Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Glam Magazine

Glam Magazine

Festivais: NOS Primavera Sound 2015 / Line up (Parte 12)

É já no dia 4 de Junho que a cidade do Porto recebe a maior manifestação musical da Primavera. Pelo 4º ano seguinte o NOS Primavera Sound traz à cidade do Porto a Primavera acompanhada de música.

O Parque da cidade vai ser invadido pelos sons do melhor que se faz a nível musical.

A cidade do Porto é literalmente tomada de assalto pelos vistantes oriundos de mais de 40 países que são esperados no festival.

À semelhança das edições anteriores são esperadas cerca de 70.000 pessoas nos 3 dias do Festival.

 

E hoje chegamos à 12ª segunda e última parte do line up da edição deste ano do NOS Primavera Sound com os últimos 4 nomes em destaque no festival:

 

VIET CONGNOS-VIET CONG.JPGA visão vanguardista do post-punk...

Da união de Matt Flegel e Mike Wallace, membros de Women, e Monty Mounro, dos Lab Coast, surgiu Viet Cong, projecto que soma à perfeição a intensidade abrasiva do post-punk e as melodias labirínticas e mutantes dos Talking Heads.

O quarteto, completo com a participação de Danny Christianses, deu-se a conhecer em 2013 com “Cassette” e, após se estrearem com o single “Continental Shell” do álbum de estreia Jagjaguwar, preparam este ano a edição do álbum homónimo

 

XYLOURIS WHITENOS-XYLOURIS WHITE.jpgAventuras instrumentais entre a Grécia e a Austrália

Exemplo radical de cruzamento de culturas e colisão musical, Xylouris White é uma atípica e surpreendente aliança artística: Jim White, baterista de The Dirty Three, lado a lado com o alaudista grego George Xylouris e com Guy Piccioto (Fugazi), produtor da primeira aventura discográfica do dúo que funde folclore grego, rock crú e diálogos experimentais.

Uma excursão pela música experimental que propõe uma sonoridade insólita personificada em “Goats”, álbum de estreia de Xylouris White

 

YASMIN HAMDANNOS-YASMIN HAMDAN.jpgActriz, cantora e compositora, a libanesa Yasmin Hamdan abriu as portas do seu país ao indie e à electrónica pela mão dos Soap Kills, projecto que se popularizou ao misturar as tradições musicais árabes com as novas linguagens pop. Agora, quinze anos volvidos, depois de ter colaborado com CocoRoise e Mirwais, a artista nascida em Beirut estreia-se a solo com “Ya Nass”, um trabalho em que se fundem referências orientais, pormenores electrónicos e trejeitos de cantautora.

Um corajoso e decidido passo, entre vapores folk e uma sonoridade com pinceladas indianas e africanas, dado pela artista que pela sua vocação renovadora já colaborou com cineastas como Jim Jarmush e Elia Suleiman

 

YOUNGHUSBANDNOS-YOUNGHUSBAND.jpgA alternativa melancólica ao noise-pop

Euan Hinshelwood anda há seis anos a dar voltas ao pop cobrindo o seu projecto Younghusband de diferentes camadas de noise-pop, shoegaze e krautrock, mas foi na aliança com Nicolas Vernhes dos Deerhunter que conseguiu pôr em ordem e dar forma às ideias do britânico em “Dromes”. Assim, depois de vários EPs experimentais, a banda britânica assentou numa melancólica e outonal sonoridade alternativa ao noise, recorrendo a sintetizadores analógicos que os situam entre o pop mais luminoso e o shoegaze mais sonhador e redolente.

 

A música do Serralves em Festa 2015 – Filipe Felizardo

Filipe Felizardo nasceu e vive em Lisboa. Trabalha em música e artes visuais. Dedica-se à guitarra eléctrica, com preferência para construções muito pessoais sobre o imaginário sonoro dos blues e do drone.

SERR-Filipe Felizardo.jpgDepois de "Guitar Soli for the Moa and the Frog", na Shhpuma, e "Volume II - Sede e Morte", na editora three:four, está de momento em misturas do seu 4º disco, o duplo album "Volume IV - The Invading Past & Other Dissolutions", para lançamento na editora Three:Four.

Sobre a sua música, a revista The Wire disse: "A monstrous ghost of Takoma music".

 

Serralves em Festa (Sala de Projeto)

31 maio 2015 | 16.00h

A música do Serralves em Festa 2015 – Ghetthoven

“My Sadistic World” é uma ode ao Real afundado na faceta completa e individual de Igor Ribeiro. É real pelas emoções que só pertencem ao artista, mas ao mesmo tempo, conecto com tudo o que o rodeia e que o faz contestar, sentir e indagar o seu próprio meio. “My Sadistic World” é o primeiro grupo de canções em formato EP de Ghetthoven e representa um marco do Neo-R'n'B e do Neo-Soul em Portugal.

ghettoven.jpgAmor e ódio, sadismo, passos curtos e longos, altruísmo e aprendizagem, são alguns dos vértices que se podem encontrar neste primeiro EP de Ghetthoven, preenchido pelas suas constantes experiências pessoais. É fácil estranhar e tentar rejeitar aquilo que é novo e diferente, mas tal como tantas outras realidades, é normal que fiquemos absortos dentro de algo tão fascinante como são estas músicas.

