Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Glam Magazine

Glam Magazine

ModaLisboa Curiouser está em contagem decrescente....

ModaLisboa Curiouser está em contagem decrescente.

Em curiosidade crescente.

E em registo permanente.

Através dos olhares artísticos, curiosíssimos e interpretativos dos fotógrafos Gonçalo Borges Dias, Gonçalo Villaverde e Rita Carmo, convidados para representar Workstation na Lisboa Fashion Week.

moda_lisboa1.jpg A ModaLisboa apresenta Workstation.

Uma exposição fotográfica com o apoio da Konica Minolta. Durante os três dias da ModaLisboa Curiouser, três profissionais estarão a registar todos os momentos do evento. A exibição desse trabalho fotográfico work in progress será imediata, e pode ser vista a partir da abertura da ModaLisboa Curiouser, no dia 13 de março, na Sala do Risco, Pátio da Galé.

O fotojornalista Gonçalo Borges Dias revela que o seu objetivo é tirar pelo menos uma fotografia por dia. E que a sua fotografia favorita será sempre a de amanhã.
Gonçalo Villaverde confessa-se um light stalker, persegue a luz como uma paixão que inspira este grande amor.
Rita Carmo participou na Workstation desde a sua primeira edição em 2009 até 2011, e regressa agora ao coração da moda, onde tudo começou.

Eles são os três fotógrafos escolhidos pela ModaLisboa e pela Konica Minolta para cristalizar a atualidade através das paisagens, dos intervenientes, do tempo e da luz.

Três diferentes formas de captar o fluxo da Moda que vai ser registada antes, durante e depois dos desfiles, e que permanece muito para além do último dia do evento.

Porque o coração da moda e da arte continua a bater mesmo quando a luz do espetáculo se apaga....

Aldo Lima vai tirá-lo do sério!

Aldo Lima traz comédia ao Shopping Cidade do Porto!

Depois de encher várias salas de norte a sul do país, Aldo Lima, um dos pioneiros do stand-up comedy em Portugal, é o primeiro artista convidado da programação “Comédia no Shopping Cidade do Porto”.

 

AldoLima.jpgAldo Lima é um dos pioneiros do stand-up em Portugal.

No início da década, antes da sua cara se tornar conhecida através de três campanhas de uma operadora de comunicações móveis, já ele tentava explicar a gerentes de espaços noturnos que lhe era possivel subir ao palco sozinho e, sem contar anedotas, divertir qualquer plateia.

Esta tarefa ingrata ficou facilitada com o aparecimento do programa da SIC "Levanta-te e Ri".

Na sua primeira participação, Aldo Lima fala-nos de Tourada à Portuguesa, apresenta um dos momentos inesquecíveis do programa e lança, instantaneamente, a sua carreira de humorista.

Seguem-se outras rábulas: o futebol, o rapar do cabelo, o Neo (do filme Matrix) cabeleireiro, o terrorismo, etc...

Entretanto, Aldo Lima abriu o espectáculo "The Puppetry of the Penis" no Teatro Tivoli; 

Em 2003, recebeu o Prémio de Comediante do Ano atribuído pela Aveiro FM;

Marcou presença no “Festival Internacional do Riso”, na “Gala Viva o Euro 2004” e no “All-Football”.

Convidado pelos finalistas de Cinema da Universidade Moderna, protagonizou a curta metragem “Que Horas São?”.

Escreveu, juntamente com Eduardo Madeira, a mini-peça “Kilo & Meio” onde contracenou com António Feio; Foi-lhe atribuído em Évora, pela Associação Nacional de Jovens Empresários (ANJE), o prémio “Humorista do Ano 2004”.

Em 2006, foi co-autor (juntamente com João Quadros) da série de televisão da RTP “Palavras Para Quê”, que também protagonizou e, em Dezembro do mesmo ano, teve direito a um especial stand-up intitulado "Aldo Lima - Pior Que Estragado".

Em 2009, forma o Club de Comédia juntamente com Nilton, Francisco Menezes, Eduardo Madeira, Bruno Nogueira e Óscar Branco.


A 17 de Abril será a vez de Nuno Markl marcar presença.

