens da pop, foi amplificada pela abordagem pouco convencional dos Matmos à criação. É por isso mesmo muito importante a apresentação no GNRation daquela que já foi descrita como “uma das bandas mais estranhas do mundo”. “Os Matmos são uma experiência muito invulgar, mas fascinante”, escreveu-se no Guardian a propósito de uma apresentação em Sidney o ano passado, já com o material de “The Marriage of True Minds” a ocupar o centro do palco.

Na crónica desse concerto, Helen Davidson confessou já se ter aborrecido em muitos espetáculos, mas que nunca tinha sido tão surpreendida pela estranheza: “e isso é muito melhor do que ver algo de que nos esquecemos imediatamente a seguir”.

A passagem dos Matmos por Braga será, por isso mesmo, memorável e imperdível. É nestes momentos que se faz história, afinal de contas.

 

Texto: Rui Miguel Abreu

 

GNRation (Braga)

27 de Julho | 22.30h

Discos: Os 60's estã de regresso com “Money in the can” dos Lola Lola

São do Porto e começaram esta aventura em 2014. Tiago Gil na guitarra, Miguel Lourenço no baixo, Hélder Coelho na bateria, Carla Capela, também conhecida por DJ Just Honey na voz e João Azeredo no Saxofone.

lola lola.jpgA sonoridade da banda inspira-se claramente no rock’n’roll, 60’s beat e popcorn.Este grupo de músicos acaba de editar o primeiro single em vinil, com os temas "Money in The Can" no Lado A, e "Follow Me to The Sea" no Lado B. A edição tem o selo da editora espanhola Sleazy Records especializada neste tipo de edições.

lola lola 2.jpgO single já pode ser adquirido no Porto e em Lisboa, ou através do site da editora Sleazy Records

Agenda: Verão na Casa... Da Chick

Com paixão e frontalidade, Da Chick traz o funk da velha escola, o groove eterno do soul e salta ao balanço rítmico do disco. O seu primeiro álbum de originais, “Chick to Chick”, é uma viagem ao universo do soul, seja ele contemplado pelo prisma do funk, do disco ou do hip-hop.da chick.jpgDa Chick é Teresa Freitas de Sousa. Lançou-se no mundo da música em 2009, sendo este projecto, Da Chick, a sua primeira revelação na área.

Desde logo acolhida de braços abertos pela editora Discotexas, de Moullinex e Xinobi, começa a ganhar o seu espaço na música electrónica. Em 2012 lançou o primeiro EP, “Curly Mess”. “Cocktail” e “I say” são duas músicas num disco repleto de nostalgia funk, que agora se realça ainda mais com o lançamento do album de estreia “Chick to Chick” onde encontramos o “Cocktail” que vai ser apresentado no Porto este sábado.

 

Casa da Música – Verão na Casa (Porto)

27 de junho 2015 | 22.30h (Concerto Gratuito)

Agenda: Verão na Casa... Filho da Mãe

“Cabeça” é o segundo álbum de Filho da Mãe, editado em 2013, e foi considerado um dos melhores discos do ano, além de recolher críticas positivas de várias direcções.filho.jpgUma guitarra clássica nas mãos de um músico, Rui Carvalho, que junta ao percurso pelo rock influências tão diversas como as de Carlos Paredes, Paco de Lucia e da música do Mali.

 

Casa da Música – Verão na Casa (Porto)

26 de junho 2015 | 22.30h (Concerto Gratuito)

Agenda: Ciclo "Julho é Jazz"… no GNRation em Braga

O GNRation receberá durante o mês de Julho alguns dos melhores nomes da atualidade do jazz moderno no ciclo Julho é Jazz.

Peter Brötzmann com Steve Noble duo, Joe Morris, Ohad Talmor Trio com Miles Okazaki e Dan Weiss, Rodrigo Amado Motion Trio e Ensemble Super Moderne vão passar por Braga, de 3 a 18 de Julho, num ciclo promovido pelo espaço cultural bracarense.JAZZ-Peter Brötzmann.jpgO duo sopro-bateria tem sido, de há muito tempo para cá, uma arquitetura crucial no trabalho de Peter Brötzmann, uma das figuras fundadoras do free jazz e da música livre europeia, ao longo dos últimos 50 anos. Steve Noble, o baterista em questão, é parte central da comunidade londrina de músicas improvisadas.JAZZ-Joe Morris.jpgJoe Morris é um dos mais importantes guitarristas do jazz e da música improvisada, facto que se tem tornado cada vez mais unânime ao longo da última década, mais de trinta anos depois do início da sua atividade pública.JAZZ-Ohad Talmor Trio.JPGOhad Talmor Trio estão sediados em Nova Iorque e contam com mais de 15 anos a tocar juntos. Talmor é saxofonista, compositor e arranjista e com o trio foca-se em composições originais com maior destaque na integração de rítmicos complexos, eletrónica e mixed media. O resultado é um alto nível de virtuosismo interativo.JAZZ-Rodrigo Amado.jpgRodrigo Amado afirma-se como um dos músicos de jazz do nosso país com maior projeção ao nível internacional. Projetos recentes com a participação de músicos como Joe McPhee, Chris Corsano, Taylor Ho Bynum, John Hebert, Gerald Cleaver, Paal Nilssen-Love, Kent Kessler ou Dennis Gonzalez, garantiram-lhe um lugar de destaque como um dos mais celebrados improvisadores europeus. Como Motion Trio, edita “Live in Lisbon” e “The Freedom Principle”, dois álbuns com o crucial trompetista Peter Evans, ambos pela lituana NoBusiness Records e ambos recebem crítica unânime em toda a imprensa internacional dedicada ao jazz.

 

O Ensemble Super Moderne destaca-se por não ter nenhum som mas vários. Com percursos musicais sólidos e reconhecidos, oito músicos juntam-se para explorar diferentes formas de narrar, improvisar e interagir musicalmente a partir de uma componente composicional forte que traga consigo tantas boas influencias quanto possível.

Para além dos concertos, o GNRation contará com masterclasses por Ohad Talmor / Miles Okazaki / Dan Weiss e Joe Morris.

 

 

Ciclo julho é jazz

 

ohad talmor trio featuring miles okazaki and dan weiss

3 julho

Peter brötzmann & steve noble duo

4 julho

Joe morris / ensemble super moderne

11 julho

Rodrigo amado motion trio

18 julho

 

Masterclass

 

Ohad talmor / miles okazaki / dan weiss

3 de julho

Joe morris

11 de julho