 

Serralves em Festa (Ténis)

31 maio 2015 | 14.00h

 

Fotografia: Paulo Homem de Melo

A música do Serralves em Festa 2015 – OZO

O que acontece quando um pianista clássico, que gosta de jazz e de música improvisada (Paulo Mesquita) se junta a um baterista proveniente da pop, mas com um especial interesse pelo experimentalismo electroacústico (Pedro Oliveira)?

OZO.jpgAcontece o que ouvimos neste tão surpreendente quanto cativante disco de estreia do duo OZO. Não se pense, porém, que o que apresentam é o simples cruzamento do que já antes faziam: a música resultante demarca-se da especialização de Mesquita na linguagem e nos processos de certa música erudita Americana ou do que ouvimos de Oliveira com o já bem conhecido grupo Peixe:Avião e na sua colaboração com Old Jerusalem.

É outra coisa, tão outra que desafia quaisquer catalogações.

O foco está no ritmo, mas, se por vezes parece que estamos a ouvir The Bad Plus, não se trata propriamente de jazz. Os temas seguem o formato da canção, mas se tal significa que há afirmativas abordagens melódicas o destaque vai para o trabalho harmónico.

Por sua vez, os desenvolvimentos narrativos e a permanente dramatização sonora remetem-nos para Erik Satie e para os impressionistas e, no entanto, trata-se de algo que só poderia existir nos dias de hoje.

 

Serralves em Festa (Auditório)

30 maio 2015 | 16.00h

 

Fotografia: Lauren Maganete

A música do Serralves em Festa 2015 – Ora Cogan

A artista canadiana Ora Cogan continua a ser um dos segredos mais bem guardados da música folk da actualidade.SERR-Ora Cogan.jpgO seu novo disco, “Crystallize” em formato EP, lançado em março 2015, poderá muito bem acabar de vez com esse estatuto, para felicidade de quem a quiser descobrir. Neste concerto, Ora Cogan apresentará as canções deste novo disco, assim como alguns temas de outros discos da sua já extensa discografia.

Serralves em Festa (Ténis)

31 maio 2015 | 21.00h

A música do Serralves em Festa 2015 – Os Príncipes

Os Príncipes são Maria Mónica e Jorge Queijo.

“Reinaldo” é o disco de estreia, um registo íntimo e sincero, feito da cumplicidade que une este casal de músicos sediados na cidade do Porto e que decidiu registar os sons e a música que fazem parte do seu quotidiano em comum.SERR-Os Príncipes.jpgO resultado é uma mistura eclética de indie rock e pop sónico. Maria Mónica é ilustradora e colabora com diversos colectivos musicais onde se destacam os trabalhos realizados para a Porta-Jazz.

Jorge Queijo é um músico do Porto, percussionista de diferentes espectros, como os Torto, os Tubab com Sérgio Carolino ou o duo SSS-Q com a trompetista Susana Santos Silva.

São ainda responsáveis pela direcção musical do Ensemble de Gamelão da Casa da Música.

Serralves em Festa (Ténis)

30 maio 2015 | 17.00h

A música do Serralves em Festa 2015 – Pega Monstro

Pega Monstro é o duo de pop/rock lisboeta das irmãs Maria (voz e guitarra) e Júlia Reis (bateria), afiliado à Cafetra Records.

SERR-Pega Monstro.jpgO aguardado segundo álbum da banda já está gravado e já tem nome, "Alfarroba", e sairá em Julho próximo na editora londrina Upset The Rhythm (John Maus, Future Islands, Deerhoof, No Age).

O novo disco sucederá ao igualmente celebrado e vilipendiado homónimo longa-duração de estreia de 2012; magnífica colecção de canções onde as melodias seduziam, as líricas fascinavam e a atitude que as entregava no limão fazia acreditar que "estávamos num lugar que desde o começo fora criado para um puro acontecer", como dizia o poeta.

 

Serralves em Festa (Ténis)

30 maio 2015 | 20.00h

A música do Serralves em Festa 2015 – Medeiros / Lucas

"Mar Aberto" é a crónica de viagem de dois Quixotes entre os mares do Atlântico e as costas do Mediterrâneo.

“Dois patéticos marinheiros que confundem o Ilhéu das Cabras com Lepanto. Confundem Galateia com Sereia. Buscam todas as Sereias do mundo antes de perceberem que elas são naufrágio. Seguem oráculos de um Búzio que lhes valem chicotadas no convés e combatem batalhas sangrentas que só lhes aumentam febres e paixões, a uma senhora que é a da Boa Morte. O regresso é máculo e sem fortunas, nem as do corpo nem as do espírito.”SERR-Medeiros.jpgOs dois marinheiros em "Mar Aberto" são Carlos Medeiros e Pedro Lucas, réus convictos de trocar as voltas às tradições atlânticas.