 

Auditório Shopping Cidade do Porto

13 Março 2015 | 21.30h

NOS Clube com.... Capicua

Capicua é o primeiro nome a ser confirmado para a 1ª edição de 2015 dos NOS Clube da Casa da Música.

Capicua 2.jpg

Inicialmente o primeiro nome apontado para evento foram os Tangerine Dream, banda que cancelou a sua atuação por motivo de falecimento de um dos fundadores da banda, Edgar Froese.

 

Assim para além de Capicua aguarda-se a divulgação do restante cartaz.

"Medusa", o novo disco de Capicua, será o mote para o primeiro concerto da artista na Casa da Música

 

NOS Clube

Casa da Música - Porto

11 Abril 2015 | 22.00h

 

Fotografia: Paulo Homem de Melo

 

12º Jazzfest Portalegre 2015

O festival Jazzfest esta de volta a Portalegre.

A 12ª edição decorre de 19 a 28 de Março de 2015 em dois fins de semana.

JAZZFESTA3web.jpg Para iniciar a festa do Jazz, no dia 19 de Março, o CAEP Voices, presentear-nos-á com um reportório composto por clássicos de Jazz.
Como apostas para este ano, surgem atividades de cariz formativo, e uma programação, que em vez de se caraterizar por formações rígidas de músicos portugueses, europeus e norte americanos, opta por apresentar diversas formações, constituídas por colaborações de músicos portugueses com músicos de outros países, nos domínios do jazz criativo.

Exemplos disso, serão as parcerias de André Matos Quartet (André Matos: guitarra; Tony Malaby: saxofone tenor; Demian Cabaud: contrabaixo e André Sousa Machado: bateria) com Tony Malaby (Estados Unidos), no dia 27 de Março, de Susana Santos Silva com Kaja Draksler (Eslovénia) e do grupo De Beren Gieren (Bélgica), no dia 28 de Março, e do projeto Deux Maisons, constituído pelos portugueses Luís Vicente e Marco Franco, e os franceses Théo Ceccaldi e Valentin Ceccaldi, nos dias 27 e 28 de Março.

O Jazzfest acolherá duas formações norte americanas de peso e que dispensam apresentação, o Michael Formanek's Cheating Heart Quintet (Tim Berne: saxofone alto; Brian Settles: saxofone tenor; Jacob Sacks: piano; Michael Formanek: contrabaixo e Dan Weiss: bateria), dia 20 de Março, e Chris Speed Trio (Chris Speed: clarinete e saxofone tenor; Chris Tordini: contrabaixo e Dave King: bateria), dia 21 de Março. Apresenta também um novo valor no panorama jazzístico nacional, o Ricardo Toscano Quartet (Ricardo Toscano: saxofone alto; Diogo Duque: trompete; Romeu Tristão: contrabaixo e João Pereira: bateria), dias 20 e 21 Março.

Nesta 12ª edição, continuará a parceria entre o CAEP e a editora Clean Feed, através da oferta de CD’s na compra de entradas para o festival (1 CD por cada bilhete para o Grande Auditório e 4 CD’s pelo Passe para os 4 dias), no intuito de promover, divulgar e conquistar novos públicos.

Para além destas novidades, irão manter-se as tradicionais Feiras do Disco (responsabilidade da Clean Feed) e a Mostra de Vinhos e Produtos regionais, no Foyer do CAEP

Noites da Queima das fitas 2015 (Coimbra).... James Arthur

James Arthur é a nova confirmação para as noites da edição de 2015 da queima das fotas de Coimbra e sobe ao palco principal no dia 8 de Maio de 2015

Depois das confirmações de Sam The Kid e Mundo Segundo e dos D.A.M.A. eis que surge o primeiro nome internacional para as noites do Parque. É o regresso a Portugal depois da sua presença em 2014 no Festival Marés Vivas em Gaia.

james-arthur-live-booking-agent-bg.jpg

"James Arthur é um cantor e músico britânico de Middlesbrough que venceu a nona temporada do The X Factor (Reino Unido) em 2012. O seu single de estreia, "Impossible", foi lançado após o final do programa e estreou em primeiro lugar no UK Singles Chart na sua primeira semana de lançamento. Desde então, passou a vender mais de 1,2 milhões de cópias no Reino Unido e 2,5 milhões de cópias em geral, tornando-se o primeiro vencedor ‘best-seller’ do The X Factor."