Roubaram palavras a outros, que as usam melhor, e deram-lhes melodias da marinhagem que nunca fizeram. Mestiçaram-nas ainda com outras culturas: um Magrebe imaginado, uma Andalúzia siamesa de um Algarve e várias Áfricas que deixaram de ser colónia

 

Serralves em Festa (Ténis)

31 maio 2015 | 18.00h

A música do Serralves em Festa 2015 – Peixe

Pedro Cardoso (Peixe) nasceu no Porto e aí estudou guitarra clássica no Conservatório de Música, guitarra Jazz na Escola Superior de Música e Artes do Espetáculo (ESMAE) e pintura na Faculdade de Belas Artes do Porto (FBAUP).SERR-Peixe.jpgFoi guitarrista dos Ornatos Violeta, hoje considerada uma das mais importantes bandas portuguesas de sempre e que marcou de forma incontornável, a chamada "música moderna portuguesa”.

Em 2002, após a separação dos Ornatos, formou a banda de rock Pluto e a banda de jazz DEP.

2010 foi o ano da edição de "Joyce Alive" com o grupo Zelig e mais tarde, em 2012, lança "Apneia", o seu primeiro álbum a solo.

Durante o seu percurso musical, colaborou com vários músicos e agrupamentos, tais como: Dead Combo, Drumming, Remix Ensemble, Carlos Bica, Maria João, Joana Sá, Adrien Utley, John Ventimiglia, Perico Sambeat e David Fonseca entre outros. "Motor" é o seu segundo registo a solo, editado em Março de 2015.

 

Serralves em Festa (Biblioteca de Serralves)

31 maio 2015 | 21.00h

A música do Serralves em Festa 2015 – Coclea

Ouvir a música de Coclea, o projecto a solo de Guilherme Gonçalves, leva-nos a compreender melhor o contributo que deu para os Gala Drop: a ele muito deve, ainda hoje, após a sua saída, o psicadelismo daquela banda de Lisboa que conta com a participação de Jerry the Cat (Jerrald James), ex-Funkadelic e ex-Parliament.SERR-Coclea.jpgMais do que isso, permite-nos circunscrever o seu universo musical próprio, que não é propriamente o dos cruzamentos "galadropianos”, mais plausíveis de ouvir do que de enunciar, entre dub, techno de Detroit, disco, funk and jazz. O que ouvimos os sintetizadores fazer na facção interestelar do krautrock faz Gonçalves com uma imensa panóplia de pedais de efeitos e processadores electrónicos, mas sempre tendo uma seis-cordas como utensílio principal. É como se a densidade gasosa da cauda de um cometa se dissipasse para deixar ver uma superfície limpa, brilhante e transparente de cristais.

 

Serralves em Festa (Biblioteca de Serralves)

31 maio 2015 | 23.15h

A música do Serralves em Festa 2015 – Atillla

Atillla é o alter ego de Miguel Béco de Almeida que surgiu em 2012 e tem vindo progressivamente a afirmar-se como uma das forças na electrónica portuense com um arsenal sonoro que vagueia entre o drone, o industrial e o techno, munido sempre da mordacidade do Black Metal.SERR-Atillla.jpgApós quatro EP’s lançados online lançou recentemente o seu primeiro longa-duração, "V", muito bem recebido pela crítica e com o qual se afirmou como uma forte promessa na música electrónica nacional.

Apresenta-se ao vivo desde 2014 com o apoio visual de Guida Ribeiro e ocasionalmente Paulo Catumba na bateria. Já fez as honras de abrir para nomes como Vessel (UK) e Tim Hecker (Can) e em breve para Gazelle Twin (UK).

 

Serralves em Festa (Clareira das Bétulas)

30 maio 2015 | 23.30h

A música do Serralves em Festa 2015 – PZ

Depois de "Anticorpos” de 2005 e "Rude Sofisticado” editado em 2012, e após o lançamento do single "Cara de Chewbacca” / "Tu És a Minha Gaja” num vinil de 7 polegadas em colaboração com dB no início deste ano, aterrou recentemente o 3º álbum de originais deste artista "pz-generis” que tem vindo a conquistar um espaço muito próprio na música nacional com as suas letras descomplexadas, provocantes e desconcertantes, onde a ironia e o "non-sense” são armas que desarmam.CD - PZ - Mensagens da Nave Mãe.jpgEm contraste com a sua voz surge uma base electrónica, tocada e programada pelo próprio, ritmos que vão do hip-hop ao techno/house entre outros géneros musicais. As "Mensagens da Nave-Mãe” são 12 temas que, entre solos de sintetizadores traumáticos, beats saltitantes, nos transportam para um mundo "100% Natural” repleto de "Bestas”, comandado pelo "Dinheiro”, que nos deixa com a "Neura” enquanto damos uma "Trinca na Chamuça”