 

Festivais: Franz Ferdinand & Sparks juntos... (Super Bock, Super Rock)

A 21ª edição do Super Bock Super Rock será, por muitos motivos, especial.

Regressa à cidade, comemora 20 anos e prepara um cartaz imbatível e surpreendente. A confirmá-lo, juntos, num concerto imperdível, a união de Franz Ferdinand & Sparks.


ffs.jpg


Os escoceses Franz Ferdinand espantam o universo indie-rock desde 2004, adquirindo um estatuto que os eleva ao reconhecimento global. Com quatro discos lançados, fazem belíssimas canções ritmadas onde os riffs de guitarras se assumem como protagonistas.

Temas como “Take me Out”, "Do You Want To” ou “No You Girls” são referências do panorama rock do últimos anos sendo cantadas a bom som quando tocadas.

Os irmãos Sparks, que moram no lado de lá do oceano, são uma espécie de ícones que atravessaram o tempo imaculadamente, reinventando-se a cada década, oferecendo discos que tanto habitam o universo psicadélico, como a new wave ou a pop. Ron e Russell Mael são peculiares na estética, provocando e marcando a diferença há muitos anos. Ao que parece, e de acordo com os relatos conhecidos, as vozes de Alex Kapranos e Russel Mael casam-se na perfeição, mesmo que abrangendo timbres e jeitos distintos. O som, imagina-se combinando a pop com rock dançável dos Franz Ferdinand e as aventuras sintetizadas e muitas vezes operáticas dos Sparks.

Momento imperdível no Super Bock Super Rock com o concerto de apresentação do disco conjunto dos Franz Ferdinand com os Sparks.

Dia 18 de Julho, no Palco Super Bock.

 

 

 

 

Quarenta..... e os tais

O novo albúm a solo de "Carlão" (a.k.a. Pacman) chama-se Quarenta e estará disponivel em finais de Março.

 

O disco marca mais uma etapa na carreira de Carlos Nobre depois dos Da Weasel (Pacman), Algodão, 5-30 e agora "quase" em nome próprio.

Quarenta, que é a idade do cantor, e que já nos deu a conhecer o single "Os Tais", o primeiro avanço para este novo albúm.

carlão.jpg

A capa é de autoria de Alexandre Farto, a.k.a. VHILS!!!!. O disco será uma edição de autor com o apoio da FNAC.

Além de Branko, colaboram em Quarenta Fred e King Kong; Glue (dois temas), Holly-Hood (que fez também a mistura e remasterização do disco) e Agir. A cantora Sara Tavares dá voz a duas canções, sendo os outros vocalistas convidados Dino de Santiago, Regula e, "em quatro ou cinco temas", Bruno Ribeiro, que também participará nos concertos de promoção a Quarenta

 

Segundo o autor, foi na estrada com os 5-30, grupo que fundou com Regula e Fred Ferreira, que Carlão voltou a sentir saudades de rimar. Daí a engendrar um disco a solo, no qual regressa a essa linguagem hip-hop que explorou nos Da Weasel, passaram-se poucos meses.

 

A House in Iceland.... by Mahogany

Duarte Ferreira é um jovem músico de Lamego que acaba de editar o seu primeiro album em parceria com Gonçalo Brito e António Fontes sob o nome de Mahogany. 

"A House in iceland" é um disco experimental com influencias folk e psicadélicas e que resulta da procura de um verdadeiro som de "casa"

mahogany.jpg

Todas as faixas foram compostas e gravadas por Duarte Ferreira no seu quarto, à excepção da guitarra eléctrica, as teclas e coro, compostos e gravados por Gonçalo Brito e António Fontes no seu sótão e na sua sala, respectivamente.

A produção, mistura e masterização esteve a cargo de Duarte Ferreira, com a excepção das faixas de guitarra eléctrica por Gonçalo Brito.

O design gráfico foi realizado por Mafalda Luz.

Xibata & Yard Movement band.....