Serralves em Festa (Ténis)

30 maio 2015 | 15.00h

A música do Serralves em Festa 2015 – Ninos du Brasil

Os Ninos du Brasil são, na verdade, italianos, mas só recentemente foi revelada a identidade do duo por trás do projeto: Nicolò Fortuni e Nico Vascellari, artistas e músicos com backgrounds nas artes visuais, performance e no punk hardcore, deixam-se inspirar pela humidade febril e sobrecarga sensorial da música do carnaval brasileiro.SERR-Ninos du Brasil.jpgVão temperando camadas densas de percussão propulsiva com drones eletrónicos, efeitos e vozes tribalistas com resultados marciais e hipnóticos, numa mistura inusitada de noise, batucada, samba e eletrónica. A homenagem do duo ao universo da música de percussão brasileira é especialmente sentida na intensidade física das apresentações ao vivo (seja num squat na Bélgica ou na Bienal de Arquitetura de Veneza) com as quais, invariavelmente, alimentam um rasto de festas míticas

 

Serralves em Festa (Prado)

31 maio 2015 | 03.30h

A música do Serralves em Festa 2015 – PAUS & Jemima Stehli

PAUS nasce duma ideia de Hélio Morais (If Lucy Fell e Linda Martini) e Joaquim Albergaria (ex-Vicious 5).

A ideia pode resumir-se simplesmente à vontade deste dois bateristas tocarem juntos, de forma instintiva e sem olhar a regras. Unidos pelo mesmo bombo numa "bateria siamesa”, recrutam Makoto Yagyu e João Pereira (companheiros nos If Lucy Fell) para se juntarem na aventura com um baixo corpulento e múltiplos sintetizadores. Mais recentemente, Pereira cederia o seu lugar a Fábio Jevelim (companheiro de Yagyu nos Riding Pânico).SERR-PAUS.jpgAbdicando de, ou mesmo evitando, protocolos criativos de projetos anteriores ou paralelos, os quatro membros da banda deixam-se intoxicar pelas empatias espontâneas, pelo "turbilhão de emoções”, encontrando um espaço que lhes é muito particular. É esta intensidade que vemos evocada em letras onde "ser”, "sentir” ou "querer” surgem em destaque; uma energia que se vive também nos concertos, transportada do palco para o público. As experiências ao vivo são sempre poderosas e, juntamente com a originalidade das sonoridades exploradas, contribuíram de forma substancial para a ascensão meteórica da banda desde que surgiu em 2010, com o lançamento do primeiro álbum, "PAUS”, em 2011.

A colaboração com a artista britânica Jemima Stehli surge como herança de projetos de Stehli com os If Lucy Fell, trabalhos que problematizavam relações entre sujeito e objeto, entre a imediatez da ação e a sua mediação quer na fotografia quer em filme. Esta colaboração com PAUS para o Serralves em Festa segue esta mesma linha operativa: a filmagem de Stehli, ou seja o seu olhar, é colocada em palco simultaneamente com a atuação da banda (através duma projeção vídeo) e simultaneamente com a própria ação de filmar.

 

Serralves em Festa (Prado)

31 maio 2015 | 01.30h

 

Fotografia: Paulo Homem de Melo

A música do Serralves em Festa 2015 – The Pop Group

The Pop Group são reconhecidos internacionalmente como uma das bandas pioneiras da cena post-punk.

Formados em 1977, fizeram furor com as suas performances ao vivo verdadeiramente incendiárias. A sua estética foi descrita como uma "fusão agressiva de funk, noise, dub, free jazz, proto-punk e de poesia pós-beat generation”.SERR-The Pop Group.jpgMark Stewart, o proeminente vocalista, era conhecido pelas letras fervorosas, influenciadas pela vanguarda de esquerda, filosofia existencialista e propaganda agit-prop. As ondas de influência e inspiração que partiram deste grupo britânico, cuja primeira encarnação não durou mais do que quatro anos e três álbuns, fizeram-se sentir nos desenvolvimentos das vanguardas musicais dos anos 1980, e foram citadas por Nick Cave, Thurston Moore dos Sonic Youth ou Mike Watt dos Minutemen.

Após desentendimentos internos e disputas legais, os The Pop Group separaram-se em 1981, deixando como lastro temas como "She Is Beyond Good and Evil" ou "We Are All Prostitutes”. Os membros da banda espalharam-se por diversos projetos como Pigbag, Maximum Joy, The Slits ou Rip Rig + Panic. Mark Stewart encetou várias parcerias com o pelotão de dub da On-U Sound, nomeadamente no projeto Mark Stewart & The Maffia (que os portuenses tiveram a oportunidade de ver em 2007 no Auditório de Serralves).

Em 2010, os The Pop Group reuniram-se para concertos ao vivo e marcaram presença em alguns dos mais importantes festivais europeus como o All Tomorrows Parties (ATP) ou o Primavera Sound em Barcelona.

Já em 2015, no passado mês de Fevereiro, lançaram um novo álbum, “Citizen Zombie”, 35 anos depois do último trabalho de originais, de 1980.

O disco, produzido pelo reconhecido Paul Epworth, um fã de longa data da banda, conta com os membros originais Mark Stewart (letras / voz), Dan Catsis (baixo), Gareth Sager (guitar) e Bruce Smith (bateria).

O concerto em Serralves acontece depois de uma série de concertos no Japão, na Nova Zelândia, na América do Norte e no Reino Unido.

 

Serralves em Festa (Prado)

30 maio 2015 | 00.00h

A música do Serralves em Festa 2015 - Mark Ernestus's Ndagga Rhythm Force

Mark Ernestus é mundialmente conhecido como o fundador da mítica loja de discos Hard Wax, que em 1989 lançou as fundações da cena da música eletrónica de dança em Berlim.

Enquanto criador, começou como metade do duo Basic Channel a trabalhar um som híbrido, entre o techno e o dub, continuando depois a expandir a vertente reggae do trabalho com o projeto Rhythm & Sound.SERR-Mark Ernestus's Ndagga Rhythm Force.jpgO duo fundou também o influente estúdio de gravação de vinil Dubplates & Mastering.

Já os ouvintes mais ligados ao espectro da World Music terão ouvido falar de Ernestus pelas suas remisturas de músicas do arquiteto do Afrobeat, Tony Allen, e dos rockers de Kinshasa, Konono No.1, ou pela compilação dedicada ao Shangaan Electro da África do Sul, que ajudou a produzir.

Discretamente, Ernestus tem alimentado um interesse particular pelos Mbalax e Sabar, géneros de música de dança popular no Senegal e na Gâmbia, marcados pela percussão fulgurante no sabar, nos talking drums e pelos sintetizadores a imitar marimbas. Esta investigação conduziu-o a sessões de gravação com vários músicos daquela região sendo a secção rítmica base realizada pelos percussionistas de sabar do clã Jeri-Jeri.

Entretanto, o projeto evolui para se consolidar num grupo mais pequeno de músicos com quem Ernestus intensificou a colaboração, realizando tournées pela Europa e gravando novos temas. Ultrapassando limitações e expectativas iniciais, o grupo tem revelado a sua enorme força e energia ao vivo em festivais e clubes europeus. À incrível presença em palco do cantor/MC Mbene Diatta Seck, do mestre de talking drums Modou Mbaye e da bailarina Wore Mboup, juntam-se personagens veteranas como o tocador de sabar Bada Seck, o guitarrista Assna "Ndoye” Cisse, que tocou ao lado de Baaba Maal durante 30 anos, e outras figuras emergentes da cena de Dakar.

 

Serralves em Festa (Prado)

31 maio 2015 | 19.00h

A música do Serralves em Festa 2015 - The Pyramids & Guests

The Pyramids é um coletivo de jazz fundado nos Estados Unidos em 1972.

Os membros fundadores conheceram-se enquanto estudantes no mítico Antioch College, onde Cecil Tylor lecionava, e conhecido pelo espírito liberal e linhas de pensamento político progressistas e ativistas. Ainda estudantes, os membros originais da banda embarcaram numa odisseia cultural, primeiro pela Europa e depois em África, onde estudaram cultura africana, ouviram e tocaram com mestres musicais na Etiópia, Quénia e Gana.SERR-The Pyramids.jpgOs The Pyramids tornaram-se um dos primeiros ensembles afroamericanos a explorar a música dos seus antepassados em África, isto muito antes da "world music” se tornar uma moda no ocidente. O grupo separou-se em 1977, mas reuniu-se de novo em 2007 e acaba de lançar um novo álbum, "Otherworldy” (em português, "de outro mundo”).

É o carácter extraordinário dos The Pyramids que inspira o desafio que Serralves lança para a colaboração da banda com cinco jovens músicos portugueses que, com percursos diferentes, têm granjeado contributos fundamentais para a vitalidade do jazz e da música experimental em território nacional: Angélica Salvi, Gabriel Ferrandini, Gil Dionísio, João Guimarães e Pedro Sousa juntaram-se aos The Pyramids para sessões de trabalho e ensaios que agora culminam num concerto inédito no prado de Serralves.

 

Serralves em Festa (Prado)

30 maio 2015 | 18.00h

Discos: Lotus Fever apresentam "Set In Stone"

Uma semana depois da sua actuação no Palco Antena 3 do Belém Art Fest, em Lisboa, os Lotus Fever apresentaram o video para "Set In Stone", um dos temas do seu álbum de estreia "Search for Meaning", editado no final de 2014.

lotus fever.JPGRealizado por alunos de Cinema da Universidade Lusófona de Lisboa, o video ilustra brilhantemente o ambiente criado pelo tema, materializando as suas paisagens sonoras

 

Fotografia: Nádia Dias

Festivais: Faz Música Lisboa! ‘15

A Faz Música Lisboa é uma festa de música ao vivo.