Xibata & Yard Movement band

O Músico do Porto apresenta já na próxima sexta-feira o seu EP "Compromisso" no Hard Club no Porto. A entrada inclui a oferta do disco.xibata.jpg

Xibata é um dos principais impulsionadores do movimento Reggae/Dancehall na cidade do Porto.

O inÌcio da sua actividade como DJ no ano 2000, foi o culminar de anos a ouvir o som contagiante do Roots Rock Reggae.
Com o passar do tempo, começou a organizar festas que desde logo tiveram grande aderência por parte do público. Isso levou a que se fixasse no espaço Contagiarte (Porto), onde criou a "Massive Reggae Session", noite semanal dedicada á música jamaicana e á cultura Sound System mais antiga de Portugal, onde teve a oportunidade de trabalhar com grande parte dos DJ's, Sound Systems e Bandas Reggae Nacionais.

 

Xibata & Yard Movement band

Hard Club - Porto

 

 

Sexta-feira 13 Março 2015 | 00.00h

 

"Segunda Mão"... Mão Morta por Stephan Mathieu

Os Mão Morta inventaram o seu próprio espaço no panorama da música portuguesa e são aquilo a que se chama uma instituição. 30 anos de carreira dão-lhes esse alcance e uma discografia recheada de momentos de ruptura, partindo do rock e da eletricidade para um estudo sobre a natureza humana, adoptando perspectivas filosóficas e políticas pouco exploradas no lado mais eléctrico da nossa música popular, mesmo o mais abrasivo, confere-lhes uma nobre singularidade. Estes artistas bracarenses souberam também encher esse dilatado espaço temporal com dezena e meia de obras originais, cortantes, densas e intensas, que entre o estúdio e o registo de palco lhes garantiram um lastro sério e monolítico.

MU_1048StephanMathieuLG.jpg

É esse acervo que Stephan Mathieu encara como ponto de partida para uma revisão que resultará de uma residência artística no GNRATION em Braga, e terá consequência direta num espetáculo a realizar no incrível Mosteiro de Tibães. O percurso artístico de Stephan Mathieu traduz uma procura contínua através da mais desafiante electrónica.

Este músico alemão colaborou com um verdadeiro quem é quem do universo mais experimental da música, de Akira Rabelais a Robert Hampson dos Main, de  Sylvain Chaveau a David Sylvian. Mathieu, entretanto, tem feito da abordagem a obras de outros compositores, ponto de partida para exercícios de pura exploração electrónica. Fez isso com gigantes da modernidade erudita como Alvin Lucier, Phil Niblock ou Charlemagne Palestine, mas também com exploradores das margens mais remotas da pop como Holger Czukay ou David Sylvian, dupla de quem reinterpretou o clássico Plight And PremonitionWandermude foi outro momento de interação com a obra de Sylvian, artista com que de resto tem colaborado frequentemente.

É com essa bagagem que Stephan Mathieu chega a Braga: uma bagagem de experimentação, de derrube de fronteiras entre linguagens, de construção de um novo discurso electrónico a partir de fontes digitais e analógicas. Desta vez, no entanto, é a obra eléctrica e negra dos Mão Morta que é alvo do mergulho de Mathieu e de uma reinterpretação que naturalmente se espera original, oferecendo uma diferente perspectiva para música que há três décadas nos assombra a imaginação. 

 

 

Fonte: GNRation

Panda Bear Meets The Grim Reaper....

É já amanhã que Panda Bear atua em Braga no GNRation num concerto de apresentação do seu novo disco "Panda Bear Meets The Grim Reaper".

pandabear.jpg

Panda Bear trabalhou em "Random Access Memories" (Daft Punk) por isso é como se, de repente, houvesse apenas um grau de separação entre o público que aceder à Blackbox do GNRATION e os Daft Punk.

Mas, pronto, Panda Bear é muito maior que “Doin’ It Right”. Prova? Panda Bear Meets The Grim Reaper, fantástico novo álbum que o homem dos Animal Collective se prepara para apresentar ao vivo em Braga, numa das raras datas que reservou para a Europa.

Oportunidade imperdível, portanto.

Com ou sem Daft Punk na biografia pessoal