Com vários palcos e já na sua 5º edição, em 2015 celebra vários estilos de música a 20 de Junho

O projecto Faz Música Lisboa está inserido na festividade internacional Fête de la Musique e consiste na organização de uma festa dedicada à música ao vivo, realizada num dia, no seio da cidade de Lisboa e de livre acesso para os participantes. Os valores da Festa baseiam-se no envolvimento da sociedade civil à volta dos músicos amadores e profissionais da sua cidade, criando valor cultural e promovendo os espaços citadinos.faz_musica.jpgSeguindo a tradição da Fête de la Musique, celebrada internacionalmente no mês de Junho e presente em 116 países e 450 cidades, participam na Faz Música Lisboa! estilos musicais tão diversos como Rock, Bossa Nova, Fado, Folk e Música Clássica.

A organização do evento está a cargo da Associação Faz Música Lisboa, fundada em 2010 por João Cruz, Nuno Almeida e Diogo Santos e que actualmente conta com um total de 13 colaboradores.

A primeira edição da Faz Música Lisboa! ocorreu no dia 18 de Junho de 2011 com concertos a ocorrer em simultâneo em 6 palcos.

Este ano são 9 os palcos do Festival Faz Música Lisboa! ‘15

 

Palco 1 - Jardim da Estrela - das 14h às 21h - Jazz/Blues

14.00h Midnight Club Blues Band

15.00h Roots Big Band

16.00h Jailbreak Blues Band

17.00h Lady e os Lobos Maus

18.00h Moonshiners

19.00h Billie's Blues Quartet

20.00h The Norton's Project

 

Palco 2 - Jardim das Amoreiras - das 15h às 21h - Lusofonia

15.00h António B.

16.00h Magano

17.00h Daniela Mendes

18.00h Torga

19.00h Vicente Palma

20.00h Maria João Fura

 

Palco 3 - Estufa Fria - das 18h às 20h - Fado

Fadistas: Manuel Marçal; Ma­lde Cid; Madalena Campos; Joana Reis; Ma­lde Mesquitella; Liliana Mar­ns; So-a Ramos / Guitarras: Bernardo Romão e Pedro Saltão

 

Palco 4 - Jardim do Príncipe Real - das 17h30 às 23h00 - Músicas Mundo

17.30h Vozes de Lata

18.45h PHM

20.15h Sal, Pimenta e Cacau

21.30h Zukatuga

 

Palco 5 - Rossio - das 17h às 23h - Rock

17.00h Then They Flew

18.00h Suki Waterhouse

19.00h Old Yellow Jack

20.00h Vira Casaca

21.00h Los Waves

22.00h For Pete Sake

 

Palco 6 - Largo de Camões - das 17h às 23h - Palco Delta

17.00h Vasco Vilhena

18.00h Cheers Leaders

19.00h Stereo Parks

20.00h Skills and the Bunny Crew

21.00h #2675

22.00h Los Negros

 

Palco 7 - Avenida da Liberdade - das 16h às 22h - Rock

16.00h A Caixa

17.00h MulherHomem

18.00h Glass In The Park

19.00h Kwan­a

20.00h Karpa

21.00h The Stone Wolf Band

 

Palco 8 - Ribeira das Naus - das 16h às 22h - Música do Brasil

16.00h Inês Teixeira Lopes

17.00h Meu Samba é Assim

18.00h O Carreiro

19.00h Biah

20.00h Sergin Mo­tta

21.00h Nega Jaci

 

Palco 9 - Largo de S. Paulo - das 14h às 22h - Rock/Eletrónica

14.00h Faded

15.00h Escape Plan

16.00h Res-Do-Chão

17.00h Made In

19.00h Pinpoin-ng Jah

20.00h Meu Kamba Soundsystem

21.00h Vários DJs

 

Agenda: M.O.R.G. apresentam “Nightmare of Sound” no Porto

O álbum “Nightmare of Sound” é a afirmação dos M.O.R.G. no panorama musical nacional e tem lançamento agendado para o próximo dia 5 de junho, na Cave 45, no Porto, a partir das 23h00.

Enquanto se aguarda a estreia do segundo single deste trabalho, editado em janeiro pela Music In My Soul, recorde-se que “Criminal Intent” é o single de apresentação do disco.

flyer_Cave45_M.O.R.G.pngO início dos M.O.R.G. (Music Of a Revolutionary Generation) remonta a 2004 e partiu da vontade de Paulo Caetano (guitarrista) e de João Almeida (vocalista). Os dois músicos decidiram criar uma banda de Thrash Metal com influências do melhor da old school do género a nível mundial, tendo pisado um palco pela primeira vez em julho de 2004

Ao longo da sua existência, a banda realizou mais de uma centena de concertos e, com a ajuda de vários prémios ganhos nos muitos concursos em que participou, surgiu a oportunidade de entrar em estúdio (Caos Armado) para a gravação do seu EP de estreia, produzido por Daniel Valente e lançado no final de 2010.

Deste então que o grupo, a nível de sonoridade, evoluiu para um estilo muito próprio de Thrash Metal, sendo notórias as influências musicais do Thrash da Bay Area e germânico, com denotações Heavy Metal do fim da década de 80 e inícios da década de 90. Acima de tudo, os M.O.R.G. procuram sempre uma sonoridade com a força e o sentimento dessas décadas, mas sem deixar de ser extremamente atual, repartida por melodias trabalhadas, riffs criativos e com uma lírica muito pessoal, bastante influenciada na imagem que têm da sociedade. Em 2012, conseguiram produzir e lançar o seu próprio videoclipe e, em 2013, entraram novamente em estúdio, para gravar o primeiro album de longa duração.

 

Durante estes dez anos, a banda experimentou várias mudanças de formação, mas, com a força de Paulo Caetano e João Almeida, persistiu e, com a entrada do atual guitarrista solo, e baixista, em 2010, ganhou uma nova vida. Atualmente, após a mais recente saída de José Rodrigues, em agosto 2014 (até então, o baterista), os M.O.R.G. são compostos por João Almeida (voz), Paulo Caetano (guitarra ritmo), David Pedrosa (baixo) e Miguel Lima (guitarra solo).

Festivais: Raw Coreto by G-Star Raw – NOS Alive!! 2015

Raury, Nice Weather For Ducks, Les Crazy Coconuts, Prana, Naked Affair, Pista, DJ set Zé Pedro (Xutos e Pontapés), DJ set Fernando Alvim e DJ set Pedro Ramos (Rádio Radar/Black Balloon) fecham alinhamento do Raw Coreto by G-Star Raw.DSC_0166 (Cópia).jpgO Raw Coreto volta este ano a marcar presença no NOS Alive’15 com uma programação de luxo, que reúne os mais proeminentes nomes da cena indie. Aos já anunciados Basset Hounds, Cave Story, Light Gun Fire, Los Waves, Tape Junk e Tracy Vandal juntam-se agora novas confirmações que concluem o alinhamento para os três dias do festival.

 

Raury, cantor e compositor norte-americano conhecido pelo seu estilo eclético que junta o funk, soul, hip-hop e folk, irá subir ao Raw Coreto dia 11 de julho. O músico revelação, que se encontra na lista dos 15 finalistas para o BBC Music Sound 2015, vai estrear-se em Portugal no NOS Alive’15, onde apresentará a sua primeira mixtape de originais, “Indigo Child”. Este ano o músico faz parte do projeto Raw for The Oceans, uma iniciativa da marca holandesa, que tem como objetivo recolher plástico dos oceanos e transformá-lo em denims.

Nesse mesmo dia sobem também ao palco os portugueses Pista, que se estreiam igualmente no festival, e Pedro Ramos, voz de sucesso da Rádio Radar e programador das noites Black Balloon, com um DJ set que promete fazer a festa no Raw Coreto.

No dia 10 de julho, aos já anunciados Tape Junk e Los Waves, juntam-se Prana, Naked Affair e Fernando Alvim com um DJ set.

nice weather for ducks.jpgJá no dia 09 de julho, o Raw Coreto recebe em palco Nice Weather for Ducks, Les Crazy Coconuts e o DJ set de Zé Pedro (Xutos e Pontapés). Os já revelados Basset Hounds e Light Gun Fire irão atuar igualmente neste dia.

A seleção artística deste palco procura reforçar a qualidade da música independente. O cartaz apresentado para este ano volta a colocar o Palco Raw Coreto como um ponto de paragem obrigatório no Passeio Marítimo de Algés.

Este palco único em forma de coreto conta pela segunda vez consecutiva com o patrocínio da G-Star RAW.

 

Fotografias (Les Crazy Coconuts e Nice Weather For Ducks): Paulo Homem de Melo

Festivais: Gravel Fest… o rock em Barcelos

Vai decorrer no próximo dia 6 de Junho a segunda edição do Festival Gravel Fest na Barragem Areias S.Vicente em Barcelos.the wild booze.jpg São 4 as bandas confirmadas no cartaz da edição de 2015 do Gravel Fest, The Lemon Lovers, The Wild Booze, The Black Wizards e Black Smoke Of Buddha.

O festival é organizado pela Associação Rock na Barragem.

 

Fotografia (The Wild Booze): Paulo Homem de Melo

Festivais: A música na edição 2015 do Agitágueda

A 10ª edição do AgitÁgueda vai decorrer de 4 a 26 de julho, o evento oferece 23 dias de intensa programação cultural de qualidade, com muitos espectáculos, animação de rua, performances, gastronomia e o já célebre projeto “The Umbrella Sky Project”, uma instalação artística de milhares de chapéus-de-chuva coloridos que flutuam pelas ruas da cidade e com entrada livre.

Este completado com outro projecto de arte urbana em que bancos de jardim, escadarias, colunas, entre outros, são pintados com variações cromáticas apelativas. Existe um roteiro da cidade dedicado a estas instalações.

DSC_0093 (Cópia).jpgA organização do evento acaba de anunciar os artistas presentes na programação do festival.

O evento arranca dia 4 de Julho com o concerto dos D.A.M.A. No dia seguinte Jorge Palma sobe ao palco do festival acompanhado pela Orquestra Filarmónica 12 de Abril.

Integrados na programação do Festim, Richard Bona, Orquesta Típica Fernández Fierro e Ferro Gaita apresentam os seus espetaculos nos dias 9, 16 e 23 de Julho.

A música Portuguesa regressa aos palcos no dia 10 com Carolina Deslandes e os Like Us, sendo que no dia 11 é a vez de Paulo Gonzo ir até Águeda.

Capicua leva a sua “Medusa” no dia 15 e dia 18 é a vez de Rita Redshoes acompanhada pela Mimo's Dixie Band subir ao palco.

Jimmy P e Valete são os convidados do dia 24 e o evento termina a 26 de Julho com o aguardado concerto do britânico James Arthur, que assim se apresenta em palco mais uma vez em Portugal este ano.

 

4 julho - D.A.M.A

5 julho - Jorge Palma + Orquestra Filarmónica 12 de Abril

9 julho - Richard Bona (Festim)

10 julho - Carolina Deslandes + Like Us

11 julho - Paulo Gonzo

15 julho - Capicua

16 julho - Orquesta Típica Fernández Fierro (Festim)

17 julho - Selah Sue

18 julho - Rita Redshoes & Mimo's Dixie Band

23 julho - Ferro Gaita (Festim)

24 julho - Jimmy P & Valete

25 julho - Badoxa

26 julho - James Arthur

 

Brevemente a organização divulgará a programação dos Djs, Talentos AgitÁgueda e Concertos Íntimos

 

Fotografia (James Arthur): Paulo Homem de Melo

Festivais: Carnaval fora de horas no Agitágueda

O fervor e alegria que caracterizam o Samba chegam a Águeda para agitar as hostes... entre músicos e sambistas, o cortejo será liderado por uma centena de artistas, pertencentes a sete escolas de Samba.

agitagueda2.png

Para além do Samba, o "Carnaval fora de horas" contará ainda com a presença de luxuriantes carros alegóricos, estruturas surpreendentes, entre muitas outras surpresas.

Águeda espera-o neste evento de cor, folia e diversão. Deixe-se contagiar pelo espírito carnavalesco e marque presença no "Carnaval fora de horas".

 

A 10ª edição do AgitÁgueda vai decorrer de 4 a 26 de julho, o evento oferece 23 dias de intensa programação cultural de qualidade, com muitos espectáculos, animação de rua, performances, gastronomia e o já célebre projeto “The Umbrella Sky Project”, uma instalação artística de milhares de chapéus-de-chuva coloridos que flutuam pelas ruas da cidade e com entrada livre.

Este completado com outro projecto de arte urbana em que bancos de jardim, escadarias, colunas, entre outros, são pintados com variações cromáticas apelativas. Existe um roteiro da cidade dedicado a estas instalações.

 

Agitágueda - Carnaval fora de horas

19 julho 2015 | 16.30h

Festivais: Meo Marés Vivas… Cartaz completo Jogos Santa Casa

O palco Jogos Santa Casa, que aposta nos artistas nacionais, recebe, a 16 de julho, Capicua, em apresentação do seu mais recente álbum, “Medusa”, disco de remisturas e dois originais, e Diana Martinez and the Crib, a nova aposta da Primeira Linha, cujo álbum de estreia homónimo vagueia por sonoridades R&B, Soul e Hip Hop.

Capicua 2.jpgNo dia seguinte, é a vez de Jimmy P, cuja presença no certame já tinha sido anunciada, e Koa, que lança em junho o seu primeiro trabalho discográfico, do qual já é conhecido o single de estreia “Stand Up”.

No dia 18 de julho, sobem ao palco Jogos Santa Casa o rapper Deau, em apresentação do seu novo álbum, responsável pelo êxito “Andorinha”, e a boysband Like Us, composta por Francisco, David, Daniel e João que foram os grandes vencedores de um casting organizado pelo canal Biggs.

Estes nomes juntam-se, no cartaz da edição 2015 do Meo Marés Vivas, aos anteriormente anunciados para o palco principal Ana Moura, Richie Campbell, Buraka Som Sistema, Kika, Miguel Araújo, The Black Mamba, Blind Zero, Lenny Kravitz, John Legend, John Newman, Jamie Cullum e The Script.

 

Meo Marés Vivas (Gaia)

16 a 18 de Julho 2015